Selecione o tipo de erro abaixo

— Você pode confirmar antes de pagar. — O Olho da Sabedoria encapuzado caminhou diretamente para Klein e entregou o broche de ouro escuro para ele.

“Muito generoso…” Klein estendeu a mão para pegá-lo, mas antes que pudesse examiná-lo de perto, sentiu o ambiente ficar muito quente, até mesmo o vento parecia ter sido incendiado. Uma vez que entrasse em seu nariz, se espalharia para seus pulmões.

Neste momento, parecia ter deixado a fria e úmida Backlund, encontrando-se no deserto e no serrado, bem no meio do Continente Norte. Pendurado acima dele estava o sol que irradiava luz e calor sem fim, e ao seu redor estava a areia amarela extremamente seca e sem limites.

Ufff, dá vontade de tomar sorvete…” O suor escorria lentamente da testa de Klein, mas sob a máscara de ferro o líquido não podia cair livremente. Só poderia ficar no local.

Através do contato direto, ele podia sentir o poder puro e quente irradiando, mas os Beyonders ao seu redor não foram afetados nem um pouco.

Depois de fixar o broche no lugar, Klein liberou sua espiritualidade e a infundiu na superfície dourada escura.

Com um boom, ele viu o céu cheio de pontos dançantes de pura luz dourada enquanto recebia uma grande quantidade de informações.

Isso incluía como usar alguns dos feitiços no domínio do Sol com a ajuda do broche.

O mais importante de tudo foram os truques para injetar espiritualidade e os encantamentos de ativação correspondentes!

Um deles incluía fornecer ao broche dois segundos de espiritualidade, permitindo que ele invocasse um feixe de luz sagrado que descia do céu para purificar os mortos-vivos e infligir certos danos a outros alvos.

Um suprimento contínuo de espiritualidade por cinco segundos, junto com o uso da palavra Sol no antigo Hermes, criaria uma pequena quantidade de Água Sagrada do Sol, que exorcizaria espíritos malignos, afastaria o frio e purificaria espectros.

Além da diferença entre força e intervalos de tempo, os outros feitiços correspondentes também poderiam ser lançados.

Fogo da Luz era uma chama sagrada e concentrada que de repente aparecia do nada através de um mero pensamento. Corte de Purificação era um ataque eficaz contra espectros, e também poderia ser usado para aprimorar as balas. Imunidade ao Horror permitia que o usuário não sentisse mais medo. O Juramento Sagrado era usado para fortalecer temporariamente a força, agilidade, dano de fogo e dano sagrado através do recito do antigo termo correspondente de Hermes. Halo do Sol alvejou camaradas que estavam a vinte metros dele. Poderia efetivamente aumentar sua coragem e purificar as energias malignas dentro de seus corpos.

“Nada mal. Além de não ser estranho o suficiente, não tem muitas falhas. Ele complementa muito bem minhas habilidades de Mágico… É só um pouco quente…” A mente de Klein estava cheia de fantasias sobre ele mesmo em roupas de manga curta.

Ele enrolou o roupão e tirou uma pilha de notas do bolso interno. Juntamente com as 900 libras que acabara de receber da mulher com o apoio do Artesão, ele contou 2.000 libras em dinheiro antes de entregá-las ao atendente do Olho da Sabedoria.

Depois de contar três vezes e finalmente confirmar que não havia erro, Klein olhou para sua carteira que diminuía rapidamente, sentindo-se feliz e triste ao mesmo tempo.

O dinheiro que ele economizou meticulosamente foi reduzido para 574 libras e cinco moedas de ouro.

No entanto, também obteve seu segundo item místico. O número de efeitos colaterais era obviamente menor que o da Chave Mestra. Era um item místico que mais se destacava, o Broche do Sol!

“A única desvantagem é que está muito quente…” Klein estendeu a mão e tocou sua máscara de ferro, e ele quase a tirou para começar a usá-la para se abanar.

Com a redução de seus fundos, Klein parou de pensar em comprar qualquer outra coisa. Apenas ficou sentado em silêncio, ouvindo até o final da reunião.

Estimulado pelo grande negócio de 2.000 libras, a reunião naquela noite foi relativamente animada. Por exemplo, o chicote tecido com as penas do Sagrado Pássaro do Sol foi vendido por 850 libras. Olho da Sabedoria também fez várias compras, comprando um livro antigo e um ingrediente Beyonder.

Quando a reunião terminou, o Olho da Sabedoria examinou a sala e olhou para Klein. Ele disse com uma risada: — Você deve ser o primeiro a sair.

“Ele está com medo de que alguém me roube…” Klein agradeceu sinceramente e saiu da sala sob a orientação do atendente. Ele então impacientemente tirou o manto com capuz e a máscara de ferro.

Já havia tentado usar sua espiritualidade para embrulhar e selar o Broche do Sol. Isso o impedia de purificar constantemente os arredores e impedia que sua existência fosse descoberta por outros Beyonders. No entanto, os efeitos negativos não podiam ser enfraquecidos, a menos que não estivessem em sua pessoa.

“Para garantir minha saúde mental, devo usá-lo apenas quando necessário. Geralmente posso contar com balas purificadoras e balas de exorcismo…” Klein deixou o local da reunião e fez um longo desvio antes de chegar ao Bar dos Corajosos.

Ele entrou, circulou a área e rapidamente saiu novamente e alugou uma carruagem.

Sem surpresa, rapidamente viu uma figura em um vestido real preto delinear-se à sua frente.

A aparência de Sharron não mudou nada. Ela perguntou com uma voz etérea: — Você terminou seus preparativos?

— Sim, você pode escolher o local e a hora da emboscada. Notifique-me assim que confirmar os detalhes. — Klein assentiu calmamente.

Sharron olhou para ele e disse: — Tudo bem.

Vendo que ela estava prestes a desaparecer, Klein acrescentou: — Peça a Kaspars que prepare uma caixa de explosivos e a enterre por todo o campo de batalha planejado.

Sharron ficou em silêncio por dois segundos antes de dizer: — Steve também é um especialista em demolição.

— Não, meu principal objetivo não é explodir ninguém. — Klein sorriu. — Eu só quero colocar alguns fogos de artifício.

Sharron o encarou por alguns segundos, depois assentiu.

Testemunhando sua figura desaparecendo rapidamente, Klein recostou-se contra a parede e abriu a janela, deixando entrar o vento penetrante, mas ainda sentia calor.

“De volta à Terra, eu odiava mais o verão. Hmm, eu gosto de picolés, sorvetes, refrigerantes, melancias…” Enquanto ele murmurava, Klein enfiou a mão no bolso e segurou o Broche do Sol.

“Este é um item místico no valor de 2.000 libras!”

Voltando à Rua Minsk, Klein caminhou lentamente ao longo da estrada ladeada de árvores até a casa nº 15.

Ao passar pela casa do advogado Jurgen, ele inconscientemente olhou para dentro e viu o lampião a gás com um brilho ligeiramente azul.

“Tem alguém em casa…” Klein ria enquanto suspirava, sua testa constantemente coberta de suor.

Cedo no dia seguinte, numa manhã de quinta-feira.

Klein tinha acabado de sair do banheiro com um jornal na mão quando ouviu a campainha tocar.

“Quem é? Certo, Talim mencionou que o repórter Mike Joseph virá até mim hoje…” Em meio ao tilintar dos sinos, Klein veio até a porta e estendeu a mão para a maçaneta.

A imagem do visitante surgiu naturalmente em sua mente:

Ele tinha cerca de trinta anos, com um casaco preto e uma meia cartola combinando. Tinha sobrancelhas esparsas, encantadores olhos azuis e um belo bigode. Mas sua pele era bastante áspera. Ele não era outro senão o repórter do Observador Diário, Mike Joseph.

— Bom dia, Mike. Talim me contou sobre você, — Klein abriu a porta e o cumprimentou.

Ele não hesitou em jogar o Broche do Sol acima da névoa cinza.

Mike Joseph puxou sua gravata-borboleta e disse: — Desculpe por incomodá-lo tão cedo, mas tenho assuntos a resolver mais tarde.

— Eu entendo, — Klein disse educadamente, — você já tomou café da manhã? Você gostaria de experimentar minha torrada?

Mike sorriu de repente.

— Sinto muito, seria muito legal da sua parte.

— Se for possível, eu também poderia tomar uma xícara de café quente. Leite também serviria. Percebi que você pediu leite fresco.

— … Tudo bem. — Klein sorriu em resposta.

Ocupou-se com a torrada, despejou o leite, pegou uma lata de manteiga e sentou-se, comendo em silêncio.

À sua frente, Mike saboreava seu café da manhã sem restrições, alheio ao silêncio.

Uff…  Klein suspirou e pousou a xícara.

— Mike, você queria me contratar para protegê-lo?

Mike largou a faca e o garfo lentamente e tomou um gole de leite.

— Sim, cerca de dois dias, sexta e sábado, talvez até domingo de manhã.

— Quem quer te machucar? — Klein perguntou em deliberação.

Mike riu e disse: — Não, isso é apenas uma forma de autoproteção proativa.

— O editor do jornal providenciou para que eu fizesse uma investigação no Burgo Leste, na área das docas e no distrito industrial. Dizem que é patrocinado por alguma Igreja ou aristocrata.

— Como você sabe, as gangues correm soltas no Burgo Leste. Há bandidos em todos os lugares e há pessoas dispostas a trair sua moral apenas para roubar uma refeição. Preciso de um guarda-costas que seja bom em lutar e atirar.

— E a maioria dos detetives particulares tem certas conexões no Burgo Leste, não é?

“Eu não… eu confio na metafísica para decifrar casos, não… dedução!” Klein pensou por um momento e disse: — Mas talvez eu não tenha tempo nos próximos dias.

“Tenho que ver quando a Srta. Sharron entrará em ação.”

Mike pigarreou e disse: — Já solicitei dez libras. Esta missão de proteção custará dez libras, mesmo que nada aconteça.

Klein soltou uma risada suave.

— Mike, estou falando sério.

— Amanhã a esta hora, oh… venha depois do café da manhã me procurar. Se eu puder, aceitarei esta comissão. Se eu estiver muito ocupado, vou apresentá-lo a outros detetives. Eles também são bons em lutar e atirar.

“Por exemplo, Stuart ou Kaslana…” Dois nomes passaram por sua mente.

Mike terminou a torrada restante e disse: — Isso não seria um problema.

Depois do café da manhã, Klein observou o jornalista sair de casa e admirou a visão da chuva gelada lá fora através da janela oriel — as carruagens e pedestres que passavam, o céu escuro e os guarda-chuvas coloridos.

“Finalmente, uma missão normal… Não envolve Beyonders nem tem nada a ver com encontrar gatos e adúlteras. É uma pena que não seja uma comissão referente a um caso de assassinato ou algo assim. Caso contrário, eu seria capaz de experimentar como é ser um verdadeiro detetive… Sempre há apenas uma verdade!((um ditado popular))” Os pensamentos de Klein vagavam sem rumo enquanto ele sentia uma sensação inexplicável de despreocupação.

Se não fosse pelo fato de ainda estar preocupado com a situação de Sharron e Maric, ele planejava relaxar completamente, visitar todos os tipos de museus, comprar um ingresso para um grande teatro, ouvir algumas óperas e musicais e saborear as iguarias das várias nações que se reuniram na cidade de Backlund.

“Bem, sou um turista casual, um gourmet solitário…” Klein deu uma risada autodepreciativa, virou-se e caminhou em direção ao sofá, pretendendo folhear os jornais que ainda não havia terminado de ler.

De repente, percebeu que um pedaço de papel havia aparecido na mesinha de centro. A caligrafia era elegante e reservada: — Hoje à noite às 10 horas. Nos encontraremos na porta dos fundos do Bar dos Corajosos.

Klein ficou atordoado por um momento. Ele virou a cabeça para olhar pela janela, suspirou e disse:  — Finalmente está começando…

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥