Selecione o tipo de erro abaixo

Combo do 6º Aniversário da Vulcan – Capítulos → 103/175


Sentado em sua própria mesa de jantar em uma manhã nublada, Klein quebrou seu pão de trigo especialmente comprado e embebeu-o em leite, melhorando a maneira como o comia.

Embora seu corpo tivesse mudado há muito tempo, sua busca e obsessão por iguarias estavam gravadas em sua alma. Ele era completamente incapaz de se adaptar ao estilo monótono e repetitivo de café da manhã do Reino de Loen. Só podia tentar o seu melhor em experimentar. Tentou não se limitar a torradas, pão, bacon, salsichas e manteiga. Esforçou-se para expandir os limites e melhorar a maneira como comia. Por exemplo, suas receitas tinham novidades, como pastéis recheados com carne de porco do sul, macarrão Feynapotter e pastéis de milho assados.

— O caviar do Império Feysac também não é ruim, mas é muito caro. É adequado apenas para refeições formais… — Klein pegou um pequeno pedaço de pão de trigo que havia amolecido e colocou na boca. Apenas mastigando um pouco, ele podia sentir os sabores do leite se misturando com a fragrância do trigo. O sabor do pão era ainda mais doce.

Depois do café da manhã, Klein largou os talheres, mas não teve pressa em arrumar a mesa. Pegou os jornais e começou a ler.

“Farei uma adivinhação daqui a pouco. Se não houver mais nada a fazer, farei uma visita ao Sr. Leppard na Rua Sird do Burgo St. George e verei se vale a pena investir em seu novo veículo de transporte… Backlund é realmente grande. Cada distrito tem quase o tamanho da cidade de Tingen. O Burgo Leste é especialmente ridículo. É pelo menos duas vezes maior… A maneira mais fácil e econômica de viajar é a pé, seguida do metrô a vapor, antes de caminhar novamente. É uma perda de tempo…” A mente de Klein vagou sem rumo.

O sistema público de carruagens puxadas por cavalos de Backlund era bastante semelhante ao de Tingen. O preço era quase o mesmo, mas o único problema era que a maioria deles estava confinada a um único bairro. Se alguém quisesse ir de Cherwood para St. George, algumas transferências seriam necessárias e isso naturalmente aumentaria o preço.

Tal situação tornou as perspectivas de um novo veículo de transporte muito atraentes.

Toc! Toc! Toc!

Nesse momento, soaram batidas na porta. Era tão alto quanto o bater de um martelo.

“Quem é… Eles não sabem tocar a campainha…” Ele murmurou algumas palavras, endireitou o colarinho, caminhou até a porta e abriu-a.

Na frente dele estava um rosto familiar. Era o montanhês que perseguira Ian no metrô a vapor. Sua pele era escura, as órbitas oculares recuadas e ele era um homem magro e resistente.

De acordo com os resultados da mediunidade de Klein, o nome do homem era Meursault, um carrasco da gangue Zmanger que era quase igual ao chefe.

— Com licença, quem você está procurando? Você tem uma comissão para confiar a mim? — Klein agiu deliberadamente um tanto confuso.

Meursault vestia um casaco preto e um pomposo chapéu de seda, mas não parecia em nada um cavalheiro.

Ele avaliou Klein friamente e perguntou em Loen, com um forte sotaque escocês: — Você é o detetive Sherlock Moriarty?

— Sim, — Klein respondeu curto e doce.

Meursault acenou com a cabeça rigidamente.

— Quero contratá-lo para encontrar alguém.

— Podemos conversar sobre a situação exata lá dentro. — Klein impediu-se de agir de forma estranha.

Meursault balançou a cabeça friamente.

— Não há necessidade.

Depois de dizer isso, seus olhos de repente ficaram afiados.

— A pessoa que estou procurando chama-se Ian. Ian Wright. Ele tem um par de olhos vermelhos brilhantes, talvez quinze ou dezesseis anos. Gosta de usar um casaco marrom velho e um chapéu redondo da mesma cor. Acredito que você o conheça.

Klein soltou uma risada suave.

— Não sei do que você está falando.

Meursault pareceu ignorar a negação de Klein. — Ele é um ladrão que roubou um item importante de mim. Se você conseguir encontrá-lo, receberá pelo menos 10 libras.

— Você forneceu poucas pistas. — Klein inventou uma desculpa.

— 30 libras. — Meursault fez uma nova oferta.

Klein olhou para ele e disse: — Não, isso vai contra meu princípio de confidencialidade.

— 50 libras, — Meursault respondeu friamente.

— … Sinto muito, não posso aceitar a missão. — Klein ficou surpreso por dois segundos, mas no final, ele ainda decidiu rejeitar o pedido.

Meursault estudou-o lentamente por alguns segundos enquanto seus olhos lentamente se tornavam frios e ferozes.

Não ofereceu um novo preço, nem se despediu educadamente. Ele se virou abruptamente e caminhou rapidamente até o final da rua.

“Essa gangue tem uma inteligência muito boa… Eles realmente sabem que Ian veio até mim uma vez…” Klein suspirou secretamente, cheio de emoção, mas não sentiu muita ansiedade ou medo.

“Afinal, sou alguém que uma vez enfrentou diretamente o filho de um deus maligno, embora estivesse separado por uma barriga…” Ao pensar nisso, seu sorriso de repente se tornou brilhante. Ele começou a jogar uma moeda para decidir se iria ou não sair hoje.

A resposta foi positiva.

Burgo St. George, Rua Sird.

Tendo transferido de um vagão público para o metrô a vapor, antes de transferir para um vagão sem trilhos, Klein finalmente chegou ao seu destino, gastando um total de 11 centavos.

Logo depois de descer da carruagem, descobriu que já havia começado a garoar, mas ele não trouxera guarda-chuva.

De acordo com os jornais e revistas, esta é uma ocorrência diária em Backlund. A razão pela qual os chapéus eram populares é que senhoras e senhores não carregavam guarda-chuvas o tempo todo. Klein pressionou sua meia cartola e correu rapidamente o beiral para se proteger da chuva.

Ele limpou as óbvias gotas de água de seu corpo e tocou a campainha.

No entanto, ele não ouviu nenhum som de cuco ou tilintar.

“A campainha está quebrada?” Klein estava prestes a levantar a mão para bater quando de repente viu passos se aproximando de longe.

A imagem da pessoa apareceu naturalmente em sua mente. Era um homem alto e magro, de cabelos pretos e olhos azuis. Ele estava na casa dos trinta e vestido com um traje de trabalhador azul-acinzentado, mas parecia gentil e refinado.

Criick. A porta se abriu. O cavalheiro esfregou a testa e perguntou: — Posso saber quem você está procurando? Há algo?

Klein tirou o chapéu e fez uma leve reverência.

— Estou aqui para encontrar o Sr. Leppard. Estou interessado em seu novo veículo de transporte.

Os olhos do cavalheiro de repente se iluminaram.

— Eu sou o Leppard. Entre, por favor.

Ele se virou para o lado e permitiu a entrada de Klein. No entanto, não havia cabide no saguão.

Klein só podia apoiar a bengala e não tirar o casaco. Ele seguiu Leppard até a sala de estar.

Era preciso dizer que a casa do senhor estava muito bagunçada. Só na mesa de centro da sala havia muitos objetos mecânicos, como chaves inglesas, rolamentos e chaves de fenda.

— Quanto você deseja investir? Ah, certo. Você gostaria de um pouco de café ou chá preto? Uh… parece que estou sem chá preto… — Leppard deixou escapar.

“Este senhor é um pouco direto e não parece ser muito bom em relacionamentos interpessoais…” Um pensamento passou pela mente de Klein e ele mudou as palavras que planejava dizer. Ele foi direto ao ponto: — Preciso ver seu novo veículo de transporte antes de tomar uma decisão.

— Não posso prometer nada sem entender nada.

Enquanto falava, ele olhou em volta e viu um Emblema Sagrado triangular pendurado na parede.

Esse era o símbolo do Deus do Vapor e da Maquinaria. O triângulo sólido estava cheio de símbolos como vapor, engrenagens e alavancas.

Leppard não se irritou com a franqueza de Klein. Ele imediatamente disse: — Vou te mostrar.

Assim que ele disse isso, deu um tapa na cabeça. — Eu quase esqueci, temos que assinar um acordo de não divulgação para garantir que você não roube minha invenção.

“Sr. Leppard, você também não tem uma memória muito boa…” Klein sorriu e disse: — Isso não seria um problema.

Depois de assinar o contrato simples, Leppard conduziu Klein a uma sala que parecia uma sala de atividades. Ele derrubou o quarto de hóspedes vizinho e o porão, tornando-a muito mais ampla e espaçosa.

O chão estava cheio de componentes, e um objeto áspero, que tinha metade da altura de um homem, que parecia uma carruagem estava no centro.

Além disso, a linha da campainha foi conectada ali e foi habilmente construída. Enquanto alguém puxasse a corda, uma bola de aço sairia do mecanismo, permitindo que ela rolasse por um trilho especial antes de colidir com o objeto no centro para produzir um som metálico.

O som certamente não era muito alto, mas foi o suficiente para despertar Leppard, que estava absorto em máquinas.

— Essa é a nova forma de transporte que você inventou? — Klein apontou para o objeto tosco no meio da sala.

— Sim, eu inventei com base na imaginação do imperador Roselle! — Ele respondeu com um olhar ardente em seus olhos.

— A imaginação do imperador Roselle? — Klein perguntou surpreso.

Leppard explicou em tom de adoração: — O imperador Roselle deixou vários manuscritos nos quais desenhou sua visão das máquinas do futuro. Ele era um gênio extraordinário, não um mestre! Muitas coisas já se tornaram realidade! Heh heh, este manuscrito é mantido na Igreja do Deus do Vapor e Maquinaria. Não há como os crentes não piedosos pegá-los emprestados.

“… Imperador, você ainda não está deixando pedra sobre pedra para os outros…” A boca de Klein se contorceu, quase incapaz de manter o sorriso.

— Descreva em detalhes. — Ele mudou de assunto.

Leppard conduziu Klein até o tosco objeto metálico e abriu a porta.

— Esta é uma ferramenta de transporte que não precisa de um cavalo.

— O motorista senta no banco dianteiro esquerdo, pisando continuamente nos pedais. Através das alavancas e uma corrente se conecta às quatro rodas, permitindo que o veículo role para frente. E nas rodas, usei borracha inflada que pode tornar a viagem mais suave.

“Então é um carro movido a energia humana?” Klein não pôde deixar de satirizar.

Ele disse com alguma deliberação: — Com uma carruagem tão grande e pelo menos quatro passageiros, seria impossível viajar tão longe contando apenas com a força humana.

— Esse é exatamente o meu próximo objetivo: reduzir o peso e expandir a alavanca algumas vezes! No entanto, minha situação financeira não é das melhores. Não posso financiar mais nenhuma tentativa. — Leppard olhou esperançoso para Klein.

— Por que não considerar outros métodos? Como usar o vapor como força motriz? — Klein lentamente organizou suas palavras.

Leppard balançou a cabeça. — Houve gente que inventou isso, mas tem uma carroceria muito grande, dificultando a condução em muitas ruas.

Isso era exatamente o que Klein estava esperando.

— Então, por que você não faz algo mais simples? Por exemplo, tenha apenas duas rodas com apenas uma pessoa sem uma carcaça externa.

— Você quer dizer algo como uma bicicleta? — Leppard perguntou pensativo.

“O manuscrito de Roselle tem isso?” Klein assentiu pesadamente.

— Sim.

— Essas bicicletas que outras pessoas inventaram não são muito práticas… Simplificando isso… parece que pode funcionar. Realmente parecerá diferente. Mas, quem iria comprá-la? — Leppard disse para si mesmo.

Klein não hesitou em orientá-lo.

— O carteiro, a classe trabalhadora que tem pouca economia, o empresário que não precisa parecer respeitável enquanto espera economizar dinheiro… Há muitos deles em Backlund.

Leppard pensou por um momento, então assentiu levemente.

— … Posso tentar, mas não tenho dinheiro para peças de reposição…

— Vou investir 100 libras de ouro. Além da minha sugestão de agora, aceitarei um total de… — Klein hesitou em dizer dez por cento das ações. Quinze por cento era melhor. Afinal, cem libras não eram, estritamente falando, muito.

— Você pode ter 35% das ações! Mas isso se limita apenas ao conceito de bicicleta que você descreveu! — Leppard falou primeiro, com medo de que Klein fizesse um pedido irracional.

— Ok! — Klein imediatamente riu. — Primeiro vamos redigir um contrato simples e resolver este assunto. Depois, vou procurar um advogado para fazer um contrato formal e adicionar alguns termos detalhados. Por exemplo, se houver mais alguém que queira investir, eles devem primeiro obter meu consentimento.

— Sem problema, — Leppard respondeu impacientemente. Tudo o que ele queria era comprar suas peças de reposição o mais rápido possível.

Na escuridão provocada pela garoa, Klein voltou para a Rua Minsk, no Burgo Cherwood.

Entrou em casa e foi direto ao banheiro do primeiro andar e resolveu o problema da barriga inchada.

Ping.

Enquanto a água ecoava, Klein se abaixou para lavar as mãos.

Naquele momento, uma imagem surgiu em sua mente.

O espelho na frente da pia refletia sua cabeça baixa, ambientes escuros e um par de olhos ao seu lado.

Um par de olhos!

Picture of Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥