Selecione o tipo de erro abaixo

Combo do 6º Aniversário da Vulcan – Capítulos → 91/175


— Você viu um adolescente? Ele está vestindo um casaco velho! — Um dos homens que entrou na carruagem perguntou ferozmente ao condutor.

Klein olhou para o homem pelo canto dos olhos. Ele era magro e resistente; sua pele tinha um tom escuro devido à exposição prolongada ao sol. Seus olhos eram muito mais recuados do que o típico cidadão do Reino de Loen.

“Um montanhês? Ou um mestiço?” Ele assentiu pensativo.

No meio do Continente Norte, no ponto onde começava a cordilheira de Hornacis, havia um planalto extremamente quente e seco. A maior parte pertencia ao Reino Feynapotter, enquanto a área a oeste pertencia à República Intis. A área a leste pertencia ao Reino de Loen. Seus nativos eram magros e bárbaros, mas eram corajosos e habilidosos na guerra. Há muito tempo, eles representavam um dos maiores problemas para as três nações. Mas com o avanço da pólvora e as mudanças na forma como a guerra era conduzida, esses montanheses finalmente reconheceram a realidade e se submeteram.

Um grande número deles deixou as terras altas e entrou em Backlund, Trier, Cidade de Feynapotter e as várias cidades ou portos florescentes no Continente do Norte. Alguns eram trabalhadores, enquanto outros se tornaram lacaios das quadrilhas locais. Eles ousavam matar e não demonstravam medo de situações espinhosas.

O condutor era um homem de vinte e poucos anos. Ele se encolheu ao ouvir isso enquanto apontava na direção do vagão de terceira classe.

— Eu o vi… Ele foi por ali.

O líder, vestindo um casaco preto e meia cartola, assentiu indiscernivelmente. Ele liderou seus homens e correu para o vagão de terceira classe e não demonstrou preocupação com os passageiros ao redor.

“Se eu fosse aquele menino, já teria descido do vagão de terceira classe…” Enquanto Klein lia seu jornal, começou a deixar seus pensamentos vagarem.

Cerca de um minuto depois, o trem apitou quando as portas do vagão se fecharam.

Chug! Chug! O metrô a vapor começou a acelerar enquanto navegava. Mas, naquele momento, Klein de repente sentiu algo quando olhou para cima e viu a porta que dava para os outros vagões de segunda classe.

O adolescente entrou lentamente na carruagem vestindo seu casaco velho e cartola redonda enquanto carregava uma mochila esfarrapada.

Ele parecia adolescente e tinha traços faciais refinados. Seus olhos vermelhos eram sérios e solenes.

“… Impressionante. Ele desceu do vagão de terceira classe e circulou para entrar no vagão de primeira classe novamente? Ele estava com medo de que seus perseguidores tivessem parceiros esperando dentro da estação de metrô?” Klein ficou um pouco surpreso. Ele sentiu que a maneira como o menino lidou com a situação foi bastante madura e cuidadosa. Ele era muito melhor do que a maioria das pessoas na casa dos vinte anos.

Ele clicou levemente no molar esquerdo e ativou secretamente sua Visão Espiritual. Examinou o menino e viu que ele estava em estado de fadiga. Suas emoções estavam tensas e ele estava desanimado. No entanto, ainda mantinha um azul que representava um pensamento calmo.

“Impressionante… na idade dele…” Klein murmurou silenciosamente enquanto abaixava a cabeça e continuava lendo seus jornais.

O menino não percebeu que havia sido examinado por um Beyonder enquanto se dirigia para o vagão de terceira classe mais uma vez.

O resto da viagem aconteceu de forma estável e calma. Klein chegou vinte minutos depois a uma das três estações de trem no Burgo Cherwood.

Ele pegou uma carruagem alugada por quase dez minutos antes de chegar à Rua Minsk. Segundo as descrições dos jornais, ele foi até ao nº 17 que ficava ao lado do nº 15 e tocou a campainha.

Ding dong!

Enquanto os sons reverberavam dentro da casa, um pássaro mecânico que não parecia muito chique apareceu por cima da porta. Era do tamanho de uma palma e era feito de engrenagens e outras partes. Constantemente acenou com a cabeça e soltou o som de um pássaro cuco.

“Não é um brinquedo ruim. Só não está muito bem elaborado…” Klein fez uma avaliação objetiva.

Quase vinte segundos depois, a porta escura foi aberta. Uma jovem criada vestida de branco e preto olhou cautelosamente para Klein e perguntou: — Posso ajudá-lo?

Klein sorriu e agitou sua bengala que agora estava embrulhada com os jornais.

— Estou aqui para encontrar a Sra. Sammer sobre o aluguel de uma casa. Eu estou supondo que não foi alugada?

O nome completo no jornal era Stelyn Sammer.

— De jeito nenhum. Por favor espere um momento. — A criada curvou as costas educadamente.

Ela correu para dentro e relatou a sua senhora. Momentos depois, ela saiu novamente e o conduziu para dentro. Então o ajudou a colocar sua bengala e bagagem na sala de entrada e pendurou seu casaco e chapéu em um cabideiro no mesmo lugar.

Uma rajada de ar quente o inundou, dispersando o frio que Klein trouxera. Ele examinou a área e viu pela primeira vez uma lareira de design exclusivo. Viu pedaços de carvão vermelho sem fumaça queimando dentro.

A sala de Sammer era bastante grande. Era quase equivalente a todo o primeiro andar da casa Moretti em área. Certas áreas foram decoradas com tapetes ou pinturas a óleo de belas paisagens.

A criada trouxe Klein para o sofá e disse à patroa de vestido amarelo claro: — Senhora, o convidado está aqui.

A mulher estava na casa dos trinta. Ela tinha cabelos loiros e olhos azuis. Parecia bastante bonita e preservou bem sua juventude. Segurava um leque real com penas incrustadas de prata na mão.

Como estava em casa, e a lareira tornava o ambiente quente, ela não usava nada no pescoço, revelando o busto branco e o pescoço longo e brilhante.

— Olá, Sra. Sammer. — Klein pressionou a palma da mão contra o peito e fez uma reverência.

A Sra. Sammer sorriu de maneira reservada.

— Boa noite. Por favor sente-se. Você deseja um pouco de café ou chá?

Klein sentou-se no sofá e respondeu francamente: — Chá, por favor.

— Julianne, Chá Preto de Marquis, — instruiu a Sra. Sammer. Ela então voltou os olhos para Klein e perguntou: — Como posso me dirigir a você?

— Sherlock Moriarty1. Você pode me chamar de Sherlock. — Klein há muito pensou em um nome falso.

Naquele momento, ele sentiu o cheiro de uma fragrância da cozinha e viu tubos interessantes.

— Heh, heh, esses são os projetos do meu marido. Embora seu trabalho atual seja gerente na Companhia Coim, ele é um entusiasta de máquinas. Também é membro da Associação de Redução de Fuligem do Reino. — A Sra. Sammer notou o olhar de Klein e explicou com um sorriso.

“Sra, não há necessidade de entrar em tantos detalhes. Eu não estou aqui em um encontro às cegas com seu marido…” Klein satirizou enquanto dizia sem seu sorriso diminuir, — Sra. Sammer, desejo alugar o nº 15.

A Sra. Sammer endireitou as costas enquanto se sentava elegantemente. Ela disse com um sorriso: — Tenho que lembrá-lo de certas coisas. A unidade 15 não tem tubos, cadeiras reclináveis, mesas de jogo, armários de cozinha de mogno, porcelana fina, talheres de prata, jogos de chá folheados a ouro ou tapetes removíveis…

Ela apontou para as coisas em sua casa enquanto as apresentava, uma após a outra. Depois que terminou, acrescentou:

— Originalmente pertencia a minha irmã mais velha e meu cunhado, mas devido a uma falência comercial, meu cunhado não teve escolha a não ser se mudar para o Continente Sul. Eles têm uma plantação em Balam. No entanto, não concordo com a escolha deles. Isso é muito injusto para minha sobrinha e meu sobrinho. Não há boas escolas de gramática lá; nem mesmo um bom professor particular.

“Senhora, isso não é algo que eu gostaria de saber…” Klein acenou com a cabeça sinceramente e disse: — Além do clima, não há lugar no Continente Sul que se compare a Backlund.

Sua concordância satisfez muito a Sra. Sammer enquanto seus olhos disparavam ligeiramente.

— Esta casa ainda tem um contrato de três anos. Desejo que você pague um ano de aluguel de uma vez. 18 solis por semana. A utilização dos móveis custará 1 soli. Posso receber um depósito de 50 libras.

Klein balançou a cabeça e sorriu.

— Sra. Sammer, você deve saber que acabei de chegar em Backlund. Não sei o que vai acontecer comigo com o tempo. Pagar 50 libras por um depósito diminuirá minha capacidade de resistir a quaisquer riscos. Meu limite é meio ano. 25 libras.

Ele ainda planejava alugar outro apartamento de um quarto no Burgo Leste, em Backlund. Ele o usaria para trocar de roupa, passar por disfarces e evitar qualquer perseguição. Era necessário para o que planejava fazer.

Stelyn Stelyn assentiu levemente e perguntou: – Você estudou na escola primária?

Klein riu e disse: — Sim, mais tarde eu estudei história por conta própria.

— Você tem alguma identificação com você? — perguntou Stelyn casualmente.

— Desculpe. Eu estava com pressa quando saí de casa e esqueci de trazê-la comigo. Ei, ei, esqueci de me apresentar. Eu sou de Midseashire. — Klein usou deliberadamente o sotaque que seu colega de classe, Welch, costumava usar.

Quando ele disse esqueci, isso o lembrou do capitão Dunn Smith. O sorriso em seu rosto ficou ainda mais brilhante.

Nesse momento, a criada, Julianne, trouxe uma xícara de chá preto. A xícara era de porcelana branca com padrões florais clássicos. Algumas áreas foram banhadas a ouro.

Klein tomou um gole e achou a fragrância distante. A mistura de acidez e doçura era perfeita e claramente muito melhor do que o chá preto de Sibe que ele bebia com frequência.

— Muito autêntico o Chá Preto de Marquis. — Ele elogiou com uma descrição que não poderia ser criticada.

A Sra. Stelyn Sammer curvou os lábios e disse: — Então, será meio ano de aluguel. 25 libras.

Klein agradeceu e conversou alguns minutos com ela até que outra criada encontrou um contrato de serviço no escritório.

Depois que ambas as partes assinaram o contrato, Klein contou 25 libras enquanto sentia o aperto e empurrou para a Sra. Sammer.

Stelyn contou silenciosamente antes de sorrir.

— Senhor. Moriarty, acredito que você encontrará um emprego em Backlund?

— Sim, — respondeu Klein, sentindo-se um pouco perdido.

Os cantos da boca de Stelyn se curvaram.

— Posso lhe dar algumas sugestões. Com um salário semanal inferior a 3 libras, seria difícil para você morar no Burgo Cherwood. Seu aluguel, despesas com alimentação, despesas com água, gás e carvão, despesas com transporte e tudo o mais custará pelo menos 2 libras e 5 solis. Acredite, aqui é Backlund. Ainda é preciso pensar em roupas novas e bons talheres e jogos de chá… Um salário semanal de 3 libras é o mínimo.

— Se o seu salário semanal chegar a 5 libras, você pode contratar uma criada. Com 6 libras, você pode considerar contratar um cozinheiro. Com 7 libras, você pode adicionar um servo. Por 8 libras, você pode contratar uma criada adicional…

“Sra. Sammer, acho que você está exibindo sua riqueza… Uma vez ganhei mais de 10 libras por semana…” Klein manteve seu sorriso enquanto ouvia atentamente.

Naquele momento, a porta se abriu de repente. Entrou um homem corpulento, vestido com um paletó preto jaquetão e luvas de couro da mesma cor. Acima de seus lábios havia dois bigodes elegantes.

— Luke, este é o Sr. Moriarty. Ele será nosso vizinho, — Stelyn Sammer adiantou-se e apresentou-o.

Obviamente o dono da casa, Luke tirou o casaco e o entregou à criada ao lado dele. Ele sorriu educadamente e disse: — Sr. Moriarty, gostaria de jantar conosco?

“Este é o gerente de da Companhia Coim, um membro da Associação de Redução de Fuligem do Reino de Loen…” Klein disse com um sorriso: — Sinto muito, Sr. Sammer. Já comi na locomotiva a vapor; embora esse gosto deixe uma impressão profunda em alguém.

Depois de trocar algumas gentilezas, Klein foi conduzido por Julianne para fora da casa e para o vizinho nº 15.

O layout era muito semelhante à casa ao lado. O primeiro andar tinha uma enorme sala de estar, uma sala de jantar com boa iluminação, dois quartos de hóspedes, um banheiro, uma adega, uma cozinha que se estendia até os fundos. No segundo andar, havia quatro quartos, uma sala de atividades, um solário, um escritório, dois quartos e uma enorme varanda.

— Sra. Sammer deseja lhe dizer que você pode alugar parte dele, mas não para trabalhadores ou tornar este lugar muito lotado, ou barulhento. Oh… Trarei cobertores, lençóis e fronhas limpas daqui a pouco. — Julianne voltou para os Sammers após informar Klein.

Depois de fazer uma rodada de empacotamento, Klein finalmente se estabeleceu em Backlund.

Ele se sentou em uma sala vazia e de repente se sentiu sozinho. Por isso, forçou-se a considerar seus planos futuros.

Quer ele gostasse ou não, a vingança e o avanço não poderiam ser feitos em um piscar de olhos. Portanto, teve que conseguir um emprego lucrativo para evitar problemas financeiros.

No entanto, o trabalho não poderia restringi-lo e afetar seus movimentos e planos. Em outras palavras, precisava de liberdade suficiente.

Após alguma deliberação e eliminação de empregos inadequados, Klein ficou com três escolhas.

Ele poderia se tornar um autor sendo um plagiador. No entanto, sua identidade era delicada, então quanto mais famoso se tornasse, mais problemas viria. Tudo o que ele podia fazer era desistir de má vontade.

A segunda opção era ser repórter. Este foi considerado um trabalho bastante decente neste tempo e idade. No entanto, os pedidos de emprego exigiam seus certificados educacionais e outros documentos. Klein estava impotente a esse respeito.

Finalmente, ele escolheu o terceiro emprego.

Detetive particular!

Essa também foi a razão pela qual ele adotou um nome falso.

  1. porra véi, sherlock é minha série favorita, claro a que foi produzida pela HBO e tem o autor que tbm faz o doutor estranho[]
Picture of Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥