Selecione o tipo de erro abaixo

Combo do 6º Aniversário da Vulcan – Capítulos → 77/175


Klein prendeu a respiração com as costas contra a parede enquanto encarava a escuridão do corredor.

“O que o capitão está fazendo? O que há de errado com ele? Ele estava bebendo sangue? Isso é um sinal de que ele está perdendo o controle?” A mente de Klein estava uma bagunça, incapaz de pensamento eficaz.

Quase vinte segundos depois, Klein cerrou os dentes. Com a ajuda do controle que tinha sobre seu corpo como um Palhaço, silenciosamente desceu as escadas.

Mais tarde, intencionalmente deu passos mais pesados ​​e voltou para a porta do quarto de Madame Sharon.

Klein olhou para dentro e viu o Capitão embrulhando o Artefato Selado 3-0271 com o pano preto. Sua expressão era séria, seu rosto limpo.

Era como se o que Klein acabasse de ver fosse apenas uma ilusão.

Olhando de soslaio, Klein não viu nada de anormal no corpo de Kenley. Era o mesmo que sempre foi.

Ele inalou e perguntou: — Capitão, como vou confirmar se aqueles servos ainda estão dormindo? Não posso fazer um julgamento preciso apenas com base apenas na Visão Espiritual. Eles terão várias reações emocionais devido aos seus sonhos que serão refletidos na cor de suas auras.

Dunn Smith mexeu no Espelho do Médium Espiritual e ficou em silêncio por alguns segundos. Ele disse com uma voz rouca: — Sinto muito. Eu esqueci disso. Cometi muitos erros esta noite.

— Não há necessidade de você verificar, eu vou confirmar.

Ele ergueu a mão e apertou a glabela, depois fechou os olhos, deixando que ondulações informes se espalhassem em direção ao primeiro andar.

Era claro para um Pesadelo se alguém estava dormindo ou não.

Klein congelou quando viu isso. Ele olhou para baixo e mordeu o interior dos lábios.

“Capitão, você estava realmente me afastando agora…”

“O que você está fazendo? Você sabe o que está fazendo?…”

Ele se virou abruptamente para olhar para a janela, apenas para ver a lua carmesim pendurada no alto do céu, aparentemente inalterada por milhares de anos.

Depois de se recompor, Klein pegou suas cartas de tarô, revólver, meia cartola e outros itens para examinar de perto os cadáveres de Kenley e Madame Sharon.

Eles mantiveram a mesma aparência de quando morreram, mas sua pele estava ficando pálida rapidamente. Eles também tinham manchas de marcas azuis e pretas.

“É um pouco estranho, eles parecem estar perdendo alguma coisa… Não é algo específico, mas mais um sentimento…” Klein murmurou para si mesmo. Ele sentiu seus cabelos se arrepiarem devido ao vento frio que soprava pela janela quebrada.

Naquele momento, Dunn abriu os olhos e disse com uma voz profunda: — Eles ainda estão dormindo, mas alguns deles estão perto de acordar.

— Isso é bom, isso é bom… — Klein olhou para o capitão, sem saber o que ele estava dizendo.

Dunn examinou os arredores e disse: — Limpe a cena e peça a alguém da delegacia de polícia mais próxima. Ah, e faça uma viagem de volta à Rua Zouteland e chame Frye para ajudar.

Klein lançou um olhar profundo ao capitão e assentiu com os dentes cerrados.

— OK.

Com a ajuda de Dunn, Klein rapidamente limpou a cena e saiu da casa de Madame Sharon pela porta da frente.

Caminhando pelo jardim e saindo, Klein não pôde deixar de olhar para trás. Tudo o que ele viu foi o berçário silencioso na escuridão. Não havia luz alguma.

Ele se virou, com o coração pesado. Logo localizou a delegacia de polícia mais próxima com base em sua memória — isso era de conhecimento comum dos Falcões Noturnos.

Toc. Toc. Toc. Klein bateu na porta de aço.

Algum tempo depois, o oficial de plantão passou pelo pátio com uma lanterna na mão. Ele abriu a porta e observou Klein com desconfiança.

— Qual é o problema?

Klein falhou em forçar qualquer expressão. Com o rosto pesado, ele apresentou seus documentos e mostrou ao policial.

— Há um caso sério de assassinato na Rua Osna, 15. Chame imediatamente outros oficiais para irem lá para ajudar!

O policial ergueu a lanterna e examinou os documentos antes de juntar os pés e bater continência.

— Sim senhor!

Tendo resolvido isso, Klein voltou para a Rua Zouteland em uma carruagem alugada.

No caminho de volta, ele se sentou na carruagem escura. Seus pensamentos estavam confusos e sem foco.

“Kenley está morto…”

“Lembro que ele ficou noivo recentemente… Seus pais ainda estão vivos…”

“O que o capitão estava fazendo agora há pouco?…”

“Ele anseia por sangue fresco…”

“Ou ele tem outros motivos…”

“Sua memória ainda é tão ruim quanto antes, sem nenhuma melhora óbvia. I-isso significa que ele não tem sinais de alerta de perder o controle!”

“Mas ele já conhece o método de atuação há algum tempo. O fato de sua memória não ter melhorado significa que há um problema…”

“Não! Deve ser porque o Capitão ainda está descobrindo a maneira correta de agir como um Pesadelo!”

“… Sim, as razões mais importantes pelas quais Kenley morreu foram por causa do Artefato Selado 3-0271. Foi o capitão quem deu a ele…”

“O que eu estou pensando! Foi uma decisão lógica naquela época!”

“… Foi também o capitão que sugeriu usar o Artefato Selado 3-0271…”

“Calma, calma, não posso fazer palpites às cegas. Mas também não posso esperar, ou a situação pode piorar!”

“Vou enviar uma carta para Madame Daly mais tarde e ver se ela sabe o que significa esta situação. Mesmo que ela não saiba a resposta exata, com certeza entenderá os sinais de perigo e informará a Santa Catedral…”

“Assim, podemos abafar o problema no berço e fazer o Capitão voltar ao normal!”

“Não, o capitão pode não ter problemas. Posso ter entendido mal alguma coisa. Vou ver o que Madame Daly diz…”

Klein já havia tomado uma decisão quando a carruagem chegou ao nº 36 da Rua Zouteland. Ele não estava mais confuso e indefeso como antes.

Ele subiu a escada em direção à entrada da Companhia de Segurança Espinho Negro com passos pesados ​​e abriu a porta com uma chave.

O ambiente familiar o acalmou consideravelmente. Isso o lembrou de como se sentia quando pedia ajuda ao capitão toda vez que algo estava errado.

Respirando fundo, Klein foi até a sala de recreação e encontrou Frye lendo sozinho sob o lampião a gás.

Frye virou-se para olhar para Klein, seu rosto frio revelava preocupação.

— Aconteceu alguma coisa? Onde estão o capitão e Kenley?

Klein respondeu com uma voz rouca: — Kenley está morto; ele morreu nas mãos de Madame Sharon. Todos nós cometemos erros… O capitão está vigiando a cena. Ele precisa de sua ajuda lá.

Antes de partirem, o capitão informou Frye sobre a situação geral. Ele disse a Frye que, se eles não voltassem em duas horas, deveria enviar um telégrafo para a Santa Catedral. Da mesma forma, como eles tiveram que solicitar o Artefato Selado 3-0271 e entrar no Portão Chanis à noite, Royale, que estava vigiando o Portão Chanis, também foi notificada da missão. De acordo com as diretrizes internas dos Falcões Noturnos, um capitão poderia permitir a abertura do Portão Chanis à noite. Se o capitão estivesse presente, apenas o capitão poderia entrar.

Frye congelou por um momento, então soltou um suspiro. Ele desenhou uma lua carmesim em seu peito.

Ele vestiu o casaco e o chapéu e saiu pela porta. Ao passar por Klein, de repente disse baixinho: — Você não precisa se culpar. Cometer erros é algo que nunca podemos evitar. Devemos sempre confiar em nossos parceiros.

— Sim… — Klein fechou os olhos, sua visão ficando embaçada.

Klein e Frye primeiro foram ao porão para notificar Royale antes de trancar a porta da Companhia de Segurança Espinho Negro e correr para a casa de Madame Sharon.

Já era quase madrugada quando pegaram o cadáver de Kenley e o corpo meio decapitado de Madame Sharon.

Dunn ficou na frente do necrotério, olhando silenciosamente para dentro. Demorou algum tempo até ele se virar para Klein e dizer: — Vá para casa primeiro. Você acabou de experimentar uma batalha intensa, deve estar exausto.

— Tudo bem. — Klein não rejeitou a sugestão.

Ele franziu os lábios e deu uma olhada no capitão antes de deixar silenciosamente a Companhia de Segurança Espinho Negro. Ele pegou uma carruagem de volta para a Rua Daffodil.

Assim como havia feito da vez anterior, entrou facilmente em seu quarto e trancou a porta.

Tirando a adaga ritual de prata, Klein selou a sala com uma parede de espiritualidade. Ele então se sentou em sua mesa e escreveu com urgência:

“Cara Sra. Daly,”

“Reparei que há algo estranho no capitão recentemente. Durante uma missão, ele secretamente…”

Klein parou quando chegou a esse ponto. Sua mente estava em branco. Ele não sabia como continuar ou como descrever o incidente.

Pá!

Ele jogou a caneta e amassou o pedaço de papel à sua frente em uma bola. Olhando para ele, bateu fortemente na mesa, enviando um baque reverberante pela sala. Klein fechou os olhos e cobriu o rosto com as mãos. Ele não se mexeu, como se tivesse se tornado uma estátua.

Cinco minutos depois, suspirou. Ele baixou a mão direita e queimou a bola de papel com sua espiritualidade. Ele a observou se transformar em cinzas quando caiu no lixo.

Depois de organizar seus pensamentos, Klein pegou um pedaço de papel novo e escreveu:

“Cara Sra. Daly,”

“Acabamos de completar uma missão e infelizmente perdemos um parceiro. Os detalhes exatos são os seguintes…”

“… Naquela época, senti que com meus padrões atuais, minha Visão Espiritual era incapaz de verificar com precisão se as servas estavam dormindo ou não, e que era muito problemático fazer adivinhações para cada uma delas. Assim, voltei com a intenção de pedir conselho ao Capitão. Naquele momento, através do reflexo do espelho, vi o capitão ajoelhado ao lado do cadáver de Kenley, com sangue carmesim cobrindo sua boca.”

“Não tenho certeza do que aconteceu exatamente, nem sei em que estado o capitão se encontra. Espero que você possa me dar uma resposta.”

Depois de escrever isso, Klein leu a carta novamente com o coração pesado antes de dobrá-la ao meio.

Ele então montou um ritual e ativou sua Visão Espiritual para invocar o mensageiro de Daly. Ele convocou o rosto estranho que era apenas uma boca sem olhos ou nariz.

Viu a língua vermelha entrelaçada com dentes afiados irregulares e cinco dedos pálidos na ponta da língua. Klein silenciosamente entregou a carta.

Quando tudo voltou ao normal, ele se sentou e continuou escrevendo.

Desta vez, planejou perguntar ao Sr. Azik.

“… Em uma missão recente, algo estranho aconteceu com meu superior. Ele me mandou embora e se ajoelhou ao lado do cadáver de um companheiro de equipe. Sua boca estava coberta de sangue carmesim.”

“Você já encontrou algo assim em suas memórias antes? Como posso ajudar meu superior?”

Picture of Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥