Selecione o tipo de erro abaixo

Capítulo 1186 – Oportunidade e perigo são duas faces da mesma moeda

Combo 14/50


O Louco acenou suavemente e não negou o palpite do Enforcado, nem tinha certeza de que era a Rainha da Calamidade Cohinem. Afinal, era impossível para ele tirar uma moeda de ouro na sua frente e fazer uma adivinhação no local.

Alger esperou alguns segundos. Não vendo nenhuma resposta clara do Sr. Louco, rapidamente entrou em maiores detalhes sobre o que havia dito na oração. Desde a mulher suspeita de ser a Rainha da Calamidade, Cohinem, dizendo que ele tinha um pouco de sangue élfico, até como ela lhe deu a promessa de se tornar um semideus, bem como a chave para o continente ocidental e a conclusão do acordo.

Depois de contar tudo, Alger fechou a boca e abaixou a cabeça, não ousando perguntar diretamente ao Sr. Louco o que Ele pensava. Obedientemente esperou que a grande existência falasse.

“Um pouco de sangue élfico… Enviar o Livro da Calamidade para o Continente Ocidental… O Continente Ocidental pode reaparecer novamente… O Continente Ocidental…” O Louco Klein ouviu em silêncio. Fechou os olhos e disse calmamente: — Isso é muito perigoso, mas também é uma oportunidade para você.

Ele já havia obtido o controle inicial do Castelo de Sefirah, e o poder que ele poderia mobilizar atingiu o nível de um anjo da Sequência 2. Quanto à Rainha da Calamidade Cohinem, ela não poderia estar acima deste nível; portanto, ele estava bastante confiante de que poderia resistir aos vários acidentes provocados pela Rainha Élfica.

Foi justamente por isso que ele ousou afirmar que era uma oportunidade para O Enforcado.

É claro que o pré-requisito para aproveitar a oportunidade era que O Enforcado não fosse precipitado ou exagerasse. Ele tinha que se lembrar constantemente de pedir proteção em todos os momentos. Portanto, Klein enfatizou especialmente que era muito perigoso. Ele queria que o Enforcado se lembrasse de orar ao Sr. Louco antes de agir.

Esta frase curta tinha dois significados, mas ele acreditava que o Sr. Enforcado definitivamente entenderia.

Alger ficou encantado ao responder com bastante sinceridade, como se tivesse aprendido com o O Sol.

— Minha fé reside apenas no Sr. Louco!

Essas palavras deixaram Klein desconfortável ao se lembrar da dor de ser afogado por raios intermináveis. Ele só conseguia sorrir sem dizer uma palavra.

Alger ponderou por um momento antes de perguntar: — Honorável Sr. Louco, quais são os encantamentos ou comandos necessários para entrar no continente ocidental?

“Eu também gostaria de saber isso…” O Louco Klein suspirou e disse: — Não é hora de você saber.

— Sim, Sr. Louco. — Alger não perguntou mais nada enquanto se curvava respeitosamente.

Quando voltou ao mundo real, ele imediatamente saiu da tenda e conduziu seus marinheiros para fora. Sob a luz do sol da manhã, passou um certo tempo chegando às ruínas élficas.

A cena aqui era idêntica à que ele tinha visto em seu sonho. As vinhas murchas cobriam a estrutura de madeira decadente e havia algumas áreas onde podiam ser vistos textos em monumentos. O ar parecia ter congelado, como se ninguém tivesse entrado ali há muito tempo.

Olhando em volta, Alger de repente pensou em uma pergunta.

Como ele explicaria à Igreja depois de realmente confiar na Rainha da Calamidade para se tornar um semideus?

“Rebelar-se diretamente, tornando-se o quinto rei dos Cinco Mares… não, o sexto rei? Mas assim não terei chance de entrar em contato com o Livro da Calamidade. A menos que eu projete uma situação que force a Igreja a usar este Artefato Selado que poderia ter sido rotulado como Grau 0 sem o meu conhecimento. Isso não só será muito difícil, mas terei que me tornar um Rei do Mar, ou mesmo criar uma calamidade para ter sucesso… Sim, posso solicitar a ajuda do Mundo… Se eu quiser continuar na Igreja, tenho que dar-lhes uma razão que não podem ignorar, mas é suficientemente crível…” Alger franziu ligeiramente a testa sem esconder sua solenidade.

Aos olhos dos marinheiros que o seguiam, era um sinal de que estava preocupado com a ruína.

À medida que seus pensamentos se agitavam, Alger gradualmente teve ideias:

“Existem muitos livros na Igreja que têm registros de pessoas que se transformaram em semideuses devido a um encontro fortuito… Dois terços deles foram invadidos por deuses e demônios malignos e eventualmente perderam suas vidas no processo de purificação… No entanto, um terço deles passou no teste e tornou-se um diácono de alto escalão ou cardeal…”

“Agora que a guerra eclodiu, a situação em Loen está tensa. Contanto que não haja problemas durante a investigação, a Igreja não se importaria de ter um semideus adicional de Sequência 4 como bucha de canhão… Então, posso lentamente ganhar a confiança deles mais tarde…”

“O pré-requisito para tudo isso é que a Rainha da Calamidade não tenha realmente tentado me corromper ou deixado uma marca em mim…”

“Considerando os vários Artefatos Selados em posse da Igreja, tenho que orar antecipadamente pelas bênçãos do Sr. Louco… De acordo com a Srta. Justiça, o Abraço do Anjo pode efetivamente esconder os verdadeiros pensamentos e testes de alguém em seu sonho…”

Com os membros do Clube de Tarô começando a se tornar semideuses ou prestes a se tornarem semideuses, Alger realmente não queria ficar no fundo do poço. Assim como no passado, ele fez muitas coisas na Igreja, tudo para ser superior aos outros. Agora, estava naturalmente disposto a correr um certo risco.

Com esta decisão, Alger imediatamente conduziu seus marinheiros para as ruínas e começou a explorar o caminho visto em seus sonhos.

Desta vez, ele não dividiu seus subordinados em pequenas equipes. Por um lado, estava preocupado com a possibilidade de ocorrer um acidente e, por outro lado, esperava que todos pudessem ser suas testemunhas.

Depois de quinze minutos, Alger e sua equipe chegaram ao lado da árvore gigante que apresentava sinais de solo mexido.

Antes que ele pudesse examinar os arredores, sua visão ficou turva e ele viu um lindo palácio feito de coral.

Acima do palácio havia uma camada de água do mar azul profundo que ondulava para fora. Pilares gigantescos erguiam-se altos e sustentavam uma cúpula imensa. Era alta e bonita, mas também escura e sombria.

Alger olhou em volta e percebeu que todos os marinheiros ao seu lado haviam desaparecido. Ele imediatamente soube que poderia ter sido atraído para uma ilusão.

Respirou silenciosamente e entrou lentamente no palácio de coral.

Havia muitos elfos lá dentro. Estavam assando peixe ou colocando temperos no sangue animal coagulado. O utensílio escolhido foram dois galhos de árvore para levar a comida à boca. Nenhum deles se importou com a entrada de um estranho.

Alger então olhou para a escada de nove degraus a cem metros de distância.

Nos degraus havia um trono de coral incrustado com safiras, esmeraldas e pérolas brilhantes. A Rainha Élfica, Rainha da Calamidade, estava sentada lá, olhando para Alger.

— Muito bom. — Cohinem assentiu e jogou fora a requintada taça de vinho dourada.

O vento suave, mas resiliente, segurou a taça de vinho e, como pequenos duendes enfileirados, carregou os itens correspondentes em direção a Alger.

Alger estendeu a mão para recebê-la e olhou para baixo. Ele descobriu que havia um líquido azul dentro da taça dourada. Era incorpóreo, sonhador e surreal.

— Beba e depois vá para as águas próximas à Ilha Symeem do Arquipélago Rorsted. Encontre este palácio de coral. O que você quer está dentro.

— Se eu não beber este ‘vinho’, não poderei ver aquele palácio? — Alger perguntou pensativo.

Embora estivesse diante de um anjo, ele ainda conseguia se comunicar com bastante calma. Isso porque encontrava uma figura poderosa toda semana e já estava acostumado com essa situação.

A Rainha da Calamidade Cohinem acenou com a cabeça e disse: — Isso mesmo.

— Você vai deixar uma marca em mim? — Alger perguntou com cautela.

— Sim, — disse Cohinem friamente. — Portanto, antes de entrar no palácio de coral e obter os itens correspondentes, você não pode retornar à Ilha Pasu. Você não pode encontrar os anjos sob o comando de Leodero.

“O pontífice não pode ser encontrado, mesmo que eu queira…” Alger soltou um suspiro de alívio interiormente antes de perguntar: — Depois que eu conseguir esse item, o efeito deste ‘vinho’ desaparecerá?

A Rainha Élfica Cohinem respondeu sem qualquer mudança de expressão: — Não, você precisa consumir diretamente essa característica.

— Quando chegar a hora, esse ‘vinho’ se transformará em um selo, permitindo que essa característica não invada temporariamente o seu corpo. Como você prepara o ritual e explica isso para a Igreja das Tempestades dependerá de você.

“Deixar a característica pertencer a mim antes de realizar o ritual? Desta forma, pode haver uma maneira melhor para a Igreja aceitar isso…” Alger pensou por um momento antes de levantar a mão para levar a taça de vinho aos lábios.

O líquido gelado deslizou pela garganta e desapareceu em um piscar de olhos. Todo o palácio de coral foi destruído quando a luz do amanhecer e os restos da gigantesca árvore verde reapareceram na frente de Alger.

“Você não assinou um contrato ou me fez prestar um juramento? Sim, beber aquela taça de vinho equivale a fazer um acordo…” Alger retraiu o olhar e disse aos marinheiros ao redor que não sabiam: — Não há nada aqui. Vamos nos aprofundar e dar uma olhada.

No antigo palácio acima da névoa.

Klein também desviou o olhar da estrela carmesim que representava O Enforcado e assentiu pensativamente.

“Esse é o túmulo de Siatas e Mobet… Nunca esperei que aquela taça de vinho dourada tivesse tanto efeito…”

“Essa é de fato a Rainha Élfica Cohinem… Como está a sua condição atual? Metade está no Livro da Calamidade, enquanto a outra está escondida em algum lugar desconhecido. Ela estava usando a taça de vinho dourada ou a característica para influenciar a realidade?”

“O Sr. Enforcado não foi contaminado por enquanto. Vou esperar que ele vá para o Arquipélago Rorsted antes de fazer outra avaliação.”

Como seu verdadeiro corpo tinha um tempo limitado restante no Vazio Histórico, Klein não ficou mais tempo e retornou ao deserto escuro como breu. Ele carregava a lanterna que emitia uma leve luz amarela enquanto caminhava em direção a um determinado local.

Enquanto caminhava, virou a cabeça para olhar para o leste, o que simbolizava a localização de Chernobyl. Seus passos desaceleraram involuntariamente.

“Assim que eu reunir informações suficientes dos antigos esconderijos do Lobo Demoníaco Negro, irei para o leste. Caminharei todo o caminho até chegar ao limite e confirmar a situação. Então, considerarei a questão da característica de Beyonder do Invocador de Milagres… Amon provavelmente não esperaria que eu fosse embora de repente… Ele definitivamente conhece o passado do Lobo Demoníaco Negro. É impossível para Ele fazer o mesmo tipo de investigação que eu farei… Sim, mas Ele definitivamente estará me rastreando…” Klein expirou lentamente e acelerou o passo.

Um relâmpago riscou o céu, iluminando as planícies desoladas, escuras e vermelhas. Gotas de chuva começaram a escorrer intermitentemente.

Klein retirou um guarda-chuva preto do Vazio Histórico. Com uma mão segurando um guarda-chuva e a outra segurando a lanterna, ele prosseguiu sozinho.

Cerca de uma semana depois, o Futuro estava atracado em algum lugar ao longo da longa costa de Loen.

Cattleya segurava uma pilha de cartas de tarô na mão e disse aos marinheiros, Nina e companhia: — Vou ficar em Loen por algum tempo. Todos vocês têm que vigiar Frank e impedi-lo de fazer seus experimentos estranhos.

Picture of Olá, eu sou Vento_Leste!

Olá, eu sou Vento_Leste!

Comentem e avaliem o capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥