Capítulo 09

Fake Hiro

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

— Então… Vocês acham que Morgan gostou do nosso pequeno presente?

Ao mesmo tempo em que Morgan e Violeta interrompiam a viagem para examinar o conteúdo da mala, no telhado da casa dos Accelhearts, Selena estava conversando com a Tsubaki e a Lo.

Mas para entendermos exatamente o que aconteceu, teríamos de voltar no tempo em aproximadamente um mês… Ou melhor, seria necessário voltar ainda mais, para quando a Lo ainda tinha uns oito anos de idade.

A avó da Selena, Carmim, que foi a rainha dos monstas duas gerações antes da atual rainha, faleceu, e sendo sua única herdeira, Selena recebeu os seus bens.

Dentre eles, uma rosa vermelha, que sempre ficou no quarto de Carmim, e que veio junto de um único bilhete: “Seleninha, essa flor tem sido repassada por gerações de nossa família, e supostamente seria um amuleto que nos dá força e sorte. Cuide bem dela. Beijos, vovó. P.S. Se você esquecer ela atrás de uma pilha de livros e ela morrer, eu vou voltar para te assombrar.”

Após receber uma última ameaç— pedido de sua avó, Selena se esforçou para deixar a flor viva… Mas ela não era muito boa em cuidar de plantas, ou animais, ou provavelmente crianças também, e a flor começou a murchar.

Então ela decidiu dar a rosa aos cuidados de sua filha, ela quem mais gostava de plantas na família, e que tinha começado a cuidar de um jardim no telhado a uns dois anos atrás.

— E-eu também estou passando a planta para alguém da família, que vai cuidar dela melhor do que eu, então não tem problemas, c-certo vovó…?

Ela rezou aos céus. Apenas os Deuses sabem o quanto ela sempre teve medo de fantasmas.

E assim, a Lo acabou recebendo uma linda rosa vermelha, e plantando ela em seu jardim no telhado…

Os anos passaram, e um mês antes de Morgan sair em viajem, em uma certa noite, no quarto da Selena…

— M-mãe, mãe! Por favor, acorde! C-começou enquanto eu estava olhando o jardim agora pouco! E-eu não entendo o que está acontecendo!

Lo fez uma visita repentina à Selena no meio da noite.

— Hã…? O que foi, Lo…? Está ficando mais difícil para você dormir de noite…? É natural, já que você está entrando na puberdade… Como uma vampira, além de trocar a noite pelo dia, também vai começar a queimar debaixo do sol, não vai mais conseguir comer alimentos sólidos e vai passar a tomar apenas sangue, seus seios vão aumentar, vão crescer pelos em lugares que antes não tinha e o caso que deve estar acontecendo agora é que mensalmente vai sangrar pela sua—

— S-sim! I-isso daí eu já sei, mãe! Mas não foi por isso que eu vim aqui! É-é verdade que recentemente eu não tenho conseguido dormir até bem tarde da noite, então eu tenho relaxado no meu jardim enquanto espero ficar com sono, e quem sabe mais o que vai mudar… M-mas não é esse o problema agora! É a flor que você me deu! Venha ver, por favor!

Selena estava um pouco relutante de sair da cama no meio da noite, mas já que uma criança quieta e comportada como a Lo do nada correu desesperada para acordá-la, devia ser algo realmente importante. Só é uma pena que isso tenha coincidido justamente com o dia em que ela havia decidido ir dormir cedo, ao invés de varar a noite lendo seus livros… O que pode ou não ter se repetido pelos últimos quatro dias…

No telhado.

— E-eita! Está brilhando! I-isso é normal!?

No jardim, Selena exclama ao ver a rosa que brilhava como se a lua cheia tivesse sido trazida para a terra.

— N-não, mãe! Claro que isso não é normal! Mas não é o mais importante, olha mais de perto! A rosa está murchando rapidamente, eu não acho que ela vai sobreviver até de manhã nesse ritmo… O-o que devemos fazer!?

Um certo desespero era perceptível na voz da Lo. O que era completamente natural, considerando que era um importante presente que recebeu de sua mãe, e sua flor favorita no jardim…

Ainda assim, não havia muito que a Selena pudesse fazer nessa situação. Magias de cura e ressurreição poderiam curar quase tudo, mas não funcionariam nos casos de mortes naturais… Se a pessoa com mais conhecimentos quanto a plantas na casa não podia fazer nada, então é claro que não havia nada que a Selena pudesse fazer também…

— *Chuiff* O-o que fazer, mãe…?

— Lo, eu sinto muito… *Selena abraça a Lo* Não acho que possamos fazer mais nada agora… Tudo tem o seu próprio tempo, e não podemos fazer nada quando ele chega ao fim…

As alraunes que vivem no jardim também dizem palavras de consolo.

— “Não chore, mestra, não chore!”

Ainda assim, Selena tentou lembrar de tudo o que sabia sobre plantas… Mas além de conversas aleatórias que a Lo trazia sobre o seu jardim, não havia muito mais… Havia apenas aquela velha história, de muito tempo atrás, que sua avó costumava lhe contar na hora de dormir, quando ela era apenas uma criança.

Sobre uma princesa demônio que recebeu uma flor de algum Deus como um teste, no qual ela deveria fazer uma escolha difícil… O produto que poderia ser criado com tal flor seria capaz de salvar sua mãe, que fora ferida gravemente em uma batalha contra um hiro. Ou criar um veneno capaz de assassinar aquele hiro invencível, que ameaçava destruir o seu reino…

— (Era uma história que a vovó gostava… Como era mesmo…? Hmmm…)

Selena não conseguia se lembrar dos detalhes da história. Apenas que no final a princesa acabou fazendo a escolha errada… E enquanto ela implorava ao Deus por uma nova oportunidade, tal Deus, movido por suas lágrimas de arrependimento profundo, decidiu dar mais uma chance… Mas tinha um detalhe… Esse Deus disse que ela deveria moer o que sobrou da flor, e analisar entre o pó que resultou. Entre o pó, ela encontrou algumas sementes. Então esse Deus disse: “Uma nova chance será entregue, mas não para você. Plante essas sementes para as gerações futuras.” As plantas que cresceram dessas sementes foram conhecidas posteriormente como Rosas de Mana Lunar…

— As sementes da esperança!

Selena não se deu ao trabalho de ponderar sobre a veracidade da história, pois não haviam mais opções.

— (Se a flor da vovó morrer por causa da história que ela costumava contar, a culpa é dela, então não deve voltar para me assombrar, certo?)

Fortalecendo a sua determinação com um pensamento que não tinha nem pé nem cabeça, ela decidiu triturar o caule da rosa para procurar por suas sementes. E caso desse sorte, ainda poderia produzir uma medicina milagrosa com a flor.

— Ok… Você vai ter de confiar em mim, Lo…

— V-você sabe o que fazer, mãe!?

*Selena arranca a flor do solo*

— O-o que!? Hy-Hyaaaa!!!! O que você fez!!!???

— E-espera, fica calma, Lo, está tudo bem. Eu sei o que estou fazendo (talvez).

Ao triturar o caule, Selena realmente encontrou algumas sementes, e as entregou à Lo, para tranquilizá-la. A jovem vampira voltou a chorar, mas dessa vez com um alegre sorriso estampado em seu rosto.

Selena então voltou ao seu quarto, para tentar criar o remédio do conto…

— (Acho que deve dar certo se eu simplesmente seguir esse livro com os procedimentos para se criar uma poção de cura…. Certo?)

Mesmo que o remédio não saísse 100% do jeito correto, não havia muito mais a se fazer com os restos da flor, além de jogá-los fora. Então o que poderia dar de errado?

Aviso do Autor:

Dracorr Ira Nova

Dracorr Ira Nova

Rolar para o topo