Selecione o tipo de erro abaixo


『 Tradutor: Otakinho 』

As Bruxas das Trevas normalmente não se incomodariam em participar de tal reunião, dada a sua arrogância habitual.

No entanto, considerando que ainda precisavam emprestado o poder do navio voador para sua futura aventura em território inimigo, não tiveram escolha senão se abaixarem pacientemente e participarem da reunião. Além disso, houve um tema que as atraiu muito durante esta conferência. Era um assunto pelo qual mal podiam esperar.

Essa era a divisão do saque!

Após duas batalhas consecutivas, mataram e capturaram inúmeros elfos. Agora que haviam se mudado para um local relativamente seguro, era hora de deixar clara a propriedade dos despojos.

Uma Bruxa das Trevas acompanhou Snowlotus para coletar uma contagem adequada de todos os prisioneiros. Eles realizaram um registro abrangente e detalhado dos elfos com base em sua posição, sexo, classe, idade e aparência.

Essa longa lista chegou rapidamente às mãos de Greem, Alice e Uzzah.

Lembrar números simples como esses, não era problema para adeptos com seu Espírito sobrenatural. A lista foi rapidamente lida por todos os presentes, e a discussão imediatamente mudou para a divisão do saque.

Conforme o acordo prévio, as Bruxas das Trevas deveriam levar a maioria dos elfos prisioneiros. Elas também tinham prioridade na escolha. Greem convidou educadamente a Bruxa Uzzah a escolher primeiro.

A humildade de Greem lisonjeou Uzzah. Um raro pequeno sorriso apareceu em seu rosto feio e sinistro.

Desta vez havia muitos prisioneiros e a qualidade dos “produtos” era extraordinariamente alta.

Isso era natural. Seja o acampamento Jintha’Alor ou o exército da Deusa do Luar que veio depois, a proporção de classes de combate era muito maior do que uma aldeia comum. Foi por isso que cento e sessenta e dois desses quatrocentos e vinte e sete prisioneiros élficos eram combatentes de Primeiro Grau. Havia até doze lutadores de Segundo Grau entre eles.

Claro, havia também um cadáver meio queimado de uma mensageira de Terceiro Grau e sua alma completa.

As Bruxas das Trevas eram de fato representantes de bruxas sinistras e más. Elas rapidamente pressionaram um diamante de alma de alta qualidade na testa da mensageira Xenia logo depois que morreu horrivelmente devido aos raios de Arms.

Sob a atração do diamante de alma, a alma de Xenia, que deveria retornar ao reino sagrado da Deusa do Luar através dos canais da fé, foi aprisionada.

As Bruxas das Trevas podiam ser habilidosas em magia negra, mas não eram tão versadas nas artes de processar almas e modificar corpos como as Bruxas da Morte.

Se o cadáver e a alma quebrados de Xenia caíssem nas mãos das Bruxas da Morte, elas seriam, no mínimo, capazes de criar uma Banshee de nível de poder básico de Terceiro Grau. Se tivessem um pouco mais de sorte, um Lich intermediário de Terceiro Grau também seria ótimo. Considerando a antiga identidade de Xenia como mensageira divina, um lich avançado do Terceiro Grau não era impossível, embora um tanto improvável.

Se a alma de Xenia fosse vendida às Bruxas Pálidas, elas seriam capazes de apagar a memória de sua alma e assimilá-la em um espírito acompanhante.

Uma alma de terceiro grau de alta qualidade seria definitivamente vendida por muito!

Este plano não era o Mundo dos Adeptos, onde o comércio de almas era proibido. Aquelas Bruxas Pálidas do Terceiro Grau enlouqueceriam certamente com uma alma de tão alta qualidade se conseguissem colocar as mãos nela aqui.

No entanto, a alma de Xenia também não seria desperdiçada nas mãos de Uzzah. Seria fácil para Uzzah transformá-la em uma Sombra Assassina de Terceiro Grau. Golems de sombras como esses, que não tinham senso de identidade e apenas ouviam ordens, eram os melhores ajudantes das Bruxas das Trevas de alto nível.

Uzzah escolheu todos os elfos comuns, incluindo os idosos e os jovens.

Ela não teve escolha. Os elfos com classes de combate eram definitivamente os que valiam mais. No entanto, a ordem que Uzzah recebeu ao se aventurar nesta missão foi trazer de volta uma tribo que pudesse continuar prosperando. Para que assim fosse, eram necessários idosos e jovens!

Uma tribo composta apenas por elfos jovens e adultos não poderia ser chamada de tribo.

Após pegar todos os elfos comuns, Uzzah pegou um terço dos elfos de Primeiro Grau e três dos elfos de Segundo Grau.

Não era como se ela não quisesse escolher mais elfos, mas os subordinados daquele adepto masculino capturaram a maioria desses lutadores durante a batalha. Dada a situação, não poderiam mais ser classificados como saque compartilhado para Uzzah tomar. Em vez disso, eram despojos privados pertencentes à facção do adepto.

O número de Bruxas das Trevas ainda estava um pouco abaixo. Além disso, o conflito caótico fez com que fossem reprimidas pelos elfos e incapazes de liberar toda a sua força. Foi por isso que os despojos privados das Bruxas das Trevas eram muito menores do que os da facção do adepto.

Até mesmo o cadáver quebrado e a alma desta mensageira de Terceiro Grau pertenciam ao adepto.

Afinal, quem mais contribuiu na batalha foi o Dragão do Trovão do Terceiro Grau, que em essência era uma criatura contratada convocada por aquele adepto masculino. Além disso, o adepto masculino pagou o preço de três frascos de água da lua para capturar esse deus mensageiro, ao mesmo tempo que sofreu tremendos danos ao seu navio voador ao longo do caminho.

Foi por isso que a Bruxa das Trevas de Terceiro Grau Uzzah não tinha mais prioridade que o adepto conhecido como Greem quando se tratava de seus direitos sobre os restos mortais e a alma da mensageira, embora ela também tivesse contribuído bastante.

Ninguém jamais diria não a um saque de alta qualidade tão atraente quanto este e, certamente, ninguém estaria disposto a se desfazer dele.

Foi por isso que Greem colocou em êxtase o cadáver de Xenia no armazém sob os olhos cheios de desejo da Bruxa Uzzah e colocou o diamante da alma em sua bolsa.

É claro que as contribuições de Uzzah na luta final não poderiam ser negadas. Assim, Greem deu a ela dois prisioneiros de Segundo Grau como compensação.

Após dividir os prisioneiros, as únicas coisas que sobraram foram os recursos e materiais obtidos nos armazéns de Jintha’Alor.

Todas essas coisas pertenciam às Bruxas do Destino, conforme combinado antes da batalha. Isso significava que também eram os despojos do Clã Carmesim.

Depois de dividir o saque, os elfos prisioneiros foram escoltados para fora do navio voador e enviados para as celas subterrâneas escuras e úmidas. Considerando o ambiente verdadeiramente horrível e os corpos frágeis dos elfos, muitas perdas trágicas fora do combate aconteceriam se não fossem transportados o mais rápido possível.

Assim, as Bruxas das Trevas e as forças de Greem permaneceram na ilha isolada e esperaram silenciosamente que o navio voador fosse reparado!

…………

Continente Garan, Costa Oeste.

Aldeia Rut’theran.

Havia uma pequena aldeia de elfos escondida em um vale tranquilo.

Não havia mais do que duas ou três dúzias de casas na árvore em toda a aldeia, espalhadas por três enormes árvores antigas que perfuravam as nuvens. Passagens entrelaçadas de várias alturas foram construídas entre as casas nas árvores com a magia da natureza, combinada com pontes de videiras tecidas de vinhas e pontes de árvores feitas de galhos grossos e planos.

Todo o material de construção aqui vinha da natureza e da Grande Floresta. Não importava se eram as plataformas construídas sobre os galhos da árvore antiga, as escadas enroladas nos troncos ou mesmo os materiais usados ​​nas pontes de videira. Tudo era fornecido pelas plantas verdes daqui.

A luz solar brilhante e alegre não conseguia passar pelo denso céu verde acima de suas cabeças, mas os fragmentos de luz solar projetavam a vegetação para todos os cantos deste vale pacífico.

A iluminação aqui não era ótima. Alguém poderia até chamar de escuro.

No entanto, o cenário fantástico e as pontes de videiras que balançavam ao vento eram bastante lindas e incríveis de se ver!

Os elfos não eram uma raça particularmente trabalhadora.

Sua longevidade, ambiente de vida casual e descontraído e suas personalidades pacíficas e amantes da arte foram fatores que fizeram com que os elfos fossem extremamente tranquilos e preguiçosos!

Havia apenas cerca de sessenta elfos na Aldeia Rut’theran. Quase oitenta por cento desses elfos eram pessoas comuns que não escolheram classes de combate. Eles decidiram se tornar floristas, artistas ou organistas; suas atividades eram variadas e, portanto, suas escolhas eram muito diferentes. Ainda assim, todos os seus trabalhos não diferiam da sua essência como elfos – um grande amor pela natureza e paixão pela vida.

Todos os elfos de Rut’theran saíam de suas casas na árvore à noite e se reuniam na maior plataforma atrás do salão da aldeia.

Era um local que a aldeia criou especialmente para proporcionar aos elfos um local para praticar tiro com arco.

Se dissesse que o reino impôs quaisquer exigências aos seus cidadãos, então seria a prática do tiro com arco!

Todas as aleias, vilas e cidades tinham que construir um campo de tiro com arco público para os elfos da área praticarem. Cada cidadão do reino também era obrigado a gastar no mínimo uma hora por dia para praticar suas habilidades com arco e flecha.

Para melhor orientar esses elfos comuns que viviam em paz e conforto, e para garantir que não abandonassem a proficiência racial dos elfos da floresta, instrutores de tiro com arco e dançarinos de guerra eram alocados em todos os assentamentos dos elfos. Eles deveriam fornecer aos elfos o treinamento adequado.

Elfos que tivessem um bom desempenho desde tenra idade seriam selecionados e enviados para campos de treinamento próximos.

Lá seriam capazes de lutar com jovens talentosos de dezenas de aldeias próximas, treinar com eles e crescer para se tornarem guerreiros ou arqueiros qualificados. Aqueles que possuem talentos para lançar feitiços foram enviados para lugares ainda mais distantes para receber treinamento mais sistemático de druidas mais velhos e elfos conjuradores.

Se dizia que as montanhas centrais do reino dos elfos eram uma enorme árvore antiga com galhos sinuosos, então um lugar pequeno como a Aldeia Rut’theran era como uma ramificação insignificante de um galho estendido desta árvore.

Era a existência de muitos dessas ramificações que permitiu que a areia se acumulasse em uma torre e uma gota se acumulasse em um oceano, formando o enorme reino dos elfos. Era grande o suficiente para governar Garan inteira!

A noite era o período que a aldeia Rut’theran usava para praticar tiro com arco.

Além de alguns elfos que estavam cumprindo tarefas, todos os elfos da aldeia estabeleceram as tarefas em mãos. Eles deixaram os canteiros de flores que estavam cuidando, saíram de suas casas na árvore e caminharam pelas pontes de videiras aleatórias para gradualmente se reunirem na plataforma.

O que nunca esperaram foi que cada uma de suas ações caísse sob os olhos de um adepto terrível e maligno.

Incontáveis ​​​​besouros tão pequenos e leves quanto moscas bateram as asas e voaram entre as folhas verdes. Eles vigiavam de perto todos os elfos da aldeia.

Enquanto os elfos se reuniam inconscientemente na plataforma, uma estranha onda apareceu na terra perto das raízes de uma enorme e antiga árvore; estava em um canto escuro onde ninguém podia ver.

À medida que a sujeira se desfazia, numerosos insetos assustadores surgiam de dentro.

[Combo: 36/200]

Olá, eu sou o Otakinho2!

Olá, eu sou o Otakinho2!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥