Capítulo 46 – Castelo Calen – Parte VII

Julietta Vista-se

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Castelo Calen  Parte VII


Oswald suspirou ao ver a mulher na sua frente, que intencionalmente usava tecidos finos para fazer o tecido grudar em todo o corpo e cujo vestido exposto era lindo, mas transbordando de vulgaridade.

“Oh, viscondessa. Acho que você está enganada. Nada que sai da minha boca é sem os pensamentos de Sua Alteza. Como eu disse, suas intenções estão de acordo com minha mensagem, então esteja pronta. As donzelas do Castelo Rezen estão ajudando sua empregada a arrumar suas coisas, então, assim que estiver pronta, você deve deixar o castelo. Eu quero que você saiba que se você resistir, será forçada.”

Oswald chamou os cavaleiros que estavam do lado de fora com o aviso.

“Assim que a viscondessa entrar em seu quarto e estiver pronta, leve-a para fora do castelo. Tudo tem que ser feito dentro de uma hora a partir de agora.”

No comando do Marquês, os cavaleiros a cercaram. Ela começou a calcular rapidamente. Nesse ritmo, ela poderia ser arrastada de uma forma muito feia, mas ela achava que não era tão ruim.

Pareceria mais plausível estar cercada por cavaleiros do que sair do portão de uma maneira miserável, sem ninguém as mandando embora. Superficialmente, eles não saberiam se esses cavaleiros foram mobilizados para fazê-la partir ou para se despedir dela. Se ela fosse tirar vantagem dessa situação, ela poderia criar uma situação plausível para mais tarde.

‘Se eu não posso esperar por um futuro com o Príncipe Killian de qualquer maneira, eu não deveria usar a situação para encontrar outra pessoa plausível?’

Oswald suspirou alto enquanto ela se segurava em seu assento.

“Madame, eu avisei claramente. Vamos levá-la direto para a carruagem.”

Dois cavaleiros curvaram-se educadamente à viscondessa ao comando de Oswald e a ergueram segurando os dois braços. Ela fingiu se rebelar e foi levada para a carruagem. Um momento depois, assim que sua criada apareceu com o chapéu de sua patroa e se sentou em frente a ela, a carruagem partiu.

“Sua Alteza é tão cruel. Eu nem me lembro como eu guardei tudo.”

A empregada foi às lágrimas quando teve que se preparar para partir às pressas sob os olhos dos assustadores cavaleiros.

“Cale-se! Dê-me meu chapéu.”

Depois de colocar o chapéu que a empregada lhe entregou, ela olhou pela janela da carruagem. Cavaleiros usando dois emblemas do Principado de Bertino e do Príncipe Killian cercaram a carruagem em que ela estava. Ela pareceu satisfeita com a visão e recostou-se confortavelmente no assento.

“Vou voltar para Austern primeiro e olhar para o futuro. Ninguém vai pensar que fui expulsa pelo príncipe com tanta escolta, exceto Anais.”

“Hum, Lady Anais é totalmente diferente dos rumores. Aqueles que acreditam que ela é generosa e gentil, e que ela é a pessoa certa para ser a Imperatriz no futuro, nunca diriam isso se descobrirem como ela realmente é. ”

Ela acenou com a cabeça para a empregada que tinha sido emocionalmente ferida na guerra de nervos que durou dias.

“Está certa. Eu posso suportar qualquer outra coisa, mas não posso ver aquela vadia pomposa no futuro. Vou ter que me vingar pelo que ela fez comigo nesse ínterim.”

A viscondessa tinha um sorriso sombrio e úmido, pensando: ‘Você espere para ver…’

* * * * *

Naquela ocasião, Julieta voltou à sala por ordem de uma nobre senhora, que agia como superintendente de dormitório.

Embora sua maquiagem fosse um pouco séria, ela não tinha machucado ninguém e estava entediada com o fato de que todos a tratavam como uma paciente infecciosa. Ela estava preocupada com a possibilidade de sofrer um acidente mais cedo ou mais tarde, depois que seu humor tivesse tantos altos e baixos, embora sofresse todas às vezes. Ela apenas esperou que a nova empregada de Killian viesse o mais rápido possível.

Julieta não sabia que Killian mandaria de volta a nova empregada que ela havia esperado com tanto anseio, e estava sozinha pensando quanto tempo esperaria para voltar para a rua Harrods.

“Julieta.” Ela ouviu uma voz chamando-a do lado de fora. Pareceu que muito tempo se passou antes que o príncipe retornasse ao seu quarto. Quando ela estava correndo para fora, a porta ligada ao provador se abriu.

Killian olhou ao redor da sala onde Julieta estava hospedada. Como ele achava que o quarto era pequeno demais para um camarim enorme, ele perguntou sem pensar muito: “O quarto não é muito pequeno? Nem mesmo tem janela, por isso parece abafado.”

Julieta balançou a cabeça com força, pensando que seu empregador poderia estar tentando tomar seu próprio espaço novamente.

“Não, eu realmente gosto. Nunca tive um quarto tão bom. Estou muito satisfeita com a cama, a mesa e o armário.”

Embora parecesse ter vivido uma vida esplêndida sob a proteção do Marquês Anais, ela decidiu pensar que seu passado antes dos cinco anos não era sua vida. Ela decidiu permanecer indiferente em relação aos convidados que estavam hospedados no castelo externo.

Killian acenou com a cabeça impotente quando viu Julieta, que respondeu veementemente que ela realmente gostou. Se ela não gostasse, ele tentaria reformar o camarim, mas ainda bem que ela gostou tanto.

Sa-chan: Gado d+ kkk

“Prepare um banho. Estamos com o tempo apertados antes do jantar, então se apresse.”

Quando Killian saiu, deixando uma ordem, Julieta deu um suspiro de alívio por ter ficado no quarto.

Enquanto ela corria para o banheiro para se preparar para o banho, agora acostumada a isso, Killian pensou por um momento, olhando para seu amplo disfarce por trás.

Ele já tinha ouvido muitas palavras sobre a aparência de sua empregada. Ele queria mantê-la fora de vista tanto quanto possível, mas para isso, ele tinha que ter outro servo ou uma criada ao lado dele.

A razão pela qual ele até agora tolerava Jeff era que ele odiava a presença de pessoas não confiáveis ​​ao seu redor.

Embora conhecesse o caráter insidioso e desagradável de Jeff, ele não fora muito intrusivo até então e, acima de tudo, era sobrinho da Baronesa Lanolf, que havia trabalhado como empregada de sua mãe.

Ele finalmente encontrou sua empregada favorita, mas a intromissão das pessoas ao seu redor era bastante irritante. Além disso, Killian ficou profundamente ofendido com a atitude da empregada doméstica, ousando apontar a incompetência de Albert na frente dele.

* * * * *

Naquela época, a Baronesa Ranolf, que havia fornecido aquela situação, estava ouvindo a notícia do acidente de Jeff de Sir Albert.

“O que? Você quer dizer que aquela coisa feia jogou água quente em Jeff?”

“A Baronesa, não diga nada para criar problemas. Quando eu disse isso? Ao preparar o chá para Sua Alteza, Jeff foi queimado por um pequeno acidente de carroça. Sua Alteza confirmou que não havia intenção disso.”

“A cara da feia que deveria estar cheia de água quente, por que caiu na cara do nosso Jeff? Foi realmente um acidente? Sua Alteza não viu errado, não é?”

Albert estava muito zangado com Pamela, que estava tão exaltada que não sabia o que não deveria dizer.

“Se você quiser se segurar por muito tempo no assento, espero que não diga palavras tão insuficientes novamente. Vou repetir isso uma vez, apenas mais uma vez, você terá que deixar o castelo se eu ouvir isso de novo.”

Enquanto Albert olhava furioso e gritava com ela, Pamela reprimiu seu protesto, que estava prestes a explodir dela. Era porque ela sabia que um homem tão forte e másculo realmente faria isso se quisesse.

“Sim, Sir Albert. Fiquei com pena do meu sobrinho que se machucou, então minha língua escorregou. Por favor me perdoe.”

Albert acenou com a cabeça relutantemente com a aparência de um pedido de desculpas.

Enquanto ela conseguia acalmar sua mente borbulhante e relatava os preparativos do jantar para o banquete noturno, Pamela pensou: ‘Eu preciso expulsar aquela empregada desagradável imediatamente.’


Tradução: Sa-chan

Revisão: Sa-chan

Obrigada pela leitura. ^-^

Parceiro:

Alone Scanlator

Alone Scanlator

Rolar para o topo