Capítulo 01 – Josh Malum

Ascenção sem Classe

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

 Josh Malum


Tradutor: Ruby | Revisor: Ruby

Em um oceano de corpos estava um homem …

Suas botas estavam cavando na lama ensanguentada que manchava todo o chão. As vítimas foram cortadas em milhões de pedaços espalhados por toda parte.

Ele estava usando um equipamento de aparência transcendente. Ele brilhou com uma luz púrpura escura que lhe deu uma aura insondável. Não apenas brilhou no escuro, mas também revelou que ele era o personagem principal.

Ele estava, de fato, totalmente equipado com artefatos de nível S !!! que teriam deixado qualquer ser no multiverso com inveja. Não só deu a ele incríveis aumentos de estatísticas, mas também veio com habilidades únicas.

Qualquer artefato dele valia mais do que a riqueza dos mundos superiores combinados, sim, mesmo os dos gananciosos Dragões ou dos orgulhosos Celestiais.

Ele havia matado tanto que o próprio ar se encheu de uma névoa de sangue. O odor fétido de ferro estava sempre presente, pesado. Um que estava tentando permear todo o seu ser.

Claro, ele resistiu a ser contaminado com uma fina camada de mana. Não por causa da moda, mas simplesmente porque era conveniente.

O cheiro fétido da morte estava em toda parte. Era algo a que ele estava acostumado, e até dava boas-vindas. Ele havia matado tanto durante sua ascensão da Torre Dimensional. Chegar ao topo era o seu objetivo e ele estava muito perto naquele momento.

À distância, ele podia ver incontáveis ​​Arqui-Demônios. Se alguém perguntasse o que era um Arqui-Demônio, esta seria a resposta esperada:

– Seres giratórios de quase infinito poder.

– Nascido do pecado, da violência e do mana maligno.

-Capaz de aniquilar mundos inteiros por conta própria.

-Perto de imortal. Para matar um é necessário destruir todos os 12 de seus corações de uma vez. Quebrar um único coração era quase impossível com sua vitalidade quase infinita.

Bem, ele tinha uma opinião diferente. Ele simplesmente os considerou criaturas.

Esses Arqui-Demônios eram os senhores supremos deste Andar, o último da Torre Dimensional. Um que se acreditava impossível de limpar.

Eles eram os lacaios do mal supremo que controlava a Torre Dimensional, contra ao qual ele estava prestes a lutar.

Ele havia deixado uma profunda impressão sobre eles. Todos estavam tremendo de medo só de olhar para ele. Eles o apelidaram de louco, pois ele massacrava tudo sem remorso.

Ele tinha de fato massacrado sua própria espécie. De forma sistemática, sem incomodar muito. Quase havia cometido suícido, pois era o único humano que restava. Ele havia massacrado amigos e inimigos, reduzindo-os a partículas de sangue em um mero instante.

Ele matou todos os veteranos que sobreviveram milagrosamente até aqui, até mesmo os irmãos que o acompanharam desde o início. Na verdade, todos eles se sacrificaram, pois sabiam que ele era a última esperança da humanidade. Bem, não que eles tivessem força para resistir a ele em primeiro lugar. Pelo menos eles morreram com um sorriso.

Ele não se importou, pois isso não importaria. Nada disso faria. Ele destruiria o mundo de bom grado se isso significasse cumprir seu objetivo. Ele fez tudo por eles. Não, ele fez isso por si mesmo. Era ele quem os queria de volta.

Engraçado como os humanos eram uma das raças mais fracas. Uma que foi apresentado à Torre por capricho no último minuto. Eles deveriam ser nada mais do que bucha de canhão.

No entanto, lá estava ele.

Ele tinha a aparência de um, com certeza. Mas ele ainda era humano? Incontáveis ​​linhagens antigas não contavam, certo?

Qualquer um dos Arqui-Demônios teria respondido que ele era um verdadeiro monstro. Qualquer um deles, mesmo os fracos de nível 500, eram capazes de matar qualquer humano com um estalar de dedos.

Mas não essa aberração! Impossível!

Os demônios sabiam claramente que deixariam de existir caso o confrontassem. Que morreriam de corpo e alma. Que eles desapareceriam para sempre.

Foi quando ele zombou levemente “Uma pena que não consigo mais ganhar XP eh …”

Essa foi a última coisa que centenas de milhares de Arqui-Demônios ouviram antes de morrerem. Todos eles. Mortos por ataques de espada tão rápidos que eles  não perceberam sua própria morte.

Ele então voltou sua atenção para as enormes portas pretas ao seu lado. Estas foram gravados com complexos padrões de mana brilhantes vermelhos. Ele podia ler palavras escritas em um idioma antigo:

<Aqui está Deus.>

Também apareceu um prompt do sistema.

#sistema-escuro#

Pronto para enfrentar um Deus? Doom incluído! ^ _ ^ v!

#escuro-fim#

“Hehe, tenho pena. Estarei enfrentando um deus, mas estarei enfrentando Josh Malum!” ele riu.

Josh empurrou as portas duplas com confiança, portas grandes o suficiente para abranger toda a terra de onde ele viera. No entanto, ele fez esse ato com a mesma facilidade com que alguém empurra uma porta normal.

Desde que veio a este mundo, Josh estava se preparando para este momento. Logo, tudo estaria acabado. Ele finalmente os veria novamente.

Josh sabia que não importava o resultado, a dor cessaria. Tanto a velha dor quanto a nova.

O vazio em seu coração seria preenchido, ou ele próprio voltaria ao vazio.

Assim, Josh se adiantou, totalmente preparado para cometer deicídio.

#28#

Os guardas trêmulos o levaram para a cela, deixando-o entrar enquanto o observava com cautela. Eles estavam preocupados com a suas vidas, mesmo com a camisa de força branca que ele usava.

Os guardas sabiam o que ele havia feito. Eles tinham ouvido falar sobre isso no noticiário. Ele havia matado todos da Tríade do Dragão, todos os 50 de seus membros principais. Aqueles que dominaram completamente o submundo.

Matar 50 pessoas era revoltante por si só, mas a maneira como o homem tinha feito era ainda mais. Ele empalou todos eles.

Ele conseguiu prolongar seu sofrimento. Para alguns, eram três dias, mas para os azarados, uma semana. O tempo todo torturando-os.

Depois de terminar com esse ato repugnante, ele chamou a polícia para se entregar. Quando eles chegaram, foram confrontados com uma cena saída diretamente de um pesadelo.

No entanto, lá estava ele sentado despreocupadamente, lendo um romance na web em seu celular e de vez em quando abrindo um jogo ocioso também.

Quando a polícia apontou as armas para ele, ele não piscou. Ele também não o fez quando foi condenado à prisão perpétua com um mínimo de 75 anos. Isso acabou com suda vida de homem livre.

Quando os repórteres lhe perguntaram por que ele havia feito isso, ele simplesmente respondeu que não tinha mais nada a perder. Que a Tríade do Dragão já havia levado tudo. Que ele estava simplesmente limpando o lixo.

Os repórteres continuaram pedindo detalhes, mas não foram informados. Por causa disso, o mundo enlouqueceu com a história. Alguns o chamaram de louco. Alguns o chamaram de herói.

Não importa o que o mundo pensasse, isso não mudou seu destino, nem ele se importou.

Assim, o homem foi levado para uma cela úmida de prisão. Era um quarto escuro com uma cama de dois beliches e um banheiro. Ambos os itens eram cinza metálico e aparafusados ​​solidamente ao chão. Não havia mais nada.

Lá dentro estava um ladrão, que tinha muita experiência em prisões. Assim que o homem veio, o ladrão tentou afirmar domínio sobre o recém-chegado.

“Olá, novato. De agora em diante, eu sou o chefão! Qualquer coisa que você fizer, você precisa pedir minha permissão com antecedência. Pode ser comer, dormir ou mesmo cagar. Entendido ?!”

Ao que o homem nem se incomodou em responder.

Assim, o ladrão continuou. “Ei, filho da puta! Você pode me ouvir ?! Estou falando com você! Não me importa qual seja o seu nome, de agora em diante você será chamado de filho da puta e nada mais!”

O homem respondeu lentamente: “Meu nome é Josh Malum” enquanto se abaixava na cama de baixo.

No início, o preso estava prestes a gritar com ele por ficar com sua cama, mas então ele percebeu. O nome parecia familiar; ele já tinha ouvido isso antes. Todo mundo tinha de fato.

Josh estava em todos os lugares no noticiário.

A cor deixou o rosto do ladrão enquanto ele inconscientemente recuava em direção à parede da cela. Foi então que ele entendeu por que o recém-chegado ainda estava amarrado até aqui, um fato que ele havia desconsiderado antes.

O ladrão não conseguia acreditar o quão azarado ele era, pois aquele louco teve que ficar em SUA cela! No entanto, tudo o que Josh fez foi olhar para a parede. Ele o fez completamente desprotegido, completamente indefeso.

Mesmo assim, o colega de cela de Josh estava apavorado. Tanto que ele tinha dificuldade para respirar. Ele não pôde deixar de perguntar em um tom estridente “V-você não vai me matar, certo ?!”

Ao que Josh respondeu. “Não. Eu só trago retribuição. Nada mais. Eu mato com um propósito.”

O ladrão caiu ajoelhado no chão “M-muito obrigado!”

“De nada, eu acho. Quanto tempo você ainda tem?” Josh perguntou.

“N-isso. Dois anos!”

“Então vamos nos dar bem nos próximos dois anos, vamos?”

Então Josh simplesmente ficou lá pensando. Pensar em como valeu a pena passar uma eternidade na prisão. Pelo menos suas almas descansariam em paz sabendo que haviam sido vingados.

Os 2 anos anteriores foram realmente agitados para Josh. Houve todo o treinamento, as dificuldades e a preparação que levaram a um plano que qualquer outra pessoa consideraria insano.

Bem, o próprio Josh percebeu que na verdade era uma loucura. Quais eram as chances de um assalariado normal sem dinheiro derrubar um sindicato do crime sozinho?

No entanto, Josh conseguiu. Ele teve sucesso exatamente porque ninguém acreditava que ele pudesse ter feito isso.

O que aconteceu depois que Josh atingiu seu objetivo? Ele nunca pensou tão longe. Ele simplesmente continuou, alimentado pela raiva e pela tristeza.

Agora Josh realmente se sentia vazio. Essa vingança não lhe trouxe alegria alguma.

Mas ele realmente acreditava que isso tornará o mundo um pouquinho menos escuro. Claro, logo haveria outro mal para substituir o antigo. Esse era um aspecto eterno da própria vida. Ainda assim, ele fez sua parte.

Ele então simplesmente fechou os olhos e descansou, pela primeira vez em dois anos, desejando um sonho lúcido. Ele queria ver uma miragem de ambos vivos, mesmo que apenas por um momento.

Josh dormiu profundamente.

Em algum momento, um guarda veio para a chamada, um evento extremamente barulhento.

Mesmo assim, Josh continuou dormindo.

O guarda rapidamente percebeu que um dos prisioneiros estava desaparecido e com raiva dirigiu-se para a cela. Mas quando ele viu quem era, ele se acalmou instantaneamente. Ele até agiu como se não tivesse visto nada.

O guarda sussurrou um suave “Deixe-me ser magnânimo, já que é o primeiro dia dele.” antes de sair apressado. Na verdade, isso só serviu para proteger seu ego machucado.

O dia continuou avançando como de costume, mas Josh simplesmente dormiu.

Mais tarde, o próprio diretor veio observar a situação. Ele não se atreveu a incomodar Josh também.

Rapidamente, toda a prisão ficou sabendo da chegada de Josh.

Alguns começaram a apostar em quanto tempo o ladrão sobreviveria.

Alguns decidiram decididamente não mexer com ele, caso ele se tornasse amigo de Josh.

Assim, o dia terminou, sem intercorrências, mas significativo.

A prisão inteira esperava o futuro com a respiração suspensa. Eles estavam esperando o próximo movimento de Josh.

Um boato começou até que o diretor havia instruído seus guardas a nunca mexer com Josh. Tudo começou porque era de fato verdade.

Os outros presidiários decidiram naquele momento que preferiam mexer com o próprio Deus do que com Josh Malum.

Um homem que não tinha feito nada desde sua chegada, exceto dormir, de alguma forma aterrorizou até a submissão alguns dos criminosos mais duros do país. Afinal, esta era uma prisão de segurança máxima.

No dia seguinte, Josh Malum escapou.

Ele fez isso sem nem mesmo tentar.

Ele fez isso enquanto dormia.

#

#

#

#

#

#

Naquele dia, a humanidade transmigrou para a Torre Dimensional.

Tradutor:

Ruby

Ruby

Rolar para o topo