Selecione o tipo de erro abaixo


Diverlite Campo de Treinamento


Lid (prestes a ser atingido, pensa): Oh, não há o que fazer, não irei vencer. (Suspirando) Não irei vencer. (Firmando a espada) Mas ainda posso empatar. (Mudando a postura, movendo sua espada para trás) Leve todas as minhas forças, Scalnart.

A espada de Lid emite um imenso brilho que cega Gleyd por instantes.

Gleyd (com seus olhos incapacitados): Mas o quê?

Ele fracassa em sua investida e acaba caindo e rolando no chão. Lid, por sua vez, não perde a chance e avança velozmente até Gleyd.

Gleyd (enervado): Truques baratos não irão me vencer. (Levantando e erguendo seu martelo ao alto e o descendo a uma velocidade insana) Vamos, querida!

O martelo de Gleyd brilha com um verde esplendoroso, fazendo todos olharem admirados com a bela cor.

Kray (admirado): Mas o que é aquilo?

Ouk (hipnotizado): Incrível.

Nylk (bocejando): Ahhhhhh, o quê? (Observando o brilho) maravilhoso.

O brilho foi tão bonito quanto forte, que demoraram alguns minutos até desvanecer e mostrar o resultado da batalha.

Na Taverna…

General Rodric (atirando sua taça contra a parede): Ahhhhrgh, não acredito que ele venceu! Ao que parece, a força bruta daquele é mesmo eficaz. Podia jurar que ele não era páreo para aquele encantamento.

Ráy (sério): E não era.

General Rodric (surpreso): Como assim não era?

Ráy (sério): Não vê?

General Rodric (sem entender): O quê?

Ráy (retirando sua luva e colocando a palma de sua mão nos olhos do general): Elirot unar, escutai minhas palavras e unifique as visões deste homem e mostrai-o a realidade.

A palma de Ráy emite um brilho azulado que é absorvido pelos olhos do general.

Ráy (colocando sua luva de volta): Consegue ver agora?

General Rodric (admirado): Hmm, agora eu entendo aquele martelo não é um comum parece vivo.

— Ráy (concordando): exactamente.


Abismo Prisão

O 247, junto da criatura, adentraram o vazio deixado pela porta, um grande corredor com um cheiro de fumo e cinzas em suas musgosas paredes acinzentadas.

Prisioneiro 247 (inalando o cheiro): Coff, coff, mas que cheiro é esse?

A criatura, logo atrás, retirou seu caderno e anotou algo.

Criatura (enquanto anota): Não reconhece esse cheiro?

Prisioneiro 247 (pisando em uma poça): Ahh, eu deveria. (Sacudindo o pé) De onde vem esta água?

Criatura (guardando o caderno): Não é água.

Prisioneiro 247 (confuso): Como assim? Se não é água, o que é?

Criatura (se aproximando e segurando no ombro do 247): Continue a andar e não tarda você descobrirá. (Retirando a mão e apontando à frente) Olhe, estamos chegando ao fim do corredor.

O 247 observou uma luz e continuou. Quanto mais ele se aproximava, mais aquela luz brilhava até que ele chegou ao fim daquele corredor e, ao recobrar a visão que fora limitada pela luz, ele se apavorou, quando a névoa no local se dissipou.

Revelou-se uma grandiosa árvore, sendo regada por uma mulher com o corpo queimado trajada de um vestido velho e rasgado.

Abaixo dela uma possa que estava inundada de sangue que escorria do regador que a mulher segurava. O sangue alimentava aquela assombrosa árvore, formando olhos e uma boca. Os olhos da árvore penetravam os do 247, e sua boca dava gargalhadas que atormentavam seus ouvidos.

6de9d384-59c3-426e-b638-77767ca5de18

Diante de tudo isso, o 247 paralisava, horrorizado, deixando cair suas vazias e acinzentadas lágrimas, enquanto a criatura atrás anotava em seu caderno.


Greensgard — Em algum lugar por aí

Um vilarejo ardia em chamas e erguia uma imensa fumaça que se espalhava, portando consigo os gritos de dor das pessoas. O choro de bebês e crianças, o lamento das mães e a preocupação dos pais, junto ao silêncio dos avós.

f60782de-6a3b-4ab0-9ae2-653cc6389a74

???#2 (com um balde em mãos): Incendiamos a vila, e agora?

???#1 (bebendo vinho de sua taça): Observem, observem a fumaça e sua melodia, respirem-na.

???#3 (cochichando): Será que o senhor Brykai está bem da cabeça? Desde quando a fumaça canta?

Brykai (após um gole de vinho): Nunca estive melhor, Skurd. O grito de terror deles é uma melodia tão bela que aconchega meus ouvidos.

Alguém vem correndo.

???#4 (ofegante): Cof, cof, argh, sabia que não devia ter corrido.

Brykai (com um leve sorriso): Por que tanta pressa, Lurdar? O que houve?

Lurdar (tossindo com dor nos pulmões): Cof, cof, o fogo está se apagando, sumindo ou sei lá, começou em uma árvore estranha que não cai dentro da vila.

Brykai (guardando sua taça): Está a começar. (Com voz grossa e alegre) Muito bem, avisem os outros. Joguem, queimem tudo que for inflamável. Mesmo onde houver fogo, não parem. Façam fumaça. A fumaça vai atrair mais caos e confusão, é isso que precisamos para garantir nosso sucesso.

Os homens de Brykai começaram a correr em todas as direções, recolhendo materiais inflamáveis e alimentando as chamas. A fumaça subia mais densa, quase bloqueando o céu.

Skurd (observando a crescente destruição): Acha mesmo que isso vai funcionar, Brykai?

Brykai (sorrindo com a voz em um tom sombrio e grosso): Confie em mim, Skurd. A fumaça é mais do que apenas um subproduto do fogo. Ela tem um propósito maior, algo que apenas aqueles que entendem a verdadeira essência do medo e do caos podem compreender. Estamos criando uma sinfonia de terror, e cada nota é uma alma que se rende ao nosso poder.


Picture of Olá, eu sou o Yúki!

Olá, eu sou o Yúki!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥