Capítulo 84 – Eu aceito

Knight of Chaos

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Depois de sair da casa de Gallia sem conseguir ve-la, Fernando estava um pouco irritado, ele resolveu dar uma volta pela Guarnição, apesar de não ser um lugar muito grande, ele parecia um condomínio fechado. Fernando parou em frente a alguns pequenos comércios que havia próximo ao centro da Décima Terceira, apenas comerciantes que recebiam autorização explícita do alto escalão poderiam operar na área interna e mesmo assim deveriam pagar aluguel e mais uma porcentagem do lucro obtido, como os clientes eram basicamente membros da Guarnição, os comerciantes não poderiam reclamar. Além disso, o fluxo era constante, então eles não perdiam nada e até lucravam bastante.

Fernando entrou numa espécie de lanchonete, apesar de ter comido mais cedo seu corpo pedia por nutrientes, isso provavelmente era devido ao seu treino excessivo do dia anterior.

Quando ele entrou logo foi notado pelos soldados que comiam seus lanches.

“Ei, olha só!” Um dos soldados disse apontando para Fernando.

“O maior gênio da Décima Terceira comendo num local como esse.” Outro soldado disse confuso.

Fernando ignorou os comentários.

“Com licença, eu quero o numero 3.” Fernando disse apontando para o cardápio, o lanche número 3 parecia uma espécie de cachorro quente. Obviamente nesse mundo sem tecnologia as pessoas não tinham como imprimir fotos, então o lanche no cardápio era desenhado a mão.

“É pra já senhor.” O dono da lanchonete disse.

Logo o homem trouxe o lanche de Fernando em um prato junto a um copo de suco.

“Eu não pedi por isso.” Fernando disse olhando para o suco, pensando se tratar de um engano no pedido.

“Não se preocupe jovem, aquela senhorita disse que está pagando sua conta.” O dono disse apontando para uma mulher morena que estava sentada não muito longe. Ao ver Fernando olhar em sua direção, a mulher morena lhe deu um olhar sedutor e piscou o olho direito.

Fernando ficou meio sem jeito, mesmo sendo um amador na área, isso claramente parecia uma cantada, ele não sabia como lidar com isso, então ele ignorou a mulher e colocou todo o lanche na boca e comeu apressadamente.

A mulher ficou sem palavras ao ver o jovem enfiando um cachorro quente inteiro na boca, ficando com as bochechas inchadas, sem sequer conseguir mastigar direito. Depois ele pegou o copo de suco e bebeu em um só gole.

O dono da lanchonete, a mulher morena e as pessoas que observavam Fernando ficaram sem palavras pelas ações dele, isso não parecia o comportamento que um ‘gênio’ deveria ter.

Após comer tudo, Fernando moveu o pulso e jogou uma moeda de prata sobre o balcão.

“Obrigado pela refeição.” Fernando disse saindo rapidamente, deixando todos no local perplexos.

“Ele realmente pagou 1 moeda de prata por um cachorro quente e suco?” Um homem disse sem palavras.

“Um gênio é um gênio afinal, não dá pra pessoas como nós nos compararmos.” Outro soldado disse suspirando, pois o lanche custava apenas 8 moedas de bronze e Fernando havia pago quase 13 vezes o valor.

O que eles não sabiam é que Fernando geralmente nunca daria tanto dinheiro de gorjeta, mas receber uma cantada dessa forma o deixou nervoso e ele se apressou em sair dali. Não é que ele se intimidasse pela mulher, mas sentiu que se aceitasse isso seria quase que uma traição a Karol.

Depois de sair da lanchonete Fernando perdeu todo o interesse em andar pela Guarnição, não importa onde ele fosse as pessoas ficavam o olhando e encarando, isso era extremamente desconfortável para ele.

Chegando em sua residência Fernando viu August e Zavus na entrada.

“Bem vindo de volta, senhor Fernando!” Ambos disseram juntos, como se tivessem combinado antes.

Fernando assentiu em reconhecimento e olhou para a sua casa.

“Alguém do meu grupo já retornou?” Fernando perguntou só por perguntar, afinal ainda estava muito cedo, com os treinos rígidos que Gallia havia passado para seus companheiros era pouco provável que eles retornassem antes do anoitecer.

“Oh, na verdade sim, a senhorita Karol chegou a poucos minutos.” August disse, após Fernando ordenar que ele ficasse como guarda fixo aqui, ele começou a tomar nota dos nomes de cada pessoa que passasse por ele, para que ele soubesse os nomes de todos os colegas de Fernando.

Ao ouvir isso o coração de Fernando tremeu, Karol havia chegado mais cedo, isso significava que ele ficaria sozinho com ela, só de pensar nisso seu sangue correu freneticamente por suas veias de tanto nervosismo, principalmente ao lembrar da noite em que beijou Karol.

“Senhor Fernando, há algum problema?” Zavus perguntou, mesmo sendo alguem mais bruto, Zavus era alguém que percebia com facilidade mudanças no comportamento de alguém.

“Oh, não é nada, apenas me lembrei que não tive a chance de conversar com minha professora sobre vocês dois, se seus superiores questionarem, digam a eles para vir falar diretamente comigo.” Fernando disse tentando parecer calmo e disfarçar seu nervosismo.

“Sim senhor!” Zavus e August disseram em uníssono, poder fazer a segurança de Fernando era a coisa mais incrível que lhes aconteceu em muito tempo.

Depois de dizer isso, Fernando caminhou para a residência. Ele entrou e olhou em volta, ele não viu Karol em lugar nenhum. Ele só conseguia pensar em uma possibilidade, ela foi se banhar depois de chegar, pensar nisso só o deixou mais inquieto ainda, uma série de pensamentos começou a cruzar sua mente, nenhum deles o fazia se sentir orgulhoso de si mesmo.

Fernando subiu lentamente as escadas, ele pensou em ir para seu quarto, mas como se tivesse pensamentos próprios seus pés o levaram para a esquerda, onde ficava o quarto de Karol. Antes que ele percebesse já estava em frente a porta de seu quarto. Fernando levantou a mão para bater na porta, mas de repente voltou a si mesmo.

“O que eu estou fazendo?” Fernando se perguntou, afinal ele nem sabia bem o que Karol pensava dele, principalmente depois daquela noite onde ele quase passou do limite.

Enquanto Fernando estava pensando se deveria bater ou não na porta, de repente a porta se abriu. O rosto de Karol apareceu logo atrás, deixando Fernando sem reação.

“Ah?!” Karol se assustou ao ver um rosto assim que abriu a porta.

“Eh?” Fernando se assustou também ao perceber Karol. De repente algo veio à mente de Fernando, o fato dele estar tão perto da porta e não ter batido, quase parecia que ele estava espiando… Só de pensar nisso o coração de Fernando quase parou.

“Isso…eu posso explicar!” Fernando disse apressadamente.

Por que esses mal entendidos sempre acontecem comigo?! Fernando pensou se chamando de idiota.

“Oh, então é você Fernando, se queria entrar era só dizer.” Karol disse com um sorriso.

Essas palavras pegaram Fernando desprevenido, o que isso significava exatamente?

Vendo a expressão confusa de Fernando, Karol não conseguiu evitar rir.

“Hahaha, você é tão bobo às vezes.” Karol disse rindo sem parar.

Fernando ficou parado lá, sem entender o motivo do riso de Karol. Então Fernando percebeu que Karol vestia roupas que ele nunca havia a visto usar antes, ela usava uma camisa larga na parte de baixo, era vermelha de um tecido fino e apertado na parte de cima, o que deixava seu decote extremamente a vista, ela também usava uma calça da mesma forma vermelha que parecia ser do mesmo tipo de tecido da camisa, mas só chegava até a canela, lembrando um pijama. Karol notou o olhar de Fernando que percorria seu corpo sem impedimentos.

“Karol, eu…” Fernando percebendo seu deslize queria falar algo, mas Karol que parou de rir abruptamente lhe deu um olhar sério. Então sem aviso agarrou a gola da camisa de Fernando e o puxou para si mesma, beijando Fernando diretamente.

Aquilo pegou Fernando completamente desprevenido, mas como se seu corpo ansiasse por aquilo, ele se deixou levar e retribuiu o beijo agarrando o corpo de Karol, puxando-a para si, Fernando sentiu as curvas de Karol sob suas roupas, a sensação era inexplicável para ele.

Depois de alguns segundos de um longo beijo, Karol afastou Fernando com as mãos e olhou para ele com um olhar quente.

“Fernando, o que eu sou para você?” Karol disse com um olhar cheio de emoções.

A pergunta de Karol pegou Fernando de surpresa. Ele começou a pensar a respeito, mas nem ele sabia que tipo de relação eles tinham, depois de algum tempo ele respondeu.

“Você é alguém importante para mim.” Fernando disse com alguma hesitação.

Ao ouvir isso Karol franziu a sobrancelha.

“É só isso que eu sou para você?” Karol perguntou parecendo insatisfeita.

Isso deixou Fernando inseguro, ele não sabia como responder.

Vendo Fernando paralisado sem saber como responder, Karol suspirou.

É por isso que eu nunca gostei de me relacionar com garotos mais novos, por que fui gostar logo de um? Karol pensou consigo mesma, sem entender por que seus sentimentos eram assim.

“Sabe, você nunca me pediu em namoro.” Karol disse com o rosto vermelho de vergonha.

Nesse momento Fernando percebeu que isso era verdade, mesmo que ele já tenha beijado Karol tantas vezes, ele nunca chegou a pedi-la em namoro. Isso obviamente não era sua culpa, afinal ele era alguem que até então tinha zero experiencias com o sexo oposto, mas mesmo assim ele pensou que talvez a culpa pelo relacionamento deles ser tão confuso seja dele mesmo, afinal ele era um homem, esperar que a garota tome a iniciativa sempre era algo muito mole da parte dele. Depois de se decidir, Fernando se encheu de determinação e olhou Karol nos olhos, então se ajoelhou.

“Karol, você quer ser minha namorada?” Fernando disse estendendo a mão.

Apesar de esperar mais atitude de Fernando, Karol ficou surpresa com o fato dele se ajoelhar.

“Você é tão bobo.” Karol disse extremamente vermelha de vergonha pelas ações de Fernando, felizmente não havia ninguém ali além dos dois. Apesar de dizer isso, seu coração acelerou com o jeito ‘bobo’ dele de ser.

Fernando ficou meio sem graça com as palavras de Karol, mas se manteve la, aguardando a resposta dela.

“Eu aceito, eu quero ser sua namorada.” Karol disse ainda com o rosto vermelho, ela pegou a mão de Fernando estendida e a puxou para si mesma, ajudando-o a se levantar.

Ambos se olharam, havia um calor excitante que eles nunca sentiram antes. Era quase como uma atração magnética que os impedia de desviar o olhar um do outro.

Karol segurou a mão de Fernando com força e se virou, puxando-o, Fernando não resistiu e se deixou levar, assim que ele entrou, Karol vagarosamente fechou a porta.

Aviso do Autor:

glauber1907

glauber1907

Chave Pix copiada!
PicPay copiado!
Rolar para o topo