Godking – Capítulo 03

Godking: Ascending A Heavens

— Volume 01: Van —

Capítulo 03 — Buraco Estranho

Tradutor: Asu | Editor: Asu

 

 

Maldito pássaro!

O pássaro, como se pudesse ouvir a maldição em sua mente, saltou para outra pinha convenientemente colocada. Levantou a perna.

“Pare”, Van avisou, com os pelos arrepiados.

O pássaro vermelho grasnou zombeteiramente.

Uma terceira pinha foi jogada para baixo. Van rolou em cima da hora. Uma cratera se formou atrás dele.

Antes que a poeira assentasse, ele pegou uma pedra e com toda a sua força, arremessou-a no pássaro arrogante acima.

Com grande precisão, a pedra atingiu a garra do pássaro. Embora não tenha prejudicado a ave, ela ainda ficou enfurecida.

O pássaro Pinhão Vermelho puxou suas asas para perto de seu corpo e se atirou para baixo.

Rangendo os dentes, Van se manteve firme. No último momento, ele jogou o corpo para o lado.

Seu bico afiado passou por ele.

O pássaro vermelho foi pego de surpresa. Subestimara esse humano insignificante! Ele parou de repente.

Este momento de confusão foi suficiente para Van.

Agarrando um punhado de penas da cauda, ​​ele arrastou o pássaro para ele.

O pássaro guinchou e lançou uma garra afiada em seu braço, cortando carne e espirrando sangue.

Van estava secretamente chocado, como poderia até um pássaro cortar a carne apenas com suas garras? Um sentimento de medo passou por ele. Não é bom, ele precisava matar o pássaro imediatamente, antes que ele pudesse fazer o mesmo!

Van ignorou a dor e cortou com o punhal. O golpe atingiu o pássaro, cujas penas eram extraordinariamente duras. Seus sucessivos golpes foram os mesmos, incapazes de ferir o pássaro.

Na troca caótica de golpes, de algum modo Van conseguiu dar um golpe na carne tenra do pescoço do pássaro. Desta vez, o sangue fluiu da ferida. O menino estava exultante, ele encontrou um ponto fraco!

Persistentemente, ele continuou golpeando o pescoço do pássaro Pinhão Vermelho, que havia enfraquecido devido à perda de sangue. Mais uma vez, seu punhal acertou o pescoço do pássaro.

Ele ficou fraco e depois caiu no chão.

Pássaro maldito, Van amaldiçoou. Ele examinou o corte profundo em seu braço.

Felizmente, a Grama de Ferro foi precisamente elogiada por sua capacidade de estancar feridas e promover a regeneração do sangue. Removendo algumas de sua cesta, ele mastigou uma moita. Ele engoliu uma metade e a outra ele espalhou em sua ferida. Então, ele amarrou sua carne firmemente com algum pano.

Ele começou a remover as partes valiosas do pássaro, que eram as penas vermelhas vibrantes e guardou a carcaça para um jantar assado naquela noite. As penas podiam ser vendidas por alguns cobres na cidade mais próxima, onde sua cor vermelha escarlate era valorizada por fazer acessórios femininos. No entanto, elas eram muito mais duras e mais afiadas do que quaisquer penas que ele tinha colocado em suas mãos antes.

Ele encontrou uma pedra arredondada dentro do estômago do Pássaro Pinhão Vermelho.

Uma baixa quantidade de energia foi sentida quando ele a segurou na palma da mão. Curioso, mas sem noção do que era essa pedra do tamanho de uma unha, ele a ergueu e ficou movendo na luz do sol.

O que poderia ser? Eu nunca vi algo assim!

De repente, um galho quebrou.

Um grunhido baixo e ameaçador retumbou atrás dele.

Van virou, apenas para ver os olhos vermelhos e brilhantes de um enorme touro negro. Era pelo menos o dobro da altura de Van, e seus olhos estavam fixos na pedra em sua mão avidamente. Foi atraído para a área devido ao cheiro de sangue e encontrou um tesouro. Infelizmente, havia um humano no caminho. Mas, pensava arrogantemente, isso era simples de resolver.

Rrrrumph… rrrrummph!

O touro apalpou a terra e jogou a cabeça ameaçadoramente. As pontas pontiagudas de seus chifres brilhavam a luz do sol.

Ela avançou.

O rosto de Van empalideceu.

Primeiro um maldito pássaro e agora um maldito touro? Parecia que os rumores sobre bestas loucas nessa montanha eram verdade. Van sorriu sombriamente, ódio brilhou através de seus olhos castanho-escuros. Quem quer que esteja me mirando, você realmente me pegou desta vez!

Acalmando seu coração, ele se virou e correu para as árvores. Usando sua experiência em viajar pelo terreno montanhoso, ele esperava que as densas árvores retardassem o enorme touro negro.

Os sons trovejantes dos cascos o seguiram!

O menino saltou para as aberturas entre as árvores, curvando-se e trançando entre os troncos. Ele olhou por cima do ombro e viu uma visão aterrorizante.

O touro atravessou as árvores, sem se importar com o que estava em seu caminho. Ele destruiu tudo diretamente na frente com sua força de investida.

Van só ficou mais determinado. Nesta situação de vida e morte, ele estava mortalmente calmo. Ele recorreu a sua mentalidade de caçador ― presa era presa, caçador era caçador, mas a qualquer momento, isso poderia reverter!

O touro, apesar de ter que atravessar dezenas de árvores, era tão rápido quanto ele. Ou eles competiam em vigor, ou Van tinha que fazer alguma coisa. Mas o que?

Ele considerou a pedra zumbindo em sua mão. No final, ele não a soltou. Se o touro a quisesse, deveria ser algo bom.

A dupla continuou subindo, um voando entre os obstáculos e o outro destruindo tudo dominadoramente diante dele. Enquanto subiam, as árvores se tornavam mais densas e densas, mais grossas e grossas. Isso retardou o touro furioso. Van calculou que, com o tempo, o touro diminuiria e a diferença entre eles aumentaria, mas Van também se cansaria!

O que fazer!

Van cerrou os dentes. Ele não tinha solução. Depois de dar uma perseguição por quase uma hora, Van tinha certeza de que, mesmo se desistisse da pedra, o touro ainda o mataria por vingança.

Em um impasse, Van continuou a trançar através das árvores, sabendo que sua resistência estava se esgotando rapidamente. Ele teve que pensar em algo, rápido!

Infelizmente, a vegetação à frente começou a clarear. A respiração ofegante do enorme touro atrás de Van estava ficando cada vez mais alta. O suor pingou em seu pescoço, mas obstinadamente, ele continuou em frente.

Van foi o primeiro a emergir no espaço estranho e cheio de névoa. O touro estava a apenas algumas dezenas de metros atrás dele neste momento. Ele correu para frente, mas um estranho instinto o fez olhar para baixo.

Hu!

Van derrapou até parar, oscilando sobre a borda de um buraco gigantesco. Se ele não tivesse olhado para o chão neste exato momento, ele teria caído diretamente porque a nevoa era tão penetrante e espessa!

A profundidade do buraco não podia ser vista e sua largura era de dezenas de metros.

Van sorriu. A presa ia virar a mesa! Ele se virou e gritou, o mais alto que pôde.

“Pegue-me se puder, pedaço de carne estúpido!”

O touro ouviu os gritos insultantes do humano insignificante na frente dele e balançou a cabeça para os lados com raiva. Renovou sua velocidade, esmagando a paisagem em frente a ele. Logo, trovejou na clareira cheia de névoa.

O ar estranho e denso nem sequer fez com que parasse. Tudo o que podia ver através de sua raiva e ganância era o magro menino humano, com seu cabelo estranho e a pedra na mão!

Pah!

O menino humano jogou levemente a pedra. O touro avançou para passar pelo garoto humano, indiferente, lidaria com o pirralho mais tarde!

Van estava um pouco arrependido, mas no final, sua vida ainda era mais valiosa do que a pedra!

Três coisas aconteceram em rápida sucessão:

O touro passou por Van em busca da pedra.

O touro, observando a pedra, viu que ela começava a despencar abaixo do nível do solo, e percebeu que ele havia sido enganado.

O touro, relutante e vingativo, fez uma jogada final!

Van sentiu algo apertar em torno de seus tornozelos.

Nosso pobre herói Van, em pé ao lado do buraco, sentindo-se vitorioso poucos momentos antes da hora ― foi puxado pela cauda do touro!

A dupla, um humano com remorso e um touro alegre, mergulhou no buraco.

Cópia Bloqueada
Rolar para o topo