Capítulo 71 – Julieta Iris Kiellini – Parte IX

Julietta Vista-se

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Julieta Iris Kiellini  Parte IX


“Ele está completamente convencido, mesmo que seja uma falsa profecia ou uma maldição de um pseudo cartomante. Se fosse eu, os primos da família Anais estão do lado dele de qualquer maneira, então eu me casaria com uma mulher de outra família e expandiria meu poder.”

“Era o vidente com quem a Imperatriz se importava. Ele previu muitas coisas, então aquela profecia estúpida poderia realmente estar certa. Não é algo para se rir assim.”

Killian sorriu sem humor com as palavras de Spencer. “Dizia-se que o cartomante era espiritual e recebia um tratamento muito melhor do que merecia algumas coisas pequenas. Mas é óbvio que ele era um pseudo vidente, já que não conseguiu impedir o assassinato da Imperatriz. Se não, por que ela não poderia ter previsto um incidente tão grande?”

Killian costumava falar de forma consciente e leve ao falar sobre as coisas do passado. No entanto, sua impressão era firme agora, ao contrário de seu tom casual.

Enquanto Spencer olhava ansiosamente para ele, Killian estava pensando no incidente sem perceber.

A caça anual de verão era realizada todo mês de maio para celebrar o Dia da Fundação Nacional, que era para a independência do Reino de Mycaeum após sua contribuição para a vitória da Grande Guerra, quatrocentos anos atrás. Foi a festa mais importante do Principado de Bertino.

Há treze anos, naquele ano, a Imperatriz e a segunda Rainha decidiram participar no festival de verão de Bertino, visto que compareciam todos os anos.

O imperador estava preocupado que elas tivessem que se mover por terra por causa da Praça Mágica não reparada. Apesar de sua dissuasão repetida, a Imperatriz não desistia de sua chance de visitar sua cidade natal.

Foi uma viagem perfeita, exceto que Irene, a segunda rainha que partiu com eles, adoeceu no meio e voltou. A emoção da primeira longa viagem de carruagem de Killian foi especialmente grande.

Foi um momento de atravessar a floresta final para passar pela fronteira ligada a Bertino, curtindo o lindo clima de maio com o coração leviano. Houve um ataque repentino de bandidos.

No início, todos na comitiva riram dos bandidos tolos, enquanto eles atacavam o grupo da Imperatriz de Austern. Mas os bandidos eram mais do que o dobro dos guardas e eram tão capazes quanto os cavaleiros imperiais. Os cavaleiros da escolta começaram a ser mortos sem ajuda por aqueles que não podiam ser considerados bandidos.

A Imperatriz Cordelia abriu ligeiramente a cortina da carruagem e olhou para fora, e disse a Liana, a empregada: “Liana, estou sentindo algo estranho. Eu preciso esconder Killian.”

As costas dos cavaleiros que cercavam a carruagem da Imperatriz eram visíveis, mas os bandidos com as máscaras pretas além deles eram bastante poderosos.

Vendo a Imperatriz baixando a cortina novamente, Liana apressadamente levantou a tampa da cadeira do lado onde ela estava sentada.

“Sua Alteza, eu sei que você vai se sentir desconfortável, mas você vai ter que entrar por um tempo.”

Killian olhou de volta para a Imperatriz inquieto. Cordelia olhou para o espaço embaixo da cadeira por um momento e balançou a cabeça. “Não, Liana. Se forem aqueles que pensamos que são, eles vasculharão o lugar primeiro. Eles sabem que Killian também está indo para Bertino junto comigo.”

Cordelia pegou Killian, sentando ao lado dela e o colocou em seu colo.

“Killian, você sabe o quanto eu te amo? Eu te amo o suficiente para fazer qualquer coisa por você.” Cordelia olhou profundamente nos olhos prateados de Killian.

“Eu também te amo muito!”

“De agora em diante, o que estou pedindo a você deve ser muito difícil para você, que nasceu um nobre Príncipe. Mas Killian, aconteça o que acontecer, você tem que sobreviver. Você não precisa de todo o seu orgulho quando está em perigo de vida. A autoridade da família imperial? A nobreza? De que adianta tudo isso se você morrer? Portanto, não importa o que aconteça, você deve sobreviver e fazer o que quiser. Eu não preciso de vingança. Não desperdice sua vida com tal coisa.”*

Cordelia deu um tapinha no cabelo preto macio de Killian afetuosamente.

“Se você quer ser Imperador, seja Imperador. Mas se você não quiser ser, não seja. Mas você precisa ter certeza de saber quem é seu inimigo. Você terá que se certificar de que sua vida nunca mais será ameaçada por ninguém. Você pode me prometer?”

Ao contrário da voz severa da Imperatriz, Killian assentiu silenciosamente para o olhar triste e lacrimoso.

Cordelia o abraçou com firmeza e o soltou com a aceitação silenciosa de Killian, então fechou os olhos por um momento e orou. Fora da carruagem, ainda havia um estrondo alto de espadas e gritos.

Um momento depois, Cordelia, que abriu os olhos, levantou-se de seu assento e trancou a porta da carruagem, então caiu no chão de frente para a porta.

“Sua Majestade!”

“Tia!”

“Shh, quieto. Killian, venha aqui. Você pode me dizer o que eu quero ouvir pela última vez?”

Killian abraçou o pescoço de Cordelia e sussurrou em seu ouvido uma palavra que ela queria tanto ouvir. Uma torrente de lágrimas escorreu dos olhos de Cordelia com a palavra sussurrada.**

Sentada quieta por um tempo, saboreando as palavras, ela abriu os olhos ao som das espadas ao lado da carruagem. Então ela levantou a saia, que estava cheia de panier(1).

“Killian, venha aqui. De agora em diante, não importa o que você ouça, nunca emita nenhum som ou saia. Tudo bem?”

Cordelia olhou duramente para Killian, que balançou a cabeça quando lhe disseram para se esconder em sua saia.

“Killian, não se esqueça do que eu disse antes. E aumente sua força para que ninguém o force a fazer nada que você não queira fazer depois de hoje.”

Killian, olhando alternadamente para o rosto de Cordelia e o vestido descoberto, mordeu os lábios com força e rastejou pela parte inferior da carruagem até a saia.

Cordelia levou Killian, que ficou quieto sob o vestido, para se deitar em seu colo. Liana se aproximou, tocou o vestido para que o Killian escondido não fosse visto e sentou-se no chão como se estivesse no caminho da Imperatriz.

“Liana, sinto muito.”

“Não. Este é o meu destino.”

“Destino… sim, acho que o destino não pode ser mudado de qualquer maneira.”

“Mas se o Príncipe Killian sobreviver hoje, os esforços da Imperatriz brilharão e minha morte será gloriosa. Então, Vossa Alteza tem que estar seguro.”

A porta trancada da carruagem começou a sacudir enquanto as duas mulheres esperavam pela morte.

“Quebre-o.”

O som de uma espada batendo na porta foi ouvido do lado de fora, e logo a luxuosa porta da carruagem foi quebrada e caiu. Os olhos de Cordelia captaram a cena desastrosa da crueldade lá fora, em um enorme espaço aberto. Ela sentiu o cheiro de sangue e teve vômitos secos sem saber.

Cordelia olhou furiosa para um grupo de homens mascarados, pensando em Killian se escondendo silenciosamente em seu vestido.

“Quem te mandou? Eu sei que vocês não são apenas um grupo de bandidos.”

“De qualquer forma, você estará morta. O que você faria se soubesse quem nos enviou?”

Com voz calma e tom cultivado, Cordelia sentiu-se um tanto aliviada. Pelo menos eles não pareciam ser mercenários rufiões. Ela disse, tendo uma vaga esperança em seu cavalheirismo: “Eu vou morrer, mas quero saber pelo menos quem me mata. Mas se eu desistir disso e não perguntar quem te enviou, minha empregada será poupada?”

“Não, não podemos fazer isso. É uma ordem para não deixar ninguém viver.”

“Então por que você não me diz quem vai me matar?”

Com as palavras calmas de Cordelia, o homem que parecia ser o líder hesitou por um momento. Cordelia perguntou, como se para tirar vantagem de sua hesitação: “O duque Dudley mandou você?”

Cordelia assentiu quando viu os olhos castanhos entre as máscaras negras dando uma resposta positiva.

“Obrigada. É um alívio não morrer nas mãos de um bando de bandidos vorazes. Pelo menos você não vai tocar meu corpo.”

Ao ouvir as palavras de Cordelia, o chefe respondeu: “Isso não vai acontecer, então fique tranquila.”

“Isso é bom. Vou confiar nessa promessa e morrer sem qualquer resistência.” O chefe ergueu a espada enquanto Cordelia fechava os olhos com determinação.

“Espere, Sir Randolph. Não vejo o Príncipe e a segunda Rainha. Imperatriz, onde está o Príncipe Killian?”

Foi assim que se descobriu que o chefe que erguera a espada contra Cordelia se chamava Sir Randolph. Randolph olhou para a Imperatriz como se a tivesse perguntado por causa do grito do homem ao lado dele.


(1)N/T Panier: item utilizado embaixo do vestido para estufá-lo.

Sa-chan: Acho que todos entenderam T-T

Sa-chan: Caramba por eu já ter lido a história eu sei o que ele sussurou que triste. T-T

Tradução: Sa-chan

Revisão: Sa-chan

Obrigada pela leitura. ^-^

Parceiro:

Alone Scanlator

Alone Scanlator

Rolar para o topo