Capítulo 18 – Mansão Bertino na Rua Harrods – Parte IX

Julietta Vista-se

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Mansão Bertino na Rua Harrods  Parte IX


Chegou a mensagem de que o príncipe, que raramente o visitava devido a seu novo negócio agitado, visitaria sua mansão pela primeira vez em muito tempo. Anna, exausta de limpar para cumprimentar o proprietário durante toda a manhã, jogou um esfregão que foi usado para limpar a janela do corredor no segundo andar.

“Oh, isso me deixa louca. Quanto tempo eu tenho para fazer isso?”

Um mês atrás, Anna, que chutou Nicole com sucesso, colocou um vestido e maquiagem e estava esperando o chamado do mordomo. Mas quando Moira chegou e foi para o quarto do Príncipe, ela não foi chamada por um tempo. Ela se sentiu estranha, foi até a camareira chefe e ouviu a surpreendente notícia de que a nova e feia criada serviria ao príncipe.

Anna, que estava atordoada, protestou ferozmente, mas só ouviu as palavras frias de deixar a mansão se ela não gostasse da posição de uma criada.

Anna, que empacotou seus pertences com raiva, desempacotou-os novamente. Era porque ela pensava que o Príncipe expulsaria Julieta se visse seu rosto feio.

Porém, um mês já havia se passado. A ordem de expulsar a feia ainda não tinha caído da boca do príncipe, que ainda visitava a mansão de Bertino, embora se tornasse mais rara do que antes.

Anna murmurou, olhando para o esfregão que havia caído no chão escorregadio, “Sim… porque uma nova empregada ainda não entrou, se ela se for, eles não terão escolha a não ser me chamar de volta desta vez.”

Anna se angustiou pensando em como tirar a garota dessa casa. Bem a tempo, ela viu um grande corpo subindo as escadas. Em um vestido preto de empregada, Anna, que estivera olhando para a figura volumosa em um vestido de empregada marrom, naturalmente a seguiu de volta ao quarto do Príncipe.

Depois de quatro meses, o quarto do príncipe não era diferente do que costumava ser. O almíscar favorito do príncipe estava velado no quarto, e a cama, que ocupava um dos lados do quarto espaçoso, estava coberta com lençóis de seda preta para o dono ficar hoje.

Anna, imaginando-se deitada com o Príncipe naqueles lençóis luxuosos, sorriu para Julieta, que saiu do banheiro depois de limpá-lo. “Eu queria saber se eu poderia ajudá-la.”

O rosto de Julieta estava carrancudo e ela sorriu pretensiosamente, como se nunca quisesse arrancar os olhos da outra mulher.

O quarto do príncipe era um lugar onde ninguém, exceto a empregada chefe e Julieta podiam entrar e sair. Nos dias normais, quando o príncipe não visitava, era trancado com chave e apenas as duas tinham a chave. Ao fazer a limpeza de manhã e à noite, duas criadas sob a supervisão de Julieta entraram e limparam, e Anna não foi incluída na tarefa.

Além disso, tudo o que era usado no quarto do Príncipe teve que passar pelas mãos de Julieta para entrar no quarto. As folhas de chá que o príncipe beberia só podiam ser trazidas pelo próprio Sir Albert da cidade imperial, e para a roupa de cama e as roupas que tocavam o corpo do príncipe havia uma empregada separada, assim Julieta a orientou.

Em outras palavras, se algo acontecesse ao príncipe, Julieta, que estava no comando, seria punida.

“Você conseguiu permissão?”

Quando Julieta perguntou, Anna respondeu com um gemido: “Ei, não faz muito tempo, eu estava fazendo o que você está fazendo. E se você está falando sobre permissão, é ridículo. Eu não entrei quando ninguém mais estava aqui, mas entrei assim quando você estava aqui.”

Anna olhou rapidamente pela sala, perguntando-se se havia alguma maneira de expulsar a garota. Julieta respondeu, como se tivesse percebido os pensamentos de Anna: “Se houver algo de errado com Sua Alteza nesta sala hoje, lembre-se, Anna, de que você é a culpada.”

Anna teve que se curvar diante das ameaças de Julieta antes que ela pudesse fazer qualquer coisa. Ela havia sentido da última vez, ao contrário de sua aparência enfadonha, Julieta era realmente uma vadia astuta.

“Eu vou embora agora. Só queria ver este quarto pela primeira vez depois de muito tempo.”

A saída rápida de Anna da sala, como uma garota que cometeu um crime, parecia indicar que ela estava destinada a cometer um acidente.

Saindo do quarto do príncipe, Anna pegou novamente o esfregão do chão do corredor e desceu ao primeiro andar sem nem mesmo olhar para a janela que havia parado de limpar.

Anna, que estava tentando descobrir como punir Julieta, finalmente viu Moira, que entrou sozinha. Ao ver Moira chegando mais cedo do que de costume, Anna jogou o esfregão que segurava no canto e correu para cumprimentá-la.

“Faz muito tempo que não vejo você, senhora. Como você tem estado?”

Moira assentiu secamente com a saudação da criada, que ela não via desde que fora severamente repreendida pelo Príncipe alguns meses atrás.

“Sim, faz muito tempo. Achei que você tivesse sido expulsa da mansão, mas acho que não era verdade.”

Enquanto Moira olhasse em volta em busca da chefe das camareiras que deveria estar esperando por ela, Anna pegou seu guarda-chuva e chapéu e disse: “Vou dizer à chefe que você está aqui. Acho que ela tem algo urgente para fazer.”

No casarão de Bertino, onde não havia mordomo residente, a empregada doméstica estava quase assumindo as funções de mordomo.

“Chame Julie.”

“Oh, Julie me disse para servi-la hoje,” respondeu Anna, que entregou o chapéu e o guarda-chuva para a empregada particular de Moira, enquanto tomava a dianteira em direção ao quarto onde Moira ficaria.

Anna decidiu expulsar Julieta hoje. Se ela expulsasse Moira com ela, ela poderia ter uma chance de servir ao Príncipe esta noite. Moira mordeu os lábios e começou a pensar sem saber o que Anna estava pensando.

Quatro meses se passaram enquanto ela era amante do Príncipe. Num clube secreto de homens aristocráticos, dizia que corriam apostas quando Moira seria abandonada por ele.

Por mais de quinze dias após sua última noite com o Príncipe, ela mal conseguia dormir devido à ansiedade e nervosismo. Quando o convite para a mansão de Bertino chegou ontem à noite, ela mal conseguiu adormecer de alívio.

Moira, que acordou de manhã cedo, fez uma massagem perfumada o dia todo para acalmar seu nervosismo. Mas assim que chegou o momento em que não pareceria mal ao Príncipe, ela chegou à mansão de Bertino.

Ela nervosamente segurou as mãos enquanto caminhava pelo corredor familiar.

‘Quanto tempo poderei ir e vir desta mansão?’

Moira não pensou em chegar mais cedo do que de costume, e se sentiu desconfortável por ninguém sair para cumprimentá-la.

‘Julie percebeu alguma coisa e se recusou a me servir, já que estou para sair daqui?’

Entrando na sala designada, Moira tirou a roupa sob os cuidados de Anna e sua empregada particular. Moira entrou no banho perfumado sem notar Anna que olhava seu corpo nu com os olhos ligeiramente abertos, olhando fixamente enquanto sua empregada a lavava.

“Anna, por que Julie pediu que você me acompanhasse?”

Entrando no banheiro com a pergunta de Moira, Anna respondeu educadamente, escondendo um sorriso sombrio.

“Eu não sei. Agora não tenho escolha a não ser fazer o que ela diz, porque ela está em uma posição mais elevada do que eu. Mas quando perguntei: ‘Como posso servir a uma nobre senhora como faxineira’, ela disse: ‘Não me importo, porque ela não vai durar muito’.”

“O que?”

A resposta de Anna parecia ser a realidade com a qual ela estava se preocupando.

“Por que Julie disse isso? Ela não é o tipo de pessoa que diria isso sem pensar. O Príncipe disse alguma coisa?”

Na pergunta trêmula de Moira, Anna saltou, apertando as mãos.

“Ele não deve ter dito nada. Sua Alteza não é quem diria isso a uma criada. Eu sei com certeza porque servi a ele por muito mais tempo do que a Julie. Além disso, pelo menos três vezes ela viu o próprio príncipe.”

“Então por que diabos ela disse isso?”

“Julie mudou muito desde que se tornou a empregada doméstica do Príncipe. Você pode ter perdido a mudança de saber quem ela é, mas todos nós sabemos. Julie sempre xinga você.”

“Ela me xinga?”

“Sim. Uma vez, ela riu quando limpou o quarto antes de você chegar, dizendo que você não sabia quem era porque estava pedindo um lençol vermelho quando ele nem mesmo teria que vir.”

Dizendo o que as criadas vinham sussurrando entre si como se Julie tivesse dito essas coisas, Anna abaixou ligeiramente a cabeça para esconder a ponta da boca que subia. Moira saltou da banheira, sem palavras.


Tradução: Sa-chan

Revisão: Sa-chan

Obrigada pela leitura. ^-^

Parceiro:

Alone Scanlator

Alone Scanlator

Rolar para o topo