Capítulo 37 – O principado de Bertino – Parte XVIII

Julietta Vista-se

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

O principado de Bertino  Parte XVIII


Segurando uma caixa de chá e um saco de roupas surradas, ela subiu os degraus de marfim com carpete vermelho e viu uma fileira de cavaleiros acompanhantes alinhados no corredor do segundo andar. Eles mostraram que este era o lugar onde o Príncipe estava, sem ninguém para guiá-la.

Ele era um príncipe que sempre tomava banho e comia quando chegava em seu alojamento. O pânico deixou Julieta ansiosa, pois ela havia se atrasado muito no andar térreo.

Ela entrou apressada na sala com medo de ser repreendida novamente e viu o príncipe e o conde, que já jantavam sob os cuidados de Albert. Às vezes, Killian era atendido por Albert se ela estivesse ocupada com outras coisas, mas o acontecimento na carruagem pesava em sua mente, e ela achava que seu patrão estava muito zangado porque ela não conhecia sua posição e falava besteiras.

‘Vamos dar meu orgulho a um cachorro.’

Julieta resmungou sobre seu estilo de vida, no qual sempre refletiu, vivendo como uma filha ilegítima sem qualquer origem em uma sociedade com sistema de classes, e mais uma vez jurou implorar por perdão.

Ela parou por um momento se houvesse algo que ele pedisse para ela fazer, mas ela ficou arrasada com a visão do Príncipe, que nem mesmo virou os olhos. Depois de entrar no que parecia ser um quarto e organizar a bagagem do príncipe, Julieta voltou para a sala e esperou com a cabeça baixa enquanto o príncipe e o conde comiam.

Quando os criados encarregados da refeição retiraram os utensílios, o príncipe e o conde dirigiram-se ao terraço. Killian deu uma ordem sem nem mesmo olhar para ela enquanto Julieta, que estava lendo seu rosto, preparava o chá.

“Vou para a joalheria depois de beber chá, então faça uma refeição enquanto isso e venha.”

Killian estava estranhamente de mau humor há algum tempo. Ele pensava que era por causa da empregada que abanara a língua sobre sua vida privada para o conde.

Ignorando que o conde era um amigo íntimo que sabia tudo sobre ele, ele nem mesmo considerou que o momento em que se sentiu mal foi depois que lhe disseram que ela tinha um amante, quando ela não tinha. Ele propositadamente agiu friamente e ignorou o rosto dela para puni-la, mas a visão dela morta a partir de então era irritante.

Ele teve que sair para a joalheria em pouco tempo, mas ficou muito ansioso quando a viu parada ali, sem comer. Killian estava zangado com Albert e não aguentou, e pediu ele mesmo a refeição de sua criada. A expressão de Adam estava distorcida. À imagem de seu senhor, que parecia ter se apaixonado por uma donzela feia, Adam teve uma dor de cabeça e massageou as têmporas.

Killian não se importava nem um pouco com Adam e estava preocupado em como lidar com o escândalo do príncipe sobre sua nova amante. Quer seu ajudante olhasse para ele com um olhar sério ou não, ele estava ocupado acenando para a empregada, já que ela deveria comer antes de sair.

Albert, que estava olhando para ele, finalmente não aguentou e disse: “Alteza, desta vez vou levar você. Diga à empregada para comer devagar e descansar.”

Ao contrário das aldeias onde haviam ficado até agora, era Beopash, a segunda maior cidade do Principado de Bertino. Albert sentiu um certo mal-estar, tanto pelo estranho fenômeno que a aparência da empregada causava hoje parecia piorar, quanto pela visão do Príncipe tentando cuidar da feia donzela.

“Albert, me parece que é você quem precisa descansar. Não diga nada sobre suas dores nas costas e descanse até partirmos amanhã. Julieta, vá na frente para comer e venha depois.”

Quando Killian, que bloqueou Albert tentando dizer algo, a incitou, Julieta se dirigiu lentamente para a porta. Ela ficou aliviada ao ver que o príncipe a deixou comer.

Killian, que estava olhando para as costas da empregada enquanto ela voava para fora da sala, encostou-se nas costas de uma cadeira e tocou a xícara fria na boca.

Olhando para a imagem como se fosse nojenta, Adam olhou para Albert, que estava inclinando a cabeça. Adam ofereceu palavras de consolo ao velho grande camareiro interiormente, que estava olhando alternadamente para a porta por onde a empregada tinha saído e Killian, por qualquer motivo.

‘Sir Albert, acho melhor você não saber de nada ainda.’

Cautelosa por causa de suas palavras depois de balançar a língua demais na carruagem, Julieta se apressou para não ferir os sentimentos de seu patrão. Quando ela voltou ao quarto depois de uma refeição feita com tanta pressa que ela não soube se foi para sua boca ou nariz, o príncipe levantou-se como se a tivesse esperado.

Enquanto o conde também se levantava e saía da sala, Julieta, que os seguia com calma, novamente se reprimiu, pois tudo estava indo bem e ela aparentemente estava isenta de culpa. Adam riu quando viu Julieta cerrando o punho, determinada em seu coração que ela nunca faria qualquer coisa para se matar.

Ele estava preocupado com seu senhor, que prestava toda atenção a alguém que não se encaixava, mas achou que não haveria problema em se divertir um pouco. Essa peça emocional seria um luxo, uma vez que a batalha política pela cadeira do príncipe herdeiro começasse seriamente.

Adam, que tinha estado mergulhado em pensamentos enquanto olhava para a criada do Príncipe, virou a cabeça apressadamente quando de repente sentiu um olhar espinhoso. Mas uma voz estridente o atacou, deixando-o saber que já estava atrasado.

“Conde, você acha que pode se mover depois que o sol se pôr? Não sei se conseguirei chegar à joalheria no final do dia.”

Com Killian expressando sua raiva com seu tom distorcido, Adam rapidamente mudou-se para o seu lado. “Sinto muito, Alteza. Há algum tempo que penso em outra coisa. Vamos lá.”

Olhando friamente para Adam, que estava sorrindo e puxando seu braço com uma cara ousada, Killian subiu na carruagem que esperava. Julieta e Adam o seguiram, e a carroça preta sem identificação, cercada por cavaleiros de escolta, começou a dirigir rapidamente.

* * * * *

Eles chegaram em uma estrada bem construída, uma rua movimentada e chamativa.

As ruas repletas de lojas exibiam sua grandeza e estilo, cada uma decorada de uma forma colorida. Fotos do que estava sendo vendido penduradas em cada loja. A rua era linda como uma pintura.

No meio do jardim colorido de prédios ensolarados, a carroça e seu grupo pararam. Killian saiu depois que os guardas vasculharam o perímetro, confirmaram que não havia problema e abriu a porta da carruagem.

Em meio à atmosfera inusitada de guardas, a aparência brilhante dos dois homens atraiu a admiração das bocas das senhoras que andavam de um lado para o outro nas ruas.

As senhoras, ocupadas especulando sobre seu status graças à carruagem sem identificação, caíram na gargalhada ao ver a generosa criada sair da carruagem depois de um tempo. Elas prestaram muita atenção porque ele parecia não ter um status comum, mas ficaram aliviadas ao pensar que ele era um nobre humilde quando olharam para a carruagem sem identificação e a empregada.

As senhoras e os transeuntes apontavam os dedos e riam, mas Julieta não se incomodou com a reação deles.

Enquanto ela entrava no tranquilo prédio cinza sob os olhos de todos, ela olhou ao redor, pensando no quarto sem dizer nada. Ele disse que estava visitando uma joalheria, mas havia apenas mesas, sofás e cadeiras por toda parte, sem uma única vitrine. Era como se ela tivesse visitado a sala de recepção de um nobre.

O que ela comprou para si mesma depois de viver no Império Austern por décadas foi apenas uma caneta de pena, e ela olhou para fora, imaginando: Que diabos é esse lugar? Este interior é completamente diferente do armazém que vendia todo o tipo de artigos. Mesmo as janelas de treliça em arco voltadas para a rua tinham apenas cortinas roxas, e não havia nada que indicasse o que aquele lugar estava vendendo.

No momento em que ela estava no auge de sua curiosidade de que não era uma casa de chá, a porta da sala de espera se abriu e um homem de colete vermelho e camisa branca com bordados coloridos saiu para cumprimentá-los.

“Eu te dou boas-vindas. Que tipo de mercadoria você está procurando?”


Tradução: Sa-chan

Revisão: Sa-chan

Obrigada pela leitura. ^-^

Parceiro:

Alone Scanlator

Alone Scanlator

Rolar para o topo