Selecione o tipo de erro abaixo


Gente, perdão esses dias com caps fora do horario, estama me preparando pra viajar e viajei esse final de semana, mas vou lançar hoje todo o resto do combo!!

Combo 91/115


Com as cortinas bem fechadas e todas as luzes apagadas da sala, Audrey seguiu os requisitos da adivinhação no espelho mágico e completou os preparativos correspondentes.

Claro, não escolheu um horário específico, já que não havia necessidade de ser tão problemático ao conseguir a ajuda do Sr. Louco.

Olhando para as velas e refletindo a luz à sua frente, assim como seu reflexo, Audrey pegou um frasco de extrato com entusiasmo e certo desconforto. Então pingou algumas gotas na chama fraca.

Enquanto as fragrâncias suaves e refrescantes enchiam seu nariz, por alguma razão desconcertante, Audrey relembrou os tempos em que ainda era uma entusiasta do misticismo.

No começo, ela também cometeria todo tipo de erros. Perceberia que havia esquecido de preparar os óleos essenciais e extratos que agradariam a divindade em um momento crítico do ritual. Tudo o que ela pôde fazer foi se contentar com perfume, e suas tentativas sem dúvida falharam.

“Na verdade, de acordo com a informação que o Sr. Louco compartilhou, Ele responderia de forma semelhante mesmo se eu tivesse usado meu perfume…” Audrey exalou levemente e, usando Cogitação, se acalmou.

Ela sabia que seus pensamentos descontrolados não eram um comportamento comum vindo dela. O pouquinho de antecipação e nervosismo foi ampliado por Mentira!

Depois de se certificar de que estava em ótimo estado de espírito, Audrey juntou as mãos e pressionou-as contra a boca e o nariz, como se estivesse rezando. Ela recitou sinceramente e suavemente: — O Louco que não pertence a esta época.

— O misterioso governante acima da névoa cinza.

— O Rei do Amarelo e do Preto que exerce boa sorte.

O encantamento secreto ecoou suavemente sete vezes enquanto Audrey sentia que a escuridão circundante incluía algo que era um tanto indescritível. Era como uma corrente escondida sob a superfície da água.

Olhando para cima, Audrey estendeu a mão direita e passou-a pela chama imóvel da vela e acariciou a superfície do espelho de cima a baixo.

Neste ponto, a adivinhação do espelho mágico estava basicamente concluída. Se o interesse da existência misteriosa e desconhecida fosse despertado, ela responderia através do espelho.

Acima da névoa cinza, no antigo e magnífico palácio, Klein olhou para a estrela carmesim que representava a Srta. Justiça, expandindo-se e contraindo-se enquanto ondulava com um brilho ilusório. Finalmente, estava contaminada por uma sensação quase negra de serenidade. Condensou-se em um halo circular do tamanho de um espelho que parecia levar ao mundo exterior.

“É diferente dos rituais anteriores. Interessante…” Klein recostou-se na cadeira e estendeu sua espiritualidade para fazer contato com o buraco negro circular.

Silenciosamente, sua visão mudou. A longa mesa de bronze e a estrela carmesim se sobrepunham à espaçosa sala iluminada à luz de velas, tornando-se distintas mais uma vez.

Nesse momento, Klein sentiu que um espelho havia se tornado uma extensão de seu corpo ou olho. Isso permitiu que ele visse claramente e interferisse no mundo real, apesar de estar acima da névoa cinza.

Sim, claramente!

Todos os objetos na visão de Klein não pareciam mais embaçados, pois apareciam distintamente em seus olhos!

Seu olhar congelou de repente por dois segundos.

Na frente dele estava uma mulher vestida de branco e com laços dourados. Seus longos cabelos loiros estavam amarrados casualmente enquanto desciam suave e exuberantemente. Seus olhos esmeralda refletiam uma chama um tanto pálida, parecendo tão profunda quanto o oceano e também tão pura quanto uma pedra preciosa. Suas características faciais e o formato de seu rosto combinavam com uma beleza deslumbrante. Seu porte e elegância eram claros e puros.

Klein desviou o olhar ao se sentir culpado por algum motivo desconcertante.

“Quase imaginei que ela fosse uma Demônia de Sequência bastante alta. Felizmente, lembrei a tempo que a Srta. Justiça é uma Beyonder do caminho do Espectador. É impossível para ela se tornar uma Demônia… O cheiro deste extrato não é ruim. Muito único… Tem uma sensação muito sutil. O item místico criado a partir daquela característica do Beyonder Sem Rosto? Srta. Justiça transformou-o em um colar…” O olhar de Klein pousou no item místico que estava disfarçado como um colar de diamantes.

Então, ele ouviu a Srta. Justiça dizer com a maior expectativa: — Espelho, Espelho, por favor, diga-me a localização do dono deste caderno.

Audrey sabia que estava perguntando ao Sr. Louco, mas Espelho, Espelho eram palavras que ela sempre quis recitar das histórias que ouvia desde jovem. Ela finalmente teve a chance de usá-las na prática.

“As falhas do passado não contam! Sim!” Audrey acenou com a cabeça interiormente.

Klein instantaneamente olhou para o caderno preto colocado entre a Srta. Justiça e a vela. Ele viu que sua espiritualidade poderia facilmente se espalhar com a ajuda do espelho. Ele poderia segurar o médium de adivinhação como se estivesse usando a mão.

Acima da névoa cinza, ele escreveu rapidamente a declaração de adivinhação correspondente.

“A localização do proprietário original do caderno.”

Com uma mão segurando o caderno e a outra segurando o pedaço de papel, Klein recitou enquanto se recostava na cadeira. Com a ajuda da Cogitação, ele rapidamente caiu em um sono profundo.

Audrey olhou atentamente para o espelho com seus olhos esmeralda, aguardando a resposta do Sr. Louco

Depois de alguns segundos, ela viu ondulações sendo produzidas na superfície do espelho.

“É um sucesso! A adivinhação com espelho mágico realmente funciona!” Os olhos de Audrey se arregalaram ao refletir as cenas que piscavam dentro do espelho.

Era a vista de uma vila lá de cima!

A cena aumentou conforme os desenhos dos dragões nos vários edifícios gradualmente se tornavam claros.

Uma catedral rapidamente ocupou todo o espelho antes de ser substituída pelo cemitério a ele anexo.

Por fim, a cena foi fixada numa lápide num canto. Nela havia palavras que ficaram embaçadas como resultado do tempo. A única coisa que ainda se conseguia discernir era o nome Lindelira.

Neste momento, o espelho escureceu repentinamente antes de voltar ao normal. Refletiu Audrey e a vela à sua frente mais uma vez.

“Não é esta a aldeia que tinha os costumes da adoração do dragão? O cavaleiro que escreveu o caderno chama-se Lindelira e é daquela aldeia. Ele voltou para sua cidade natal após a derrota na Guerra dos Vinte Anos e permaneceu lá até sua morte? Ou ele foi enviado de volta para sua cidade natal como um cadáver? Hmm… Essa vila fica no condado de Chester Leste. Stoen também faz parte do condado de Chester Leste, então é muito compreensível que o caderno que o Professor Associado Michele obteve venha de lá… Há de fato um dragão da mente vivendo no mar do subconsciente coletivo ali…” Sentindo-se esclarecida, Audrey agradeceu ao Sr. Louco e terminou a adivinhação do espelho mágico.

Sob a luz das velas, ela olhou para o caderno por um momento antes de decidir entregá-lo. Ela queria saber o que os Alquimistas da Psicologia adivinhariam ou descobririam.

“No mínimo, a eu atual não tem forças para entrar em contato com aquele dragão da mente. Isso é tudo que posso fazer… Além disso, mesmo que os Alquimistas da Psicologia realmente descubram alguma coisa e se beneficiem disso, uma vez que eu lentamente suba na hierarquia da organização, parte disso pertencerá a mim.” O humor de Audrey rapidamente se tornou positivo mais uma vez.

Acima da névoa cinza, Klein tocou no canto da longa mesa de bronze. Com a descrição da Srta. Justiça, ele fez seu julgamento.

O caderno e a aldeia tinham algo a ver com um dragão, e os dragões muitas vezes implicavam um tesouro!

“Que pena. Falta força à Srta. Justiça; caso contrário, eu a teria encorajado a explorar isso e orar ao Deus do Mar se algo acontecesse enquanto eu forneço apoio a ela através de vários meios. Sim, é muito perigoso para ela. Isso só pode ser deixado de lado por enquanto… Se os Alquimistas da Psicologia não descobrirem nada, talvez possamos tentar isso no futuro…” Klein suprimiu seu arrependimento ao relembrar a experiência da adivinhação do espelho mágico.

“Este tipo de adivinhação é extremamente vantajoso para terceiros. Quase não há preço a pagar para se conectar ao mundo real. Se eu quisesse, poderia ter saído do espelho na minha forma de Corpo Espiritual! Mas para o usuário é realmente perigoso. Eles aparecerão sob a visão de uma existência desconhecida e sem qualquer proteção. A partir daí, eles podem ser possuídos, controlados, amaldiçoados e corrompidos…” Klein suspirou do fundo do coração.

Ele não estava preocupado que a Srta. Justiça abusasse da adivinhação do espelho mágico, já que ela tinha o melhor e mais seguro alvo para orar. Não havia necessidade de ela procurar mais ninguém.

“E esse seria eu!” Klein retraiu o dedo e sentou-se na ponta da longa mesa de bronze e esperou em silêncio por vinte a trinta segundos.

Logo, voltou ao mundo real. Ele não ficou muito tempo desde que estava no Futuro. Havia alguém observando-o no escuro.

Depois de sair do banheiro e guardar o apito de cobre de Azik e a garça de papel de Will Auceptin, Klein olhou para a lua vermelha que estava envolta em nuvens enquanto ponderava em silêncio por um momento.

Colocou a meia cartola, abriu a porta e saiu para o corredor.

Depois de dar alguns passos à frente, Klein desacelerou deliberadamente os passos e olhou para a primeira sala à esquerda pelo canto do olho.

Com base em seu julgamento, o misterioso par de olhos que o observava silenciosamente e o convés durante o dia estava naquela sala.

Klein caminhou cada vez mais devagar quando quase parou na frente da porta.

Ele não escondeu a extensão da palma da mão esquerda enquanto alcançava a alça quando as cenas surgiram naturalmente em sua mente.

Não muito longe da porta havia um cabideiro sem nada pendurado.

A fraca luz das estrelas espalhava-se pelas tábuas limpas do piso. Havia uma sensação de solidão e serenidade que carecia da aura dos humanos.

As janelas haviam se aberto em algum momento quando a brisa do mar soprava de fora, levantando as cortinas que não eram muito pesadas.

“Não há ninguém aí?” Klein planejou sondar a área, mas imediatamente retraiu a palma da mão esquerda e caminhou em direção às escadas como se nada tivesse acontecido.

Quando chegou ao convés e sentiu a brisa fria da noite, Klein caminhou a estibordo com uma expressão fria e casual, como se seu principal objetivo fosse dar um passeio.

De repente, viu um homem sentado à sua frente. O homem vestia macacão e camisa branca.

“Frank Lee?” Klein não parou ao se aproximar.

O homem sentiu algo quando virou o corpo para olhar a pessoa que se aproximava.

Ele não era outro senão o especialista em venenos Frank Lee, mas não sorria mais. Escorria pelo canto da boca um líquido vermelho-sangue.

Klein ergueu as sobrancelhas sem dizer uma palavra.

Frank Lee de repente levantou as mãos e agarrou um peixe com escamas prateadas que não estava se debatendo.

Ele disse em depressão: — Falhou… A vida deles é mais curta do que eu imaginava. É impossível criá-los, mesmo que estejam plantados no solo…

Enquanto falava, ergueu o peixe com escamas prateadas na mão direita e mordeu-o.

“Isso é bom… Caso contrário, tenho muito medo do tipo de abominações que você criaria… Então, você está afogando suas mágoas com álcool, não, peixe?” Klein silenciosamente soltou um suspiro de alívio.

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥