Capítulo 01 – 18 Anos (I)

Lucia

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

18 Anos (I)


Lucia odiava abrir os olhos todas as manhãs

‘Ah… essa maldita enxaqueca. Por que devo passar pela mesma dor duas vezes na vida?’

Lucia segurou a cabeça dolorida e se levantou. Sua vida seguiu o caminho exato de seu sonho. Quando ela começou a menstruar aos 15 anos, ela começou a sofrer de enxaquecas massivas pelo menos uma vez por mês e no máximo três a quatro vezes por mês. Embora não fosse sério, se tornaria uma doença crônica que a atormentaria pelo resto de sua vida.

Quando Lucia completou 18 anos, ela realmente acreditava que tinha visto seu próprio futuro em seu sonho. Ela havia se esforçado muito. Muitas coisas sobre seu futuro já haviam mudado.

Mas às vezes, o futuro era inevitável e nada podia ser feito para mudá-lo. Por exemplo, no verão, quando ela tinha 13 anos, caiu uma forte chuva, que inundou todo o primeiro andar do palácio real. No inverno seguinte, um período de frio causado pela enchente causou falta de lenha. Ela havia passado o inverno inteiro tremendo de frio.

Quando ela completou 15 anos, ela começou a menstruar e a sofrer de enxaquecas. Esse era o poder que o futuro tinha. Mesmo sabendo o que aconteceria a seguir, não foi possível mudar isso.

Quando ela fizesse 19 anos, o rei morreria. Lucia seria vendida ao porquinho conde Matin. Isso era parte do futuro que Lucia não poderia mudar. Ao perceber isso, ela caiu em desespero. Qual era o sentido de conhecer o futuro? Parecia que o céu estava puxando seu pé, transformando tudo em uma grande piada.

Ela se confinou em seu quarto sem esperança, mas deixou tudo passar apenas alguns dias depois. Mesmo se eu morrer de fome aqui, ninguém saberá.’ Era como uma lufada de ar fresco, ela não sentia mais o pesado fardo da tristeza pesando em seu coração.

Lucia abriu as janelas. O ar frio da manhã invadiu a sala. Ela se encostou no parapeito da janela e deixou o vento gelado soprar contra todo o seu corpo. Era como se ela estivesse enfrentando seu próprio destino frio.

Ela agora era alta o suficiente para colocar as mãos contra o parapeito da janela e se inclinar para olhar o mundo exterior. Ela puxou à sua mãe, então ela tinha um corpo pequeno. Seu cabelo era castanho avermelhado muito parecido com o do resto da população, mas ela tinha olhos laranja-abóbora que brilhavam como ouro e se destacavam do resto. Fora isso, ela se parecia com qualquer outra pessoa que se pudesse encontrar na rua.

Mesmo assim, não era como se ela não tivesse nenhum apelo. Ela tinha uma tez pálida, mas brilhante, então quando se vestia um pouco ela exibia seu charme. Normalmente, seu fascínio permanecia adormecido. Ela nunca precisou de um espartilho devido à sua cintura fina. Seu corpo frágil poderia incitar o instinto protetor da maioria dos homens. No entanto, ela não pertencia à alta aristocracia, portanto, nenhum de seus encantos poderia ser apreciado.

“Vamos ver. Estou sem lenha e estou ficando sem batatas e ovos.”

Ela estava atualmente de pé ao lado de sua velha mesa de madeira rangente, fazendo um inventário de suas necessidades de vida. Ela havia amarrado descuidadamente seus longos cabelos em um rabo de cavalo, e seu vestido simples de popelina parecia quase idêntico ao uniforme de empregada doméstica do palácio real. Em seu estado atual, ninguém pensaria que ela era uma princesa.

“Eu deveria ir pedir os produtos necessários hoje.”

Era impróprio para a Princesa Lucia fazer isso sozinha, mas tornou-se natural depois de alguns anos. Não havia uma única empregada oficial residindo em seu palácio no momento. Felizmente, o lugar não era tão grande, então não era muito problema. O último andar do palácio estava bloqueado por razões de segurança desde que ela chegara aqui. Atualmente, parte do primeiro andar também foi fechada. Os únicos espaços de estar que ela poderia usar eram seu quarto e alguns outros quartos.

No início, ela tinha cinco criadas esperando por ela. Mas eram rudes e não podiam ser consideradas empregadas do palácio de forma alguma.

As criadas reais tinham seu próprio orgulho. Os servos que atendiam aos nobres estimados eram todos chamados de “empregadas”, mas havia diferentes patentes entre eles.

Uma empregada do palácio real examinava as tarefas e tarefas diversas realizadas pelas empregadas. Oficialmente, Lucia, que fazia parte da família real, precisava ter uma governanta, empregadas do palácio real, empregadas domésticas e três criados.

O problema era que havia muitos descendentes reais. O principal problema é que Lucia foi classificada como a mais baixa das mais baixas entre seus irmãos e irmãs. Por mais que as empregadas trabalhassem, não havia esperança de qualquer promoção e ninguém se esforçaria para se apresentar como voluntário para o cargo. Não havia como os criados receberem mesada adicional, então todas as criadas a evitavam. Com o passar dos anos, as empregadas se aposentaram uma a uma e logo Lucia não tinha mais nenhuma ao seu lado.

Originalmente, uma vez que uma empregada se aposentou, uma nova empregada deveria ser contratada. No entanto, seu palácio não tinha esperanças de bons ganhos, então qualquer empregada do palácio real ou empregada doméstica ficaria longe deste lugar. As criadas do palácio real recebiam salário suficiente para sua vida diária. No entanto, era difícil para as empregadas domésticas sobreviverem apenas com seu salário.

As criadas contratadas para servir a Lucia pediam demissão depois de alguns dias ou subornavam altos funcionários para serem transferidos para outro lugar. Logo, as criadas pararam de entrar no palácio de uma vez por todas. Os nomes dos servos eram registrados no cartório e recebiam seus salários, mas eles nunca apareciam para fazer seu trabalho.

Se Lucia registrasse formalmente uma reclamação, as coisas teriam sido resolvidas. Embora ela não tivesse nenhum poder, ela ainda era considerada uma princesa. Dentro do sonho, ela foi pessoalmente até as empregadas e consertou o problema. Também desta vez decidiu ir procurar as criadas e resolver o problema. Porém, no caminho para lá, ela topou com uma empregada do palácio real que a confundiu com uma empregada doméstica e atribuiu uma tarefa simples a ela.

Uma ideia brilhante surgiu na mente de Lucia e ela cumpriu a tarefa sem reclamar. Ela havia decidido não registrar a reclamação e, em vez disso, voltou para casa para organizar seus pensamentos. Se ela fingisse ser uma empregada por tempo suficiente, ela teria a chance de sair do palácio real.

A última empregada de Lucia a deixou aos 15 anos, e o que se seguiu foi sua vida dupla como princesa e empregada doméstica. Como empregada doméstica, ela tinha que ir buscar as necessidades diárias e fazer trabalhos manuais, mas ela ganhou a liberdade de deixar o palácio real.

Lucia morava sozinha no palácio havia três anos. Provavelmente ainda estava documentado que Lucia morava junto com outras cinco empregadas.

Nenhum funcionário do palácio se daria ao trabalho de vir e verificar pessoalmente se as documentações eram verdadeiras ou não. As queixas dos inúmeros filhos do rei bastaram para fazer explodir a cabeça dos funcionários. Os funcionários não tinham tempo para Lucia, que nunca expressou uma palavra de reclamação.

Lucia estava voltando para casa depois de ter solicitado as necessidades diárias esta manhã, enquanto também recebia dicas para um trabalho bem executado. Quer fosse o palácio real ou as ruas sujas da cidade, os humanos eram todos essencialmente iguais. O dinheiro atraiu as pessoas a continuar lutando para frente.

Havia uma portaria diferente que as empregadas costumavam usar para deixar o palácio. Todos estavam em uma longa fila esperando sua vez. A linha foi encurtando gradualmente até chegar a vez de Lucia. Ela mostrou ao guarda sua permissão para deixar sair. Foi um passe emitido pela princesa Vivian. No entanto, mesmo que Lucia mostrasse o rosto ao guarda, ele não a reconheceria. Ele rapidamente confirmou a autenticidade do passe e acenou com a cabeça.

“Você está tirando alguma coisa do palácio?”

O guarda já havia confirmado que Lucia estava de mãos vazias, mas mesmo assim perguntou.

“Não.”

O guarda assentiu mais uma vez e a deixou sair do palácio.

Lucia inspirou profundamente o ar fresco. Ela virou a cabeça e olhou para as gigantescas paredes do palácio que cercavam o lugar.

Estava seguro dentro das paredes do palácio. Fora das paredes, era difícil para uma menina andar sozinha com segurança.

O status de uma princesa de baixo escalão trabalhava a seu favor para permitir muita liberdade. A Lucia dos seus sonhos nunca tinha percebido esse fato, mas agora ela tinha percebido.

Mesmo assim, o futuro a impedia de respirar. Ela queria fugir daquele lugar o mais rápido possível.

“É estranho que haja tantas pessoas hoje.”

As pessoas aglomeravam-se nas ruas em massa. Sempre que ela conseguia passar, a multidão de pessoas a empurrava para outra direção, fazendo-a correr em círculos.

Após insistir no meio da multidão, ela chegou a uma pequena casa de dois andares, onde uma mulher de meia-idade abriu a porta. Ela tinha as sobrancelhas e os olhos franzidos como se ela fosse louca, mas esse era realmente seu rosto natural.

“Bem-vinda.”

“Olá, Sra. Phil. Madame Norman está em casa?”

“Ela está sempre em casa. Ela ainda está dormindo esparramada no chão depois de uma longa noite de bebedeira. Espere um segundo, deixe-me pegar um chá para você.”

“Obrigada, Sra. Phil.”

A fragrância reconfortante do chá encheu a sala de estar enquanto Lucia se sentava pacientemente com uma expressão gentil, apreciando seu chá. O som da Sra. Phil fazendo barulho ao redor veio da cozinha, mas essa adição parecia música para seus ouvidos. O sonho de Lucia era comprar uma casinha como essa e curtir a vida. Ela contrataria duas pessoas e as deixaria fazer as tarefas menores, e ela iria aproveitar a vida enquanto bebia chá em paz. Ela fazia coisas como dar pequenas caminhadas ou passar o tempo lendo livros. Embora ela não soubesse quando esse sonho se tornaria realidade.

Um sorriso gentil pôde ser visto no rosto de Lucia. Uma mulher magra estava desajeitadamente descendo as escadas do segundo andar, mal conseguindo segurar seu próprio corpo enquanto seus olhos pareciam embaçados em uma névoa. Ela soltou uma voz rangente.

“Em. Phil, água ~!”

Norman se sentou no sofá em frente a Lucia e se inclinou no braço da cadeira. Ela tinha um corpo magro e um rosto que exalava uma atmosfera hostil. Ela parecia ter mais de 30 anos, mas na verdade era muito jovem. Norman tomou um gole no copo d’água que a Sra. Phil trouxera e suspirou como se quisesse morrer.

“Aaah, meu interior dói.”

“Você deve parar de beber, tsk tsk.”

A Sra. Phil murmurou em seu tom único e direto e voltou para a cozinha. Sua fala e atitude sempre foram bruscas, mas Lucia conhecia a bondade da Sra. Phil – ela estava indo para a cozinha para preparar uma comida que acabaria com a ressaca de Norman.

“Por que você bebeu tanto?”

“Achei que conseguiria escrever mais uma linha se bebesse, mas não consegui me controlar. Eu sinto muito. Nesse estado, não consigo cuidar direito da minha convidada. Obrigada por ter vindo até aqui.”

“O que você quer dizer com convidada? Não é nenhum problema vir visitá-la. Mesmo se eu não tivesse que vir aqui, eu teria saído para dar uma caminhada de qualquer maneira.”

“Há algo na gaveta da mesa ali. Abra, meu último livro está lá.”

Madame Norman era uma escritora, ela era uma autora de romances famosa. Os livros de Norman eram todos sobre amor, mas as pessoas consideravam esses livros elegantes e inteligentes. Eles eram divertidos, mas educacionais, seus livros que mataram dois coelhos com uma cajadada só, foram sensacionais. Devido aos muitos livros que lançou nos últimos anos, ela poderia viver confortavelmente sem precisar ganhar um centavo a mais.

Quando Lucia tirou o livro, ela se exaltou.

“Está finalmente acabado! Estou esperando há muito tempo.”

Lucia correu para a última página do livro.

“Você já está terminando? Por quê? Esta série é muito popular.”

“Ficaria chato se eu adicionar muito enchimento, esse comprimento é o ideal. Meu editor estava atrás de mim, ordenando que eu alongasse a série em mais dois ou três livros. Hehehe.”

“É uma pena. Eu sinto que tudo teria ficado bem se você seguisse o conselho do seu editor.”

“Olhe dentro do livro também.”

Lucia folheou as páginas e encontrou um envelope escondido dentro do livro. Dentro, havia um recibo confirmando que o dinheiro havia sido depositado. Os olhos de Lucia saltaram ao ver a quantia em dinheiro.

“Norman, isso é demais…”

“Pegue. Você merece isso.”

“Mas já recebi muito dinheiro…”

“Este é um bônus, já que terminei meu romance. Se você ainda não se sente bem, pode considerar isso uma taxa por me ajudar a contribuir com ideias para meu romance. As ideias para este romance vieram principalmente de você.”

No passado, Norman não era uma escritora popular. Ela era uma autora pobre que tinha problemas para comprar suas refeições diárias. Seu tema usual era um romance entre uma plebeia e um homem nobre. Era impossível que acontecesse na realidade, mas as pessoas sempre podiam sonhar com isso.

No entanto, o que os leitores queriam não era uma plebeia, mas uma elegante mulher nobre. Os plebeus desejavam experimentar a vida de um nobre por meio desses livros, enquanto os nobres não se preocupavam em pegar livros sobre plebeus. Mesmo assim, Norman não tinha como escrever sobre uma mulher nobre, porque ela não tinha a menor ideia de como elas viviam.

Norman, uma plebeia sem dinheiro, não teria como participar de um evento social organizado por nobres. Ela precisaria ler extensivamente os livros de outras pessoas ou entrevistar criadas que já serviram nobres antes. No entanto, ela não tinha nenhum dinheiro, então ela não podia fazer nada.

Seus livros não venderiam, então ela não conseguia nem pagar o aluguel. Embora seu único talento fosse escrever, ela não conseguia ver uma maneira de entrar na indústria do romance. Enquanto Norman estava sentado nas ruas vazias da praça central, Lucia apareceu do nada e deu a ela um pão. Norman acreditava que conhecer Lucia mudara sua vida.

Norman nunca soube, mas Lucia estava de olho nela há muito tempo. Norman não parecia uma mendiga sem-teto, mas ela parecia tão faminta. Ela estava sentada na beira da estrada, mas nunca implorou por comida. Lucia não pôde evitar ir e falar com ela.

Foi assim que as duas se conheceram.

“A razão de eu estar aqui hoje é tudo por sua causa, Lucia.”

Lucia ensinou a Norman tudo o que sabia sobre a alta sociedade. Lucia tinha participado de muitas festas sociais dentro de seu sonho. Suas palavras não podiam ser comparadas às das simples criadas que simplesmente serviam aos nobres ao seu lado. Norman poderia estabelecer uma base sólida para seus romances por meio dos extensos contos de Lucia sobre as mulheres nobres da alta sociedade.

“É porque os romances de Norman são incríveis.”

“Se não fosse por você, eu não teria conseguido escrever uma única frase, então tudo graças a você. Posso continuar ganhando mais dinheiro agora.”

Lucia visitava Norman uma vez por semana. Elas conversaram por algumas horas e, com isso, Lucia ganhou bastante dinheiro.

Norman pagou a ela uma grande quantia. Claro que no começo Lucia teve que ir visitá-la com uma cesta cheia de pão, mas assim que seus livros começaram a ser vendidos, Norman não teve vergonha de agradecer por meio de dinheiro.

Os papéis mudaram agora. Muitas pessoas, incluindo viúvas, vinham visitá-la. Ela havia estabilizado o equilíbrio. Norman agora podia coletar quantas informações ela precisasse, mesmo sem Lucia. Mas Norman não poderia se tornar um ser humano ingrato para com a pessoa que a ajudou quando ela mais precisava.

Norman queria continuar patrocinando Lucia e ajudá-la a se casar também. Elas não estavam conectadas apenas por meio de dinheiro. Norman considerava Lucia sua irmã mais nova.

“Obrigada, Norman. Minha maior sorte foi conhecê-la.”

“Isso é o que eu quero dizer a você.”

Os olhos de Lucia tremeram ao confirmar a quantidade de dinheiro que recebeu. Com a quantia que ela economizou até agora, ela seria capaz de fugir com segurança e começar uma nova vida sem problemas.

‘Não. O risco e o perigo são muito grandes.’

Não importa o quão pouco interesse ela atraiu dos outros, ela ainda era uma princesa. Se ela desaparecesse, os guardas do palácio seriam enviados para rastreá-la. Não por preocupação por Lucia, mas porque seu prestígio ficaria manchado. Nesse caso, eles descobririam sobre seu passado com Norman. Era muito provável que Norman sofresse alguma injustiça ou punição.

Não havia garantia de que ela seria capaz de escapar. Para escapar com sucesso, ela teria que deixar a capital e viajar para algum lugar distante. Ela era apenas uma garota solitária, em nove casos em dez, ela sofreria algum tipo de acidente. Ela havia considerado guardas ou escoltas, mas não podia confiar em ninguém. Em vez disso, era provável que os guardas acabassem esfaqueando-a pelas costas e roubando todo o seu dinheiro.

Se ela quisesse planejar uma fuga, seria mais seguro depois de se casar com o conde Matin. Ela não seria mais considerada parte do palácio real, então mesmo que ela desaparecesse, ninguém se importaria. Ela poderia fechar os olhos e sofrer por apenas um ano enquanto procurava alguém de confiança e planejava minuciosamente, para que ninguém a encontrasse quando ela fugisse.

‘Mas… eu não quero, aquele cara…’

Um arrepio percorreu sua espinha só de imaginar o rosto daquela pessoa. Realmente não havia jeito? Uma maneira de escapar dele.

“Lucia, você tem namorado?”

“Sim… o quê?”

“Por que você está tão chocada? Estou me perguntando se você tem namorado? Se você não conhece ninguém, posso procurar alguém muito legal e apresentá-lo a você.”

“Quantos anos você acha que eu tenho? Aah, está tudo bem.”

“Você tem apenas 18 anos. Não é como se eu estivesse dizendo para você se casar. Você deve conhecer um punhado de homens, então, quando tiver cerca de 22 anos, você pode escolher alguém para se casar. As empregadas do palácio são muito populares, sabe. As pessoas acham que são muito modestas. Eles as vêem de maneira diferente das mulheres que trabalham manualmente ou na agricultura para viver. Vocês também têm pele clara. Apenas siga o fluxo e me diga. Que tipo de homem você gosta? Você gosta de homens mais velhos que são confiáveis? Rapazes jovens e bonitos? Vou encontrá-los para você.”

“E quanto a você? Norman, por que você ainda está solteira?”

Os olhos antes cintilantes de Norman ficaram entediados quando o assunto voltou para ela.

“Bem, para mim, já estou muito velha.”

“O que idade tem a ver com qualquer coisa? Você simplesmente não tem interesse nisso. Você está enganando seus leitores. Como você pode não acreditar no amor quando escreve romances?”

“Tsk, o que você quer dizer com enganar? Estou dando vida a um amor eterno que não existe no mundo real. Quando meus leitores caem em meu romance, eles os vivem em um sonho.”

“Então por que você está me dizendo para me casar?”

“Embora não exista amor eterno, acho que, quando o coração de duas pessoas se conecta, elas podem se tornar boas amigas. Já que você está sempre sozinha, gostaria que encontrasse um amigo que pudesse ficar com você até o fim.”

“Por que estou sozinha? Eu tenho você, Norman. Norman, você é minha amiga e minha família.”

Norman olhou para Lucia com olhos afetados e abriu bem os braços. “Apresse-se e venha para o abraço de sua irmã mais velha.” Lucia caiu na gargalhada enquanto os olhos de Norman brilharam para ela.

“Você cheira a álcool, então eu não quero.”

“Eh? Como você pode reagir dessa maneira neste momento comovente?”

“Eu vou indo agora. Norman, você deveria ir descansar um pouco mais. Parece que você vai morrer a qualquer momento.”

Norman tinha círculos escuros pendurados abaixo de seus olhos, fazendo-a parecer um cadáver.

“Aah, eu realmente deveria voltar a dormir. Sinto como se alguém estivesse torcendo meus órgãos dentro de mim. Se você não está com pressa, fique à vontade para descansar um pouco mais e ir para casa com calma. De qualquer forma, há muita gente lá fora e será difícil voltar.”

“Agora que você tocou no assunto, hoje é um dia especial? Eu vi muitas pessoas no caminho para cá.”

“Você não sabia? Estou sempre enterrado dentro da minha casa, mas você sabe ainda menos do que eu. Todos os cavaleiros estão voltando para desfilar pela cidade.”

“Ah…”

Isso foi hoje. Era uma chance rara de ver o Ministro do Estado, então todos haviam deixado o trabalho para outro dia e saíram para cumprimentá-lo.

‘No meu sonho, eu sempre me mantive fechada dentro do palácio separado, então nunca soube dessas coisas.’

Esta foi uma das maiores mudanças no estilo de vida de Lucia, em comparação com o passado. Enquanto Lucia fingia ser uma empregada doméstica do palácio, ela foi capaz de sair pelo mundo e explorar. Graças a isso, Norman também ganhou muito dinheiro.

‘A guerra acabou agora…’

Comparado com o palácio independente, que estava quieto, isolado e sem mudanças, o mundo exterior era muito barulhento. Quando Lucia tinha oito anos, ela experimentou sua primeira guerra. Foi uma guerra local entre dois pequenos países. Mas com o passar do tempo, a guerra gradualmente se espalhou e logo o mundo inteiro se dividiu em dois.

No futuro, essa guerra seria chamada de primeira fase da guerra continental. Quando Lucia tinha cerca de 11 anos, seu país – Xenon, decidiu entrar na guerra e se tornou a principal força da Aliança do Nordeste. Os próximos cinco anos foram o auge da guerra. A Aliança do Nordeste gradualmente assumiu o controle e, nos dois anos seguintes, houve uma calmaria nas batalhas. Por volta dos 18 anos de idade, a guerra terminou em um cessar-fogo após muitas negociações. Nesta guerra, Xenon estava entre os países vencedores.

Norman, que estava se sentindo mal, não queria ficar perto de uma multidão tão grande, enquanto Lucia decidiu dar uma espiada no caminho de volta ao palácio. Seria uma pena perder tal evento.

“Waah!”

Enquanto os cavaleiros carismáticos desfilavam pela cidade, as pessoas gritavam e assobiavam tão alto que alguém ficava surdo na multidão. Xenon era um estado de combate, mas a guerra não ocorrera dentro do país, portanto, a maioria de seus cidadãos não havia sofrido nada com a guerra.

No entanto, a guerra ainda pesaria muito no coração dos cidadãos. A felicidade de vencer a guerra e a liberdade resultante deixaram os cidadãos de bom humor. A atmosfera animadora era contagiante e também deixava Lucia muito alegre.

As armaduras dos cavaleiros diferiam entre as famílias, com seus emblemas designados inscritos no peito e nas costas. Algumas tropas de cavaleiros usavam grandes capas vermelhas junto com suas armaduras, enquanto outras tropas de cavaleiros tinham armaduras simples e rudes. Alguém poderia julgar sua nobreza e poder apenas pelos títulos de família.

“Waaah!! Taran!!”

Gritos que não podiam ser comparados a nenhum outro podiam ser ouvidos. Os homens gritavam enquanto batiam os pés, enquanto as mulheres gritavam com toda a força: Taran! Taran! Um único pelotão de cavaleiros dividiu a multidão enquanto eles avançavam pela cidade. Todos os cavaleiros desse pelotão tinham um leão preto inscrito em suas armaduras. Os plebeus geralmente não conseguiam diferenciar entre os diferentes brasões de famílias nobres, mas não havia uma única pessoa em Xenon que não conhecesse o brasão do Leão Negro.

‘Taran…’

Lucia só conseguia ver uma coisa quando os sons ensurdecedores e a atmosfera animada se dissiparam no fundo. O cavaleiro liderando o pelotão, montado em um cavalo branco e vestindo uma armadura totalmente preta enquanto marchava ao longo da cidade. Embora este cavaleiro tivesse coberto o rosto com um capacete, ela podia perfeitamente desenhar o rosto dele em sua mente. Ela conhecia este homem. Hugo Taran. Ele não tinha sangue real, mas ainda assim recebeu o respeito do rei. E embora fosse apenas uma formalidade, ele tinha o direito de herdar o trono. O duque de Taran. Era o jovem duque de Taran.

O Leão Negro da Guerra

Ele estava armado com disciplina e estratégia. A vitória da Aliança do Nordeste nesta guerra deveu-se à sua fortificação e dominação. Xenon havia se envolvido na guerra por último, mas foi quem liderou as negociações que levaram ao fim da guerra. Eles haviam perdido o mínimo, mas haviam ganhado muito. Para ser mais preciso, o pelotão do duque de Taran sempre venceu e foi o maior alicerce para a vitória dos aliados nordestinos.

Sinceramente, Lucia não deveria saber sobre o duque Taran, ou o nome do duque, ou o que ele fizera pela guerra. Ela sabia dessas coisas por causa de seu sonho.

O conde Matin, com quem Lucia se casou, era um homem muito astuto. Não importa onde o Conde Matin entrasse, ele sempre garantiria uma rota de fuga para si mesmo. Assim, após a guerra, ele foi capaz de se manter na facção do príncipe herdeiro e viver no luxo.

Como resultado, Lucia tinha comparecido a muitas festas sociais nobres junto com o marido ou sozinha como esposa. Ela tinha que comparecer a essas festas como se fosse seu trabalho, então houve muitos casos em que conheceu o duque de Taran. Sempre havia uma multidão de pessoas ao redor daquele homem. Foi como se uma alcateia de hienas estivesse brigando por um pedaço de carne.

O conde Matin havia tentado todos os tipos de métodos para ganhar o apoio do duque de Taran, mas sempre falhou. Até aquele ponto, ela não conhecia o homem muito bem. Ela presumiu que ele era apenas um grande cavaleiro de algum tipo. Ela só o conheceu melhor muito tempo depois.

Cerca de dois anos depois que Lucia se casou, o duque de Taran se casou. Seu casamento causou um alvoroço em toda a alta aristocracia. Ele se casou com uma jovem senhorita de uma família nobre desconhecida, sem qualquer tipo de influência. Ela era apenas uma jovem fofa. Ela não era nada bonita, e ninguém conseguia entender por que o duque havia escolhido aquela mulher como sua esposa. O duque nunca respondeu a ninguém, tantos rumores circulavam pela cidade.

O boato mais quente era que o duque de Taran estava perdidamente apaixonado pela garota, mas todos estavam desconfiados e ninguém queria acreditar que fosse esse o caso.

Lucia descobriu a verdade muito tempo depois. A informação tinha vindo das portas dos fundos da alta aristocracia, mas tinha muita credibilidade.

Como os rumores haviam presumido, o duque não estava apaixonado por aquela jovem senhorita, nem sua família nobre de origem rica. As duas famílias nobres haviam feito algum tipo de acordo.

Sua utilidade residia exatamente no fato de ser uma nobre sem qualquer influência ou riqueza. Ele precisava de uma esposa no nome, que não pudesse influenciar seu ducado. Assim, ele se casou com aquela mulher. O duque permaneceu indiferente aos rumores, e logo os rumores se tornaram realidade.

‘Claro que seria esse o caso.’

‘Por que outro motivo o duque de Taran se casaria com uma mulher assim?’

As mulheres nobres falavam com tanta paixão, que quase tossiram sangue. Era a única maneira de descarregar sua raiva por perder um negócio tão bom.

‘O que há de errado com ela? Vocês não são todos iguais?’

Um homem procuraria uma mulher com um ventre bom para dar continuidade à linhagem familiar, enquanto a mulher procuraria em troca um homem com grande riqueza. Era uma forma de estratégia vinculada por contrato.

Embora o processo de casamento do duque fosse diferente, era mais ou menos igual a qualquer outro nobre do país. Em qualquer caso, ela ainda era a esposa oficial de um duque. E daí se ela fosse apenas uma esposa no nome, ela ainda era sua esposa. O duque não tinha tomado nenhuma concubina e, embora não se soubesse se ele tinha amantes secretas, não havia rumores sobre tal coisa. Pelo menos o duque de Taran não era um bastardo como o conde Matin.

O Pelotão de Cavaleiros Taran já havia passado enquanto Lucia estava atordoada e um pelotão de cavaleiros diferente estava marchando. Enquanto Lucia observava o Pelotão de Cavaleiros Taran ficar cada vez mais distante, ela segurava algo com muita força. Ela olhou para ver o que estava segurando, era o romance de Norman.

‘Um contrato de casamento…’

O tema do romance de sucesso mais recente de Norman foi o contrato de casamento . Foi uma ideia que Lucia propôs sem pensar muito. Ela deve ter pensado inconscientemente no casamento do duque de Taran por causa de suas memórias.

‘Contrato de Casamento…’

Uma luz começou a brilhar nos olhos de Lucia.

‘Uma esposa no nome.’

Seu corpo tremia com uma compreensão repentina. Parecia que todo o sangue de seu corpo havia sido drenado, deixando apenas um frio cada vez menor para trás.

‘A esposa do duque…’

Lucia mordeu os lábios. Este plano pode ser a chave para escapar com sucesso de seu destino.

‘Devo tentar?’

Primeiro, ela precisava conhecer o duque de Taran. Mas como? Só porque ela queria conhecê-lo, ela não era uma pessoa que pudesse fazer isso. Mesmo o próprio rei não poderia ordená-lo como bem entendia.

‘Isso mesmo… uma festa! Há uma celebração da vitória esta noite.’

Do dia 3 ao dia 5 haveria baile todas as noites. O duque deve comparecer a mais de um desses bailes, sendo a primeira noite a mais provável. Receber o convite foi mais fácil na primeira noite, pois o local da festa era grandioso, tudo para receber a comemoração da vitória da guerra. Ainda bem que ela era uma princesa.

Sua identidade era mais do que suficiente para assistir a um baile, então não deveria haver problemas.

Havia muitas coisas para preparar para a festa desta noite. Primeiro, ela precisava de um vestido. A hora de usar o dinheiro que ela economizou havia finalmente chegado. Ela pensou em todas as coisas que precisava fazer e rapidamente moveu seu corpo para frente.

“Não sobrou… nenhum?”

A funcionária acenou com a cabeça se desculpando. Lucia caiu no chão ali mesmo. Ela havia corrido para este lugar sem parar, era sua última esperança, mas foi tudo em vão.

Não havia muitas lojas de roupas que faziam vestidos de qualidade boa o suficiente para um baile como aquele, mas ainda dentro de seu orçamento. Normalmente, as lojas estocavam até a borda com vestidos, mas agora era um caso especial.

Seria um baile extravagante pela primeira vez em muito tempo. Todas as mulheres nobres da capital compareceriam, e as carruagens formariam fila para entrar. Havia muitos nobres como Lucia, que não tinham muito dinheiro, então comprar esses vestidos baratos era como ir para a guerra.

Era muito tolo pensar que ela poderia comprá-lo no último minuto. Ela deveria ter pré-encomendado um, um mês antes. Ela teria conseguido algum vestido mal acabado ou quase imperceptível uma semana antes, no máximo.

‘O que posso fazer a respeito, se só pensei em ir à festa hoje?!’

“Existe… Aquela peça…”

A funcionária deve ter sentido pena de Lucia, que parecia estar em grande desespero.

“Resta um?”

“Erm, já se passaram alguns anos, então o estilo é um pouco… Bem, com um pouco de trabalho de reparo, ele servirá…”

“Tudo bem! Eu vou comprá-lo. Não importa o que aconteça, é meu!”

“Não, mas o vestido é um pouco pequeno.”

“É muito pequeno?”

“Se for você quem vai usar, vai servir. Mas, você não vai ser a única a usá-lo, certo?”

“Eu vou!”

Lucia respondeu apressadamente, mas depois reformulou sua resposta.

“Quer dizer, a pessoa que vai usar é exatamente como eu. Ela tem minha estrutura corporal exata, então não há problema.”

“É assim mesmo? Então, por favor, entre e experimente o vestido. Deixe-me ver se precisamos de algum conserto extra.”

A funcionária cavou fundo no depósito e saiu com um vestido. A expressão de Lucia se iluminou. Era um vestido azul pastel modesto e simples. Embora fosse um estilo de anos atrás, não dava uma sensação barata.

Ela colocou o vestido e se olhou no espelho. O vestido não tinha espartilho ou panier (1), então parecia uma bagunça grande. Ela estava com o cabelo preso em um coque bagunçado e sua maquiagem estava uma bagunça, então nada combinava. A funcionária girou em torno dela enquanto brincava aqui e ali.

“Jovem senhorita, como você pode ter uma cintura tão fina? Provavelmente nenhum de nossos corsets vai caber em você. Parece que temos que reajustar os quadris. O comprimento é um pouco curto, então… você provavelmente precisará cobrir com alguma coisa. A renda aqui está rasgada, então precisamos cortá-la e colar uma nova peça… Temos que refazer um pouco o vestido.”

“Posso fazer isso aqui?”

“Um… parece muito trabalho, então eu sinto muito. Já temos muitos outros vestidos esperando para serem reformados.”

“Se eu usar isso sem reajustar…”

A funcionária balançou a cabeça com todas as suas forças.

“Isso nunca deve acontecer. Você só vai fazer papel de boba.”

Eles disseram que assim que você escalar uma montanha, haverá outra montanha esperando por você. Assim que a funcionária viu o rosto em dificuldades de Lucia, ela ofereceu outra ajuda.

“Minha mãe já se aposentou, mas… Há muito tempo ela consertava vestidos. Se você estiver bem com isso…”

“Claro que está tudo bem!”

Equipe:

Rolar para o topo