Selecione o tipo de erro abaixo

Combo → 41/55


“Parece ser da linhagem Balam… um professor universitário… É realmente o Sr. Azik, não alguém com o mesmo nome…” Usando as informações fornecidas pelo Velho Kohler, Klein basicamente confirmou que a pessoa a quem a recompensa era destinada era o suposto descendente da Morte, Azik.

“Aqui reside o problema. Quem ou qual organização está procurando pelo Sr. Azik?”

“O Episcopado Numinoso cujo objetivo final é reviver a Morte? Ince Zangwill, que gosta de ser o mentor dos bastidores?”

“É improvável que seja o último. Ince Zangwill possui o Artefato Selado 0-08, que permite que um alvo aja de acordo com suas descrições e, por meio de uma série de coincidências, pode atingir o objetivo desejado. Não há nenhuma necessidade de ele usar gangues e caçadores de recompensas para encontrar o Sr. Azik…”

“Espere, e se isso for realmente um arranjo do Artefato Selado 0-08? Percebendo que agora é o alvo do Sr. Azik, mas não tem confiança para conquistar a vitória na batalha, Ince Zangwill está usando 0-08 para instigar o conflito entre o Sr. Azik e alguma facção em particular, na esperança de eliminar seu inimigo indiretamente. E essa recompensa foi emitida por essa facção… É bem possível!”

“No entanto, não posso descartar o Episcopado Numinoso. Para se vingar, o Sr. Azik pode ter feito contato com eles. No entanto, houve grandes diferenças entre as duas partes em relação à ressurreição da Morte, o que acabou levando a um desentendimento…”

Klein instantaneamente pensou em duas possibilidades e nas razões correspondentes.

Ele tomou um gole de café e disse ao Velho Kohler: — Ajude-me a descobrir quem emitiu esta recompensa e seu preço exato. Se for apropriado, tomarei nota enquanto estiver nisso.

— Sem problemas. — O Velho Kohler não achou que houvesse algo errado com o pedido de Klein.

De uma certa perspectiva, não havia diferenças essenciais entre um detetive particular e um caçador de recompensas. A única diferença era que os detetives se envolviam em assuntos triviais, como pegar adúlteros em flagrante, encontrar gatos e ajudar os outros a passear com cachorros, enquanto tendiam a usar mais os poderes da dedução do que a força bruta.

Quando o Velho Kohler terminou de descrever o que tinha visto e ouvido, Klein lhe ensinou brevemente alguns dos truques para conduzir uma conversa com base no treinamento dos Falcões Noturnos, bem como os planos de contingência para cenários específicos.

— É hora de eu ir para as docas. Obrigado, detetive Moriarty, por me permitir levar uma vida boa mais uma vez! — O Velho Kohler pegou o chapéu velho e gasto em cima da mesa e agradeceu-lhe sinceramente.

O detetive, em sua opinião, não apenas lhe proporcionou um emprego bem remunerado, mas também lhe ensinou muitas coisas úteis. Mesmo que o detetive não precisasse mais dele como informante, as habilidades que ele aprendeu lhe permitiriam sobreviver no Burgo Leste, especialmente porque estava envelhecendo e menos capaz de trabalhos árduos.

“Uma boa vida? Na minha opinião, o que você tem agora é o básico do que uma pessoa deveria ter…” Depois de ver o Velho Kohler sair da cafeteria barata, Klein ficou sentado ali, atordoado.

Esta foi a primeira vez que ele ouviu o nome de um amigo por outra pessoa desde sua chegada em Backlund, e também foi a primeira vez que pode ter entendido o paradeiro de Ince Zangwill!

Nos últimos três meses, o principal objetivo de Klein foi digerir a poção e melhorar a si mesmo, especialmente depois de matar Lanevus.

Isso porque ele sabia muito bem que ele e Ince Zangwill, que provavelmente era um Beyonder de alta sequência, tinham uma lacuna intransponível. Ele não podia ficar impaciente por vingança, especialmente quando se tratava do arrepiante Artefato Selado 0-08. Ele nem tinha a intenção de se aproximar e investigar.

Cenas da Companhia de Segurança Espinho Negro em Tingen se repetiram na mente de Klein, e aqueles sapatos engraxados apareceram claramente diante de seus olhos.

Erguendo a cabeça e soltando o ar devagar, Klein pegou o cachecol e o chapéu e saiu da cafeteria barata.

Burgo Hillston, fora de um prédio bastante antigo.

Klein desceu da carruagem, apertou o chapéu e foi direto para a porta.

Era a casa de Isengard Stanton.

O grande detetive havia escrito para Klein alguns dias atrás, convidando-o para discutir um caso de assassinato.

O Sr. Klein, que esteve ocupado com o financiamento do projeto da bicicleta, respondeu com tato que não tinha tempo a perder como forma de rejeição. Para sua surpresa, Isengard Stanton não pareceu se importar e disse que o caso havia atingido uma parede de tijolos, tornando improvável que houvesse qualquer avanço tão cedo. Ele estava muito disposto a esperar pela visita do detetive Sherlock Moriarty e expressou como esperava uma conversa que acendesse centelhas de sabedoria.

Como tal, Klein só poderia primeiro adivinhar uma data adequada para a visita, escolhendo a data mais próxima após as negociações, que aconteceram esta tarde. Com isso, escreveu de volta e marcou um encontro.

Ding-dong, ding-dong.

Klein tocou a campainha duas vezes e recuou para esperar.

Mais de dez segundos depois, a porta se abriu e o assistente do grande detetive Isengard disse com um sorriso: — Boa tarde, detetive Moriarty. O Sr. Stanton está esperando por você na sala de atividades. Você gostaria de café ou chá?

O assistente era magro e usava óculos de aro dourado. Ele parecia refinado e profissional.

Klein olhou para ele e disse: — Chá. Economize nas fatias de limão.

— Sem problemas. — O assistente conduziu Klein até a sala de estar, apontou para a sala de atividades e disse: — Desculpe, nossos criados são apenas temporários e eles estavam de folga hoje, então só posso incomodá-lo a ir sozinho.

Klein assentiu e caminhou em direção à sala de atividades no primeiro andar.

Ao erguer a mão para bater na porta, de repente sentiu que algo estava errado.

“Marquei uma visita com o Sr. Stanton com alguns dias de antecedência. Por que eu acertei no dia de folga dos empregados temporários?”

Os olhos de Klein se estreitaram e ele puxou uma moeda de cobre.

Nesse momento, a porta da sala de atividades se abriu devido à batida, produzindo um pequeno estalo.

Em um piscar de olhos, como se algum selo tivesse sido removido, o forte cheiro de sangue fresco jorrou e dominou o nariz de Klein.

Pelo que ele pôde ver, a cadeira reclinável na sala de atividades estava virada e manchada de sangue vermelho escuro. Um livro estava ao lado dele, com a capa voltada para cima.

Com apenas aquele olhar, Klein sentiu como se estivesse vendo uma cena de crime.

O nome do livro chamou sua atenção: A Lenda do Diabo do Burgo Sivellaus.

“Diabo…” Klein estava prestes a fazer um movimento quando um vento forte de repente soprou na sala de atividades, abrindo rapidamente a porta.

Creak!

Klein viu claramente todo o interior da sala de atividades.

O carvão da lareira há muito havia se extinguido e não havia mais brasas vermelhas acesas; a mesa de centro, o sofá, as cadeiras, o armário e outros itens haviam caído ou quebrado. Parecia que ele testemunhou uma batalha intensa.

Havia muito sangue no carpete e nas paredes, e muitas marcas de queimaduras, mas não havia sinal de corpo no local, nem mesmo um toco de galho.

“Algo aconteceu com o detetive Stanton?” Klein de repente deu um passo para trás, pretendendo primeiro deixar o local.

No entanto, quase ao mesmo tempo, ele sentiu alguém se prender a ele.

Alguém estava olhando para ele com um olhar frio e impiedoso de um local desconhecido!

No momento em que cometesse um erro em sua resposta, ele receberia imediatamente um golpe fatal!

“Como este pode ser um dia adequado para visitar Isengard Stanton? Minha interpretação da revelação estava errada?” Klein não ousou agir precipitadamente.

No entanto, não estava muito nervoso ou perturbado. Tendo vivenciado muitas batalhas e performances, ele sabia que precisava manter a calma nesses momentos.

Tap, tap, tap. O assistente de Isengard Stanton se aproximou com uma bandeja.

Na bandeja havia um bule e duas xícaras de porcelana branca.

O assistente congelou no lugar quando viu a cena na sala de atividades.

Ele olhou para Klein, seu rosto repentinamente cheio de medo enquanto gaguejava: – Você… matou… Sr… Stanton…

Cada vez que ele dizia uma palavra, um pedaço de carne caía de seu rosto enquanto o sangue jorrava.

Depois que ele terminou de falar, seu corpo foi feito em pedaços, transformando-se em um cadáver desmembrado. Era como se ele sempre tivesse estado naquele estado, um corpo que foi costurado para simplesmente receber Klein.

Clang! Crack! O bule e a xícara de porcelana branca caíram no chão ao mesmo tempo, rolando ou espirrando, e a água do chá rapidamente encharcou a área.

Klein não se mexeu enquanto observava tudo o que havia acontecido. Isso porque ele ainda se sentia como se estivesse sendo observado.

A pessoa que causou essa série de eventos parecia estar esperando que ele fizesse um movimento antes de pular de costas e quebrar seu pescoço.

Depois de um período de tempo desconhecido, em um impasse silencioso e assustador, Klein viu a porta da casa de Isengard Stanton se abrir quando um grupo de policiais em uniformes xadrez preto e branco invadiu.

Quando encontraram os cadáveres repugnantes e desmembrados no chão, sacaram seus revólveres e os apontaram para Klein, que estava parado na porta da sala de atividades.

Apesar de enfrentar os canos negros das armas, Klein relaxou.

O olhar sem palavras que parecia apontar uma arma para trás de sua cabeça desapareceu naquele instante!

Klein levantou as mãos e riu impotente.

— Não direi nada até ver meu advogado.

Delegacia de polícia de Backlund em Chissak.

Acorrentado a um cano de água, Klein encontrou o advogado Jurgen mais uma vez.

— Vou acompanhá-lo durante o interrogatório. — Não havia nada incomum na expressão de Jurgen, como se o detetive Moriarty pertencesse aqui.

Klein suspirou e disse: — Que tragédia. Eu deveria estar pensando no que vou comer hoje à noite, não falando com um policial impassível.

O que ele mais agradeceu hoje foi que, devido à investigação da Ordem Aurora e à atenção do Beyonder de alta sequência da Escola de Pensamento Rosa, ele não trouxe nenhum item Beyonder com ele. Seu único revólver foi facilmente escondido da revista corporal usando uma performance de Mágico.

Ao entrar na sala de interrogatório, ele contou a carta que recebeu de Isengard Stanton sobre a discussão de um caso sem o questionamento do policial.

— Mais tarde, iremos à sua casa com o Sr. Jurgen para recuperar essas cartas. Espero que ainda estejam lá. — O policial encarregado do interrogatório mudou de assunto e perguntou: — Como você conheceu o detetive Isengard Stanton?

Klein respondeu sem hesitar: — Por causa daquele caso de assassinato em série…

Neste ponto, ele de repente congelou por um momento.

Isso o lembrou de algo. Ele sempre suspeitou que havia um mestre por trás do cachorro diabólico, a pessoa que pigarreou quando o cachorro do diabo foi morto.

“Sim, o livro que Stanton estava lendo antes do ataque era A Lenda do Diabo do Burgo Sivellaus. Será que o dono do Cachorro Diabólico está começando a se vingar depois de ficar escondido todo esse tempo? E o detetive Stanton foi a pessoa nos registros policiais que forneceu as principais pistas ou ideias. Além disso, foi ele quem recebeu a recompensa generosa!” Klein rapidamente teve uma teoria.

Picture of Olá, eu sou Vento_Leste!

Olá, eu sou Vento_Leste!

Comentem e avaliem o capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥