Capítulo 24 – O principado de Bertino – Parte V

Julietta Vista-se

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

O principado de Bertino  Parte V


Ao contrário dos aristocratas de alto escalão e da família real, que ficavam no castelo do senhor local e eram bem tratados quando visitavam a área, Killian ficava muito irritado com essas coisas. Era sua maneira de viajar para reprimir seus subordinados, não informando o senhor ou a nobreza local de sua visita com antecedência, e em vez disso reservando uma pousada como esta.

Mas a visita do príncipe teria sido levada aos ouvidos do senhor a partir do momento em que a espetacular procissão chegou, e o senhor e toda a sua família, em breve visitariam a estalagem. Killian blefou como se notasse a ideia de Sir Albert.

“Se esta viagem não impedir que eu seja perturbado pelo conde Baden, você realmente terá que estar pronto para a aposentadoria.”

Sir Albert, que fora treinado como mordomo e grande camareiro desde criança, fingiu não ouvir as palavras que o príncipe proferia com frequência e abriu a boca para ajudá-lo a compreender sua situação. “Mas, Alteza, já que a nobre família real a visitou, você tem que entender a mente do conde que vem dizer olá…”

“Pare. Estou disposto a dar cem concessões se ele vier com o coração verdadeiro, mas não posso perdoá-lo por dizer que são provas de lealdade, desde sua primeira filha até a caçula, que não começou a menstruar.”

Albert calou-se quando tentou reclamar, pensando no que acontecera da última vez a caminho do Principado de Bertino.

“Como está Jeff?”

“As queimaduras no queixo e pescoço são muito dolorosas. Não acho que ele será capaz de servi-lo por enquanto, então meu servo particular terá de servi-lo. Você vai ficar bem?”

“Pelo que? Por que devo usar seu servo quando tenho minha própria empregada? Diga a ela para se apressar e preparar um banho.”

“Você está falando sério, Alteza?”

“Eu pareço estar fazendo uma piada?”

“Mas, mas…” Albert olhou para trás, para a empregada da mansão de Bertino que ele havia procurado às pressas, enquanto o Príncipe se afastava sem olhar para trás.

Julieta, que esperava calmamente ao lado de Sir Albert depois de descer da carroça, foi surpreendida pelas palavras para preparar um banho vindas da boca do Príncipe. A ordem de Sir Albert veio enquanto ela tentava ficar parada, fingindo não saber, e ela queria acreditar que não seria o que ela pensava que era.

“O que você está fazendo? Por que você não sobe lá agora para preparar o banho de Sua Alteza?!” Ao grito de Sir Albert, Julieta resmungou novamente com Manny, que a havia enviado para este país.

‘Não, devo amaldiçoar o príncipe, que deve tomar chá na carruagem?’

Depois de amaldiçoar os dois sinceramente, ela rapidamente se adaptou à realidade como sempre.

‘Não o vi uma ou duas vezes, então não tenho nada a ver com ele. Sim, não é grande coisa. Não é nada. Só estou ajudando ele a tomar banho. Julieta, você é a empregada do Príncipe Bertino. Você é uma mulher profissional. Tenha orgulho do seu trabalho como uma profissional. ‘

Novamente autossuficiente, Julieta olhou para Sir Albert.

“Sr. Grande Camareiro, você está procurando uma nova empregada? E quando Jeff vai melhorar?”

“Bem, dizem que a Sra. Auguste está procurando ansiosamente uma empregada agora, então ela vai vir se for contratada. Na verdade, não tenho certeza sobre Jeff. As queimaduras não são um problema, mas o problema é a perna quebrada quando ele caiu da carroça enquanto se atirava de dor durante os primeiros socorros. Em todas as ocasiões, ele rolou na frente do cavalo de um cavaleiro e foi chutado, e seu ferimento é muito sério. O médico o aconselhou a ir a Vicern e receber um tratamento sagrado. Vou perguntar ao Príncipe se ele quer conseguir um novo servo novamente ou esperar até que Jeff volte, porque mesmo que receba um tratamento sagrado, ele terá que ficar estável por alguns meses.”

Os ombros de Julieta caíram. Parecia que não havia maneira de sair dessa realidade sombria por enquanto. Quem diria que uma xícara de chá quente causaria um acidente tão grande? Tudo o que ela podia esperar era uma rápida contratação da nova empregada e um rápido retorno à aconchegante Rua Harrods.

Ela se contorceu escada acima para o segundo andar, triste com seu infortúnio, seus passos forçados e pesados.

Depois de um tempo, Julieta, de pé no banheiro, olhou desesperançada para a banheira fumegante e orou pela hora que chegasse.

Ela borrifou o pó de banho que o príncipe tanto amava com esperança, mas era diferente daquele que Julieta conhecia, e as bolhas não aconteceram de jeito nenhum. A água clara e parada estava silenciosa. Julieta, que queria esconder o corpo nu do Príncipe com muita espuma, ficou frustrada.

O aroma refrescante do pó de banho, que lembrava uma floresta verde, era tão espesso e pesado que Julieta quis segurar o nariz, a ponto de expor um chão vazio. Sua cabeça doía com o cheiro terrível do banheiro, mas isso não importava para ela.

No quarto, embora o Príncipe estivesse andando nu, se ela evitasse o contato visual, teria sido possível. Mas agora não havia como evitar.

‘Eu tenho que ajudar o príncipe a tomar banho neste quartinho, como posso evitar?’

Era impossível fazer com uma mente sóbria. Ela preferia suportar desta vez em um estado de espírito atordoado sob aquele pó de banho forte e fedorento. Se ele a repreendesse, ela imploraria: “Eu não sabia porque era a primeira vez.”

Snap. Por fim, chegou a hora do destino. O príncipe cansado, que esperava pelo aviso de que tudo estava pronto, entrou pela porta.

“Que diabos! Por que demora tanto para preparar um banho…? Que diabos é esse cheiro?”

Seu rosto mostrava sinais de esperança, mesmo com medo de ser repreendida, quando Killian odiava o cheiro no banheiro.

“Sua Alteza, eu sinto muito. Minhas mãos escorregaram e derramei muito pó de banho. O cheiro é horrível. Por que você não lava as mãos e os pés hoje e toma banho amanhã?”

Julieta, que conteve o que queria dizer: ‘Porque você não se mexeu na carruagem, não suou’, perguntou-lhe baixinho, mas o príncipe simplesmente ordenou, sem fingir que estava ouvindo: “Traga a banheira para fora.”

Como esperado, se fosse inevitável de qualquer maneira, ela teve que se adaptar bem. Mesmo se ela evitasse hoje, seria amanhã e depois de amanhã, e se ela evitasse o fogo que caía na frente de seus olhos, haveria coisas mais urgentes a fazer. Como não valia a pena derramar deliberadamente muito pó de banho e acontecer de a banheira ter de ser arrastada para fora, Julieta lamentou profundamente.

Ela secretamente olhou de soslaio para o príncipe parado com os braços cruzados, então abriu a porta para o corredor e falou com os cavaleiros que guardavam a entrada.

“Bem, cavaleiros, sinto muito. Sua Alteza precisa de um banho, e você pode mover a banheira para a sala de estar?”

Quando eles foram chamar os servos que estavam fazendo as tarefas, eles não sabiam mais o que ouvir antes que a água esfriasse, então os cavaleiros ficaram descontentes com ela assim que a viram, mas ela teve que pedir desculpas a eles. Seu rosto assustador estava tão perturbado que ela conseguiu falar, mas os cavaleiros viraram a cabeça em silêncio.

“Quanto mais vou ter que esperar para tomar banho agora?”

Assim que o chamado descontente do príncipe saiu do banheiro, quer ele soubesse da situação lá fora ou não, os cavaleiros que fingiram não ouvir correram para o quarto. Julieta fez beicinho enquanto observava os cavaleiros pousarem a enorme banheira na frente do príncipe carrancudo que saiu para a sala de estar de braços cruzados. Era assim que as coisas deveriam ser, ele era tão baixo.


Tradução: Sa-chan

Revisão: Sa-chan

Obrigada pela leitura. ^-^

Parceiro:

Alone Scanlator

Alone Scanlator

Rolar para o topo