Selecione o tipo de erro abaixo


Combo 20/50


Sem mais uma palavra ou preocupação com Danitz, Klein apertou sua cartola e carregou sua mala escada abaixo.

“Você realmente vai me deixar ir?” Blazing Danitz estava no convés, com o rosto cheio de suspeita.

Embora esperasse tal resultado, com Gehrman Sparrow deixando-o ir diretamente enquanto estava no porto de Damir, tornando-o capaz de imaginar a cena de hoje, ele ainda não conseguia acreditar. Sentiu que tudo o que aconteceu com ele foi muito simples e fácil.

“Independentemente disso, valho 3.000 libras. Não, esta é a recompensa oferecida apenas por Loen! Este louco, Gehrman Sparrow, não é um aventureiro? Como ele pode abrir mão de uma grande quantidade de riqueza à sua frente? É incompreensível… Heh, é verdade que as pessoas normais não conseguem entender a mentalidade dos lunáticos…” Danitz gradualmente voltou a si. Com a bagagem na mão, ele desceu cuidadosamente a passarela e pisou no chão de concreto do cais.

Ele endireitou as costas, ergueu a cabeça e deu uma olhada nas costas de Gehrman Sparrow. Percebeu que realmente não iria voltar atrás e estava seguindo o caminho direto para a Rua Costeira.

Danitz não ousou demorar mais um segundo. Ele imediatamente deu meia-volta e saiu por outro caminho, mudando ocasionalmente de direção e usando obstáculos para olhar para trás, a fim de garantir que não fosse seguido.

Logo, chegou a uma fileira de casas perto do armazém no cais.

“Gehrman Sparrow realmente não me usou como isca…” Depois da checagem tripla, Danitz finalmente relaxou completamente.

Neste momento, finalmente sentiu que foi libertado. Um contramestre digno de uma almirante pirata como ele não precisava mais ser intimidado e receber ordens como um servo!

“Já posso prever que amanhã será incomparavelmente belo. Haverá um grupo de pessoas competindo para me lisonjear, querendo se tornar meus servos!” Danitz bateu alegremente na porta — três fortes e três fracos — ritmicamente.

“Hehe, Gehrman Sparrow me pediu para dar a ele o ponto de contato pirata em Bayam. Obviamente só contei a ele aqueles que não têm um bom relacionamento conosco. Não há como ele adivinhar que nosso ponto de contato do Sonho Dourado está bem no cais…” Danitz cutucou o nariz e respirou a brisa fresca do mar antes de uma chuva iminente.

Bayam era um local crucial das colônias do Mar Sônia do Reino de Loen. Era uma das maiores cidades da região. Havia muitos Beyonders oficiais poderosos e, por mais violentos que fossem os piratas, não se atreviam a mostrar seus rostos abertamente aqui. Na maioria das vezes, eles tinham que contar com gangues locais ou pessoas com experiência para lidar com o saque e comprar qualquer coisa necessária.

Claro, isso não significava que eles não viriam para Bayam. O Teatro Vermelho aqui era o bordel mais famoso dos mares circundantes, e inúmeros piratas vieram para patrocinar este famoso lugar. Mesmo que um ou dois de seus colegas fossem pegos de vez em quando, isso não os impedia de vir.

Além do comércio de especiarias, a indústria de bordéis era outro grande pilar do Arquipélago de Rorsted. Além do Teatro Vermelho, havia muitos bordéis grandes ou pequenos, abertos ou escondidos por toda parte. Eles satisfizeram plenamente os desejos dos marinheiros com muita energia. Quanto às mulheres piratas, elas não precisavam se preocupar com esse problema. Contanto que estivessem dispostas, sempre poderiam ficar satisfeitas. Afinal, havia mais demanda do que oferta. No mar, onde a fé no Senhor das Tempestades era predominante, sempre houve poucas mulheres.

Da mesma forma, o comércio clandestino relacionado ao misticismo e ingredientes de Beyonder era bastante frequente aqui, e havia muitos grupo.

“Esses portos menores são ainda melhores. Não precisamos ter medo de sermos descobertos, e podemos simplesmente sentar abertamente em um bar, nos envolver em disputas com aventureiros e até mesmo combatê-los. Contanto que não causemos problemas ou mortes, os Beyonders oficiais locais farão vista grossa. Heh, com sua força, eles normalmente têm que assumir riscos tremendos se quiserem interferir…” Danitz pensou zombeteiramente.

Nesse momento, ouviu passos e viu a porta se abrir. Um rosto familiar entrou em sua visão.

— Velho, você não bebeu hoje? — Danitz sorriu e cumprimentou.

Parado na porta estava um dos contatos do Sonho Dourado no Arquipélago Rorsted, Velho Rinn.

O Velho Rinn tossiu duas vezes e abriu caminho.

Danitz entrou na sala escura, seu nariz contraiu de repente.

Ele sentiu o cheiro de Lanti Proof.

“Não, Velho Rinn gosta de beber Bayam Black Rand produzido localmente!” Quando esse pensamento passou por sua mente, Danitz ficou apavorado.

Imediatamente depois disso, ele viu um homem de costas para ele se levantar. Ele era alto, moreno e musculoso, e seu cabelo era encaracolado como bolas de gude.

— Steel Maveti! — As pupilas de Danitz se contraíram fortemente.

Este era o segundo imediato do Almirante do Sangue, um grande pirata com uma recompensa de 6.000 libras!

Ondas da brisa do mar sopravam, balançando de forma precária as folhas finas e pontiagudas da árvore.

Klein caminhava pela Rua Costeira em velocidade adequada. Em contraste, as pessoas ao seu redor estavam correndo e andando rapidamente.

Sua intuição espiritual lhe dizia que demoraria um pouco até que a tempestade chegasse e que ele tinha muito tempo para encontrar um hotel.

Uuuuu!

O som do vento ficou cada vez mais alto. Galhos de árvores caíram no chão e não havia muita gente na rua.

Klein estava prestes a entrar em outro beco quando ouviu o som de uma corrida apressada, mas desordenada.

Tap! Tap! Tap! 

Danitz estava correndo com todas as suas forças, mas a cena à sua frente começou a balançar.

Ele sentiu uma dor anormal de sua ferida enquanto sentia sua vitalidade minar rapidamente. Seu Corpo Espiritual havia deixado parcialmente seu corpo, aproximando-se do lendário Submundo. Quanto aos sons ao redor, só podia ouvi-los vagamente, e tudo em sua linha de visão parecia não ser real.

Se não fosse por ter o Manto das Sombras, a emboscada o teria matado. Mas, mesmo assim, ainda estava gravemente ferido e poderia morrer nas ruas a qualquer momento.

Ele foi forçado a correr em direção à Rua Costeira por causa de sua vontade de avisar a capitã de que seu ponto de contato havia sido comprometido pelo Almirante de Sangue, bem como pelo vislumbre de esperança trazido por aquela figura louca, mas poderosa.

“Se for ele, então ele definitivamente seria capaz de escapar das mãos dos capangas de Steel Maveti…” Danitz começou a cambalear e seu corpo gradualmente esfriou.

Quando estava prestes a desmaiar, viu Gehrman Sparrow parado na esquina de uma rua. Seu rosto refinado que escondia a loucura parecia tão genial naquele momento.

Plop!

Danitz caiu de costas, as mãos penduradas frouxamente sobre o peito, revelando um ferimento hediondo e exagerado que foi infligido a seus órgãos.

— Diga a capitã que o Velho Rinn foi descoberto. Steel Maveti fez isso por esse tesouro! — Danitz viu Gehrman Sparrow ajoelhar-se ao seu lado enquanto falava apressadamente.

Klein relembrou a recompensa oferecida por Steel Maveti e perguntou em troca: — Almirante do Sangue?

— Sim, diga a capitã! D-diga a capitã! — Danitz engasgou quando disse.

Depois de dizer tudo isso, ele revelou um sorriso triste.

— Não se preocupe comigo. Estou prestes a morrer em breve.

— Diga a capitã que todo o dinheiro que economizei foi convertido em imóveis. Casas 12 a 16 na Avenida Amyris em Bayam. As escrituras1 estão escondidas na parede do porão da Casa 13. A-ajude-me a vendê-las. Leve o dinheiro para o Vilarejo Elema, no Sul de Intis. D-dê o dinheiro aos meus pais. D-diga que eu realmente fiz uma fortuna…

Danitz fez uma pausa e disse com grande dificuldade: — D-diga que me tornei um aventureiro excepcional.

— Também… Ajude-me a dizer que sinto muito…

Seus olhos de repente ficaram úmidos, como se ele estivesse se lembrando daquele jovem rebelde de antes.

“Sinto muito, velho, mãe. Não posso voltar para casa…” A visão de Danitz escureceu e ele sentiu que sua vida estava chegando ao fim.

Foi nesse momento que ele viu Gehrman Sparrow estender a mão e pressioná-la sobre o ferimento e depois esfregá-lo.

A tristeza de Danitz parou repentinamente quando ele sentiu a dor já entorpecida em seu peito e abdômen desaparecer de repente enquanto sua mão esquerda parecia sofrer uma fratura.

Ele olhou para Klein inexpressivamente, e Klein olhou para ele em silêncio. Nenhum deles falou por dois segundos.

Finalmente, ele olhou para baixo com espanto e descobriu que sua ferida letal havia curado estranhamente. Seu braço esquerdo estava gravemente mutilado e até seus ossos se projetavam.

“E-eu estou bem agora?” Danitz piscou, ainda imerso na tristeza e frustração de seu encontro com a morte.

— Por que você não me tratou primeiro? — ele perguntou inexpressivamente.

Klein olhou para a área vazia do outro lado da Rua Costeira e disse em tom calmo: — Esperando você terminar.

— Isso é cortesia básica.

“Cortesia seu filho da puta! Eu estava realmente dizendo minhas últimas palavras!” Com um puxão repentino de suas costas, Danitz sentou-se.

Ele olhou cautelosamente para o cais, onde uma espessa nuvem de fumaça estava subindo. Não era outro senão o resultado da batalha que ele acabara de travar.

“Como a casa foi incendiada por mim, Steel Maveti temia que chamasse a atenção dos Beyonders oficiais. Como ele estava confuso com aquela sombra, ele não me perseguiu…” Danitz instantaneamente entendeu a sequência de eventos.

— Vamos encontrar um lugar para ficar primeiro. — Klein abriu as mãos e limpou uma gota de chuva.

Sem saber se havia escapado completamente do perigo ou não, Danitz imediatamente assentiu.

— OK.

“Posso dizer que esse louco, Gehrman Sparrow, não tem medo de Steel Maveti. Ele nem tem medo do Almirante do Sangue… Nessas horas, eu admiro especialmente sua loucura… Droga, eu expus minha riqueza para ele.” Danitz tinha acabado de exalar quando seu corpo congelou.

Klein caminhou silenciosamente à frente com sua mala e bengala com apenas um pensamento ecoando em sua cabeça.

“Droga, um pirata é mais rico do que eu…”

Burgo Imperatriz.

Audrey, que estava prestes a deixar Backlund, se escondeu em seu laboratório de química e preparou a poção Psiquiatra com os ingredientes que recebeu do Sr. Vampiro — o fruto da Árvore dos Anciãos, o sangue de um Dragão do Espelho — e os outros ingredientes que ela tinha coletado anteriormente.

Desta vez, ela não fez que Susie protegesse a porta. Em vez disso, ela deveria sentar e observar todo o processo do lado de fora. Conde Hall já havia instruído a todos para não se aproximarem da jovem durante seus experimentos, mas eles tinham que ficar atentos a quaisquer mudanças incomuns.

Ufa…  Audrey soltou um pequeno suspiro de alívio, despejando a poção completa em uma garrafa de vidro preparada.

O líquido levemente dourado ondulava como uma pupila gigantesca e deformada. Seu olhar parecia brilhar direto nos olhos do coração de qualquer um.

— Susie, você se lembrou do processo? Você é sábia, não… você é uma Beyonder sábia. No futuro, você terá que aprender a preparar sua própria poção. Não, não é que eu não esteja ajudando você; é só que estou apontando uma possibilidade. Às vezes, posso não estar ao seu lado, e você precisa de uma garrafa de poção, — Audrey disse alegremente para a enorme golden retriever.

Susie ficou tão confusa com o que foi ensinado que só conseguiu abrir a boca para responder com uma única palavra: — Uau!

Convergindo suas emoções, Audrey ergueu a cabeça e bebeu o frasco da poção Psiquiatra.

  1. comprovantes[]
Picture of Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥