Capítulo 2

Épico do Dragão Vampiro: Renascido como um Dragão Vampiro com um Sistema

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Belphegor

—–

Chaos renasceu!

Quando ele abriu os olhos, percebeu que tinha um novo corpo e, ao longo de muitos anos, lentamente cresceu de um minúsculo feto quimera para o meio-vampiro e meio-dragão humanóide que era agora.

A primeira coisa que viu quando finalmente conseguiu abrir os olhos, respirar e se mover um pouco foram estranhas janelas holográficas, exibindo o que parecia ser seu poder.

Ele ficou surpreso ao ver o poder que ele obteve, mas depois de descobrir através das memórias inseridas em sua mente sobre Vampiros e Dragões, ele percebeu que era bastante óbvio que seu poder seria tão alto, já que tais raças geralmente nascem tão fortes, se não mais forte do que ele!

Ele também descobriu que era um ser “Menor”, parecia que ele não tinha conseguido se desenvolver adequadamente neste lugar, e acabou se tornando Menor, o que significa que ele precisava se desenvolver e talvez até mesmo evoluir para se tornar um “Verdadeiro” Dragão Vampiro, ou talvez até mesmo se tornar um Dragão Vampiro Ancião…

Mas o que foi evolução? O que era os Registros de Origem Universal? Foi tudo confuso para Chaos, ele mal conseguia tirar algumas conclusões, mas antes que pudesse fazer qualquer outra coisa, a voz de um ser à sua frente o surpreendeu. Ele ainda estava ajustando seus sentidos sobrenaturais aprimorados, então ele ficou surpreso com essa entidade, que ele não havia detectado completamente a tempo.

“Feliz aniversário!” disse ele, com a voz de um homem velho por volta dos seus quarenta anos.

Chaos ergueu sua cabeça enquanto olhava para a frente, o que saudou sua visão foi… uma caveira flutuante!

“Eh?” perguntou Chaos confuso, ele lembrou que o esqueleto que sempre falava com ele não era assim, aliás, esse cara tinha um tom de voz completamente diferente.

Ele se lembrou daquele que se autodenominava Ancião Lich por ter uma voz mais séria e rachada, mas esta pequena caveira flutuante coberta com fogo-fátuo parecia ter uma voz mais suave.

‘Quem poderia ser ele?’

‘E onde está o Ancião Lich?’

“Olá…” disse Chaos um tanto timidamente, talvez essa fosse a primeira vez que ele falava depois de anos confinado naquele frasco gigante.

“Oho! Meu senhor, você finalmente nasceu! É um prazer ver que você parece tão… saudável! E bem, bastante grotesco! Hmm! Assim como Mestre Ainz queria!”

“Quem é você? Quem é Ainz? E por que você está me chamando de Senhor?” perguntou Chaos sendo direto, ele de repente percebeu que conhecia a fala que aquela caveira estava falando, mesmo que ele nunca tenha sido ensinado a falar essa língua, talvez isso seja devido às memórias que ele adquiriu enquanto se desenvolvia dentro do frasco.

Os olhos vazios da caveira brilharam com chamas azuis, enquanto Chaos poderia jurar que viu um sorriso assustador sob aquele rosto de caveira inexpressiva!

“Hehe! Fico feliz que você perguntou, meu Senhor! Meu nome é Belphegor, e eu sou o subordinado mais leal do meu Mestre Ainz! E você é filho do Mestre Ainz!” disse o crânio flutuante.

Chaos olhou para Belphegor com um pouco de surpresa, embora seu rosto estivesse tão rígido e inexpressivo que ele parecia estar morto… E até certo ponto como um meio-vampiro, ele estava!

“Entendo… Então, onde está Ainz, meu pai? E por que ele seria meu pai?” perguntou Chaos.

“Oho! Meu senhor, você sabe como falar tão eloquentemente! Vejo que você é tão talentoso quanto Mestre Ainz disse que seria! Oh! E sim, Mestre Ainz é seu pai porque ele o criou! Ele deu uma pilha de seus próprios ossos para serem usados ​​como seus também! Portanto, os ossos dele vivem em seu corpo agora, meu Senhor, “disse Belphegor.

Chaos não sabia o que dizer, enquanto Belphegor falava, ele começou a inspecionar o lugar… ao contrário de que ele se lembrava, parecia que tudo estava cheio de ainda mais poeira do que antes, os caldeirões ferventes estavam vazios e secos, e muitos dos frascos e outros itens químicos e mágicos que ele viu estavam todos quebrados e abandonados…

Chaos não pôde deixar de questionar o que tinha acontecido aqui, mas Belphegor tinha outra coisa a dizer antes mesmo que pudesse perguntar qualquer coisa.

“Isso… deve ser repentino para dizer. Mas eu sei que Mestre Ainz poderia querer que fosse assim… Você vê, meu Senhor… Mestre Ainz faleceu há cinco anos”, suspirou Belphegor.

Chaos ficou paralisado.

Justamente quando ele estava se sentindo animado por ter um pai… ele agora estava morto, mais morto do que já estava antes.

“Ele está… morto? Mas ele já não estava morto?” perguntou Chaos.

“Hmm… E-Isso é… difícil de suportar, eu sei. Mas Mestre Ainz deu sua existência para salvá-lo, meu Senhor…” disse Belphegor, quando Chaos percebeu que suas chamas azuis começaram a diminuir… ele se sentiu abatido e triste.

“Quando?” perguntou Chaos, sentindo uma explosão repentina de emoções entrando em seu coração frio e morto-vivo. Mesmo que ele nunca tenha falado com este Ancião Lich, ele ainda se lembrava de suas palavras e de como falava constantemente com ele enquanto dormia, ele sempre foi alegre e gentil também, e sempre tratou o Chaos como seu tesouro mais amado… Embora ele se sentisse estranho no início , ele lentamente começou a gostar desse Lich e estava ansioso para um dia falar com ele e viver ao seu lado sempre que acordasse…

Mas… parecia que era tarde demais.

Belphegor se preparou para revelar ao Chaos a causa da morte de seu Mestre.

“Mestre Ainz deu todo o seu poder e criou uma poderosa Barreira Etérea que protegeu seu castelo da Cruzada que invadiu o planeta. Eles vieram para caçá-lo depois que ele ofendeu vários poderes importantes da Galáxia e roubou os restos do túmulos dos Vampiros e Dragões para criar você… Depois que a barreira foi colocada, a Cruzada de Arautos da Luz, encolhida pela Entidade Suprema do Brilho, não foi capaz de destruí-la, e eles renunciaram a devastar seu corpo enfraquecido, aniquilando sua alma, e fragmentando-o em pedaços… Depois disso, eles selaram esses pedaços e decidiram recuar, provavelmente esperando até que a barreira fosse acionada… o que havia acontecido há dois dias… “suspirou Belphegor.

Esta informação atingiu o Chaos como um caminhão.

Ele sentiu como se tivesse pulado uma batida.

Porque? Por que este homem… deu tudo o que tinha para ele?

Ele não tinha feito nada por este Ancião Lich… ainda… ele deu tudo por ele?

Chaos agarrou seus punhos, sentindo amargura por todo o seu coração. Seu rosto estava inexpressivo, então ele não conseguia nem mostrar suas emoções, ele não conseguia nem derramar uma lágrima, mesmo que quisesse.

“Entendo… sinto muito por sua perda,” murmurou Chaos, foi uma resposta maçante, mas foi a única coisa que ele poderia dizer neste momento.

Belphegor percebeu que no rosto inexpressivo de Chaos, muitas emoções ferviam dentro de seu coração e alma, ele podia ver claramente essas coisas, já que tinha sentidos diferentes dos mortais.

“Meu senhor… por favor, anime-se!” disse Belphegor, estendendo os braços em chamas e dando tapinhas nos ombros de Chaos, eles não queimaram.

Chaos olhou para o crânio flutuante mais uma vez…

“Meu senhor, Mestre Ainz nunca teria desejado vê-lo assim! Ele deu sua existência para que você pudesse viver e fazer o que quisesse! Ele queria… ver você feliz! Então, por favor, não se sinta assim. É uma vida inteira pela frente. Por agora… vamos nos certificar de que você viva como o Mestre queria que fosse, uma vida plena! ” disse Belphegor, ele parecia exalar mais vida do que qualquer pessoa que ele já conheceu em sua vida anterior, mas ele era um morto-vivo…

Por um momento, Chaos sorriu levemente. Foi um sorriso tão leve que quase não foi percebido… mas Belphegor percebeu.

“Você está certo… (eu recebi uma nova oportunidade na vida… mesmo em tal situação, não posso desperdiçá-la sentindo arrependimento e tristeza… tenho que continuar e viver de acordo com as expectativas do meu pai…)” disse Chaos , enquanto pensava no que precisava fazer.

“Belphegor, eu quero aprender mais, você me ajudaria a aprender mais sobre o mundo e quem foram os que tiraram a vida de meu pai?” perguntou Chaos.

“OH! Sim, claro! Mas primeiro… eu acredito que você deve comer, meu senhor”, disse Belphegor.

“Comer? Ah…” Chaos disse ao notar que seu estômago começou a roncar como uma fera, e sua garganta estava incrivelmente dolorida, com desejo de sangue.

“Sim! E eu tenho a refeição perfeita para você, esperando do lado de fora! Desde que a barreira desapareceu, muitas tribos de Orcs começaram a marchar aqui, provavelmente com más intenções! Você gostaria de provar?” perguntou Belphegor.

“Orcs… Claro,” disse Chaos.

Aviso do Tradutor:

Tayzer

Rolar para o topo