Capítulo 107 – Toque Indutivo

Knight of Chaos

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

“Ela é sua aluna?” Fernando perguntou com uma expressão de surpresa.

“É claro, aquela pestinha nunca falou de mim, certo? Bem, não é novidade, afinal oficialmente não somos professor e aluno, afinal eu não me envolvo com assuntos relacionados a legiões, mas ela é tão talentosa que eu não resisti a ensiná-la um pouco hahaha.” Papi disse parecendo estar de bom humor.

Fernando ainda estava levemente surpreso, até um pouco desconfiado, mas depois de pensar um pouco ele percebeu que não havia sentido em Papi mentir a respeito disso. Então ele pensou em algo.

“Já que o senhor é professor da minha professora, então eu receberei alguns descontos?” Fernando perguntou.

Ao ouvir isso, Papi que ria tranquilamente, de repente congelou.

“Garoto, você é bem abusado hein, eu não envolvo relacionamentos pessoais nos meus negócios, transações financeiras se tratam apenas de lucro.” Papi disse parecendo estar um pouco irritado.

Fernando não disse nada ao ouvir isso, afinal ele apenas tinha apenas feito uma tentativa sem esperar muito.

Vendo o rapaz a sua frente em silêncio, Papi se sentiu um pouco estranho.

Suspiro

“Enfim, pra que você quer 10 Poções Fauser?” Papi perguntou de forma curiosa;

“Eu estou montando um esquadrão, mas algumas das pessoas ainda são um pouco fracas, quero ajudá-las a pelo menos conseguir se defender por conta própria.” Fernando disse calmamente.

Ouvindo isso a expressão de Papi mudou um pouco.

“Rapaz, da outra vez você também comprou poções para seus colegas, certo? Por que gastar tanto do seu dinheiro com outras pessoas?” Papi perguntou com uma expressão confusa.

Fernando ficou em silêncio alguns segundos ao ouvir a pergunta, de certa forma Papi estava certo, logicamente falando não havia muito benefício em gastar seu dinheiro com outras pessoas, mas ele pessoalmente não pensava assim, afinal sem seus colegas, mesmo que ele tivesse derrotado alguns dos Orcs, ele não teria sobrevivido ao último.

“Quando meus aliados ficam fortes, isso me beneficia. Além disso, qual é o ponto em ficar mais forte se as pessoas ao meu redor morrerem aos poucos?” Fernando disse com um rosto sério.

Ouvindo isso Papi ficou em silêncio, ele achava esse rapaz um pouco inocente demais, esse mundo não era tão simples, aqui os mais fortes sobreviviam e os mais fracos eram apenas sacrifícios.

“Que seja, o dinheiro é seu, são 10 Poções Fauser, isso custará 1200 moedas de prata, mais 330 moedas da armadura e 50 moedas do livro dá um total de 1580, com os 10% de desconto de Cliente Vip Avançado, fica um total de 1422 moedas de prata. Mais alguma coisa?” Papi disse.

Fernando pensou um pouco se deveria comprar mais algumas coisas, mas depois de pensar a respeito resolveu deixar de lado, ele ainda tinha pouco mais de 300 moedas restantes, mas achou melhor guardar para comprar equipamentos para seu esquadrão.

“Isso é tudo senhor Papi.” Fernando disse tirando uma pilha de moedas de sua Pulseira de Armazenamento.

De repente, Fernando se lembrou de algo.

“Senhor Papi, onde esta Alaine?” Fernando perguntou olhando em volta.

Papi que estava calmo contando as moedas tremeu levemente ao ouvir o rapaz a sua frente perguntar sobre sua neta.

“Rapaz, o que você está pensando? Por que quer ver a Alaine? Se estiver tendo pensamentos estranhos eu vou cortar seu instrumento e colocar numa vitrine.” Papi disse com um rosto irritado.

Fernando teve um calafrio ao ouvir isso, soava como uma piada, mas por algum motivo ele sentiu que o velho homem não estava brincando, levando em conta que esse homem era professor de Gallia, ele não duvidava que ele teria os meios de fazer isso. Então ele rapidamente moveu o pulso e tirou elefante de pelúcia de cor azul.

“Eu disse que traria um presente da última vez que vim aqui, você pode dar a ela.” Fernando disse entregando o elefante de pelúcia.

Papi percebeu que exagerou um pouco, então ficou levemente envergonhado.

“Desculpe, jovem Fernando, como ela é minha única neta eu sou um pouco exagerado as vezes hahaha. Tudo bem, você mesmo entrega a ela. ALAINE!” Papi gritou em direção ao fundo do salão.

Logo uma garotinha ruiva em torno de 12 anos apareceu, caminhando lentamente enquanto arrastava um coelho rosa.

“Vovô, você atrapalhou meu sono, eu estava sonhando com um mar de Totis.” Alaine disse enquanto coçava a barriga e levantava seu coelhinho.

“Olhe seus modos Alaine, não vê que tem alguém aqui?” Papi disse repreendendo a garotinha.

“Ei, você é aquele tio estranho que ficou me olhando antes, eu lembro de você!” Alaine disse apontando para Fernando.

Ao ouvir isso, a expressão calma de Fernando mudou um pouco, mas ele rapidamente se acalmou, não valia a pena se irritar com as palavras de uma garotinha com ela.

“Aqui, você pediu um presente quando eu voltasse.” Fernando disse entregando um elefante azul.

“Uau! É pra mim? Olha vovô, um presente pra mim.” Alaine gritou empolgada.

“Como ele se chama?” Alaine perguntou enquanto segurava o elefante de pelucia azul.

“Bem, você quem deve dar um nome, é seu presente.” Fernando disse sorrindo, ele achava essa garotinha engraçada.

“Então ele vai se chamar Popy, agora eu tenho dois amigos, Toti e Popy.” Alaine disse rindo.

Ouvindo isso deixou Fernando sem saber o que dizer, a garotinha parecia bem solitária. Ao pensar a respeito Fernando notou que raramente via crianças na cidade, talvez por esse ser um posto avançado focado em militares, não se podia trazer muitas crianças para viver aqui, então esse poderia ser o motivo de seu avô não deixá-la sair muito. Ou talvez seu avô fosse superprotetor e não lhe deixava sair com frequência.

“Tio, eu quero te agradecer!” Alaine disse correndo em direção a Fernando.

Fernando não era bom em lidar com crianças, mas se abaixou, permitindo que a garotinha lhe desse um abraço. A garotinha lhe abraçou forte, então lhe deu um selinho na bochecha, Fernando não se importou muito, depois disso ele queria se levantar, mas Alaine continuava lhe abraçando.

“Tio, seu mana cheira tão bem…” Alaine disse em seu ouvido.

Fernando achou isso estranho, mas então começou a sentir algo em seu corpo, ele sentiu seu mana se movimentar violentamente, circulando por seus canais de mana e correndo de forma desenfreada em direção aos locais que a garotinha estava tocando, então seu corpo começou a se sentir fraco.

“Alaine, não!” Papi gritou em pânico ao notar algo estranho.

Fernando imediatamente percebeu que algo não estava certo, ele sentiu seu mana sendo drenado de forma violenta. Fernando não sabia porque, mas sentiu que se permitisse que todo seu mana fosse esgotado, algo ruim lhe aconteceria, então sem pensar duas vezes ele ativou sua Pedra de Mana, absorvendo parte do mana armazenado, depois de estocar bastante mana, ele tinha cerca de 1500 pontos de mana armazenados.

Fernando começou a absorver mana de sua Pedra de Mana como se não houvesse amanhã, mas Alaine parecia um poço sem fundo, sugando todo o mana de seu corpo, os músculos do corpo de Fernando ficaram rígidos, seus canais de mana que preenchiam cada parte de seu corpo pareciam estar lhe atrapalhando nesse momento, pois o mana que ele absorvia era facilmente guiado para qualquer parte de seu corpo, facilitando a perda de mana. Fernando olhou para Alaine, a garotinha ruiva parecia estar hipnotizada, seus olhos azuis não pareciam ter consciência de nada do que estava acontecendo. Fernando queria afasta-la,  mas com o fluxo descontrolado de mana ele não conseguia controlar sua força, ele poderia acabar ferindo a garota se o fizesse.

De repente Papi apareceu ao lado, puxando Alaine.

“Vovô?” Alaine de repente disse surpresa, sem entender o que estava acontecendo.

Ao sentir a perda de mana cessar, Fernando suspirou aliviado, todo seu corpo estava encharcado de suor frio, como se tivesse treinado por horas a fio. Ele estava exausto.

“Você fez de novo Alaine.” Papi disse com uma voz cheia de repreensão.

“Desculpe vovô, eu não consegui segurar, o mana do tio cheira tão bem. O sabor também é ótimo, na verdade, será que eu não posso só mais um pouquinho?” Alaine disse olhando para Fernando.

Fernando sentiu um calafrio ao ver o olhar da garotinha ruiva, como se ele fosse um jantar delicioso.

“Peça desculpas já!” Papi gritou com raiva.

“Ugh, desculpa tio.” Alaine disse com um rosto choroso.

Fernando se levantou, ele não sabia o que estava acontecendo, mas a garotinha ruiva tinha feito algo com ele, era como se ela fosse um buraco negro, devorando seu mana.

Suspiro

Vendo o olhar confuso de Fernando, Papi suspirou.

“Desculpe Fernando, minha neta é um pouco especial, ela tem uma certa habilidade para absorver mana de outras pessoas, é por isso que eu não a deixo interagir muito com outras pessoas, já que isso pode levar a acidentes. Peço que não comente a respeito disso com ninguem.” Papi disse um pouco envergonhado.

“Gallia havia me dito que seu novo aluno não tem uma boa compatibilidade mágica, então me surpreende que você pareça tão bem depois de Alaine absorver seu mana.” Papi disse sem entender como Fernando ainda conseguia ficar de pé depois disso.

“Eu estou bem.” Fernando disse calmamente, ele estava um pouco nervoso já que perdeu muito mana armazenado em sua pedra, mas ao levar em conta que se tratava de uma garotinha de 12 anos ele acabou deixando o assunto de lado.

“Bem rapaz, já que você é aluno de Gallia podemos dizer que também é um aluno indireto meu, como você levou de bom coração a questão com Alaine, eu acho que você merece isso.” Papi disse jogando um frasco que tirou de sua Pulseira de Armazenamento.

Sem pensar muito, Fernando pegou o frasco, era um frasco muito pequeno, menor que metade de seu dedo indicador, o conteúdo parecia levemente azul e aquoso.

“O que é isso?” Fernando perguntou curioso.

“Essa é uma Poção Azul Celeste, ela aumenta o nível de Magia de alguém em 1 ponto, mas é limitada até 10 pontos, depois disso ela apenas aumenta em 10% o mana total de alguem até o nível 15, e em apenas 5% depois disso, porém depois do nivel 20 ela se torna inútil, mas mesmo com essas limitações é uma poção muito rara e requisitada.” Papi disse.

Fernando ficou surpreso ao ouvir isso, essa porção seria muito útil para ele.

“Você tem certeza que está me dando isso?” Fernando perguntou.

“Apenas pegue.” Papi disse como se não fosse nada, mas internamente seu coração estava sangrando com a perda de lucro.

Depois disso, Papi retirou a Armadura Negra Kinfar e os outros itens e entregou a Fernando, que guardou tudo em sua Pulseira de Armazenamento. Por um momento ele pensou em tentar usar a armadura, mas rapidamente descartou a ideia, seria muito chamativa.

Quando Fernando estava se preparando para sair, a garotinha ruiva Alaine se aproximou.

“Tio, você já tá indo né? Desculpa por roubar seu mana.” Alaine disse com um rosto triste.

Na hora Fernando ficou um pouco irritado, mas vendo essa garotinha que parecia uma boneca, com olhos parecendo que iriam chorar a qualquer momento, Fernando não conseguiu evitar de ficar com pena.

“Tudo bem, esqueça isso.” Fernando disse passando a mão na cabeça de Alaine.

“Nossa tio, você tocou minha cabeça! Todo mundo que eu roubo mana, nunca mais quer chegar perto de mim.” Alaine disse um pouco surpresa, mas sorriu de felicidade.

Fernando não sabia o que dizer, então apenas sorriu se despedindo de Alaine e Papi.

Quando Fernando subiu as escadas, Papi ficou pensativo.

“Você achou um aluno realmente interessante pequena Gallia, não só ele sobreviveu ao Toque Indutivo como até se atreveu a tocar Alaine de novo.” Papi disse para si mesmo.

“Vovô, eu fiz certo?” Alaine perguntou com um rosto como se esperasse agradecimento.

“Fez sim Alaine, você foi muito bem, eu queria testar aquele rapaz, já que ele é aluno de Gallia, mas quem diria que ele não iria desmaiar, mas você passou do limite, era apenas um pouco.” Papi disse elogiando e repreendendo a pequena garota no final.

“Mas o mana dele era tão bom vovô…” Alaine disse com cara de quem não tinha culpa de nada.

Depois de sair da Loja Proibida, Fernando caminhou pelas ruas da cidade, ele ainda estava se sentindo um pouco fraco depois de perder mana. Felizmente com sua Pedra de Mana ele poderia repor o que perdeu, mas a leve sensação de fraqueza ainda permanecia.

“Bem, vou ao último lugar agora.” Fernando disse para si mesmo, seu objetivo dessa vez era visitar o Quarto Campo de Treinamento.

Aviso do Autor:

glauber1907

glauber1907

Chave Pix copiada!
PicPay copiado!
Rolar para o topo