Capítulo 61 – Castelo Calen – Parte XXII

Julietta Vista-se

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Castelo Calen  Parte XXII


Maribel sorriu alegremente como ele agitou sua cabeça, como se não pudesse ser.

“A menina é muito bonita. Tive medo de que ela fosse tocada por outras mãos no teatro. Assim, aceitando as exigências da marquesa e para protegê-la, mantive sua aparência escondida desde a infância. Mas era altamente recomendável que esta criança mantivesse seu disfarce quando trabalhava como empregada doméstica, dizendo que não queria ser submetida a condições adversas. Se Vossa Excelência a visse pessoalmente, você verá do que estou falando.”

“Ela cresceu disfarçada desde criança, ninguém sabe como ela é?”

“Sim. Ela sempre se disfarçou desde os cinco anos. Eu e as duas funcionárias que cuidaram dela somos as únicas que vimos seu rosto nu.”

A expressão do duque, que tinha sido dura o tempo todo, finalmente relaxou suavemente. “Você vai precisar de um cadáver no teatro mais cedo ou mais tarde.”

“Sim, Excelência. Uma pobre criança órfã de quem cuido desde que era criança vai ficar doente e morrer.”

Os olhos do duque Kiellini e Maribel se encontraram. Um momento depois, quando o duque movimentou a cabeça, Maribel levantou-se de seu assento e curvou-se educadamente.

“Espero que você se divirta e espero vê-lo com frequência no futuro.”

* * * * *

“Sim, o que?”

Albert olhou atentamente para a empregada à sua frente, que perguntou surpresa, erguendo os óculos grossos. Embora ele se angustiasse seriamente sobre se Sua Alteza estava doente, ele falou novamente porque precisava cumprir o pedido.

“Sua Alteza aceitará a Srta. Salmon como sua concubina. Por favor, sirva a Sua Alteza somente até que uma nova empregada chegue de Austern. Você só precisa servir no quarto. Meu servo ficará encarregado dos assuntos externos. Quando uma nova empregada chegar, haverá um anúncio formal da identidade da Sra. Salmon.”

No discurso cuidadoso de Albert com palavras honoríficas, Julieta parecia prestes a desmaiar.

‘Isso aconteceu por causa do incidente de ontem? Mas porque eu? Existem belezas em todos os lugares que estão se esforçando tanto para chamar a atenção do empregador, por quê?’

“Bem, grande camareiro. Sinto muito, mas não pretendo.”

Com a recusa de Julieta, Albert ficou pasmo. Uma criada recusou um assento glorioso… seu coração afundou no olhar perspicaz do Príncipe.

“Por que, por que, por que você está se recusando?” Albert tirou o lenço do bolso para enxugar o suor que nunca saía, agarrando seu espírito de passagem.

“Pense nisso. Eu vi Sua Alteza na mansão do Harrods, e você quer que eu seja uma amante dele? Eu não consigo fazer isso. Se eu estiver com esse humor, as ações de Sua Alteza e outras mulheres vão dançar na minha cabeça.”

Esperando por Killian pela manhã, ela ficou aliviada ao ver que seu empregador não era diferente do normal. Era injusto com ela não conseguir dormir bem.

Além disso, o Príncipe generosamente deixou a sala para a reunião da manhã e disse a Julieta que descansasse hoje, porque ela estava na prisão por dois dias. Mas que situação ridícula era aquela!

O rosto de Albert ficou sombrio com a recusa fundamentada de Julieta. Ele não conseguia dizer as palavras: ‘Você é arrogante. Como você ousa recusar Sua Alteza?’ Ele até pensou que o príncipe poderia ter vergonha de seu passado.

Albert, que achava que ele deveria falar com o príncipe novamente, disse suavemente: “Srta. Salmon, entendo do que você está falando. Sua Alteza está fora para verificar a localização da próxima competição de caça, então eu direi a ele assim que ele voltar.”

Quando Albert, que não tinha nada a dizer, disse isso, Julieta se arrependeu. Era porque não era algo que ela pudesse dizer não. No entanto, não era questão de concordar.

Embora o príncipe fosse terrivelmente bonito e sexualmente atraente, a posição da concubina do príncipe não a atraía nem um pouco. Ela tinha sonhado com um homem ideal que fosse amigável e justo para ela. Considerando a situação de sua mãe e dela mesma que havia sido abandonada durante a noite, não importava o quão honroso o assento fosse aos olhos dos outros.

Embora os tivesse expulsado com frieza, Julieta entendeu a marquesa centenas de vezes.

‘Quem gostaria de compartilhar seu homem com outra mulher?’

Ela não queria ser a concubina do príncipe e agarrar o cabelo de uma mulher que se tornaria imperatriz, ou de outra mulher.

Acima de tudo, é claro, ela não poderia fazer nada sobre o que aconteceria devido à maldição de Manny após revelar sua aparência, e o disfarce que ela havia escondido até agora também seria descoberto. Ela nunca quis passar pela aventura que aconteceria quando as criadas contassem a alguém, ‘Você é mais bonita do que Julieta’, para agradar a uma amante que tentaria parecer bem para o Príncipe.

Julieta pediu a Albert, que se levantara com o rosto sombrio, e curvou-se polidamente: “Por favor, fale bem com Sua Alteza. Mas não posso fazer isso, mesmo se você quiser. Quando ele volta?”

“Ele tem que olhar todos os terrenos de caça, então tenho certeza que ele vai ficar lá hoje e voltar amanhã à tarde. Então, descanse bem até então. Vou levar sua refeição para o seu quarto.”

Quando Albert se despediu com uma cortesia inquestionável e saiu do quarto, Julieta voltou para seu quarto ao lado do provador e abriu a porta do armário. As roupas que haviam sido sujas na prisão ainda estavam no canto sem serem lavadas, mas ela não tinha como embalá-las.

Tirando uma preciosa garrafa de vidro da bolsa que estava no chão do armário e colocando-a sobre a mesa, ela colocou uma pequena bolsa contendo uma caneta de pena e pertences em seu bolso, e seu único pijama.

Seria óbvio carregar sua bagagem enquanto ela escapulisse. Mesmo sentindo pena da única bolsa, ela decidiu desistir e escondeu a bolsa em suas roupas.

Julieta escapou calmamente do espaço do Príncipe enquanto tentava disfarçar os seios protuberantes tanto quanto possível. Os cavaleiros eram inabaláveis ​​como as estátuas de pedra e não demonstraram interesse na saída da criada do monarca. Eles imediatamente desviaram o olhar da empregada brega desaparecendo em direção à escada, agitando ativamente os quadris.

Ela caminhou por um corredor vazio sem qualquer interrupção e saiu pela passagem para as criadas do outro lado. Foi a entrada mostrada por uma mulher aristocrática que se colocou em uma armadilha. Logo após sair desta entrada, ela gritou que foi espancada por Julieta.

Enquanto ela passava pelo local onde havia sido instalada e descia a estrada que levava ao castelo externo, Julieta pensou que tiraria a peruca assim que deixasse o castelo. O Príncipe poderia não tentar encontrá-la se ela fugisse, mas não havia mal nenhum em ser cuidadoso, pois ele poderia tê-la seguido, pensando que era uma pena.

Julieta, que estava ocupada andando, estava nervosa e um pouco desviada quando ouviu a carruagem se aproximando atrás dela.

“Excelência, não é a empregada na nossa frente?”

Tomas, o servo do duque Kiellini, viu uma mulher com um vestido marrom andando na beira da estrada que levava ao portão e informou seu mestre. O duque Kiellini saía à rua para comprar um presente para comemorar a visita a Bertino para sua filha.

Quando ele e Thomas souberam que a comitiva do príncipe estava nas terras do conde Baden, dirigiram a carroça ao amanhecer e chegaram pela manhã, e agora viam Julieta saindo da oficina de um ferreiro. Como Maribel explicou, a senhora gorda com o cabelo cor de tijolo feio estava caminhando em direção à pousada onde o Príncipe estava ficando, sacudindo seus quadris grandes, como se ela estivesse excitada sobre algo.

Com as palavras de Thomas, o duque Kiellini levantou-se do encosto. Ele bateu no teto para parar a carruagem.

“Traga a empregada.”

Ao seu comando, Thomas saiu apressado da carroça e alcançou Julieta, que caminhava apressada. Ele apontou a carruagem para a criada olhando para ele com espanto. Julieta foi conduzida até a carruagem por Thomas.


Tradução: Sa-chan

Revisão: Sa-chan

Obrigada pela leitura. ^-^

Parceiro:

Alone Scanlator

Alone Scanlator

Rolar para o topo