Selecione o tipo de erro abaixo


Combo 57/115


Em meio aos sons estridentes, o transceptor de rádio ejetou um novo pedaço de papel branco ilusório sob o luar carmesim no ambiente escuro.

“Dentro de Leonard Mitchell reside um anjo da família Zoroasta. Ele uma vez mudou minha pergunta.”

“Anjo? Há um anjo residindo no corpo de Leonard? Um anjo da família Zoroast da Quarta Época?” Embora Klein estivesse mentalmente preparado para ouvir um segredo incrível, ainda ficou chocado com o que Arrodes divulgou.

Ele estava profundamente preocupado e surpreso também.

Um anjo referia-se aos Beyonders na Sequência 1 ou 2, tornando-os bastante próximos do estado de um verdadeiro deus. Eles tinham todos os tipos de características místicas e podiam até influenciar Beyonders de baixa sequência do mesmo caminho até certo ponto e alcance. Eram figuras poderosas que estavam no auge do mundo real. Nas diversas Igrejas, apenas os seus papas, pontífices, cardeais, bem como alguns ascetas lendários eram Anjos. Portanto, Klein acreditava que ser usado por um parasita desse nível não era uma coisa boa.

Na sombria Segunda Época, todos os anjos tinham seus nomes divinos e eram subsidiários dos deuses antigos…

“Não interagi direta ou indiretamente com muitos anjos — o Blasfemador Amon; a Rainha1 da Calamidade Cohinem; o espírito maligno suspeito de ser o Anjo Vermelho Medici; Devorador de Caudas Ouroboros conforme descrito pelo Jovem Sol; Invocador de Milagres Zaratul dos diários de Roselle; filho do Criador, Adam; Hermes que não pode ser confirmado se é um anjo ou não; Serpente do Destino, Will Auceptin, que ainda está dentro do ventre de sua mãe…”

“Além dos dois últimos, os outros parecem ser muito maus. Até mesmo as palavras que eles deixam para trás podem fazer o leitor enlouquecer ou perder o controle… Será que meu querido poeta acabaria sendo um item de sacrifício desse anjo parasita…”

“Isso pode explicar por que ele se considera o protagonista de uma peça, a peça especial, e ele estava disposto a me ajudar a esconder meu segredo… A família Zoroast está no controle do caminho do Saqueador, que é o caminho que pode roubar poderes de Beyonder. É por isso que Leonard foi capaz de encontrar e participar da reunião dos Eremitas do Destino… Não é de admirar que ele tenha se oferecido para usar o Ladrão de Vasos Sanguíneos — é porque ele tem um Vovô para ajudá-lo. Ele foi capaz de roubar instantaneamente o poder mais potente de Megose…”

“Heh, que Eremitas do Destino. Eles são apenas um bando de ladrões e fraudadores. Na melhor das hipóteses, o alvo do seu roubo e fraude é o tempo e o destino…”

“Resumindo, o vovô do meu querido poeta não é uma boa pessoa. Tenho que encontrar uma chance de avisá-lo… Mas aí vem o problema, eles estão sempre juntos. Qualquer aviso apenas agilizará o problema.”

Os pensamentos de Klein dispararam, mas não conseguiu encontrar uma opção que pudesse seguir. Tudo o que pôde fazer era arquivar temporariamente o assunto e planejar perguntar ao Sr. Azik e à Serpente de Mercúrio, Will Auceptin, para ver se eles tinham alguma solução.

Naqueles poucos minutos, ele até pensou em usar o Blasfemador Amon. Simplificando, era divulgar ao filho do Criador a informação de que o anjo da família Zoroasta estava residindo no corpo de Leonard Mitchell, fazendo com que Ele comesse o parasita.

De acordo com o que Klein sabia, a família Amon apoiou o Império Tudor durante a Quarta Época, enquanto a família Zoroast pertencia ao Império Solomon, tornando-as inimigas. Além disso, de acordo com a Lei da Conservação das Características de Beyonder, potências do mesmo caminho teriam maiores conflitos quanto maior fosse a sua Sequência. Isso foi semelhante à batalha entre as duas Serpentes de Mercúrio.

Infelizmente, esta solução foi restringida pela realidade e acabou por ser abandonada por Klein. Isso porque ele não sabia onde encontrar o Blasfemador Amon. Em segundo lugar, ele temia que a batalha no nível dos anjos destruísse diretamente Leonard Mitchell. E em terceiro lugar, um Amon poderoso pode ser um assunto muito ruim e sério.

“Primeiro pedirei a Emlyn que tente a transação e observe a situação real. Posso decidir o que fazer quando souber mais…” Klein retraiu seus pensamentos e disse ao transceptor de rádio conectado a Arrodes: — Faça sua pergunta.

O clique do transceptor de rádio tornou-se cada vez mais rápido à medida que o ilusório papel branco era suavemente ejetado.

“Não, não há necessidade.”

“Este é um adendo à minha pergunta que não precisa obedecer às regras.”

“Grande Mestre, sinto um item especial fora do seu quarto, mas não consigo ver através dele. Você pode me dizer o que é?”

“Este espelho mágico é impressionante. Parece ser capaz de ver tudo. Ele apenas sofre interferência quando lida com assuntos de alto nível, como se houvesse um mosaico…” Klein respondeu calmamente: — Dado da Probabilidade.

Em meio aos sons de digitação, Arrodes apresentou novas palavras no ilusório pedaço de papel branco.

“Então é aquela coisa… Grande Mestre, você pode fazer sua pergunta.”

Klein pensou por um momento antes de dizer: — O que você tem a mencionar sobre o Dado da Probabilidade?

Neste momento, o transceptor de rádio parecia iluminar-se e não parecia mais tão sombrio como antes. A velocidade com que o papel branco ilusório foi ejetado diminuiu.

“É um sujeito especialmente mesquinho e que guarda rancor. Mestre, você tem que entregá-lo rapidamente para outra pessoa!”

“É um item formado a partir da Singularidade da Roda da Fortuna. Você pode dá-lo a qualquer outra Serpente do Destino e ‘Eles’ ficarão muito gratos. Em suma, não é adequado ser seu servo.”

“A aura está se dissipando. Seu servo leal e humilde, Arrodes, não tem escolha a não ser ir embora. Finalmente, deixe-me louvá-lo mais uma vez, meu Grande Mestre, o governante acima do mundo espiritual. Tchau, tchau~”

“Singularidade… O Dado da Probabilidade é, na verdade, a Singularidade do caminho do Monstro… Esta é a primeira vez que encontro uma chamada Singularidade. É realmente assustador poder digitalizar todo o mundo real… O caminho do Monstro também é chamado de caminho da Roda da Fortuna. A sequência 0 é a Roda da Fortuna?” Klein olhou para o transceptor de rádio que havia voltado ao normal e controlou temporariamente seus pensamentos.

Ele não nutria nenhuma ganância pelo Dado da Probabilidade. Isso porque não fazia parte do caminho do Vidente e trazia efeitos colaterais negativos extremamente aterrorizantes. Ele também temia que, com o tempo, esse dado que guardava rancor atrairia o Devorador de Caudas Ouroboros.

“Mesmo que essa coisa possa ser isolada e selada quando colocada acima da névoa cinza, há uma grande chance de ela digitalizar todo o espaço misterioso. No futuro, as Reuniões de Tarô podem acabar se tornando um RPG de mesa…” Klein nunca havia entrado em contato com itens desse nível antes, então não foi capaz de determinar o que aconteceria se ele jogasse o Dado da Probabilidade acima da névoa cinza.

Ele decidiu continuar intimidando o dado e o enviaria com sucesso para a Ilha Oravi, onde haveria membros da Escola de Pensamento da Vida que teriam os meios para selá-lo. Quanto ao problema da missão ultrapassar o pagamento que receberia, ele não se importou. Isso porque o maior benefício que obteria seria a amizade da Serpente do Destino, Will Auceptin.

Backlund, Igreja da Colheita.

Emlyn White segurava um distintivo estranho que era do tamanho de um globo ocular e riu interiormente.

“O Mundo com certeza é prolixo. Não é apenas encontrar um Falcão Noturno chamado Leonard Mitchell na Rua Pinster no Burgo Norte? Ele até enfatizou especialmente que a pessoa tem um segredo e que há uma grande chance de eu ser puxado para um sonho.”

“Ele está duvidando de minhas habilidades!”

Emlyn levantou-se e vestiu um fraque e uma camisa branca. Então virou a cabeça para olhar pela janela.

“Heh heh, ele tem um segredo, enquanto eu tenho o meu. Ouso apostar que Lorde Nibbs ou outros Condes estão me observando secretamente. Se alguma coisa acontecer, eles definitivamente me fornecerão ajuda até certo ponto… Sendo puxado para um sonho…” Emlyn contemplou por alguns segundos antes de usar os materiais que eram ricos em espiritualidade para produzir um remédio azul.

Guardando o frasco e o remédio, ele pegou uma cartola de seda e saiu da sala de descanso. Depois de se despedir do Bispo Utravsky, deixou a Igreja da Colheita.

Ainda era de manhã, mas o céu de Backlund estava sombrio. Havia uma leve névoa que se espalhava como água.

Emlyn semicerrou os olhos e colocou o chapéu, murmurando para si mesmo: — A luz do sol cega um pouco…

Ele chamou uma carruagem alugada e foi direto para a estação de metrô a vapor. Gastou seis centavos em uma passagem de primeira classe para o Burgo Norte.

Isso economizou muito mais tempo para ele do que ir direto para lá!

Cerca de quarenta minutos depois, chegou ao seu destino e parou na porta da casa de número 7 da Rua Pinster.

Emlyn tocou educadamente a campainha e esperou pacientemente por um minuto.

Quando estava prestes a escrever um bilhete e enfiá-lo no buraco abaixo da porta para agendar um horário melhor para a visita, de repente ouviu passos pacatos se aproximando.

“Não parece um servo…” Emlyn acenou com a cabeça indiscernivelmente e pegou o remédio que ele havia preparado com antecedência e bebeu-o de forma limpa.

Então, observou a porta se abrir e viu um homem de cabelos pretos e olhos verdes aparecer diante dele. Ele estava vestido com roupas caseiras: camisa branca e calça preta. Sua camisa estava para fora da calça, permitindo que ela flutuasse suavemente ao vento. Em meio à sua suavidade havia indícios de liberdade desinibida.

“Embora ele acredite na Meia Noite, devo dizer que sua aparência é pouco comparável à de nós, Sanguíneos…” Emlyn tirou o chapéu e ergueu gentilmente o queixo.

— Bom dia, você é o Sr. Leonard Mitchell?

Leonard franziu a testa indiscernivelmente enquanto olhava para o belo cavalheiro de olhos vermelhos. Ele ergueu a mão para cobrir a boca e bocejou indiferentemente.

— Você é?

— Um visitante. Tenho algo em que gostaria de pedir sua ajuda. — Emlyn não revelou sua identidade enquanto sorria com uma arrogância bastante óbvia.

Essa atitude deu a Leonard uma desconcertante sensação de familiaridade. Era como se ele tivesse visto o seu antigo eu — a pessoa que sempre se considerava a mais especial, o protagonista desta época.

Ele pigarreou e disse: — Sou apenas um cidadão comum. Eu não aceito missões.

— Se você tiver algum problema, poderá encontrar um detetive particular.

Emlyn White sorriu e disse: — Este assunto é algo que só você pode resolver.

Ele olhou para o lado e continuou: — Desejo comprar um item místico que possa roubar os poderes Beyonder de outras pessoas.

Os olhos de Leonard focaram quando ele perguntou em voz profunda: — Quem é você?

Neste momento, Emlyn não respondeu imediatamente. Em vez disso, examinou o ambiente e estalou a língua com um sorriso.

— Impressionante. Quase não consegui perceber que fui puxado para dentro de um sonho.

Ele não estava com pressa de sair quando tirou o pequeno distintivo que recebeu do O Mundo diante da expressão solene de Leonard Mitchell.

Leonard deu uma olhada enquanto sua expressão relaxava ligeiramente. Ele inclinou ligeiramente a cabeça e parou por alguns segundos.

Silenciosamente, Emlyn White viu a cena ao seu redor rapidamente se desintegrar e desaparecer como vidro estilhaçado.

Leonard zombou e apontou para dentro da casa.

— Vamos conversar lá dentro.

  1. ta confirmado, é muié[]
Picture of Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥