Capítulo 20 – O principado de Bertino – Parte I

Julietta Vista-se

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

O principado de Bertino  Parte I


Anna olhou para Julieta, como se ela tivesse feito a pior coisa do mundo. Killian, que observava a cena, ordenou a Sir Albert.

“Quem você acha que é a pessoa mais falsamente acusada aqui?”

Albert olhou para Julieta sem saber. Nunca antes essa criança estivera tão tranquila depois de ser promovida a camareira do príncipe. Albert, em particular, estava disposto a tomar medidas mais ousadas para proteger Julieta, pois o Príncipe ficara muito satisfeito e o elogiara por escolher a criada certa.

Ele virou a cabeça e olhou atentamente para a criada de cabelos negros que o incomodava, deixando o príncipe de mau humor. Segundo o relatório da empregada doméstica, a avaliação da empregada Anna não foi muito boa. Ela reclamava de ser rebaixada a empregada de limpeza e não se dava bem com Julieta, pois pensava que seu lugar havia sido ocupado por ela.

No final, Albert apontou Julieta como a pessoa mais falsamente acusada. Embora ele não tivesse passado por muita experiência, ela não era uma garota que fofocava pelas costas, a julgar por seu comportamento nesse ínterim.

Killian deixou escapar friamente o olhar de Albert: “Não está claro quem é falsamente acusado, então que seja tratado de acordo com o pecado que cometeram.”

No final da frase, Killian desapareceu no quarto. Sir Albert interrompeu Moira enquanto ela tentava segui-lo rapidamente.

“Prepare-se e saia da mansão agora mesmo.”

Moira protestou, ficando nervosa com as palavras de Albert. “Que diabos, eu fiz algo errado? Eu deveria ter ouvido as palavras que me desprezaram e deixar ir?”

Albert balançou a cabeça ante o protesto de Moira.

“Não é importante. Não importa quem fez um bom trabalho ou quem fez um mau trabalho. Srta. Moira cometeu um grande erro ao chamar-se mulher de Sua Alteza, e Anna desafiou a ordem de não ser vista por Sua Alteza. Quero dizer, duas pessoas que não deveriam estar aqui agora precisam deixar a mansão.”

Albert falou educadamente e abriu a porta do quarto como se fosse sair.

*****

3. O Principado de Bertino

Um mês depois de Anna e Moira serem expulsas, uma nova mulher do Príncipe visitou a mansão de Bertino.

A viúva viscondessa, que era do Reino de Lebatum, desaprovou Julieta desde o seu primeiro dia na mansão. Desde o primeiro dia, ela deu um tapa no rosto de Julieta e gritou: “Se eu me tornar a concubina do príncipe, não vou deixar você ir”, mas foi expulsa depois de visitar a mansão mais duas vezes.

Desde então, quando nenhuma mulher do príncipe visitou a mansão por várias semanas. Julieta viveu uma vida de lazer depois de uma semana de férias no teatro antes de retornar à mansão Bertino.

Ela aprendeu boas maneiras e habilidades básicas, como uma criada que serve o príncipe deve saber, por Johanna pela manhã, e passou a tarde lendo vários livros na biblioteca da mansão ou fazendo o que era pedido. Era uma vida tão pacífica que ela pensou que não importaria se isso significasse ficar disfarçada para o resto de sua vida.

Hoje Julieta desceria ao porão para fazer o que Johanna havia ordenado.

“Julieta, venha aqui.” Julieta, que verificava os ingredientes do novo pedido na despensa, parou ao som da voz de uma empregada e voltou para cima.

“A chefe das camareiras está procurando por você. Vá para o escritório.”

Com as palavras da empregada, Julieta sacudiu a poeira de seu uniforme de empregada e entrou no escritório de Johanna com a cabeça erguida e as costas retas, como havia aprendido.

“Venha, Julie. Apresse-se e empacote seus pertences.”

Julieta olhou para Johanna, perguntando-se do que ela estava falando. Johanna estendeu uma carta que estava segurando.

“A empregada que serviu a Sua Alteza foi despedida ontem, hein? Não há nenhuma garota adequada lá ou aqui. Estou com um grande problema. É a carta de Sir Albert para mandá-la às pressas, porque Sua Alteza parte hoje para o Principado de Bertino, mas ele não tem tempo de encontrar mais ninguém.

‘Que história é essa de jogar uma pedra neste lago tranquilo…’

Julieta conseguiu consertar sua expressão distorcida. Ela pensou que finalmente estaria confortável. Ela se perguntou se isso poderia ser uma conspiração do cão dimensional que não conseguia vê-la à vontade. Mas ela não podia dizer não, então respondeu educadamente e subiu para o quarto para fazer as malas.

Julieta jurou piedosamente ao cão dimensional Manny hoje enquanto colocava alguns pertences em sua bolsa, aceitando seu destino perfeitamente.

‘Sim, vamos pensar nisso como uma pequena viagem. Vou deixar esta mansão e dar uma olhada em outros países desta vez. Não vai demorar muito, pois é só até eles arranjarem outra empregada, de qualquer maneira. Eu sou a única que perco algo se eu enlouquecer, então vamos pensar bem nisso.’

Momentos depois, Julieta desceu ao primeiro andar com uma sacola de roupas extras. Tinha apenas três vestidos, algumas roupas íntimas, algum dinheiro que sobrou depois de pagar sua dívida e uma bolsa de cosméticos para disfarçar.

“Eu vou e volto.”

“Tudo bem, acredito que você vai se comportar bem, como aprendeu. Se você irritar Sua Alteza, você não o verá novamente, então você deve devotar sua atenção à tarefa em mãos. Voce entende?”

‘Onde está sua figura assustadora e cabeça fria desde a primeira vez?’

Johnna não parava de se preocupar e pedia tantas coisas. Julieta acenou com a cabeça para as palavras, como se ela nunca pudesse vê-la novamente se ela fosse cortada.

“Sim, terei mais cuidado e voltarei depois de terminar meu trabalho com segurança. Vejo você futuramente.”

Outras criadas que sussurravam no canto não pareciam ter a intenção de se despedir, então Julieta se despediu apenas da chefe das criadas e depois subiu na carruagem sem vidros que esperava na frente da mansão. A carruagem que levava Julieta saiu da Rua Harrods e passou pela Rua Eloz, chegando à Rua Eldira, onde as mansões dos nobres cercavam o Castelo Imperial. O distrito desses nobres, em homenagem à Imperatriz de Austern, não era um lugar para se entrar, mesmo que alguém tivesse dinheiro. Era uma rua de sonho para os aristocratas ou nobres recém-estabelecidos que foram promovidos a cargos no governo central, já que as famílias históricas com status e recursos financeiros ocupavam locais pela ordem dos títulos de nobreza, em torno do Castelo Imperial.


Tradução: Sa-chan

Revisão: Sa-chan

Obrigada pela leitura. ^-^

Parceiro:

Alone Scanlator

Alone Scanlator

Rolar para o topo