Capítulo 2 Parte 2 – Paraíso

A Tênue Linha

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Quando recobrei a consciência notei que estava deitada em uma cama, dentro de um quarto do templo, por algum motivo desconhecido eu não estava pelada e nem mesmo suja de lama. Minha cabeça estava doendo muito e algumas partes do meu corpo como pescoço, braços e tórax estavam com uma forte dormência, ao observar essas partes era possível ver algumas marcas roxas, provas de tudo que havia acontecido. Mesmo que meu corpo estivesse completamente acabado, eu apenas conseguia pensar no senhor Yu. Então, tentei fervorosamente levantar da cama para ir procurá-lo. 

“Eu não faria isso se fosse você” Uma voz feminina ecoou pelo quarto. Nesse momento me assustei e olhei para trás o mais rápido que pude. Notei que havia uma monja no chão, igual ao Yu, ela também era careca e vestia um tipo de manto laranja. Entretanto, a monja estava praticando uma meditação um tanto quanto estranha chamada zazen, enquanto segurava um japalama, e murmurava alguns mantras com os olhos fechados. Por algum motivo senti como se ela não pretendesse me dar atenção.

“Quem é você?” Perguntei enquanto a encarava com curiosidade.

“Antes de perguntar o nome das pessoas, não seria mais educado você mesma se apresentar primeiro?” A monja falou em tom de repreensão.

Nesse momento eu me ajoelhei na cama e apoiei minhas nádegas nos calcanhares, esperei um pouco para que minha respiração voltasse ao normal, para só então começar a falar “Me chamo Li Wang, filha de Li-Wei Wang. É um prazer conhecê-la.”

“Eu sou Chen-Xi Xingjiao, estou atuando como atual tutora de filosofia e lógica budista do senhor Yu Xingjiao Qing.” Chen-Xi falou calmamente

 

O fato de ter acordado em uma cama me deixou extremamente confusa, eu queria respostas, mas a moça que estava sentada na minha frente apenas estava focada em sua meditação.

“Eu posso lhe fazer algumas perguntas?” Perguntei receosa que ela negaria.

“Faça quantas quiser, eu as responderei.” A calmaria e delicadeza que ela falava rapidamente tornou o local relaxante.

“Por que estou aqui, neste quarto?”

“Até onde obtive conhecimento do ocorrido, você desmaiou logo após ver uma pá cravada no braço do senhor Yu.”

 

Eu até consigo entender que ela fale de maneira tão calma e delicada, mas como ela consegue falar isso de uma forma tão relaxada?!

“SENHOR YU- O que aconteceu com ele?!” Falei de forma extremamente histérica.

“Calma. Você não precisa se preocupar. Depois que sua mãe, Li-Wei, cravou a pá no braço do senhor Yu, ela entrou em pânico e preparou os primeiros socorros naquele momento.”

“O que aconteceu depois?” Perguntei completamente curiosa para saber o que havia acontecido com o senhor Yu.

“Depois de receber os primeiros socorros, o senhor Yu notou que você estava inconsciente e te trouxe aqui, para dentro do templo. Ele me pediu para te limpar e tratar de suas feridas.”

“Onde ele está agora?! O braço dele está bem?!”

“Calma criança, uma pergunta por vez.” A senhorita Chen-Xi respirou fundo como se estivesse sem paciência. “Aparentemente o braço do senhor Yu está quebrado, mas não é nada demais. O que está me preocupando é que depois que o senhor Yu te deixou aqui, ele estava tomado por um sentimento que nenhum monge sequer deveria pensar em ter, ele estava completamente tomado pelo ódio.”

“Ele odeia minha mãe?”

“Não pequenina, ele odeia seu pai.”

“O senhor Nie Qing?!” Perguntei espantada, como se tentasse recusar o que havia acabado de ouvir

“O senhor Yu me disse que ao entrar no estábulo apenas conseguiu ver pessoas morrendo de fome, alguns delirando e outros muito perto da morte.” Nesse momento as mãos da senhorita Chen-Xi começaram a tremer.

“Mas ele não pode ir falar com o senhor Nie por algo tão bobo, e se algo acontecer a ele?!”

“Senhorita Li, mesmo que você ainda seja muito nova, peço que entenda seu lugar, você não pode dizer o que o senhor Yu pode ou não fazer, entendeu?” Por algum motivo a voz que antes era calma se tornou um pouco mais séria, como se ela realmente estivesse irritada, mas ainda assim era difícil dizer se ela realmente estava zangada.

“Oh! Me desculpe, eu não quis…” Falei enquanto abaixava a cabeça.

“Tudo bem, apenas peço que tome mais cuidado com o que você dirá. Enfim, Devido a casta que o senhor Yu nasceu, nem mesmo o senhor Nie pode fazer algo contra ele, mas se o Senhor Yu deixar que suas emoções tomem conta de suas ações ele pode até mesmo ser expulso da família principal.”

“Não!! Eu não posso deixar isso acontecer. Senhorita Chen-Xi, tem algo que eu posso fazer para ajudá-lo?” 

“Ajudar, quem?” Uma voz masculina bastante rouca tomou conta do quarto e o silenciou, notei que a voz havia vindo de trás de mim, mas eu estava com muito medo que ela poderia pertencer ao senhor Nie. Então, me neguei a virar-me para ver quem era.

 

Por um momento achei que meu coração iria parar e apenas consegui continuar olhando para o rosto da senhorita Chen-Xi. Então, pela primeira vez durante toda nossa conversa consegui ver os olhos dela se abrindo e logo em seguida um sorriso se formando em seu rosto.

“Meu senhor!” Chen-Xi falou enquanto esboçava um longo e lindo sorriso.

“Voltei.” Neste momento olhei para trás e pude notar que aquela voz rouca era do senhor Yu.

Ele estava com o braço enfaixado e por algum motivo seu rosto estava aparentemente cansado, mas ainda assim ele continuava sorrindo.

“Senhor Yu, o que aconteceu?! Por que está tão cansado?” Neste momento, Yu se aproximou e deitou-se na cama quase que se jogando, como se já não se aguentasse em pé.

“Estou exausto!” Ele falou enquanto se abraçava com o lençol que estava na cama. “Não consegui dormir nada durante toda a noite”

“O senhor teve algum progresso com o senhor Nie, Yu?” Chen-Xi perguntou enquanto se levantava.

“Mais ou menos. Ele é um homem complicado, mas eu posso prometer que a família Huang e Wang não passaram mais fome, a partir de hoje todos eles irão comer comida de verdade, e não apenas restos.” O senhor Yu falou enquanto levantava a mão e fazia um sinal de “V” com os dedos.

Neste momento eu não consegui acreditar naquela notícia, ela parecia impossível de ser verdade, minhas lágrimas começaram a cair uma a uma, de tanta felicidade que estava sentindo.

O senhor Yu deu uma gargalhada diferente de todas as outras, era como se estivesse orgulhoso “Li, você não precisa chorar, se depender de mim esse vai ser o primeiro de muitos direitos que conseguirei para os Huang e Wang. Apenas peço que confie em mim.” Neste momento a senhorita Chen-Xi também se sentou na cama, e logo após isso começou a alisar a cabeça do senhor Yu, como se estivesse orgulhosa dele.

 

“Eu… Eu nem sei como agradecer…” Falei enquanto tentava conter minhas lágrimas.

“A partir de hoje você vai ser minha serva pessoal.” O senhor Yu falou

“Certo, eu farei tudo que o senhor mandar. Darei minha vida para protegê-lo se necessário.”

Yu deu uma longa risada como se acabasse de ouvir uma piada. “Certo, mas eu não quero que você perca sua vida por alguém como eu, pequenina.”

As palavras dele me deixaram um pouco irritada, mas ao ver o sorriso dele, apenas consegui me sentir feliz.

“Enfim, Li, temos algo importante para debatermos.”

“Claro, o que o senhor quer de mim?”

“Bem, durante a conversa que tive com nosso pai, foi me dito para punir ou não a senhorita Li-Wei da forma que eu desejasse. Então, irei perguntar a você, o que devo fazer com ela? Expulsá-la do templo, onde ela certamente irá passar fome e talvez se prostituir para sobreviver ou perdoá-la e deixá-la continuar vivendo aqui no templo Xingjiao?”

“Prostituir?!” Perguntei-me pois não sabia o significado para essa expressão “Senhor Yu, por favor, perdoe minha mãe. Eu não sei ao certo o motivo para ela ter reagido dessa forma, mas eu não quero que ela sofra ainda mais, então por favor poderia me conceder esse desejo egoísta?” Falei enquanto me curvava.

 “Lá vai você se curvando de novo” Yu começou a rir “Sabe, era essa a resposta que eu estava esperando de você.”

“Hum?! Então o senhor vai mesmo perdoar minha mãe?!” Perguntei enquanto levantava minha cabeça.

“Sim, claro que vou. Foi isso que você me pediu, certo?!”

Novamente minhas lágrimas estavam caindo sobre a cama. Eu não conseguia acreditar que havia encontrado alguém tão bom assim, ele é quase como se fosse um anjo na terra. A única diferença é que o senhor Yu é ainda mais bondoso que qualquer anjo.

“Isso vai ser divertido!” Chen-Xi exclamou enquanto cobria a boca para que eu não a visse rindo.

“Por que diz isso?” Yu perguntou

“Porque você está sempre rindo, e sua irmã está sempre chorando. Me pergunto quem irá ficar parecido com o outro primeiro.”

Yu gargalhou e logo em seguida acenou, como se estivesse concordando “Sim, isso realmente vai ser algo divertido.”

 

Alguns dias depois comecei a trabalhar pessoalmente para o senhor Yu, ele me contou várias coisas, dentre elas, me foi dito como o templo Xingjiao se mantinha, era um esquema bem simples. Antigamente existia uma caravana com inúmeros mercadores, viajantes e peregrinos, eles viajavam em determinados locais da Ásia e Europa e o templo Xingjiao era um desses pontos de descanso dessas pessoas, a principal intenção deles era ligar múltiplas civilizações e facilitar o intercâmbio de atividades no comércio, religião, ciência, inovações tecnológicas, práticas culturais e artísticas. Atualmente essa caravana não existe mais, entretanto alguns mercadores ainda usam um determinado espaço ao redor do templo, para o comércio, no início os comerciantes ofereceram dinheiro ao Nie com intenção de continuar usando o local ao redor do templo, mas como ele era responsável pelo templo Xingjiao e pela visão que os moradores deveriam ter sobre os monges, ele não pôde aceitar, invés disso, Nie Qing e os comerciantes fizeram alguns acordos, um em especial diz que os comerciantes deveriam pagar o aluguel do local com alimentos, dessa forma não iria contra os princípios budistas que ele deveria seguir.

 

Um mês havia se passado desde que comecei a servir ao senhor Yu, durante esse tempo eu não vi Li-Wei nenhuma vez, algumas vezes o senhor Yu diz que ela se arrepende muito de ter feito aquilo, ele a defende dizendo que ela só fez aquilo devido à fome, que tudo não passava de um delírio. Honestamente eu gostaria de vê-la novamente, mas não tenho coragem para isso, não! Não era isso. Talvez eu apenas não tivesse coragem de perder a pouca felicidade que havia conquistado ao lado do senhor Yu e da senhorita Chen-Xi.

Autor:

King

Rolar para o topo