Selecione o tipo de erro abaixo

Depois de instruir sua golden retriever, Susie, Audrey andou de um lado para o outro, com aparente preocupação. Ela também não tinha certeza se a magia ritualística resultaria em algo estranho.

— Vamos fazer isso… — Seus olhos ficaram calmos enquanto ela usava seu estado como Espectadora para visualizar o processo. Logo, ela chegou a um novo arranjo.

Audrey destrancou a porta de seu quarto e disse a Susie: 

— Susie, sente-se aqui. Se Annie e o resto tentarem entrar, vá imediatamente ao banheiro para me informar.

Para evitar acidentes, sua criada pessoal tinha a chave para destrancar a porta.

Susie olhou para ela enigmaticamente e abanou o rabo três vezes.

— Muito bem. Vou deixar você escolher o que quiser para o almoço de hoje! — Audrey balançou o punho de leve.

Depois de incentivar Susie, ela entrou no banheiro. Havia uma banheira quadrada com três a quatro metros de cada lado. Água clara ondulava suavemente com vapor saindo dela. Era uma visão bastante sonhadora.

Audrey arrumou uma mesa retangular com muitas garrafas colocadas sobre ela. Então, ela voltou e moveu velas, itens de sacrifício e uma túnica branca.

Logo depois, ela fechou a porta do banheiro.

Com tudo feito, Audrey soltou um suspiro de alívio e pegou um frasco azul claro translúcido ao lado das quatro velas.

A garrafa cilíndrica brilhava sob a luz de uma forma encantadora. Nela estavam os óleos essenciais que ela tinha destilado de uma mistura ontem. Aficionada por misticismo, não lhe faltavam pesquisas sobre tais itens. Ela tinha muitos tipos diferentes de orvalho puro, essência floral, perfume, óleos essenciais e incenso que ela mesma preparou em casa. Como tal, já tinha terminado os preparativos iniciais de acordo com as instruções do Louco.

— Flores da lua, menta dourada, flores do sono, cidra e jara… Que mistura estranha… — Audrey murmurou baixinho. — Oh, é preciso limpar o corpo e acalmar a mente antes de se envolver em magia ritualística. Esta é uma forma de reverência ao divino, uh, ao alvo.

Enquanto repassava mentalmente todo o processo, ela colocou o óleo essencial do ritual ao lado da banheira. Em seguida, estendeu a mão e começou a tirar o que usava em casa.

Pedaços de suas roupas de seda caíram no cesto de roupa suja um após o outro. Audrey prendeu o cabelo em um coque e testou a temperatura da água com a mão. Então, ela entrou na banheira com cuidado, permitindo que seu corpo afundasse aos poucos no abraço quente da água.

— Phew… — Audrey exalou confortavelmente, encontrando calor por toda parte. Ela sentiu um relaxamento anormal.

“Eu não quero nem mover um único dedo…” Audrey bombeou-se com força enquanto pegava a garrafa azul-clara translúcida ao lado dela e pingava algumas gotas na água.

Uma lufada de fragrância se espalhou, enchendo o silêncio com um cheiro refrescante. Audrey respirou algumas vezes e assentiu com satisfação.

— Nada mal. Cheira muito bem.

— Tão relaxante. Tão confortável…

— Eu não quero me mexer de jeito nenhum. Tudo que eu desejo é ficar aqui em silêncio…

— Silêncio, em silêncio… si… silêncio…

Depois de perder a noção do tempo, Audrey de repente ouviu latidos.

Audrey abriu os olhos em estado de choque, olhando para os lados em transe. Ela não tinha ideia de quando Susie abriu a porta e entrou. A golden retriever estava agachada do lado de fora da banheira, olhando para ela com um olhar exasperado.

Enquanto esfregava os cantos dos olhos, Audrey sentiu que a água tinha esfriado bastante.

“Eu adormeci?” Ela se perguntou por instinto.

Susie olhou para ela sem latir ou abanar o rabo.

— Haha, os efeitos daquele frasco de óleo essencial ritual com certeza são ótimos. Sim, muito bons! — Audrey riu secamente enquanto explicava com um tom alegre.

Ela se levantou, pegou uma toalha e, enquanto enrolava e enxugava o corpo, disse à golden retriever ao seu lado: 

— Susie, continue vigiando. Não deixe Annie e o resto entrarem!

Somente quando a golden retriever saiu, ela secretamente mostrou a língua. Ela jogou a toalha de lado e vestiu um roupão branco limpo.

Depois de fechar a porta do banheiro, Audrey relembrou o ritual que tinha memorizado.

Ela pegou quatro velas e as colocou nos quatro cantos da mesa.

“Um pedaço de pão branco no canto superior esquerdo, uma tigela de macarrão Feynapotter no canto superior direito. Cheira muito bem, mas está um pouco frio… Não! Não é hora de pensar nisso! Paella no canto inferior esquerdo e torta Desi no canto inferior direito…” Audrey montou o altar de acordo com as descrições do Louco, balançando a cabeça duas vezes durante o processo.

Depois que terminou a preparação, ela deixou suas quatro velas acesas. Ela pegou uma faca de prata e a cravou em uma pilha de sal grosso.

Depois de narrar o encantamento sagrado em Hermes, Audrey levantou a faca com belos padrões e a colocou em um copo cheio de água limpa.

Depois de focar sua mente, ela puxou a lâmina sagrada de prata, cogitando sua espiritualidade para sair e se espalhar em sua lâmina.

A energia invisível foi expelida quando Audrey segurou a faca e circulou o altar uma vez. Quando sentiu que uma parede espiritual estava totalmente erguida ao seu redor, ela expulsou toda a sujeira e distrações para fora.

Mantendo seu estado de Espectadora, ela evitou que sua excitação e alegria afetassem o ritual.

Ela largou a faca de prata e pegou o minúsculo frasco cristalino azul-claro e pingou uma gota em cada vela.

Sizz!

Uma leve fragrância emanou quando o corpo, o coração e a alma de Audrey pareciam atingir a tranquilidade.

Ela respirou fundo enquanto abaixava a cabeça em reverência e começava a entoar o encantamento em Hermes.

— O Louco que não pertence a esta era.

— Você é o governante misterioso acima da névoa cinza.

— Você é o Rei do Amarelo e Preto que traz boa sorte.

— Eu oro por sua ajuda.

— Eu oro por sua graça amorosa.

— Eu oro para que você me dê um bom sonho.

— Flor da lua, uma erva que pertence à lua vermelha, por favor, conceda seus poderes ao meu encantamento!

— Cidra com dedos, uma erva que pertence ao sol, por favor, conceda seus poderes ao meu encantamento!

Logo depois que Audrey entoou o encantamento e esperava cogitar o conteúdo de seu apelo, ela sentiu que havia uma agitação dentro da parede da espiritualidade. Ela viu uma estrela vermelha escura girando nas costas de sua mão.

Seu coração saltou quando ela fechou os olhos com pressa e acalmou seu coração para implorar com sinceridade.

Quando tudo acabou, ela examinou os arredores maravilhada, mas não encontrou nada de estranho.

— Isso é tudo? — Audrey franziu ligeiramente as sobrancelhas enquanto sussurrava.

“O Rei do Amarelo e Preto que traz boa sorte… O Louco que não pertence a esta era…” Na cabine do capitão do Vingador Azul, Alger Wilson em seu manto de tempestade recitava em silêncio as três linhas de descrição que ouvira à tarde. Ele parecia tentar encontrar pistas da identidade da pessoa através delas.

Ele balançou a cabeça e levantou de uma maneira claramente irritada, mas no final não fez nada.

Alger não se sentia à vontade dentro do Vingador Azul, um antigo navio que era uma relíquia da Dinastia Tudor. Embora ele já estivesse no controle do navio, tinha um pressentimento de que ainda havia muitos segredos escondidos, assim como o Imperador de Sangue.

Portanto, ele planejava usar o navio para testar os poderes do Louco, mas não queria tentar a magia ritualística desconhecida no navio.

Alger refletiu por alguns minutos antes de deixar a cabine do capitão e ir para o convés. Ele disse aos poucos marinheiros: 

— Em breve chegaremos ao Arquipélago de Rorsted. Ancoraremos lá por um dia.

Os marinheiros imediatamente aplaudiram enquanto gritavam em uníssono: 

— Obrigado, Vossa Graça!

Como o navio fantasma não precisava de marinheiros, havia poucos deles a bordo. Não havia necessidade de se preocupar com seus suprimentos, podendo desfrutar de alimentos frescos e água limpa. No entanto, dia após dia de viagens no mar e as vistas quase intermináveis ​​os exauriram física e mentalmente. Parecia que eles estavam sempre reprimidos e tolerando algo até perderem o controle.

Quanto ao Arquipélago de Rorsted, era uma famosa colônia no Mar Sonia. Seus negócios estavam crescendo e ele tinha todos os tipos de indústrias.

— Eu mal posso esperar! — Um membro da tripulação girou os quadris e deu uma risada significativa que todos os homens entenderiam.

Na carruagem pública em direção à Rua Zouteland, Klein, que lia os jornais sem pressa, de repente deu um pulo. Ele parecia ouvir uma voz etérea chamando por ele.

Murmúrios disformes ressoavam em sua mente enquanto sua testa latejava de forma incontrolável.

O conteúdo do chamado que não pôde ser ouvido saiu tão rápido quanto veio. Em apenas dez segundos, ele se foi. Klein beliscou sua testa e resistiu à dor latejante no fundo de seu cérebro.

“São os murmúrios de existências desconhecidas que o Velho Neil mencionou? Um resultado de ter uma percepção espiritual aprimorada?” Pensamentos passaram pela mente de Klein quando ele de repente viu quatro pontos pretos aparecerem nas costas de sua mão direita. Eles eram como pequenas toupeiras imperceptíveis.

Os quatro pontos pretos que resultaram do ritual de aumento da sorte logo afundaram, escureceram e desapareceram.

Klein olhou para eles surpreso e teve um palpite adicional sobre o que acabara de acontecer.

“A Justiça ou o Enforcado tentaram a magia ritualística que eu dei a eles?”

“Minha linha de pensamento estava certa?”

“Essas três descrições apontaram para mim com precisão  através do espaço misterioso acima da névoa cinza?”

“Mas estou longe de ser poderoso o suficiente. Não consigo ouvir o conteúdo de seus pedidos… Será que a informação está armazenada acima da névoa cinza…”

“Sim, devo confirmar entrando hoje à noite.”

Klein sentiu-se um pouco perturbado e agitado. Ele rapidamente ergueu o jornal e escondeu o rosto, impedindo que alguém visse as mudanças em sua expressão.

Logo, ele chegou à Rua Zouteland e entrou na Companhia de Segurança Espinho Negro.

Antes que pudesse cumprimentar Rozanne, Klein viu o Capitão Dunn Smith sair. Ele segurava um pedaço de papel com um retrato nele.

— Dê uma olhada neste mandado de prisão interno. Um Beyonder muito cruel e perverso entrou em Tingen — Vestido com seu blusão preto, o Dunn sem chapéu varreu seu olhar e entregou o pedaço de papel de passagem.

Klein recebeu e a primeira coisa que entrou em sua visão foi um esboço de retrato.

O desenho era de um menino de rosto redondo. Ele parecia amável com uma pequena pitada de timidez e era bastante jovem, provavelmente com dezoito ou dezenove anos.

— Tris, suspeito de ser um Beyonder. A estimativa inicial é que ele é um Instigador de Sequência 8 e não estamos eliminando a possibilidade de que a Ordem da Teosofia esteja por trás disso. O culpado por trás do massacre do Alfalfa… De acordo com o depoimento de uma testemunha, ele veio para Tingen depois de deixar o Porto de Enmat. Seu paradeiro atual é desconhecido…

“Tris… Alfalfa… Na verdade é um crime cometido por um Beyonder?” Klein de repente lembrou-se da interpretação do sonho da tarde anterior e da descrição de Joyce Meyer. Ele disse de imediato: 

— Capitão, eu conheço uma das testemunhas. Ele pode muito bem ser uma testemunha importante.

— Eu sei. Joyce Meyer. Minha ajuda foi solicitada pela Mente Coletiva da Maquinaria ontem à noite. Eu vi você no sonho de Joyce. Muitos detalhes levaram à confirmação de que a tragédia do Alfalfa foi causada por Tris — Os olhos cinzentos de Dunn pareciam imperturbáveis ​​enquanto ele ria.

“Que desinteressante. Capitão… por sorte era meu dia de descanso ontem e não eu não estava atuando como Vidente durante o horário de trabalho…” Klein satirizou. Ele quase não perdeu o horror de ser pego faltando ao trabalho por seu superior direto.

Em vez disso, ele perguntou: 

— O Instigador é de qual caminho de Sequência? Que tipo de organização é a Ordem da Teosofia?

“Instigar os outros a se matarem era o método que Tris usava para eliminar os efeitos colaterais da poção ou era um requisito necessário para avançar?”

Dunn pensou por alguns segundos e disse: 

— Por coincidência, é hora de você aprender as informações relevantes sobre os Beyonders e as organizações misteriosas. Você não deveria receber ordens do Velho Neil para continuar lendo os documentos históricos o tempo todo.

“Capitão, ser seu especialista em história não era a razão para me recrutar?” Klein não ousou apontar o problema enquanto assentia sério.

— Certo.

Olá, eu sou o 444.EXE!

Olá, eu sou o 444.EXE!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥