Selecione o tipo de erro abaixo

Combo 20/30


9h30, área da Ponte de Backlund, Rua Portão de Ferro, Bar dos Corajosos.

Emlyn White ficou enraizado em seu lugar depois que ele desceu da carruagem. Ele olhou para frente atordoado, quase esquecendo de evitar a luz do sol.

Naquele momento, a porta principal do bar estava fechada sem sinais de abertura.

Como um Sanguíneo que raramente saía de casa e só ia a lugares como bares à noite, Emlyn nunca esperava que o bar fechasse pela manhã. Ele havia deixado a Igreja da Colheita às pressas através do sistema de transporte depois de ver o aviso, na esperança de obter informações em primeira mão.

Para economizar tempo, até tolerou o ambiente apertado e o mau cheiro do metrô.

Naquele momento, Emlyn ficou um tanto irritado, mas sabia que havia cometido o erro. Tudo o que pôde fazer foi fazer uma careta e dar a volta na Rua Portão de Ferro para não desperdiçar sua viagem.

Quando estava prestes a se aproximar de uma carruagem alugada que estava parada ao longo da rua, ele avistou uma figura familiar pelo canto do olho.

A pessoa usava uma cartola marrom arredondada e um casaco velho, enquanto carregava uma mochila esfarrapada. Ele não era outro senão Ian, o traficante de armas clandestino e comerciante de informação.

“Hehe, tenho uma intuição muito boa. Eu sabia que ele apareceria mais cedo!” Emlyn ficou encantado quando enfiou as mãos nos bolsos e caminhou lentamente, bloqueando o caminho de Ian enquanto ele ria.

— Bom dia.

Ian ergueu os olhos e olhou para o homem bonito à sua frente, respondendo perplexo: — Bom dia, Sr. White. Você deveria ter vindo à noite.

— Parece ser um momento adequado agora, — disse Emlyn com um sorriso, claramente de bom humor. — Ian, por que você sempre usa as mesmas roupas toda vez que vejo você?

Ian respondeu sem se importar com a pergunta: — Isso pode me fazer parecer mais maduro, ao mesmo tempo que me permite manter a discrição.

— Claro, o principal motivo é que me falta dinheiro.

A frase final foi acrescentada em tom de brincadeira.

— Estou ansioso para ver seu traje no verão, — disse Emlyn com uma zombaria.

— Vou tirar meu casaco. — Enquanto Ian falava, tirou dois pedaços de papel de sua mochila esfarrapada. Eram os avisos de recompensa que Emlyn havia lhe dado anteriormente. — Alguém no Burgo Leste viu essa pessoa.

Ele entregou um dos papéis para Emlyn e nele estava o nome Argos.

Percebendo que realmente havia pistas para os crentes da Lua Primordial, Emlyn perguntou encantada: — Onde ele está?

Ian não respondeu enquanto olhava para ele com um sorriso silencioso.

Experiente, Emlyn imediatamente sacou sua carteira e deu 150 libras para Ian.

— Essa é a sua recompensa.

Ian sorriu e disse: — Ainda falta outra metade.

“Outra metade?” Emlyn quase quis que esse comerciante à sua frente conhecesse as proezas de um Sanguíneo. Isso porque uma pista efetiva custava 20 libras, enquanto uma localização exata custava 150 libras.

No entanto, ele rapidamente leu nas entrelinhas e perguntou com uma agradável surpresa: — Outro foi encontrado?

— Sim. — Ian entregou-lhe o pedaço de papel restante em sua mão. — Enquanto meu amigo observava Argos e confirmava sua residência, descobriu-se que ele havia se encontrado com uma pessoa chamada Galis Kevin. Portanto, obtive a residência dos dois alvos ao mesmo tempo.

— … Muito bom. — Emlyn esvaziou a carteira e deu mais 150 libras para Ian.

Ele ficou anormalmente encantado; sentiu que o Ancestral e o Sr. Louco o estavam abençoando. Isso porque havia apenas cinco alvos e ele caçou um com sucesso. Agora, com duas pistas adicionais, tudo o que precisava fazer era ter sucesso para se declarar vencedor, independentemente do que o outro Sanguíneo fizesse.

Ian contou seriamente e verificou as notas antes de dizer com uma voz reprimida: — Argos fica no terceiro andar do prédio de apartamentos na Rua Calcário, nº 6, Burgo Leste, em frente ao banheiro público.

— Galis Kevin está também no Burgo Leste. Ele fica no quarto ao lado da escada do primeiro andar da Rua da Baleia Beluga, nº 19.

— Vou confirmar sua informação. Acredito que você não gostaria de abandonar seu negócio por apenas 300 libras. — Emlyn acenou com a cabeça gentilmente enquanto dava um aviso. Depois disso, ele riu e disse: — Eles foram encontrados tão facilmente?

Os olhos vermelhos de Ian se moveram levemente quando ele disse: — Primeiro, muitos caçadores de recompensas são meus amigos. Eles têm muitos informantes no Burgo Leste.

— Em segundo lugar, aqueles dois cavalheiros não tinham grandes disfarces. Apesar de estarem no Burgo Leste, usavam trajes muito diferentes das pessoas ao seu redor. Se estivessem dispostos a usar roupas mais esfarrapadas e fizessem mais de doze horas de trabalho, acredito que seriam difíceis de encontrar no bagunçado Burgo Leste.

“É mesmo… É preciso observar a diferença de ambiente ao se esconder…” Emlyn murmurou silenciosamente para si mesmo, sentindo como se tivesse aprendido um novo truque.

Ele não planejava ir para o Burgo Leste imediatamente. Isso porque mesmo que agisse durante o dia, seria muito difícil escapar sem causar comoção. Era um ato bastante perigoso em Backlund, pois significava que os Punidores Mandatários ou Falcões Noturnos poderiam bater à porta logo depois que ele voltasse furtivamente para casa.

Emlyn planejava verificar a situação e agir entre oito e nove da noite, após a Reunião de Tarô.

“Um crente da Lua Primordial de antes era bastante forte. Esses dois provavelmente não são mais fracos. Embora eu tenha confiança, parece inseguro confiar apenas em mim mesmo…” Enquanto Emlyn considerava o problema, acenou com a mão e despediu-se de Ian. Ele viajou em uma carruagem alugada, voltando para o lado sul da ponte.

Condado de Chester Leste, cidade de Stoen.

Audrey ficou atrás de uma grade, observando os criados colocarem os itens trazidos do castelo da família em locais adequados. A cena era movimentada, mas ordenada.

“Enviarei alguém ao Professor Associado Michele mais tarde e direi a ele que farei uma visita à Fundação de Busca e Preservação de Relíquias… Espero que eles tenham obtido alguns itens que foram contaminados com efeitos Beyonder…” Enquanto a mente de Audrey vagava, ela não pôde deixar de sorrir. Estava orgulhosa de sua decisão de doar os fundos para estabelecer a fundação.

Quando seus olhos, tão lindos quanto esmeraldas, viram a hora no relógio de parede, ela rapidamente controlou seus pensamentos e se virou para voltar para seu quarto.

Susie estava jogada num canto do quarto. Suas patas dianteiras estavam cruzadas, dando-lhe uma sensação de elegância.

Na frente dela havia um livro aberto. Havia linhas densas de texto escritas nele.

Susie levantava uma das patas dianteiras de vez em quando para virar a página enquanto lia com grande seriedade.

“Cada vez que vejo a Susie assim, fico com um pouco de vergonha… Audrey, você não deve negligenciar a sua educação!” Audrey encorajou-se em silêncio enquanto se aproximava, planejando fazer com que Susie saísse para guardar a porta.

Susie ergueu os olhos e olhou para Audrey antes de se levantar e dizer: — Eu sei!

Depois de dizer isso, saiu rapidamente do quarto sem fechar a porta.

— … eu não disse nada. — Audrey piscou enquanto murmurava baixinho para si mesma.

Ela havia dado essas instruções muitas vezes. Para evitar que Susie detectasse que queria ficar sozinha no quarto das 15h00 às 15h30 às segundas-feiras, proibindo humanos e cães de se aproximarem, também já havia feito coisas semelhantes em outros horários, fingindo que havia uma reunião, querendo tempo sozinha, mantendo um padrão irregular.

“Devo dizer que a existência da Susie aumentou efetivamente a minha motivação para aprender, bem como o rigor com que trato as coisas… Não posso ser inferior a um cão! Mas, ser melhor que esse cachorro não parece ser algo digno de elogio…” Audrey inflou as bochechas com um comentário autodepreciativo enquanto se sentava ao lado da cama, aguardando o início da Reunião de Tarô.

15h acima da névoa cinza.

Figuras vermelho-escuras surgiram ao longo dos dois lados da longa mesa de bronze, materializando-se em diferentes figuras borradas.

— Boa tarde, Sr. Louco ~ — Audrey cumprimentou com uma voz alegre enquanto se curvava.

Os outros membros cumprimentaram um após o outro até que a presença no assento de honra assentiu em resposta.

Enquanto estava sentada, Fors não pôde deixar de olhar para o Sr. Mundo, imaginando como deveria começar.

Além de repassar a resposta de seu professor para a Madame Eremita, ela planejava trazer alguns assuntos. Primeiro, ela queria dizer ao Sr. Mundo que devido à dificuldade da missão, ela lhe pagaria mais, mas isso exigia que ele esperasse. Isto porque a venda das casas demorava. Em segundo lugar, após muita deliberação, ela pensou em uma boa maneira de ganhar dinheiro e aumentar sua força. Ela se inspirou nas ações do Mundo: Alugar as Viagens de Leymano!

Quando um membro precisava de um item para aumentar temporariamente sua força de combate para lidar com certas situações, ele poderia alugar as Viagens de Leymano dela. O aluguel poderia ser pago de duas formas: em dinheiro, que não era muito caro, ou registrar os poderes do Beyonder. Isso também significava que o locatário tinha que garantir que o livro de feitiços fosse devolvido com mais páginas preenchidas.

É claro que, como fornecedor, Fors registraria poderes úteis do Aprendiz, como Abertura de Porta, fornecendo ao locatário ajuda relevante.

Um problema que poderia facilmente acontecer nesta transação era que o locatário poderia não devolver, mas com o Sr. Louco testemunhando essas trocas no Clube de Tarô, Fors acreditava que ninguém ficaria cego pela ganância.

E a morte do locatário era um evento de baixa probabilidade de perda das Viagens de Leymano. Mas com todos sabendo que poderiam orar ao Sr. Louco em tempos de perigo, a probabilidade de morte era ainda menor!

“Como pode não haver riscos ao fazer negócios… Vou conversar com o Sr. Mundo sobre quando ele irá usá-lo para que não haja conflitos…” Fors retraiu o olhar e ouviu a Madame Eremita falar.

— Honorável Sr. Louco, desta vez tenho duas páginas do diário de Roselle.

“Desde que o contato foi feito com a Rainha Misteriosa, o recebimento de páginas do diário se estabilizou de uma maneira bastante assustadora…” Klein assentiu levemente e riu.

— Muito bom.

Após um breve silêncio, Cattleya conjurou dois pedaços de papel marrom-amarelados. Eles pularam nas mãos do Sr. Louco como se tivessem escavado um túnel através do mundo espiritual.

Klein baixou lentamente o olhar para o diário em suas mãos.

“29 de dezembro. É quase um ano novo novamente.”

“Todos os mausoléus foram construídos. O que está feito não pode ser desfeito.”

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥