Capítulo 26 – Discordância (II)

Lucia

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Discordância (II)


Assim que as palavras deixaram a boca do Duque e seu olhar pousou nela, todos rapidamente saíram da sala, deixando Lucia e Hugo sozinhos.

Houve um breve silêncio entre eles enquanto se sentavam lado a lado no sofá. Hugo percebeu de repente que era a primeira vez que eles se sentavam juntos daquele jeito.

“Por que você mentiu?”

“… Eu não menti.”

“Você está escondendo a verdade da médica, não é? Não dizer é a mesma coisa que mentir. Por que você está se esforçando tanto para mentir quando não consegue mentir direito?”

‘Como ele soube?’

Era como se ele estivesse lendo sua mente quando olhou para ela.

Hugo passou um braço em volta da cintura de Lucia e puxou-a para seus braços, então ele falou como se pudesse ver o interior dela.

“Sua expressão diz ‘como ele sabia?’. Você não pode mentir, é muito óbvio.”

Lucia simplesmente queria escapar dessa situação. Ela torceu o corpo e se afastou dele, em seguida, levantou-se do sofá.

“… É um momento agitado para você no trabalho, mas você foi interrompido. Lamento ter incomodado você.”

Hugo permaneceu no sofá, observando em silêncio a Lucia em pé por um momento, depois falou ferozmente.

“Você me culpa por estar aqui?”

“Você não precisa se preocupar.”

“O que?”

“Eu não vou melhorar de qualquer maneira.”

Hugo agarrou seu pulso, puxando-a com força e ela não pôde evitar cair em seus braços.

Lucia tentou lutar e se levantar, mas uma das mãos dele segurou o braço dela no lugar, enquanto a outra segurou o queixo dela, forçando-a a olhar nos olhos dele.

“O que você quer dizer com isso? Por que devo ficar aliviado se você não vai melhorar?”

“Eu não te disse desde o início? Eu não posso ter filhos.”

Observando seus olhos âmbar trêmulos, seus olhos vermelhos também tremeram.

Lucia mexeu o queixo e afastou a mão dele. Sua mão pendeu desajeitadamente no ar e então caiu. Ela puxou o braço dele. Hugo ficou perplexo diante de suas ações de rejeição.

“Você não estava interessado nem perguntou por quê.”

“…”

“Por que você está repentinamente curioso?”

Na época, ele só perguntou se ela poderia provar isso.

Depois disso, ele nunca perguntou se ela era realmente infértil ou se seu corpo estava doente em algum lugar. Lucia pensou que ele havia se esquecido completamente.

Que seu interesse por ela era apenas até certo ponto.

Portanto, era lamentável que, com o passar dos dias, ela só pudesse continuar a esperar que seu coração se endurecesse em vez de ir em direção a ele.

“De repente, hein. É ruim para mim ser curioso?”

“Então, eu sou grata.”

“… Não diga assim.”

“Peço desculpas.”

Ao vê-la dar respostas curtas e geladas e depois fechar a boca como se ela não fosse dizer mais nada, os olhos vermelhos de Hugo se arregalaram e brilharam.

Ela estava fazendo coisas que nunca tinha feito antes e isso estava o irritando. Hugo não queria levantar a voz porque não era nem um grande problema, então ele falou em um tom ainda mais calmo.

“Vivian, você quer discutir sobre algo do passado?”

O coração de Lucia afundou de decepção.

‘Se você chama de coisa do passado, não posso dizer nada.’

Para ele, era apenas algo do passado. Lucia balançou a cabeça em silêncio.

“No momento, estou preocupado com o seu corpo, então explique seus sintomas exatos a médica e faça o tratamento.”

Seu tom era ainda mais afetuoso do que o normal.

Mesmo que Lucia soubesse que ele realmente não tinha coisas como bondade ou ternura, cada vez que ouvia sua voz afetuosa, ela ficava em transe como se tivesse ouvido uma canção de amor, então ela acordava como se estivesse encharcada de água fria.

“Eu não quero fazer isso.”

“Por quê?”

“Se eu fizer isso, você ficará perturbado.”

“Por que eu ficaria perturbado?”

“Porque você não quer que eu tenha filhos!”

Sua voz de repente ficou alta.

“…”

Por um momento, Hugo não conseguiu dizer nada. Não era que ele não quisesse que ela tivesse filhos, mas ele não queria continuar sua própria linhagem.

E se ela poderia ter um filho ou não, a gravidez era impossível. Mas, para fazê-la entender isso, ele teria que contar a ela sobre muitas coisas ocultas. No entanto, Hugo não queria vasculhar sua memória e falar sobre essas coisas novamente. Para ele, essas coisas não eram apenas eventos passados, mas um pesadelo assustador.

Olhando para Hugo que ficou em silêncio, Lucia tomou o silêncio dele como confirmação e tentou manter suas emoções sob controle.

“Eu me expressei mal. Falando exatamente, você nunca teve nenhum interesse.”

Foi sua intuição como mulher. Ele nunca quis um filho dela. Apesar disso, suas ações foram contraditórias. Ele nunca usou nenhum método anticoncepcional. Lucia foi bastante amarga a esse respeito. Ele não estava nem tão preocupado com isso.

Ela se perguntou que tipo de atitude ele teria se ela tivesse engravidado por acaso.

Quer ele levasse a criança embora, ou não tivesse nenhum interesse na criança ou talvez, ele até mesmo se viraria e nunca procuraria por ela novamente. Qualquer que fosse a escolha, eram todas terríveis.

“Sobre não ter interesse…”

‘Não é você?’ Hugo resmungou interiormente. Ela não tinha, nem mesmo uma vez, perguntado sobre Damian. Mas, por mais descarado que Hugo fosse, ele sabia que não tinha o direito de questioná-la sobre isso. Ele se casou com ela porque precisava do status. Não para ela cuidar do filho dele, eles não tinham contrato para isso.

“Eu não sabia que você queria que eu me interessasse.”

O coração de Lucia afundou pesadamente em seu peito. De alguma forma, olhando para ele, ele parecia cansado.

‘Não!’

Desde o momento em que ele disse que podia ver através de suas mentiras, ela já estava muito ansiosa.

Seus nervos estavam à flor da pele, pensando que seu coração também podia ser lido.

Se ele tivesse uma noção dos sentimentos dela e dissesse algo cruel, como o que disse a Sofia Lawrence na festa da vitória naquele dia…

‘Meu coração vai explodir. Vai doer tanto que prefiro morrer.’

Ele era um homem terno com uma mulher, desde que ela mantivesse uma distância razoável.

Assim como ele tinha feito com ela, para quantas amantes no passado ele sorriu e deu presentes?

Foi por causa dessa ternura que aquelas mulheres não puderam jogar fora seu apego persistente quando foram notificadas de seu rompimento e se agarraram a ele.

‘Eu não quero me tornar uma de suas mulheres do passado.’

Seria bom ficar assim para sempre. Bem assim. Uma vida totalmente materialista. Um marido que lhe deu um sorriso terno e a abraçou apaixonadamente todas as noites.

Ela não seria gananciosa por mais. Seus punhos suados estavam cerrados com força.

“Eu… não desejo nada. Não esqueci meu contrato com você.”

Lucia esperava parecer natural ao evitar seu olhar e recuar um pouco em seus braços, mas ele a observava com olhos penetrantes.

“Ha. Certo. O contrato.”

Hugo deu uma risada falsa e frustrado passou a mão pelo cabelo.

Parecia que era só ele quem pensava em esquecer o contrato e empurrá-lo para um canto. Ela obviamente ainda estava presa às suas cordas tenazes.

“Eu posso desfrutar da liberdade em minha vida privada e você manteria a porta do seu coração trancada. Esse era o nosso contrato, não era?”

Mais uma vez, ele diminuiu a distância que ela tentou fazer e agarrou sua cintura, puxando-a para si. Com isso, seus esforços foram facilmente desfeitos. Ela estava mais uma vez posicionada em seu abraço.

“Mas você sabia? Não decidimos o que aconteceria se alguém não cumprisse o contrato.”

“Você está preocupado que eu não cumpra o contrato?”

“Sério, por que você é assim? Por que você exagera minhas palavras assim?”

“… Eu sinto muito. Acho que distorci um pouco.”

Por um momento, Hugo olhou para sua esposa, que parecia desconhecida. Não era sua esposa habitual que o ouvia obedientemente. Além disso, ela continuava evitando seus olhos, mostrando rejeição e separação.

‘A primeira vez que a conheci… não disse nenhuma palavra de encorajamento, mas ela apenas foi em frente e falou.’

Talvez fosse ela também.

De jeito nenhum ele poderia ter visto os lados dela que ela nunca havia mostrado a ele.

Inicialmente, ele não gostou que a conversa deles estivesse se prolongando, mas agora, ele estava bastante satisfeito em ver um novo lado dela.

Parecia que ele a estava vendo de verdade por um momento diferente de quando ela estava dando a ele um sorriso gentil ou risada.

“Se… eu desistir da minha liberdade na minha vida privada… você também vai abrir a fechadura da sua porta?”

“… O que?”

Os olhos de Lucia se arregalaram ao olhar para ele. Ela não conseguia entender sua intenção por trás de dizer isso. Isso era um truque de playboy? Ele-

“Quero dizer…”

Ele tinha uma expressão estranha e arrastou o final da frase.

“Seja tratada.”

Lucia ficou desapontada com a mudança de assunto.

“Eu não quero.”

“Vivian!”

“Eu não posso ter um filho, então está tudo bem para mim não ser capaz de ter um. Mas se eu for tratada, posso ter um filho? Você vai permitir?”

“…”

Hugo suspirou e massageou as têmporas com os dedos.

Mesmo que seu corpo melhorasse, ela não poderia engravidar. Sua linhagem Taran tornava impossível para ele engravidar qualquer mulher.

Sem cumprir condições específicas, a linhagem de Taran não cresceria em nenhuma mulher.

Razão pela qual Hugo se divertiu com várias mulheres e nunca se preocupou com os perigos de engravidá-las.

Apenas uma mulher normal, que não possuísse o sangue de Taran, poderia reunir as condições para conceber o sangue de Taran, mas apenas o velho sabia quais eram essas condições.

Hugo levou o velho para morar fora dos muros do castelo e olhou os documentos do velho, mas não havia nada relacionado a isso.

Talvez fosse apenas nas memórias do velho ou talvez houvesse outros documentos escondidos em algum lugar que ninguém conhecia.

E assim, para descobrir, Hugo simples e facilmente apanhou o velho e espancou-o.

O velhote alegou que não iria divulgar os segredos de sua família e ficou sem falar, mas uma vez que foi preso e percebeu que nunca veria a luz do dia novamente, ele abriu a boca:

[O homem Taran que se tornará o pai da criança deve continuamente administrar seu sangue à mulher por mais de um ano, depois tirar sua virgindade.]

Era uma condição realmente doentia. Essa condição também teve que ser completada antes que a mulher fosse deflorada.

Sua esposa já estava no caminho errado. Mesmo que fosse possível engravidar apesar dessas condições, ele nunca teve a intenção de deixar um sucessor para trás.

Apenas imaginar uma existência deixada para trás no mundo com seu sangue o fazia sentir como se tivesse pisado em uma merda.

Embora não corresse o risco de engravidar ninguém, costumava ejacular do lado de fora, pois odiava a ideia de descendentes semelhantes a ele.

No entanto, ele a conheceu inesperadamente. Desde o início, ela era diferente. Por que ela foi uma exceção?

Ela foi a primeira a fazê-lo abraçar, se soltar e aproveitar o pós-jogo. Ele sentiu a satisfação de plantar suas sementes dentro dela.

Hugo reconheceu que sua indiferença a magoou. Em circunstâncias normais, era muito provável que ela estivesse grávida.

Ele havia se esquecido de que ela não podia ter filhos e não se preocupava se ela estava grávida ou não.

Suas palavras perguntando por que ele estava repentinamente curioso estavam cheias de ressentimento e amargura.

Estava fragmentado, mas ser capaz de ver suas feridas fez seu coração apertar.

“Se eu for tratada, quero ter um filho. Mesmo assim, está tudo bem?”

Ela não poderia engravidar de qualquer maneira. Ele poderia dizer a ela que estava tudo bem e que ela podia ter qualquer quantidade de filhos que quisesse.

Que qualquer quantia que ela quisesse era boa. Se ele dissesse isso, ela não poderia culpá-lo depois, se eles não tivessem filhos.

Mas ele não queria enganá-la dessa forma. Mesmo que ele não pudesse dizer a verdade, ele não queria mentir para ela.

“… Eu não preciso de uma criança.”

“Se for por causa da questão da sucessão, então posso escrever um memorando. Não me importo se tenho que assinar um contrato que exclui meus direitos à sucessão.”

“Não é por causa disso. Eu… eu não quero deixar minha marca.”

“Você já tem um filho.”

“Aquele-!”

Havia muito o que explicar para isso. O único vivo que sabia que ele não era o pai biológico de Damian era o velho.

Não houve fim depois que a barragem foi aberta. Ele não queria compartilhar os segredos de Taran com ninguém.

Ele também não contaria a Damian. Ele iria manter esse conhecimento sozinho e enterrá-lo consigo mesmo.

“Ele é… Ele é um pouco diferente. Você… eu não sabia que você queria tanto um filho.”

Hugo percebeu que na verdade só estava olhando para o exterior dela. Ele não sabia o que estava em seu coração.

“Eu sinto muito. Eu sei que a esposa que você deseja não deve ser essa mulher.”

“Vivian.”

Hugo suspirou profundamente.

“Eu não quero criticar você. Eu simplesmente não sabia, então estou surpreso.”

“Quando falamos sobre casamento pela primeira vez, você disse que não se importava se eu tivesse um filho.”

“Isso é…”

Não que ele não ligasse, mas ele sabia que ela não podia engravidar de jeito nenhum e não tinha vontade de explicar, afinal na hora, ele só precisava do status. Uma esposa era apenas um brinde.

“Você disse que não se divorciaria de mim.”

Instantaneamente, Hugo ficou alerta, seus olhos brilharam e ele rosnou.

“Divórcio? Isso é impossível.”

Ao ouvir a palavra ‘divórcio’ sair de sua boca, suas entranhas começaram a ferver gradualmente.

“Eu te disse desde o começo. Sem divórcio. Eu definitivamente disse que mesmo se você morrer, não será capaz de escapar.”

“Eu sei. A tradição da família Taran. É claro que eu me lembro. Mas não há tradição de não ter filhos.”

“Um filho ou um divórcio. Você está me pedindo para escolher?”

Seus olhos âmbar tremeram intensamente e ela se afastou dele. Seus olhos ardiam como se as lágrimas estivessem prestes a cair. Para ela, parecia que ele estava pedindo que ela escolhesse um dos dois.

“Eu… não quis dizer isso.”

“Vivian, por que não podemos simplesmente continuar assim?”

“É apenas minha ganância. Desejo ter alguém comigo quando estou sozinha.”

“Por que você estaria sozinha?”

“Certamente, você não está dizendo que ficará comigo para sempre?”

“… O que?”

Olhando para sua expressão parecida com a de alguém ouvindo uma língua estrangeira, algo acendeu no coração de Lucia.

Sua maneira de falar para acalmá-la também era irritante.

‘Mesmo que ele não tenha interesse no que eu penso! Mesmo que tudo que ele queira seja uma esposa adequada e confortável, ele pode empurrar para o lado!’

Ela queria vê-lo ferido e sofrendo.

Mesmo que ela não pudesse machucá-lo, não importa o que ela fizesse, então, no mínimo, ela queria tornar isso estranho e difícil para ele.

Esses pensamentos perversos cresceram incontrolavelmente em seu coração.

“Você não me ama e eu nunca vou te amar. Então, o que há entre nós? Quanto tempo você acha que esse tipo de relacionamento vai durar?”


Sa-chan: Pesado… igual eu li no meu livro favorito: não se chuta um macho que já está caído.

Tradução: Sa-chan

Revisão: Sa-chan

Obrigada pela leitura. ^-^

Junte-se a mim e outras pessoas que acompanham as obras da scan no discord: https://discord.gg/VADVVqbvec

Equipe:

Rolar para o topo