Capítulo 27 – O principado de Bertino – Parte VIII

Julietta Vista-se

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

O principado de Bertino  Parte VIII


“O que você está fazendo? Mande-a sair daqui agora mesmo! E traga o Albert!”

Com a voz fria, Julieta correu até a mulher. No momento em que ela puxou o braço, dizendo-lhe para se levantar, seus óculos voaram para longe e seu rosto queimou em um flash.

Ai. Ela foi atingida novamente. Por causa das mulheres do Príncipe, que batiam em sua bochecha como se ela fosse um saco de pancadas da vizinhança, Julieta teve que pensar por um momento sobre esse trabalho.

No momento em que ela reflexivamente correu para pegar os óculos quebrados primeiro, ela ouviu um som surdo de ‘baque’. Assim que ela olhou para trás com os óculos, ela viu uma mulher chorando melancolicamente rolando para a porta.

“Não pense que eu esquecerei isso, já que você é uma mulher. Como se atreve a entrar sorrateiramente no meu quarto de dormir e até mesmo tocar na minha empregada? Você enlouqueceu para morrer. Não está certo? Não tem ninguém aí?”

Killian, que a chutou friamente com raiva pela surra de sua própria empregada, gritou. O exterior foi perturbado por um grito diferente do anterior. Os guardas entraram e saíram correndo da outra sala e, depois de um tempo, Sir Albert, que estava de pijama, entrou.

“Sua, Alteza?”

Albert ficou horrorizado ao ver o Príncipe, que apontou a adaga, tesouro da família de Bertino, para a mulher que estava deitada.

“Onde está o conde Baden? Ele voltou para seu castelo?”

“Ah não. Ele disse que veria Vossa Alteza pela manhã e alugou um quarto na estalagem.”

“Toda a família que ele trouxe deve ter quartos na pousada. Eu disse ao dono da pousada para não aceitar hóspedes enquanto eu estiver hospedado. Você disse ao conde que quebrar minhas ordens era traição?”

“Sim sua Majestade.”

“Tarde da noite, entrar furtivamente no quarto de um potencial príncipe herdeiro deve ter sido um esquema para me assassinar de mãos dadas com alguém. Prender todos os que estão hospedados na pousada, exceto o nosso grupo.”

Albert abriu os olhos para a tarefa crescente.

Quando o príncipe falou sobre traição mais cedo, ele pensou que era sobre assustá-lo para tirar o chato do conde Baden. Mas ele ordenou que prendesse todos eles com uma cara séria. Uma vez com raiva, ele estava naquele estado em que ninguém poderia impedi-lo, ele sentiu isso agora e ficou inquieto.

Logo, o conde Baden e seus companheiros foram presos e arrastados na frente de Killian, cujos frios olhos prateados brilhavam. O conde esperou por boas notícias e parecia mal-humorado de raiva com a turbulência repentina.

“O conde, sua filha secretamente me atacou esta noite para me assassinar. Quando você começou com este plano?”

O conde Baden protestou em um acesso de raiva quando acusou sua filha, que ele havia enviado para seduzir, de ser uma assassina. “Vossa Alteza, que assassinato! Eu nem penso nisso. É apenas um ato imaturo que minha filha cometeu no amor por você. Desde que ela viu você no ano passado, ela está apaixonada e divorciada. Por favor, perdoe-a pela loucura que aquela criança estúpida fez por amor.”

O conde riu por dentro, pedindo perdão com um olhar um tanto amedrontado. No entanto, ele se sentiu mal sabendo que o Príncipe deveria ter feito isso, pois ele empurrou sua filha para o quarto mesmo depois do ano passado. Ele olhou para sua filha tola, que falhou em atrair um homem e o levou à desgraça.

O escárnio de Killian foi ouvido pelos ouvidos do conde Baden, que só pensou em diminuir o passo depois de dar a afirmação apropriada no tom.

“Conde Baden, não o deixei ir porque eu não sabia. Você não acha que eu sabia que você estava pesando entre mim e Francis? Por que, se eu aceitar sua filha hoje, você vai trair Francis?”

O rosto do conde endureceu quando o príncipe olhou para ele tocando uma faca afiada.

Francis, o primeiro príncipe, era a figura mais provável a subir ao príncipe herdeiro, com Killian, o quinto príncipe, agora à vista. Ao contrário de Killian, que parecia pouco interessado na posição do príncipe herdeiro, o príncipe Francis estava expandindo ativamente sua influência. Entre Francis e Killian, apoiados pelo imperador, os nobres estavam procurando onde pisar, assim como o conde Baden.

No ano passado, a família do duque Dudley, o lado materno da família de Francis, enviou um homem ao conde que havia sido desgraçado por empurrar sua filha para Killian.

Atualmente, a família número um na hierarquia aristocrática em Austern sem Imperatriz, era a família do Duque Dudley, da Imperatriz(1). Diante de tal gesto da grande nobreza, o conde não teve escolha a não ser mover-se. Agora era possível para ele entrar na aristocracia central, que ele aspirava por tanto tempo.

Quatrocentos anos atrás, o atual equilíbrio de poder foi estabelecido quando a longa guerra terminou e as reuniões entre os países começaram regularmente. Assim, em uma época em que um tratado mútuo de não agressão foi assinado e a guerra acabou entre os países, o status de um margrave nada mais era do que um nobre que não avançou para o centro, ou outro título semelhante.

O Território de Baden era uma cidade com desenvolvimento comercial devido às suas características geográficas. Foi um dos canais importantes de comércio exterior.

Ao contrário dos dois Impérios, que estabeleceram Praças Mágicas conectados diretamente sob consulta mútua, os reinos tiveram que cruzar as fronteiras por terra. Para que as mercadorias de outros países fossem para o Principado de Bertino, o Reino de Shurant e o Reino de Levatum, eles tinham que cruzar a fronteira após tomar a Praça Mágica. O conde Baden, que acumulou riquezas de acordo com as vantagens geográficas como localização-chave, sempre teve sede de avançar para o centro.

Embora fossem o mesmo país, os aristocratas centrais baniram completamente os aristocratas locais.

A história mostrou que a família de Kielini do vizinho Território de Tília deu uma grande contribuição para a reforma do reino de Austern, por meio da guerra. A recompensa levou a família de Kielini a produzir a Imperatriz e rapidamente aumentou a distância com a família de Baden.

O conde Baden, que sempre invejou a família de Kielini, agora um dos principais aristocratas de Austern, decidiu aproveitar sua maneira de ganhar status e vinha tentando constantemente empurrar suas filhas para o quinto Príncipe ao passar pelo Território de Baden para ir para o Principado de Bertino nesta época do ano.

O conde Baden mais uma vez examinou o olhar de Killian, que o encarava com olhos ferozes.

A imagem do Príncipe olhando para ele com os braços cruzados parecia tão severa que nenhuma agulha entraria.

Ele estava nervoso porque pensava que não teria chance de ele ter uma chance se a restauração da quebrada Praça Mágica de Bertino fosse completada, e ele não tinha tido uma chance adequada já que o quinto Príncipe não o havia dado qualquer oportunidade.

Enquanto ele estava agonizando que seria a sua última chance oportunidade para se transformar no sogro da família real de Austern, a família do duque Dudley se aproximou dele.

O conde Baden começou a rolar a cabeça. Seus instintos o informaram que deveria embarcar no quinto barco do príncipe, mas não poderia desistir da conexão com o duque Duda. O conde, que decidiu mandar sua filha novamente hoje como sua última chance, permitiu que os seguidores do duque ficassem no castelo por semanas caso ele falhasse.

Embora ele pensasse que o Príncipe à sua frente não saberia de tudo isso, as palavras do Príncipe acertaram em cheio. O rosto do conde havia perdido toda a cor.

“Você achou que eu não saberia? O conde, você não me conhece muito. Você não pode evitar a visão de Sua Majestade? Você é tão estúpido”, disse o quinto príncipe, com a certeza de que o imperador o protegia. Era como se ele estivesse se proclamando o próximo imperador.

“Agora você sabe o grande erro que você cometeu? Já te avisei tantas vezes e esqueci suas ações, mas você mandou sua filha se esgueirar para o meu quarto. Como ela ousa bater na minha empregada?”

As pessoas inclinaram a cabeça em uníssono enquanto algumas palavras aparentemente divergentes saíam da boca do Príncipe, que tinha uma aura muito legal, bonita e inacessível. O silêncio caiu na sala enquanto todos pensavam muito em descobrir a verdade sobre as palavras do Príncipe.


(1)N/T Sa-chan: A primeira imperatriz morreu, mas tem as concubinas, com a morte da imperatriz a primeira concubina se tornou a nova imperatriz.

Tradução: Sa-chan

Revisão: Sa-chan

Obrigada pela leitura. ^-^

Parceiro:

Alone Scanlator

Alone Scanlator

Rolar para o topo