Selecione o tipo de erro abaixo

Combo → 42/55


Quando pensou na possibilidade de que o dono do Cachorro Diabólico estivesse envolvido, Klein mudou sua estratégia e decidiu relatar seu envolvimento com Isengard Stanton em detalhes.

Além disso, tomou a iniciativa de mencionar a reunião de Isengard Stanton de uma equipe de detetives para investigar o assassinato em série e a parte da recompensa que eles obtiveram com sucesso.

— Nessa comissão, embora eu só tenha dado algumas ideias, bem… no jargão da indústria de detetives particulares, forneci sugestões, mas ainda assim foi considerada a maior contribuição por Sr. Stanton, então recebi a maior parte da recompensa. — concluiu Klein.

Os dois oficiais encarregados do interrogatório anotaram as informações e perguntaram se alguém poderia provar. Klein deu a eles os nomes e endereços de Stuart, Kaslana e dos outros detetives particulares.

— Muito bem, Sr. Moriarty. Sua resposta é detalhada o suficiente. — Um policial parou de escrever e perguntou: — Quanto tempo você passou na casa de Isengard Stanton hoje? Quero dizer, desde o momento em que você entrou até o momento em que o encontramos.

Klein pensou por um momento e, sem consultar o advogado Jurgen, respondeu diretamente: — Cerca de dois a três minutos.

O que ele disse foi baseado no que realmente sentia.

Outro policial ergueu as sobrancelhas e disse: — Muitos moradores próximos puderam confirmar que você entrou na casa de Isengard Stanton por volta das 14h10. Chegamos ao local às 14h28, ou seja, você estava na casa há cerca de dezoito minutos, não dois ou três minutos!

— O que exatamente você estava fazendo durante esse longo período de tempo? Por que você não saiu e chamou a polícia?

“Dezoito minutos se passaram?” Klein franziu a testa de repente.

Ele sentiu que o impasse que tinha com a existência que o observava silenciosamente durou pouco mais de um minuto. Como demorou dezoito minutos?

“Foi a estranha sensação de estar sendo observado que confundiu minha compreensão do tempo, ou foi outra coisa? São os poderes Beyonder da outra parte? Se realmente fosse o dono do Cachorro Diabólico, ele estaria pelo menos na Sequência 6, com grande probabilidade de ser a Sequência 5…” Enquanto Klein ponderava, Jurgen se inclinou para a frente, pronto para acusar a polícia de estar fazendo perguntas sugestivas.

Esse não era um motivo muito bom, mas ele simplesmente queria usar esse método para interromper o ritmo do interrogatório e atrasar a pergunta desfavorável para seu cliente.

Nesse momento, Klein levantou a mão para esfregar a testa.

— O que acabei de dizer é a verdade. Com base no que senti, apenas dois ou três minutos se passaram depois que entrei na casa do detetive Isengard Stanton.

Ao dizer isso, ele enfatizou: — Sim, com base no que senti.

Os dois oficiais trocaram olhares antes de escrever a resposta.

Após um momento de silêncio, o oficial que havia feito a pergunta disse: — Durante aqueles dezoito minutos, um criado que voltou de fora da casa tocou a campainha, mas ninguém atendeu, então ele olhou pela janela oriel e viu o chão cheio de cadáveres e que você estava parado na porta da sala de atividades.

— Ele estava apavorado, correndo para a delegacia como um louco, e muitos transeuntes e alguns moradores confirmaram isso.

Klein ignorou o olhar do advogado Jurgen e balançou a cabeça.

— Não ouvi a campainha.

Os dois oficiais trocaram olhares novamente, mas não fizeram nenhum comentário. Tudo o que fizeram foi anotar o que foi dito.

Eles fizeram perguntas sobre outros detalhes, e Klein, que não havia feito nada e estava livre de culpa, respondeu a todas as perguntas com sinceridade.

No final, ele não pôde deixar de perguntar: — Você encontrou o detetive Isengard Stanton? Não parecia que a sala de atividades tinha um cadáver. É provável que ele ainda esteja vivo, certo…

Um policial usou uma caneta para bater na mesa e disse: — Essa é uma das coisas que estamos pensando. Apenas a sala de atividades da casa apresentava sinais de briga, e as janelas estavam fechadas, e não eram abertas há dias. Como você sabe, isso é muito normal durante as estações de outono e inverno de Backlund.

— O agressor e o Sr. Isengard Stanton deixaram a sala de uma maneira estranha e não encontramos vestígios dele em nenhum outro lugar da casa ou da vizinhança, nem mesmo sangue.

Sem esperar que Klein falasse, ele questionou antes de responder à sua própria pergunta: — Você definitivamente deseja mencionar a porta da sala de atividades e a porta da casa, mas muitas pessoas confirmaram que não houve perseguição nas proximidades, nem ninguém foi feito refém ou um cadáver sendo removido.

“Talvez tenha realmente acontecido no meio da noite? Talvez eles fossem capazes de atravessar paredes?” Klein ofereceu silenciosamente outras possibilidades em sua mente e orou silenciosamente.

“Que a Deusa abençoe o detetive Isengard Stanton e que ele tenha escapado do desastre.” A Deusa da Meia Noite era a Imperatriz do Desastre e do Horror.

Quando o interrogatório terminou, Klein foi detido em uma pequena sala e a polícia enviou alguém para pegar a carta como prova com o advogado Jurgen na Rua Street, nº 15.

Não foi até a noite que Klein foi finalmente admitido sob fiança, pagando uma quantia de cinquenta libras.

— Está muito mais caro do que da última vez. É difícil para o detetive particular normal ter tanto dinheiro em um curto período de tempo. — Depois de deixar a Delegacia de Polícia de Chissak, Klein levantou a gola de seu casaco e reclamou com Jurgen.

Jurgen ainda usava uma expressão profissional e séria.

— A situação foi favorável a você da última vez, mas desta vez, muitas das evidências apontam para você.

Ele parou uma carruagem alugada, virou a cabeça para o lado e olhou para Klein.

— Sherlock, sou seu advogado. Antes de responder às perguntas do policial, é melhor que você se comunique comigo, mesmo que seja apenas me olhando.

— Não fale descuidadamente, mesmo que sinta que não há problemas. Pessoas comuns que não foram treinadas dirão facilmente coisas que as enganarão.

“Isso… Estou acostumado a inventar minhas próprias histórias e resolver meus próprios problemas…” Klein lembrou o que acabara de acontecer e deu uma risada vazia.

— Ok, vou manter isso em mente.

Sem dizer mais nada, Jurgen embarcou na carruagem.

Klein sentou-se diante dele e pensou no ataque do detetive Isengard Stanton.

Enquanto pensava, de repente ouviu o barulho de seu estômago.

“Já passou da minha hora normal de jantar…” Klein pegou seu relógio de bolso de ouro e o abriu.

Ele não queria gastar mais energia preparando comida, então começou a pensar em qual restaurante valia a pena esperar.

Naquele momento, Jurgen ergueu as pálpebras e disse: — Pedi à minha avó para preparar o jantar para três.

— Como posso recusar? — Klein ficou surpreso por um momento antes de rir. — As habilidades culinárias da Sra. Doris são sempre algo a se esperar.

Quando voltaram para a Rua Minsk no Burgo Cherwood, o céu estava completamente escuro e as lâmpadas da rua eram ainda mais brilhantes do que a indistinta lua vermelha no céu.

Depois de jantar na casa dos Jurgen e se divertir com o gato, Klein voltou para casa no ar frio e úmido.

Ele costumava vasculhar a caixa de correio e tirou uma cópia das Notícias Vespertinas de Backlund que acabara de chegar.

Klein abriu a porta com o jornal na mão e, assim que guardou a bengala, percebeu que algo estava errado.

Sua intuição espiritual como Vidente lhe disse que um estranho havia entrado em sua casa!

“Foi a polícia que veio recolher as provas?” Klein olhou em volta com cautela e de repente viu uma carta na mesa de centro.

Deveria haver apenas jornais ali!

Klein entrou na sala cautelosamente, preparando-se para um ataque. Aproximou-se da mesinha de centro e, durante todo o processo, o ambiente ficou completamente silencioso sem a menor anormalidade.

Olhando para a carta, Klein primeiro pegou um par de luvas pretas e as calçou antes de abrir a carta.

Havia um pedaço fino de papel dentro do envelope. Depois de desdobrá-lo, uma cor vermelha escura foi imediatamente refletida nos olhos de Klein, e um leve cheiro de sangue permaneceu em seu nariz.

Palavras foram escritas no pedaço de papel com sangue coagulado: “Todos vocês vão morrer!”

“Isso… É mesmo o dono do Cachorro Diabólico? Ele está se vingando das pessoas que causaram a morte de seu cachorro? Este é realmente um caso de intimidar os fracos e temer os fortes. Por que não encontrar diretamente os Falcões Noturnos responsáveis ​​pela operação de limpeza?” O coração de Klein apertou e muitos pensamentos passaram por sua mente.

Mas rapidamente rejeitou sua reclamação. Era muito normal se vingar da pessoa com quem se podia lidar. Assim como nos últimos meses em Backlund, ele nunca pensou em encontrar Ince Zangwill, mas nunca desistiu de perseguir Lanevus.

Depois de olhar em volta novamente, Klein gradualmente descobriu que esse assunto era um pouco confuso.

“Ele não tem medo de ser pego pelos Beyonders oficiais usando um método tão ostensivo para se vingar? Este é o requisito de atuação para sua poção?”

“Ou melhor, visto que o detetive Isengard Stanton escapou, ele sabe que não pode se livrar de seus alvos em segredo, então só pode mudar seus métodos. Mas qual é a razão por trás desse método?”

“Além disso, quando eu estava na casa do detetive Stanton, ele estava claramente me observando. Por que não fez um movimento? Ele estava apreensivo com um detetive particular comum como eu?”

“Não, impossível… Ele sabe que sou um Beyonder? Possível. Devido ao efeito colateral de me perder devido à Chave Mestra, eu me encontrei com o Cachorro Diabólico. Ele viu meu corpo e como eu parecia. Embora eu estivesse disfarçado, não posso ter certeza de que um diabo possa ver através dele…”

“Talvez, depois desse incidente, tenha conseguido apresentar a cena ao seu dono de alguma forma…”

“No entanto, naquela época, eu não conseguia nem derrotar o Cachorro Diabólico, então só podia fugir pateticamente. O que há para ter medo? A menos que ele esteja preocupado com outra coisa, como o ferido Isengard Stanton, que pode estar escondido por perto?”

“Ele me escreveu abertamente, pensando que eu, um Beyonder não oficial, não ousaria pedir ajuda aos oficiais?”

Com a cabeça cheia de perguntas, Klein inspecionou a casa e caminhou até o segundo andar.

Quando abriu a porta do quarto, outra carta apareceu.

A carta estava quieta sobre a escrivaninha, como se estivesse esperando por ele há muito tempo.

Klein abriu a carta e viu uma frase em vermelho escuro: “Você é o próximo.”

“Próximo… Que arrogante…” Klein não pôde deixar de suspirar.

Neste momento, ele de repente teve um pensamento. Levantou a cabeça e olhou para fora da janela.

Do outro lado dele havia algumas casas de dois andares com as luzes acesas.

O brilho das lâmpadas da rua incidiu sobre suas paredes externas, formando uma zona entrecruzada.

De repente, as sombras nas áreas se contorceram, formando uma sombra negra em um fraque.

A sombra ergueu a mão direita, gesticulando em forma de revólver, e apontou para Klein.

Em seguida, retraiu o braço e soprou na boca da arma.

Imediatamente depois, silenciosamente recuou, transformando-se em inúmeras sombras desconectadas.

Picture of Olá, eu sou Vento_Leste!

Olá, eu sou Vento_Leste!

Comentem e avaliem o capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥