Volume 01: Capítulo 06 — O começo da jornada

Jack Park e o Mistério das Realidades Alternativas

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

CAPÍTULO 06 – O COMEÇO DA JORNADA

 

 

Terra-3, floresta densa, Tempo atual.

 

 

Jack, Jhenefer e Michel partiram rumo a floresta densa que estava à frente. O local era repleto de árvores e cipós entrelaçados entre elas. Os galhos balançavam bastante por conta da brisa do vento, fazendo as folhas caírem em suas cabeças e as raízes grandes no chão levando-os a tropeçar frequentemente.

O chão cheio de folhas vivas e secas também era coberto de um musgo que deixava tudo pegajoso e repugnante, que levavam seus pés a afundarem, causando dores constantes nas solas e nas juntas.

Pequenos e grandes insetos andavam sobre os imensos troncos dos arvoredos e sobre as folhas vivas dos galhos, visando a alimentação, e rastejavam entre as pedras garantindo a sobrevivência dos animais maiores. O sol forte que batia nas árvores fazia uma grande sombra por toda a floresta, ainda assim, o calor não era algo fácil de suportar.

— Que floresta mais estranha… Será que tem algum animal grande aqui? — Indagou Jhenefer.

— Não podemos ter certeza, até porque, nunca entramos em uma floresta tão grande assim. Por esse motivo, temos que ter cuidado e ficar atentos a qualquer coisa que seja estranha. — Respondeu Jack andando cautelosamente sobre as folhas.

— Não sei se vocês dois já perceberam, mas já está ficando tarde, e ainda não comemos nada, estou faminto até por água! — Ansiava Michel por algum alimento, em um tom melancólico.

— Não sabemos caçar… Então teremos que pescar! Por sorte, aprendi a fazer vara de pesca em uma das viagens com os meus avós! — Afirmou Jack, com semblante pensativo.

— Então vamos deixar a pescaria com você! Temos que fazer uma fogueira se quisermos assar os peixes. Eu nunca fiz, mas já vi como fazer pela televisão. Não deve ser tão difícil… Eu acho. — Pronunciou-se Michel com dúvidas ao seu dever.

— Bom… Então eu posso pegar água para a gente! Como não tenho nenhuma habilidade nesse tipo de situação, acho que pelo menos posso conseguir água, só tenho que descobrir algo para reservá-la. — Impõe Jhenefer com a posição ativa, perspicazmente.

Com isso, todos os três se separaram para cumprir as obrigações, Jack de conseguir os peixes, Jhenefer de coletar a água e Michel de fazer a fogueira. Depois de muito empenho e alguns erros, eles conseguiram cumprir os seus deveres.

A fogueira queimava muito bem e os estalos dos galhos eram relaxantes para o momento. Todos os três saboreavam seus peixes com água nos olhos, pois mesmo não estando com um gosto dos melhores, era algo que enchia o estômago, dava mais energia e força para continuar a jornada.

Logo após isso, eles encontraram um pequeno lago com uma correnteza bem fraca, com pequenas folhas em sua superfície. Nisso eles resolveram se banhar para limpar toda a sujeira que ficou em seus corpos e o suor adquirido do esforço para se alimentarem.

Como nenhum deles haviam tido experiência em uma floresta antes, foi realmente uma luta pela sobrevivência, pois nada ali era fácil de conseguir, mesmo estando perto. Após se limparem, eles partiram de volta para a caminhada exaustiva.

Depois de um dia inteiro de caminhada cansativa, a escuridão chegou. Estranhamente à noite, o céu era de um belo azul escuro estrelado, diferente do dia, onde o sol era rosa. A cada passo dado, as estrelas cadentes brilhavam e cruzavam o céu, deixando uma atmosfera quase mística pelas redondezas.

Quando já haviam perdido as esperanças de acharem algo, eis que surgiu uma misteriosa luz no horizonte, essa que piscava calmamente. Quanto mais eles andavam, a iluminação ficava cada vez mais próxima, tomando formas abstratas. Visando tal descoberta eles começaram a correr ao encontro delas.

Assim que eles pararam para respirar, seus olhos se encheram de lágrimas de alegria, finalmente conseguiram chegar em uma cidade grande com bastante casas e prédios com aparência de construções antigas, só que por consequência do cansaço e exaustão, eles desmaiaram ali mesmo e caíram em um sono profundo.

Algumas horas se passaram. A noite estrelada já havia dado espaço para o céu rosado, novamente com o sol insuportável que cobria toda a cidade. Jack, Jhenefer e Michel acordam do seu sono profundo com uma estranha leveza nos seus corpos.

Eles passavam as mãos nos seus rostos esfregando delicadamente os olhos para conseguir abri-los e focar no que estava ao redor. Eles perceberam que rediziam em um quarto, cada um em um cômodo diferente.

Os três recintos, unicamente, tinham uma aparência e móveis diferentes, mas também, havia uma leve semelhança com certos móveis antigos, bem conservados. A cama era luxuosa, bem vasta e cheia de travesseiros e almofadas em um estilo rústico, os tons eram neutros, e o colchão era tão macio que o corpo levemente afundava.

Ainda meio sonolento, Jack Indagou para si mesmo:

— Onde estou? Isso é um quarto? Como vim parar aqui?

Onde está Jhenefer e Michel? Nós estávamos juntos…, Mas eu me lembro de ter desmaiado assim que cheguei aqui. Deve ter sido pelo cansaço! Também, nós andamos e fizemos muitas coisas até chegar aqui!”. Pensou, preocupado com seus amigos e atordoado do desgaste que a mata havia lhe causado.

De repente, Jack ouviu duas batidas leves, e em seguida uma mulher, provavelmente uma empregada, apenas colocando metade do corpo através da porta do quarto, olhando para ele e recitando suavemente:

— Com licença senhor… Poderia vir até a sala de estar? O Líder está o aguardando ansiosamente! — Reportou a moça, sem entrar no quarto e saiu sem explicação.

— O que? Sala de estar? Que Líder é esse? Eu devo me preocupar em encontrar Jhenefer e Michel novamente, mas antes, acho que eu preciso de explicações, bem claras! — Indagou com uma expressão desconfiada, murmurando mais para si mesmo do que para a doméstica que saiu em seguida do recinto, sem dar muita atenção para o pobre menino.

Pensativo, levantou-se da cama, abriu a porta e foi indo em direção a sala de estar. Coincidentemente, Jhenefer e Michel o encontraram no meio do caminho, também saindo de quartos separados.

— Vocês também estão aqui? — Jack suspirou, aliviado por encontrar seus fiéis e melhores amigos.

— Jack? Você, aqui? Como viemos parar neste lugar? — Indagou, Jhenefer. Também podia-se perceber que ela ficou aliviada por encontrar seus amigos, mas de todos ali ela estava mais focada, quase racional e elevando toda a sua percepção para tentar entender o que estava acontecendo naquele momento.

— Eu só me lembro de ter desmaiado, e logo em seguida acordei em um quarto sem saber o porquê! — Respondeu Jack passando a mão atrás do pescoço, ainda muito desconfiado e assustado para pensar com clareza.

— Alguém está nos esperando na sala, não é? Será que é aquele “Líder” que aquelas “coisas” falaram para nós? — Perguntou Michel aos dois.

— Quanto a isso… Nós iremos descobrir, vamos! — Afirmou Jack seguindo para a sala. Jhenefer e Michel o acompanharam atrás, cada um pensando um pouco diferente, porém os três estavam amuados, de formas diferentes.

Assim que eles chegaram na tal sala de estar, encontraram um homem sentado em um sofá de cores neutras, de porte mediano e uma espécie de mordomo logo atrás, mantendo uma distância profissional daquele homem, que emanava uma energia de liderança e poder. Sentado de pernas cruzadas, como se estivesse esperando-os por um longo tempo. Ambos os três se sentaram surpresos, acompanhando o homem, porém também mantiveram uma distância segura pelo medo e desconfiança, em busca de respostas.

— Por favor, acomodem-se. Temos muito que conversar hoje. — Saudou o homem.

Os três se sentaram cautelosamente olhando de um canto ao outro da sala, que por sinal, era bem chique e com muitos detalhes em ouro e com pratarias, louças refinadas espalhadas pelo local, dando a decoração um ar sofisticado.

Já com o semblante duvidoso Jack perguntou para o homem:

— Quem é você?

Percebia-se que ele estava pronto para defender-se do tal homem caso ele fizesse outro movimento suspeito, a ansiedade de Jack estava a mil, também pudera. Eram tantas coisas acontecendo ao mesmo tempo para os três jovens, e Jack já tomava a liderança do trio, então ele se deu a responsabilidade de defender seus amigos a todo o custo, não importando as consequências.

— Eu sou a pessoa que trouxe vocês três para essa terra. Na verdade, para esse universo! Podem me chamar de Frenizet, eu sou o líder deste planeta! — Respondeu o homem, confiante do que dizia, lançando um olhar sério e de total capacidade para os três jovens, focando em Jack, e secretamente reconhecendo seu potencial como líder também.

— Como assim Líder? Isso existe mesmo? — Indagou Jack, compactuando do mesmo olhar de Frenizet, porém com a desconfiança reinando em seu âmago.

— Claro que existe! Toda terra tem um Líder, mas na sua, os costumes são mais peculiares, majoritamente democráticos. — Respondeu simplista. Como se aquilo fosse a coisa mais óbvia de dizer-se para três crianças.

Frenizet parecia ser um homem prepotente e seguro de si, Jack fazia uma anotação mental sobre o ocorrido, pois naquele momento ele usava de toda a lógica que se restou de sua sanidade, porém ele abalou-se psicologicamente com o que Frenizet havia acabado de pronunciar. Com ainda mais dúvidas em sua cabeça, ele começou a questioná-lo frequentemente, indignado pela arrogância do tal ‘’ Líder ‘’:

— Primeiro… O que é tudo isso? Que universo é esse e por que fomos trazidos para cá? — Perguntou, confiante de si e pressionando o homem misterioso.

— Haha… Eu imagino que não só você, mas os três possuem várias perguntas para mim, mas nesse atual momento, eu só posso responder por que trouxe vocês para esse universo e o que é o mesmo! — Salientou Frenizet, cauteloso.

— Bom, se é assim que você quer, também vamos jogar assim. Pode começar a responder! — Incitou, desafiando a autoridade do homem.

— Primeira pergunta: O que é esse universo?! — Perguntou-se retoricamente, dando uma pausa para responder-se logo em seguida: — Ele é um dos três universos principais criados pelos deuses celestiais. Ao todo, existem cinquenta universos chamados também de realidades alternativas. Atualmente, nós estamos no terceiro universo, conhecido também como realidade média, e isso é meio que óbvio se olharem tudo ao seu redor. — Frenizet concluiu, respondendo as outras questões.

— Agora a segunda pergunta. Por qual motivo vocês três foram trazidos para esse universo? — Incitou o mesmo. — Primeiro de tudo, vocês não foram escolhidos para serem trazidos aqui… E sim criados, para depois, trazê-los para esse universo!

— Não estamos entendendo. Como assim, criados?! — Perguntou Jhenefer estupefata.

— Vou explicar a vocês tudo que gerou essa situação atual, até porque, vocês vão precisar saber mesmo. Mas é bom que seja agora, pois vocês terão que se preparar! — Respondeu Frenizet para Jhenefer, que se concentrou nas palavras dele.

Há mais de 10.000 atrás, ocorreu a maior batalha de todos os universos. Eu e o meu irmão, que é o Líder do 2º universo lutávamos pela a sobrevivência dos mesmos. O inimigo era o representante do 51º universo. Ele era de uma raça de bestas, chamados de Beasts, seu nome era Humanbeast e queria aniquilar todos os 50 universos por razões estúpidas, mas eu e meu irmão o impedimos e separamos o universo dele dos outros 50. Nisso ele jurou vingança para nós dois e prometeu destruir por completo todas as realidades que existiam.

— Sei… E onde é que nós três entramos nessa história? — Perguntou Jack.

— Na verdade, o plano era para vocês três nascerem aqui nesse universo para que assim tivessem a oportunidade de desenvolverem seus poderes elementais! Mas o inimigo ficou sabendo do plano e manipulou tudo para que vocês fossem nascidos e criados no 1º universo, onde ninguém tem ou desenvolve os poderes, mesmo tendo. Jack, seus pais foram literalmente criados, pois seriam eles que dariam à luz a uma das reencarnações dos magos místicos. — Respondeu com semblante pensativo.

— Então mais cedo ou mais tarde nós seriamos trazidos para cá? — Jack pronunciou.

— Sim… Isso mesmo.

Puta que pariu! — Gritou escandalosamente com semblante de raiva após saber a verdade, incrédulo e enojado.

Todos na sala ficaram em silêncio, mas com um remorso profundo por saber que todos foram manipulados desde o princípio. Vendo o estado de Jack, Frenizet ergueu-se e chamou a atenção dele novamente.

— Jack, você quer voltar para a sua Terra novamente? Para a sua casa… Para sua suposta família?

— O que você quer dizer com isso? — Jack pronunciou seguido de um longo suspiro exausto.

— Se você me ajudar na nova batalha contra o inimigo, eu faço os três retornarem novamente para a sua Terra, da mesma forma que eu trouxe vocês para essa realidade! — Ele respondeu com um olhar astucioso.

 

 

 

Continua…

Aviso do Autor:

LUPE_SANO

LUPE_SANO

A novel está sendo reescrita desde o capítulo 1 ao 10. O prólogo já foi postado. Semana que vem irei repostar o capitulo 1.
Chave Pix copiada!
Rolar para o topo