Selecione o tipo de erro abaixo


Combo 26/115


Na embaixada de Intis na Cidade da Generosidade, Bayam.

Helene sentou-se em frente a uma cômoda, olhando para seu lindo, mas um tanto frágil, reflexo. Ela ficou ali, atordoada, por vários minutos.

Sua fuga do navio Morte Negra foi repleta de expectativa e tormento. Ela temia que qualquer pequeno acidente fizesse com que fosse descoberta por piratas ou aventureiros, fazendo com que ela fosse capturada pela Contra-Almirante da Peste Tracy mais uma vez e fazendo-a perder toda a sua liberdade. Ela então nunca seria capaz de retornar à sua cidade natal e à vida que gostava originalmente.

Somente quando aproveitou as escassas conexões deixadas por sua família é que conseguiu se esconder na embaixada de seu país e conseguir uma passagem para sair do mar, o que lhe proporcionou um pouco de alívio.

No entanto, isso ainda não foi suficiente para fazê-la se sentir à vontade. Ela acreditava que tudo só terminaria verdadeiramente quando pisasse no Continente Norte.

Com isso em mente, Helene não pôde deixar de levantar a mão direita e tocar suas bochechas, que não eram consideradas bonitas, mas eram suficientemente saudáveis. Ela percebeu que seu requinte havia melhorado significativamente desde sua época como comerciante marítima. Ela sentiu como se o tempo tivesse invertido, cometendo o erro de retornar aos seus dias de juventude.

Na verdade, depois de entrar na embaixada de Intis, teve uma escolha adicional além de escapar do mar: cooperar com a Igreja das Tempestades, com os militares de Loen ou com a embaixada. Usando-se como isca, eles poderiam capturar a Contra-Almirante da Peste Tracy.

Mas depois de pensar bastante, ela finalmente desistiu desse plano. Até implorou ao ancião da família, que era oficial da embaixada, que escondesse a informação de que ela estava escondida lá de outras pessoas.

“Independentemente disso, ela não me causou nenhum dano real. Muitas vezes, ela me satisfez… Além de todas as noites… todas as noites… Mas isso é apenas superficial…’ Em meio às suas lembranças, Helene rapidamente ficou vermelha.

Aquelas noites inebriantes, a paixão ardente de ter membros entrelaçados e o prazer inimaginável passaram por sua mente, deixando-a incapaz de se recompor.

Helene respirou fundo lentamente antes de expirar.

Ela balançou a cabeça e fez com que seu anseio por liberdade, sua terra natal e sua família ocupassem seu coração novamente.

Mais uma vez olhou para seu reflexo e enrolou os cabelos ruivos caídos.

Em seguida, engrossou as sobrancelhas com maquiagem e escureceu os contornos, deixando seus traços faciais mais nítidos e pronunciados.

Depois dessa rodada de maquiagem, Helene parecia mais andrógina, mais masculina.

Finalmente, ela tirou a roupa e usou um pano para alisar o peito. Então vestiu uma camisa branca, um colete preto, calças masculinas e uma sobrecasaca trespassada.

Por fim, pegou um chapéu de seda e colocou-o na cabeça, escondendo por dentro os cabelos ruivos enrolados.

Neste momento, seu reflexo parecia mais um jovem bonito do que uma dama. Seus olhos esmeralda pareciam combinar especificamente com seu traje, dando-lhe um nível atraente de profundidade.

Helene esperou pacientemente até que alguém batesse em sua porta.

Ela pegou sua bagagem e saiu pela porta. Seguiu o bom amigo de seu familiar mais velho até a porta lateral do jardim da embaixada.

Uma carruagem estava lá esperando por ela. Era para mandá-la ao porto, onde embarcaria em um transatlântico e seguiria para o Porto Pritz do Reino Loen. Lá ela faria um desvio para retornar à Intis.

Helene tinha poderes Beyonder anti-rastreamento. Ela observou cuidadosamente os arredores, incluindo o motorista da carruagem.

“Um nativo magro e viril. Não gosta de usar chapéus. Sua aparência é idêntica à que conheci antes. Ele parece um pouco nervoso, mas isso é normal…” Depois que Helene fez suas verificações finais, ela agradeceu ao amigo do pai da família, carregou sua bagagem e embarcou na carruagem.

Quando as rodas começaram a girar, ela franziu os lábios e olhou pela janela, observando uma sombra atrás da outra sendo rapidamente deixada para trás.

Isso lhe deu uma sensação inexplicável, como se estivesse de volta a Trier.

Era uma cidade enorme e cheia de sol, localizada na região dos rios Ryan e Srenzo. Era uma cena radiante e encantadora com todos os tipos de rosas. Era um lugar com artes e pessoas movimentadas, uma terra sagrada para artistas, músicos e romancistas.

Essa era a capital do Intis. Depois que o Imperador Roselle a reconstruiu, ela se tornou, no verdadeiro sentido da palavra, uma metrópole de classe mundial. Foi também a cidade natal de Helene. Ela cresceu lá e muitas vezes chorava quando via isso em seus sonhos.

Após um período de tempo desconhecido, Helene de repente sentiu que algo estava errado. As ruas circundantes estavam ficando mais desertas e remotas.

Como comerciante marítima, embora passasse a maior parte do tempo no Mar da Névoa e não estivesse muito familiarizada com Bayam no Mar Sônia, ser uma Sequência 9: Caçadora a deixava suficientemente alerta.

— Esta rota está correta? — Helene saiu de seu assento e perguntou cuidadosamente ao motorista da carruagem.

Ela estava preparada para pular da carruagem e produzir uma bola de fogo a qualquer momento.

O cocheiro não olhou para trás enquanto continuava olhando para frente. Ele disse com um sorriso bajulador: — Honorável Dama, esta rota é mais rápida e não é tão fácil entrar em engarrafamentos.

— Como você sabe, Bayam foi construída há anos. Naquela época, não havia muitas pessoas ou carruagens. Muitas ruas são estreitas. Por volta do meio-dia e à noite é muito fácil encontrar congestionamentos. Caminhar seria ainda mais rápido do que pegar uma carruagem.

“É mesmo?” Helene pensou sobre isso e acreditou em sua explicação. Isso porque ela havia encontrado tais situações em diversas cidades.

“Trier ainda é a melhor. Quando o Imperador Roselle reformou os bairros antigos da cidade, ele teve a visão de alargar as estradas. Ainda hoje há espaço suficiente…” Helene teve esse pensamento passando por sua mente quando ouviu o cavalo puxando a carruagem relinchar, aparentemente com dor.

— Espere um momento. Parece que pisou em alguma coisa. — O motorista da carruagem parou a carruagem ao lado e saltou.

Helene originalmente não pensou muito nisso, mas vendo a área com o canto do olho, percebeu que eles estavam em um beco silencioso e desabitado.

Seu coração se apertou quando não hesitou em tentar romper as portas da carruagem e escapar.

Independentemente de ter sido uma reação exagerada ou não, ela acreditava que era necessário.

Naquele momento, um horror intenso surgiu do fundo do seu coração. Parecia que ela tinha sido presa por um monstro extremamente faminto.

A pressão que ela sentiu a nível espiritual a deixou hesitante. Ela não se atreveu a agir precipitadamente.

Depois disso, ouviu uma voz profunda.

— Eu não vou machucar você.

— Eu tenho algumas perguntas para você.

A mente de Helene disparou enquanto considerava rapidamente as opções colocadas diante dela.

No final das contas, ela não escapou precipitadamente. Sentou-se em seu lugar sob a pressão tremendamente aterrorizante.

Ela planejou avaliar a situação primeiro antes de ajustar seus planos.

A porta da carruagem se abriu e o motorista local, magro e viril, entrou. Ele se sentou em frente a Helene e não era outro senão o Sem Rosto Klein.

Para atuar como cocheiro, ele praticou especificamente como dirigir cavalos e carruagens. Esta era uma técnica que ele não conseguiu aprender adequadamente enquanto estava no esquadrão de Falcões Noturnos da cidade de Tingen. Devido ao pouco tempo que tinha, ele não o dominou o suficiente e só pôde usar a aura da Fome Rastejante para tornar o cavalo obediente.

Ao mesmo tempo, Danitz, que estava escondido nas proximidades, correu rapidamente e ocupou o lugar do condutor da carruagem e começou a conduzi-la.

Seu chapéu redondo de feltro estava bem abaixado e ele estava vestido como um verdadeiro cocheiro de carruagem.

Helene inclinou as costas de maneira cautelosa, como um leopardo pronto para atacar a qualquer momento.

Ela sentiu que o olhar do homem à sua frente passava por sua testa, sobrancelhas, olhos, nariz, boca, pescoço, peito, cintura e pernas. Isso a deixou extremamente desconfortável.

Ela havia encontrado tais olhares e métodos de avaliá-la em Intis, em Trier e durante os dias em que estava no mar. Era algo que pervertidos nojentos cheios de desejos sexuais possuíam.

Mas desta vez, ela estranhamente não se sentiu insultada. Não tinha a sensação de que o homem iria arrancar suas roupas ou estar fantasiando com algo anormal.

“Em vez disso, parece que ele está vendo uma comida… Ele é como uma cobra fria que desliza pela minha pele…” Helene finalmente não aguentou e perguntou: — Que perguntas você tem?

Depois de compreender completamente sua aparência e feições, Klein se inclinou para frente e colocou os braços nas coxas de maneira natural. Ele apertou levemente as palmas das mãos e disse: — Você já ouviu falar de uma pessoa chamada Jimmy Necker?

Helene levou alguns segundos para se lembrar antes de balançar a cabeça com firmeza.

Ela franziu ligeiramente a testa e perguntou atordoada: — Você pegou a pessoa errada?

— Ele é um magnata, alguém que gosta de colecionar coisas. Você já ouviu falar de tal pessoa por Tracy? — Klein perguntou novamente.

“Tracy…” Helene suspirou secretamente e respondeu seriamente: — Não. Ela nunca mencionou um magnata que gosta de colecionar.

Klein olhou para os olhos da mulher ruiva e disse sem pressa: — Então, o quarto dela tem algum documento antigo sobre o Império Balam do Continente Sul?

— Não. Ela não é alguém que gosta de ler documentos. Ela odeia ler. Ela até me faz ler romances para ela. — Com isso dito, Helene revelou um sorriso amargo.

— Que romances ela lê? — Klein perguntou sem mudar de tom.

— Aqueles clássicos de Roselle, assim como quaisquer histórias de romance contemporâneas, Helene respondeu francamente.

Klein assentiu.

— Ela tem sala de colecionador?

— Sim, mas além dela e de alguns visitantes misteriosos, ninguém tem permissão para entrar, inclusive eu, — disse Helene ao se lembrar.

Klein ficou em silêncio por alguns segundos enquanto mantinha uma postura imutável.

— Conte-me sua história.

— A minha? — Helene apontou para si mesma surpresa.

Klein assentiu gentilmente, sem se repetir.

Helene disse depois de ficar momentaneamente atordoada: — Minha história é muito simples.

— Meu pai é membro da antiga família real Sauron de Intis. Ele recebeu bastante riqueza, mas se perdeu no álcool, nas amantes, na maconha e no jogo, levando-o à falência.

— Para pagar as dívidas, optei por aceitar algumas condições levantadas pela família e me tornei uma Beyonder. Então fui para o mar para me tornar uma comerciante marítima.

Picture of Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥