Selecione o tipo de erro abaixo

Combo do 6º Aniversário da Vulcan – Capítulos → 130/175

Combo comprado → 8/25


“Detetive? Um colega… No entanto, o fato de ele poder ajudar a polícia a lidar com um caso tão sério mostra que ele realmente é um detetive conhecido, pelo menos dentro da Delegacia Sivellaus… Eh, o Assassino em Série envolvido na adoração ao diabo deveria ser entregue aos Falcões Noturnos, Punidores Mandatários ou ao Mente Coletiva da Maquinaria? Tudo o que o departamento de polícia precisa fazer é enviar alguns assistentes, então por que eles precisariam procurar a ajuda de um detetive particular?”

“Sim, os onze assassinatos em série devem ter causado sensação. Delegacia Sivellaus está sob muita pressão, e eles não estão dispostos a esperar na miséria?”

Muitos pensamentos passaram pela mente de Klein, mas na superfície ele revelou um sorriso.

— Tudo bem.

Ele embarcou na carruagem alugada de Isengard Stanton e viu um jovem de cabelos castanhos lá dentro.

— Este é meu assistente, — Isengard, que tinha um rosto magro e anguloso, apresentou. — Por favor sente-se.

Ele não fechou a porta da carruagem, nem deixou o cocheiro conduzir o cavalo para a frente para mostrar que não queria fazer mal.

Klein sentou-se deliberadamente inquieto e perguntou preocupado: — Sobre o que gostaria de conversar, Sr. Stanton?

Isengard pegou um cachimbo escuro e disse: — Quero saber o que você aprendeu seguindo a Sra. Lopes. Você ouviu ou descobriu alguma coisa?

— Isto… eu também sou detetive, e você deve saber que temos acordos de confidencialidade neste negócio, — Klein respondeu deliberadamente como se estivesse em um dilema.

— Estou pedindo em nome da Delegacia Sivellaus. Isso não tem nada a ver com um acordo de confidencialidade. — Isengard esfregou o cachimbo com o polegar. — Uma libra, hum… Que tal duas libras?

Tendo aprendido uma lição com o incidente anterior com Meursault, juntamente com o fato de que não havia necessidade de manter segredo, Klein respondeu sem hesitar: — Claro.

— Tudo bem. — Isengard sorriu e tirou duas notas de uma libra do bolso.

Klein agiu como se estivesse se lembrando de algo antes de dizer francamente: — Só ouvimos uma frase. Sra. Lopez tentou ordenar a seus subordinados que dissessem a Capim que ele não deveria enviar ninguém nos próximos dias.

— Capim? — Isengard assentiu, aparentemente esclarecido. — Entendi.

— Você conhece o Capim? — Klein não escondeu sua surpresa.

Isengard entregou as notas e disse com um leve sorriso: — Ele é um dos magnatas mais controversos do Burgo Cherwood.

— Em Backlund, garotas inocentes geralmente desaparecem em ruas desertas e, depois de muito tempo, podem ser encontradas em todos os tipos de bordéis legais ou ilegais. Muitos rumores apontam para Capim como o chefão do crime cheio de sangue e sujeira nas mãos, mas por falta de provas, ele continua em liberdade até hoje. Além disso, ele conhece muita gente importante.

“Se isso for verdade, então esse sujeito deveria morrer mil vezes…” Klein assentiu, suspirou e disse: — Aqui é Loen, aqui é Backlund, Sr. Stanton, devo me despedir de você.

— Obrigado por sua cooperação. — Isengard levantou-se no meio do caminho como um gesto educado para mandá-lo embora. — A propósito, suas habilidades de luta são excelentes. Talvez tenhamos a chance de trabalhar juntos no futuro. Como devo me dirigir a você?

— Sherlock Moriarty, — Klein respondeu brevemente e desceu da carruagem.

Somente quando ele embarcou em uma carruagem recém-chegada, Isengard Stanton instruiu seu assistente a fechar a porta e ordenar ao cocheiro que se dirigisse para o Burgo Hillston.

Virando a cabeça para o lado, ele olhou pela janela. O homem de cabelos grisalhos guardou o cachimbo escuro, tirou do bolso um ornamento de latão, acariciando-o lentamente na mão.

O ornamento de latão era um livro aberto de bolso com um olho vertical no centro.

— A aparência e as roupas do Sr. Moriarty de agora eram um pouco fora de lugar. Ele usava óculos de aro dourado muito refinados, mas deixara crescer deliberadamente uma barba em volta da boca, o que o fazia parecer rude e bárbaro. Isso não está totalmente de acordo com a norma. Hoje em dia, as pessoas que usam óculos de aro dourado tendem a se preocupar muito com sua imagem, a imagem de ter conhecimento e porte. Talvez ele esteja tentando esconder alguma coisa… Claro, também é possível que ele seja um cavalheiro com um senso estético incomum… — Isengard parecia estar falando consigo mesmo, mas também parecia estar ensinando seu assistente.

Naquele momento, Klein, que estava sentado na carruagem, murmurou para si mesmo silenciosamente enquanto se encostava na parede: “Aquele detetive Isengard Stanton é problemático. Desde que ativei minha Visão Espiritual, ele tinha uma cor azul de pensamento racional e indiferença e manteve uma cor roxa de domínio da espiritualidade. Não havia muitas outras cores de emoção aparecendo.”

“Para pessoas normais, a menos que estejam totalmente focadas no estudo de um problema difícil, é muito difícil manter estados semelhantes por longos períodos de tempo. Outras emoções inevitavelmente aparecerão, sendo a diferença a questão de quanto tempo elas podem permanecer naquele estado.”

“Sim… Ou o detetive Isengard Stanton é um desses gênios em observação e raciocínio com talento extraordinário, ou ele é um Beyonder?”

O vagão público sobre trilhos tinha dois andares, pois transportava mais de quarenta passageiros em direção à área da Ponte de Backlund. Klein gradualmente refreou seus pensamentos e lançou seu olhar pela janela e admirou os prédios de dois a três andares do outro lado da estrada.

Ocasionalmente, ele podia ver casas marrons de cinco ou seis andares, um sinal da última tendência de Backlund e da mais avançada tecnologia de construção do reino.

Após uma transferência de vagão, Klein chegou à Rua Portão de Ferro e desceu da carruagem em frente ao Bar dos Corajosos.

Como ainda não era o horário de pico no bar, no momento em que entrou, viu Kaspars bebendo no bar.

O velho com nariz de conhaque havia pedido um copo de Langsky Proof, seus olhos se estreitaram de satisfação ao saborear a fragrância do malte e a sensação de queimação na garganta.

Klein aproximou-se, bateu no balcão e perguntou com um sorriso: — Maric está aqui?

Ao mesmo tempo, tinha uma mão no bolso enquanto segurava o apito de cobre de Azik, usando sua espiritualidade para proteger seus efeitos negativos.

Antes de terminar a frase, ele sentiu olhares passarem por ele. Era evidente que eles o estavam observando.

No momento em que terminou de fazer sua pergunta, os olhares se afastaram dele e se concentraram em Kaspars.

O velho com a enorme cicatriz no rosto abriu os olhos e, ao ver que era Klein, disse de mau humor: — Ele não veio. Ele também não veio ontem.

“Ele não veio…” Klein soltou um suspiro de alívio, não mais usando sua espiritualidade para embrulhar o apito de cobre de Azik.

“Quando mencionei Maric, alguém olhou para mim… Quando ouviram que eu estava perguntando sobre seu paradeiro, o olhar mudou novamente… Alguém também está procurando por Maric…” Klein resistiu ao impulso de se virar e observar enquanto analisava a anormalidade.

Combinado com uma dúvida original dele, ele sentiu que a pergunta agora tinha uma resposta geral para ela.

“Fiquei intrigado na semana passada — por que a Srta. Guarda-costas de Sequência 5 aceitaria uma missão de proteção de três dias por 1000 libras? Isso não quer dizer que o preço seja muito baixo, mas sim que alguém desse nível já conta como uma pessoa poderosa. Na Igreja da Deusa, ela está qualificada para ser diácona ou bispa de diocese. Se ela puder ganhar o favor de um Artefato Sagrado, ela pode até competir pela posição de arcebispa ou diácona de alto escalão…”

“Entre as várias organizações secretas e agências de inteligência, um Sequência 5 também implica que a pessoa seria o responsável por um burgo ou pelo menos o segundo ou terceiro em comando. Mesmo se fosse um Beyonder que não faz parte de nenhuma organização, uma pessoa com tanta força seria capaz de estabelecer uma pequena organização própria…”

“Não importa de que ponto de vista fosse, a Srta. Guarda-Costas poderia desfrutar de seus subordinados, então não havia necessidade de ela pessoalmente aceitar o trabalho…”

“Na época, pensei que provavelmente havia contratado um segurança de Sequência 6 que conseguiria aguentar um pouco mais contra o especialista enviado por Bakerland, criando uma chance para mim, mas quem diria que ela seria terrivelmente forte…”

“A julgar pelos eventos de hoje, a Srta. Guarda-Costas e Maric provavelmente são parecidos comigo. Suas identidades são sensíveis e eles precisam se esconder. Sim, a situação deles pode ser ainda pior, e têm que se preocupar constantemente em serem caçados… Tch, para poder caçar a Srta. Guarda-costas, mesmo que essa organização não tenha nenhum Beyonder de alta sequência, eles devem ter alguns Artefatos Sagrados ou vários membros de Sequência 5…”

“Claro, este é apenas o meu palpite. Talvez tenha a ver com a exposição de Maric como um Beyonder e agora ele é alvo do esquadrão da Mente Coletiva da Maquinaria…”

Depois de pensar um pouco, Klein disse com pesar: — É mesmo. Eu estava planejando jogar cartas com ele.

Ao ouvir algo que não combinava com a maneira usual de falar de Klein, Kaspars ficou alarmado. Ele também não olhou em volta, mas riu e disse: — Vou jogar cartas hoje à noite. Você quer participar?

— Não, eu só quero jogar até o jantar. Fuuu, acho que vou voltar para casa. — Klein suspirou e saiu do Bar dos Corajosos sem pedir nada para beber.

Ele pretendia perguntar a Kaspars sobre outras reuniões de Beyonder, mas nessa situação, abandonou cuidadosamente a ideia.

Na verdade, ele poderia ter ido para uma sala de jogos ou alguma área relativamente fechada para conversar com Kaspars, mas só para garantir, ele decidiu esperar até a próxima vez.

Klein não tinha pressa em voltar para casa. Em vez disso, foi para o apartamento de um quarto que alugou no Burgo Leste e começou a adivinhar acima da névoa cinza para confirmar que ninguém o estava seguindo.

Depois de acalmar sua mente, ele chegou à Rua Minsk antes que escurecesse completamente e encontrou todos os tipos de jornais assinados enfiados em sua caixa de correio.

“Eu estava com pressa para sair hoje, então nem tive tempo de ler. No Clube Quelaag, fiz uma boa refeição após o treino de tiro e tirei uma soneca, antes de ser forçado a jogar algumas partidas de tênis com Talim. Heh, minhas habilidades não são boas o suficiente, mas minha forma física pode compensar isso…” Ele murmurou silenciosamente enquanto abria a porta e entrava antes de torcer a fechadura.

Ele trouxe os jornais para a sala e sentou-se no sofá. Acendeu a luminária de parede e começou a ler.

Klein primeiro leu a Manchete da Manhã de Backlund e imediatamente virou para a quinta página e viu um anúncio. Era um anúncio de compra de mercadorias pela Firma Ernst!

Os preços eram 7 centavos por litro de farinha, 1 soli de manteiga, 6 centavos por quilo de banha, 1 soli e 3 centavos por quilo de creme, 8 solis por quilo de chá preto marquês…

“Em outras palavras, haverá uma reunião dos Beyonders no mesmo local às oito da noite de amanhã. O código para a porta é bater sete vezes com força, uma vez de leve, seis intervalos longos e um intervalo curto nessa ordem… Os 3 e 8 restantes não têm sentido…” Klein interpretou o conteúdo, recostou-se no sofá e esperou ansioso para a reunião amanhã à noite.

Ele queria vender algumas fórmulas para ver se conseguia comprar os ingredientes ou itens correspondentes!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥