Capítulo 38 – O principado de Bertino – Parte XIX

Julietta Vista-se

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

O principado de Bertino  Parte XIX


O dono da loja estava com o cabelo encaracolado voltado para trás para não escorrer, e usava uma gravata dura, um pano largo e retangular enrolado no pescoço como um lenço. Devido a suas roupas luxuosas e maneiras condescendentes, não parecia ser uma loja comum.

Adam se aproximou do lojista enquanto Julieta estava pensando.

Quando o conde começou a conversar com o proprietário sobre uma coisa ou outra, Killian se sentou em uma cadeira de recepção no centro da loja. Julieta, que se acomodou atrás dele suavemente, agonizou seriamente na parte de trás de sua bela cabeça.

Ela havia falado com admiração sincera da vida noturna do príncipe, mas ele deve ter ficado muito zangado com a empregada que casualmente se gabava de sua vida privada. Ela estava apenas procurando uma chance de se desculpar, de dizer: “Sinto muito” e “Nunca farei isso de novo”. Mas ela não pôde evitar se sentir desconfortável.

Adam, que acabara de voltar de uma conversa com o lojista, falou com Julieta, que estava inquieta atrás de Killian. “Há alguma coisa que você queira dizer? Então, não hesite em dizer.”

A cabeça de Killian se virou ligeiramente para ela com a pergunta do conde. Com sua permissão silenciosa, Julieta correu para ir até a sua frente e pedir perdão.

“Sua Alteza, perdoe-me pelo que eu disse antes na carruagem. Não sabia quem eu era e me enganei, apoiando-me na sua generosidade. Eu prometo que não vai acontecer de novo.”

O rosto de Killian enrijeceu por um momento e depois relaxou quando Julieta se abaixou e procurou ansiosamente o perdão.

“Não há nada que você não possa dizer diante de mim e do conde Adam, então não há necessidade de pedir perdão. Mas na frente dos outros, você deve ter cuidado com isso, porque eu não devo deixar as alguém falar sobre o que acontece na minha vida pessoal.”

Killian sentiu uma estranha sensação de déjà-vu ao ver Julieta curvando-se noventa graus, implorando por perdão.

Adam continuou, olhando para Killian, que lembrou que ele deve ter visto isso em algum lugar.

“Fico feliz que você não seja aquela que vai ficar com raiva ou dizer qualquer coisa sobre isso, mas na frente de outro nobre não deveríamos ter que dizer que você precisa ter cuidado com suas palavras e ações.”

Julieta assentiu firmemente com as palavras do conde. Ele pediu perdão a si mesmo, pensando que devia ter ficado louco por um tempo. Então, o lojista que havia entrado saiu com uma caixa de aparência cara embrulhada em tecido de veludo.

Julieta, imaginando o que havia nele, sem saber olhou para cima. O proprietário fez uma careta e olhou para Julieta.

Ela costumava trabalhar na sala de adereços do teatro e combinou as joias e decorações com os trajes dos atores. Claro, as joias usadas para adereços de teatro pareciam plausíveis à distância, mas eram como brinquedos muito rústicos para serem vistos de perto. Mas era trabalho de Julieta combinar até mesmo aquelas joias falsas com um vestido.

Assim, seu interesse cresceu à medida que as atrizes usavam as joias e vestidos que haviam recebido de seus seguidores. Frequentemente, ela esboçava os designs de seus vestidos e joias imaginadas.

Ela estava curiosa para saber quais seriam os desenhos das joias de Bertino. Mas como ela tinha os olhos ferozes do dono, ela lentamente recuou para o canto e Killian disse com um leve suspiro: “Venha e sente-se. Talvez seus olhos, embora você seja uma empregada, possam ser mais precisos que os nossos.”

Com as palavras, Adam apressou o lojista, cujos olhos estavam arregalados, “Mostre-me o que há nele.”

“Sim senhor.”

O proprietário abriu a tampa das caixas de joias que segurava e as colocou sobre a mesa. As joias em cada caixa pareciam iluminar a loja mal decorada, e Julieta ficou impressionada.

Ela se esqueceu de como ousara sentar-se ao lado de Sua Alteza e foi movida por um grupo de pedras brilhantes como um solteiro possuído por uma mulher. Sentada ao lado de Killian naturalmente, ela olhou para as joias com um rosto que estava literalmente salivando.

Olhando para o brilho resplandecente das cores vermelho, azul, amarelo e verde, Julieta voltou a si e finalmente inclinou a cabeça.

Afinal, era uma joalheria. Mas ela não entendia por que não havia nenhum dispositivo para mostrar como era aquele lugar. Como o interior estava vazio, ela se perguntou se era um negócio disfarçado ou se havia um negócio de contrabando nos bastidores.

Era tão estranho que não tinha anúncios para seduzir os consumidores, e uma vitrine chique que se gabava para seus clientes e pedia que eles comprassem. Embora fosse uma dimensão que tinha um calendário mágico e eclesiástico, era estranhamente semelhante à Idade Média da Terra.

Julieta, que encontrou seu motivo de compreensão, olhou para as joias mais uma vez e sentiu um olhar penetrante. Ao erguer a cabeça em direção ao olho, viu o dono da loja encarando-a mortalmente com medo de que sua saliva pudesse até cair nas joias, ela ficou surpresa e de repente se levantou e se escondeu atrás das costas largas de seu patrão como um escudo.

Lance, que há várias gerações trabalhava joias no negócio da família, era um artesão com grande habilidade no Principado de Bertino. Sentindo-se tão orgulhoso de seu trabalho de esculpir e aparar pedras simples e transformá-las em ornamentos deslumbrantes, ele pensou que algo feio neste mundo o incomodaria mais do que qualquer outra coisa.

Em seus olhos, Julieta tinha uma aparência tão horrível que ele não queria ficar na mesma sala por um momento. Ele estava preocupado que a hediondez de uma empregada difícil de se ver fosse transferida para seu belo trabalho.

Lance, mal conseguindo franzir a testa, fechou a tampa da caixa de joias perto da empregada e a moveu para o outro lado. A cara feia olhou para ele, e rapidamente se levantou e deu a volta nas costas de seu mestre.

Ele balançava a cabeça com satisfação, pensando que pelo menos ela entendia quem era, mas a expressão do Príncipe ao ver o comportamento do lojista ficou fria.

Adam falou rapidamente, sentindo-se ansioso que Killian perturbasse a loja enquanto ficava do lado da empregada se não fosse controlado. “Você tem um conjunto de ametista?”

“Não temos muitas pessoas procurando por eles, então não temos nada pronto no momento. É menos popular do que diamantes, safiras, rubis e outras joias. Em particular, como o Principado de Bertino é o maior produtor de ametista, há mais oferta do que demanda, e o valor das joias é baixo e pouco popular.”

Depois que Killian olhou para as joias iluminadas por um tempo, ele olhou fixamente para o proprietário e se levantou de seu assento. Quando Killian assentiu e saiu, Adam, que recebeu suas instruções silenciosas, fez o pedido ao lojista. “Vou comprar tudo aqui, então coloque na carruagem.”

* * * * *

Depois de voltar para a pousada, Killian olhou para os conjuntos de joias que havia comprado e disse a Adam:

“Definitivamente não se compara ao trabalho dos anões, mas é um trabalho manual muito bom. Também vou acrescentar este homem à lista de artesãos do Grupo Empresarial Bertino.”

“Claramente, embora seja comparável ao trabalho dos famosos joalheiros de Austern, as joalherias agora estão saturadas. Por que não encontramos um mercado para ametista, em vez de entrar no incerto negócio de joias?”

Com as palavras de Adam, Killian se perdeu em pensamentos. O Principado de Bertino era o maior produtor de diamantes e ametistas do continente. No entanto, Killian estava lutando para extrair o lucro máximo do que tinha, pois era natural que o lucro tivesse sido reduzido com a venda dos mesmos recursos ao longo de várias gerações.

Certamente, como disse Adam, os joalheiros famosos que herdaram os negócios da família de geração em geração abundavam em Austern e Vicern, então ele hesitou em entrar. Por maior que fosse a capital, não havia garantia de que ele poderia lucrar com a concorrência, a menos que definisse uma estratégia de vendas diferente. A única coisa que Killian tinha de vantagem sobre os outros joalheiros era que ele tinha trabalhadores anões, mas havia apenas cinco deles. Ele não poderia vender todos os seus produtos com o trabalho manual dos anões. Como tal, era demais lançar uma joalheria sob o pretexto da diferenciação.


Tradução: Sa-chan

Revisão: Sa-chan

Obrigada pela leitura. ^-^

Parceiro:

Alone Scanlator

Alone Scanlator

Rolar para o topo