Selecione o tipo de erro abaixo


Combo 51/115


22h, Bar do Peixe Espada.

Depois de esperar uma tarde inteira e não ter recebido sua recompensa, Klein saiu deliberadamente. Ele foi até Oz Kent e recebeu a notícia de que o processo havia sido iniciado. Porém, ele só receberia o dinheiro amanhã de manhã.

Ele se disfarçou e participou de uma conversa particular entre os aventureiros no Bar do Peixe Espada, mas não encontrou os principais ingredientes da poção Mestre das Marionetes ou quaisquer itens místicos.

Depois de restaurar sua aparência, Klein pressionou o chapéu e tentou se espremer no meio da multidão. Ele saiu do bar que estava no horário mais turbulento e barulhento do dia.

Neste ponto, os olhares passaram por seu rosto enquanto a maioria deles ficou momentaneamente surpresa antes de congelarem claramente por dois segundos, como se tivessem reconhecido algo.

De repente, retraíram o olhar e recuaram para longe de Klein como a maré vazante.

Eles já haviam sabido da aparência e da força de Gehrman Sparrow nos jornais e nos rumores. Mais detalhes foram gradualmente se espalhando em áreas onde aventureiros, piratas e membros de gangues se reuniam. Muitas pessoas adquiriram uma compreensão básica da situação atual e sabiam que Gehrman Sparrow havia tomado a ação maluca de sacar instantaneamente seu revólver assim que viu o Língua de Cobra Mithor King. Portanto, todos sabiam melhor e optaram por ficar longe do homem perigoso.

O comerciante, Ralph, estava bebendo em frente ao bar quando de repente sentiu a perturbação. Ele instintivamente virou o corpo e olhou.

Logo viu um cavalheiro quieto com um rosto magro e feições cortadas, e o retrato correspondente que apareceu no Relatório de Notícias veio à tona em sua mente — Gehrman Sparrow que caçou Língua de Cobra!

Depois disso, Ralph relembrou sua conversa com o líder da Resistência, Kalat, naquela noite. Ele confirmou que o aventureiro louco diante dele não era avesso ao Deus do Mar, e até testemunhou o comércio privado entre a Resistência e a Contra-Almirante Iceberg.

“Talvez eu possa transformá-lo em um crente do Deus do Mar… Mesmo que ele não tenha interesse no arquipélago no futuro, ele poderá ser capaz de fornecer certa ajuda em certos assuntos…” Ralph juntou as mãos e as levou à boca como se ele estava soprando uma concha do mar. Este foi um dos gestos usados ​​para orar ao Deus do Mar Kalvetua.

Então, de repente ele se levantou e caminhou até Gehrman Sparrow com uma cerveja na mão.

Nesse momento, Klein também percebeu a aproximação de Ralph e o reconheceu.

Esse era um crente devoto que estava disposto a oferecer um terço de sua riqueza de vinte mil libras de ouro ao Deus do Mar!

Esse foi o antigo pirata e atual comerciante que ele convenceu a criar uma fundação de caridade infantil!

Com base nas notícias sobre a fundação de caridade e em suas frequentes orações piedosas, ele compreendeu Ralph em todos os aspectos. Portanto, ficou muito intrigado com o motivo pelo qual o homem tentaria se aproximar de Gehrman Sparrow.

“Ele tem um trabalho para me confiar? Coisas que a Resistência não é capaz de fazer por um motivo ou outro?” Klein olhou para Ralph enquanto ele diminuía o ritmo.

— Sr. Gehrman Sparrow? — Ralph ergueu o copo de cerveja na mão.

Klein assentiu e manteve sua personalidade dizendo: — Eu não conheço você.

— Haha, é sempre tão simples conhecer alguém entre aventureiros. Talvez um copo de cerveja seja suficiente. — Ralph apontou para o balcão do bar. — Você está interessado em uma bebida?

— Tudo bem, — Klein ficou profundamente intrigado ao responder simplesmente.

Sentaram-se no canto do bar enquanto ele pedia uma xícara de cerveja Southville. Enquanto bebia, olhou para Ralph sem dizer uma palavra.

Ser encarado silenciosamente por uma potência do nível de um almirante pirata não foi uma boa experiência. Ralph bebeu um gole de cerveja para esconder o nervosismo e riu.

— Eu ouvi sobre você. Antes do que você fez hoje, sei que você é um verdadeiro cavalheiro que não mostra discriminação para com os nativos das terras coloniais.

Coisas diferentes para dizer passaram pela mente de Klein quando ele finalmente decidiu algumas frases que correspondessem à sua personalidade.

— Chegue ao cerne da questão.

— …

Ralph quase engasgou ao limpar a garganta.

— Tenho a honra de apresentar-lhe o nosso deus, o salvador do arquipélago, a benção do mar, Kalvetua?

— Como você sabe, o mar é tão vasto. As tempestades são tão aterrorizantes. É impossível garantir que se consiga vencer as diversas dificuldades no mar e sobreviver, mesmo para os Quatro Reis. Precisamos de um deus, um deus que possa responder a você e ter autoridade sobre o mar e as tempestades.

“Me apresentando a mim mesmo e depois me fazendo acreditar em mim mesmo…” Klein resistiu à vontade de contrair os cantos do rosto enquanto se virava para dizer: — Estou mais interessado em saber se você tem algum item místico, do tipo que tem poder ofensivo poderoso, com muita força.

Ralph revelou um sorriso honesto.

— Não temos nenhum.

— No entanto, contanto que você acredite piamente no Deus do Mar, pode chegar o dia em que você receberá um.

“Eu não tenho… Não faça promessas por mim!” Klein instantaneamente achou aquilo divertido e risível.

Ele sentiu que não poderia continuar a conversa. Por isso, ele engoliu seu copo meio cheio de cerveja Southville e disse: — Vou considerar.

Ele estava prestes a sair quando o barman de repente se aproximou e esboçou um sorriso.

— Sr. Gehrman Sparrow, alguém lhe confiou uma missão.

— O que é? — Klein olhou para Ralph.

Conhecendo sua posição, este saiu do balcão com sua cerveja.

Ele já estava muito satisfeito com o resultado de hoje. Isso porque nunca teve a intenção de transformar o aventureiro louco em um crente do Deus do Mar de uma só vez. Seu objetivo era apenas informá-lo sobre a possibilidade e pensar nos prós e contras de fazê-lo.

Depois que o silêncio no canto do bar foi retomado, o barman do bar imediatamente disse com um sorriso: — Ele diz que é um Boticário, você conhece. Ele tem uma missão para confiar a você. Se você estiver interessado, pode esperar aqui por ele. Entraremos em contato com ele pelo método previamente estabelecido.

“Um Boticário que eu conheço? O gordinho Darkwill? O Darkwill que cria uma coruja rechonchuda? Que tipo de missão ele teria para mim? Resgatar seu professor, Roy King? Isso não é algo que farei. O risco é muito alto…” Enquanto seus pensamentos corriam, Klein decidiu primeiro descobrir os detalhes da missão.

— OK.

Quase às 23h, Klein encontrou o apreensivo Darkwill na Sala de Bilhar 3 do Bar do Peixe Espada.

Ele já havia colocado um manto de feiticeiro bastante atraente e estava vestido como um nativo. Usava uma camisa Taraba, calças e uma jaqueta marrom. Quanto a esta coruja de rosto redondo, ela estava silenciosamente empoleirada em seu ombro direito, observando o aventureiro com seus olhos penetrantes.

“É muito parecido com a sensação de como a Srta. Justiça observa os outros membros do Clube de Tarô… Essa coruja pode realmente ser uma criatura Beyonder. Um espectador?” Klein fez um julgamento ao dizer em tom profundo, sem mudar de expressão: — Que missão você tem?

— É isso. — O Boticário gordinho manteve a mão esquerda no bolso e apertou a caixa do anel com força. — Vou fazer uma viagem para outra ilha. Heh heh, provavelmente levará três dias. Devido a certos desenvolvimentos, posso encontrar perigo. Claro, isso pode não acontecer também. Resumindo, preciso de um guarda-costas e acho que você é a melhor escolha.

“Do jeito que você coloca isso, parece que na verdade não sou tão impressionante; é que você conhece algumas pessoas… Você não resgatará seu professor e optou por deixar Bayam em busca de ajudantes? Ou ele já foi salvo e o perigo vem da perseguição dos militares?” Klein ponderou sobre a verdade por trás do assunto enquanto perguntava calmamente: — Quão grande seria o perigo?

Os lábios de Darkwill tremeram quando ele disse: — Não tenho certeza. Se o perigo exceder o que você pode suportar, você pode me entregar diretamente à outra parte. Esta será uma promessa que faremos agora. Isso não prejudicará sua reputação.

“Se eu não soubesse que você tem uma boca desagradável, então teria imaginado isso como uma forma de incitação…” Klein pensou e disse: — Que tipo de pagamento você pode oferecer?

Darkwill originalmente desejava dar diretamente a resposta que havia considerado há muito tempo, mas se sentiu hesitante por um momento. Isso porque o assunto era realmente muito perigoso. Sem pagamento suficiente, ele não conseguiria convencer Gehrman Sparrow a concordar. Estava com medo da aparição do conselheiro da Escola de Pensamento da Vida, e que antes que o assunto chegasse ao nível de desespero, seu guarda-costas desistisse de resistir. Esta também foi a razão pela qual ele teve que contratar uma potência.

Klein olhou para ele e disse friamente: — Primeiro, você pode considerar isso por um momento.

— Vou usar o banheiro. Diga-me sua resposta quando eu voltar.

Com isso dito, ele se virou e caminhou até a porta. Puxando a maçaneta, saiu.

A maneira como ele respondeu o fez parecer experiente, tendo a frieza e a calma de um aventureiro e caçador de recompensas, mas, na verdade, ele não estava dando tempo ao Boticário gordinho para pensar. Estava apenas encontrando uma oportunidade de ir ao banheiro para adivinhar o assunto acima da névoa cinza.

Isso era fundamental para ele aceitar a missão!

Quando saiu da sala de bilhar e chegou na frente de um banheiro. Ele entrou na fila antes de finalmente conseguir um cubículo vazio.

Quando entrou, ele franziu a testa enquanto o ambiente sujo e o fedor nojento o deixavam enojado. Ele quase virou a cabeça e saiu.

Klein conteve seu desgosto enquanto puxava a alavanca da descarga com desprezo. Ao suspirar diante do terrível ambiente para sua adivinhação, ele deu quatro pequenos passos no sentido anti-horário e iniciou o ritual.

Dentro da sala de bilhar, Darkwill agilmente fechou a porta depois de ver as costas de Gehrman Sparrow desaparecerem completamente. Ele perguntou à coruja em seu ombro: — Ele vai me trair?

— Não, — murmurou a coruja. — Além disso, ao me fazer perguntas, seja educado. Chame-me de Sr. Harry.

A gordura no rosto de Darkwill tremeu.

— Sr. Harry, que tipo de pagamento você acha que ele aceitará?

— Eu não consigo ver através dele. Ele é bom em esconder suas emoções, — disse a coruja com franqueza.

“Maldito Sr. Harry. Não, maldito pássaro bobo!” Darkwill amaldiçoou interiormente enquanto caminhava e considerava os pagamentos que poderia oferecer.

Depois de um tempo, Klein voltou para a Sala de Bilhar 3 e perguntou: — Você já pensou nisso?

Ele já havia adivinhado acima da névoa cinza que o perigo da missão era aceitável e por acaso planejava deixar Bayam por enquanto.

— 800 libras por três dias, além da nossa amizade. Estou me referindo à amizade do meu professor e de seus amigos, — disse Darkwill sem confiança.

Klein permaneceu em silêncio por alguns segundos e disse: — 1.000 libras por três dias.

— Além disso, sua organização precisa me ajudar a obter um item místico com poderosas habilidades ofensivas. Pagarei em dinheiro com base em um preço razoável.

“1.000 libras. Como eu poderia ter tanto…” Darkwill hesitou por um momento antes de dizer: — Vou pagar um adiantamento de 300 libras. O restante será pago pela pessoa que procuro quando chegarmos ao meu destino.

Ele planejava fazer com que o professor de seu professor pagasse o resto.

Klein assentiu levemente e disse: — Feito.

Darkwill imediatamente soltou um suspiro de alívio antes de estufar o rosto e dizer com um sorriso: — Posso acreditar que a proteção tem efeito imediato?

Picture of Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥