Capítulo 57 – Castelo Calen – Parte XVIII

Julietta Vista-se

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Castelo Calen  Parte XVIII


Por decisão de Albert, Julieta voltou ao castelo principal na carruagem em que o chefe da guarda lhe deu uma carona. O chefe da guarda estava preocupado que alguém que passasse pudesse ter convulsões com sua figura feia, mas ela voltou para seu quarto agradavelmente, pensando que uma pessoa deve ter um bom senso de saudação.

Ela estava tão feliz por voltar para seu lindo quarto temporário de uma prisão úmida e desagradável. Ela deveria sair daqui logo, mas Julieta decidiu aproveitar enquanto ainda estava aqui, e quase desmaiou quando abriu a porta do armário para trocar suas roupas sujas e empoeiradas.

Seu rosto no espelho do tamanho da palma da mão preso na parte interna da porta do armário era tão terrível. Julieta percebeu que apenas trocar as roupas sujas não parecia resolver essa situação grave.

Na Rua Harrods, havia um banheiro separado para as empregadas e durante a viagem elas puderam se lavar com a água que sobrou depois que o patrão se lavou. Mas aqui ela não tinha ideia de onde poderia se livrar dessa bagunça.

Julieta não queria deixar o lar aconchegante e seguro depois de passar por muitas dificuldades enquanto tentava encontrar uma sala de jantar, e pensou por um momento.

Visto que ainda era cedo e a sala estava vazia, era muito provável que seu empregador tivesse ido comer ou trabalhado em seu escritório. Depois de chegar ao castelo, ele parecia muito ocupado, então ela achou que ele não teria chance de voltar por um tempo e rapidamente parou de se preocupar.

Em vez de se aventurar a encontrar o banheiro para as empregadas cuja localização ela não conhecia, ela pensou que seria melhor se limpasse o banheiro depois de se lavar com pressa, antes que o proprietário chegasse.

Era sua vantagem e desvantagem agir imediatamente quando pensava em algo. Assim que chegou a uma conclusão, Julieta rapidamente foi direto para o colorido banheiro do patrão com seu uniforme de empregada extra.

Com o suco de metum, as coisas pegajosas que ocorrem naturalmente em seu rosto e a maquiagem da poeira da prisão, seu rosto ficou ainda mais horrível quando visto no espelho luxuoso do banheiro. Ela sentiu como se houvesse um cheiro estranho nas roupas que vestia, e ela as tirou apressadamente.

Julieta abriu a torneira dourada do luxuoso banheiro, bombeou a água que derramava e começou a se lavar rapidamente.

‘Quando poderei mergulhar em uma banheira de hidromassagem e me lavar com bastante tempo?’

Ela deu um suspiro triste por um momento. Mas o lamento foi curto e, com alguma ansiedade, suas mãos se moviam cada vez mais rápido.

* * * * *

O espaço do monarca, que ocupava todo o lado leste do segundo andar do Castelo Calen, consistia em uma grande sala de estar, um quarto, um camarim, um escritório particular e uma sala de recepção. Entrando no quarto mais interno, Killian saiu para o terraço e olhou para o crepúsculo.

Killian nunca perdeu o que tinha, exceto uma vez. Essa poderia ter sido a segunda vez.

Assistir à prisão onde Julieta fora mantida durante a noite o lembrou dela chorando de medo em seus braços. Ele não sabia quem tinha feito isso, ou com que propósito, mas como Oswald havia dito, não havia garantia de que isso não aconteceria no futuro. Aqueles em quem ele confiava e se preocupavam seriam os alvos de novos ataques.

Killian se virou e sentou-se no parapeito, perdido em pensamentos enquanto olhava seu reflexo na janela do terraço.

“Me tornar imperador.” Na verdade, seu pai, o atual imperador, estava se preparando para fazer de Killian um príncipe herdeiro por um longo tempo. Mesmo sabendo dos desejos de sua Majestade, ele vinha atrasando o tempo sem mostrar nenhuma intenção definida até agora.

Se ele fosse apenas um dos outros Príncipes, teria seguido a vontade de seu pai sem hesitação. No entanto, Killian dirigia uma empresa e o Principado que herdou de seu avô materno. Ele estava interessado em aumentar o que tinha, mas não estava muito feliz com a ideia da vida do imperador, que o privaria de liberdade.

Mas ele sabia que era algo que ele tinha que decidir um dia, e ele não estava segurando as ações daqueles que o empurraram ao trono imperial, já que ele teve que vencer o Príncipe Francis para sobreviver sem se tornar Imperador.

Os outros príncipes, exceto Killian e Francis, não eram de rainhas, mas de concubinas, e não estavam dispostos a antagonizar os dois ou se revelar ao público.

Francis tinha o apoio do primeiro duque de Dudley e Killian era filho da segunda rainha, mas Cordelia, a Imperatriz, era sua tia e, se ela não tivesse morrido, ele teria sido coroado como príncipe herdeiro sem falta.

Apesar de todas essas circunstâncias, Killian sempre se perguntou se ele realmente queria ser um imperador. No entanto, estava claro que ele precisava se livrar de seus oponentes políticos, Francis e Duque Dudley. Dessa forma, ele poderia resolver o caso.

Mas depois de removê-los e fazer outro dos Príncipes, que não podiam tocá-lo, em um Imperador, Killian estava prestes a se afastar da família real, mas mudou de ideia ontem.

‘Eu nunca vou perder uma pessoa preciosa para meus oponentes políticos novamente.’

Resolveu dar exemplo para quem queria machucar ou tirar tudo que lhe pertencia, e subir até o pico para que nunca pensassem nisso. E ele achou que não era uma má ideia ter uma empregada engraçada na parte mais profunda do pico.

Killian gradualmente acalmou seus pensamentos e concluiu tomando um tempo para si mesmo por um tempo, e se levantou, esfregando levemente os olhos rígidos. Ele queria mergulhar seu corpo em água quente por um tempo após a longa noite.

A julgar quanto tempo levaria para Julieta sair da prisão e voltar da refeição, ele pensou que teria que tomar banho sem esperar.

Killian, despido como de costume, caminhou pelo infinito quarto espaçoso e foi para o banheiro do outro lado. Ele abriu uma porta pesada de banheiro com padrões coloridos e parou diante de seus olhos.

No banheiro, decorado com uma beleza pálida e decorações douradas, o vapor de água espesso turvava o ar. Uma mulher com cabelo de tijolo e argamassa estava olhando para ele, vestindo nada além de sua calcinha.

De pé ao lado de um pequeno dossel em um banheiro tão grande quanto um quarto, Julieta começou a gritar assim que voltou a si. Aahhhh!

Quando Killian voltou para seu quarto e se perdeu em pensamentos no terraço, Julieta lavou o rosto e o corpo sujos e, feliz, colocou o cabelo molhado e a peruca. Era desconfortável colocar uma peruca úmida em seu cabelo recém-lavado novamente, mas agora sua peruca e maquiagem eram como uma arma que ela não poderia desgrudar.

Julieta tirou do bolso do terno de empregada, cuidadosamente colocado no canto, uma lata pequena de suco da fruta meticulosamente, colocou-a no rosto e tentou vestir as roupas, mas baixou-as novamente. Ela teve que limpar o banheiro sujo, mas não queria sujar a roupa que sobrou. Ela achou que seria melhor limpar o banheiro antes de colocar a roupa.

A porta se abriu de repente assim que Julieta terminou de limpar rapidamente antes que seu empregador com uma personalidade difícil voltasse, e ela acabara de arrumar as roupas que guardara por medo de se molhar. Seu empregador ainda deveria estar em seu escritório ou comendo, mas abriu a porta do banheiro com um corpo nu.

A chegada inesperada de seu empregador deixou Julieta rígida. Ela teve uma sensação maior de crise por não usar óculos do que por estar nua. Ela começou a gritar, cobrindo o rosto com as roupas que segurava.

Se outros fossem pegos nus, estariam ocupados cobrindo seus corpos, mas sua empregada era algo incomum. Gritando a ponto de temer que todos no castelo pulassem, ela estava cobrindo o rosto e a cabeça em vez de cobrir o corpo nu.


Tradução: Sa-chan

Revisão: Sa-chan

Obrigada pela leitura. ^-^

Parceiro:

Alone Scanlator

Alone Scanlator

Rolar para o topo