Capítulos 40 – Amor, Compreensão e Família (II)

Lucia

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Amor, Compreensão e Família (II)


Já era tarde e Hugo estava ocupado trabalhando em documentos em seu escritório quando o cheiro de chá invadiu seu nariz. Ele sabia que alguém tinha entrado, mas ele estava se concentrando em outra coisa, então não prestou muita atenção.

Depois de um tempo, ele olhou para cima, olhando para a xícara de chá que Jerome tinha colocado silenciosamente antes de sair, então ele colocou a caneta sobre a mesa e se recostou na cadeira. Ele pegou a xícara de chá e foi até a varanda, decidindo fazer uma pequena pausa.

Por causa da festa que estava chegando, o jardim estava cheio de gente ocupada. Ele olhou ao redor do jardim, em busca de sua esposa. Ele a encontrou logo em um canto do jardim, mas ela não estava sozinha. Ela estava com uma criança de cabelo preto, Damian.

‘Eles são muito amigáveis ​​um com o outro.’

Ele murmurou para si mesmo, franzindo a testa ligeiramente. Olhando objetivamente, o relacionamento deles era um em que eles nunca podiam ficar muito próximos um do outro. Ele estava um pouco preocupado com ela levando Damian para a festa no jardim porque uma quantidade considerável de pessoas suspeitaria de suas intenções.

Ele considerou contar a ela sobre seus pensamentos, mas afastou essa ideia. Ela saberia pelo menos isso, ela não era uma mulher tola.

Embora fosse interessante que Damian estivesse se dando muito bem com ela. A criança não era um menino muito sociável, mas dentro de algumas semanas, ele se tornou um cachorrinho obediente.

Até mesmo seu mordomo Jerome era o mesmo. ‘Milady’, ‘Milady’, foi tudo o que ele conseguiu dizer.

Ela parecia ter a incrível habilidade de colocar as pessoas ao seu lado. Mesmo que muitas pessoas gostando dela fosse definitivamente muito melhor do que ser seu inimigo, por algum motivo, ele se sentia desagradável por dentro.

‘O que eles estão fazendo?’

Por um tempo, os dois estavam agachados e suas cabeças estavam frente a frente. Ele não conseguia ver o que eles estavam fazendo nem podia ver seus rostos direito porque estava muito longe.

‘O que diabos aqueles dois estão fazendo?’

Ele resmungou interiormente.

‘Sem mim.’

Essas últimas palavras eram o que realmente estava em seu coração, mas por ser tão infantil, ele não conseguia nem mesmo dizer para si mesmo.

* * * * *

Lucia e Damian estavam tão absortos em observar a divertida raposa bebê que não prestaram muita atenção em mais nada. A raposa amarela de orelhas grandes tinha passos desajeitados, cambaleando enquanto caminhava.

Sempre que tentava escapar entre os dois, era gentilmente bloqueada com uma mão. Não demorou muito para ela desistir de escapar, sentar e começar a perseguir seu rabo.

[Ela é uma raposa rara, suave e gentil para uma raposa. Ela será fácil de domar]

Esta foi a observação comum que os criadores experientes, que Kate enviou para ajudar, faziam depois de olhar para a raposa.

“Você decidiu um nome, Damian?”

“Lucia, está… está tudo bem se eu nomeá-la?”

“Claro. Ficarei feliz se você escolher.”

Depois que Lucia pediu a ele para dar um nome à raposa alguns dias atrás, Damian ficou preocupado com isso por um tempo e remexeu em todos os tipos de dicionários enquanto seus estudos ficavam em segundo plano.

“Então… Asha.”

“Asha? Isso tem um significado?”

“Assim como o nome… quero que seja muito saudável e viva muito.”

“Asha. É um bom nome.”

Lucia ergueu a raposa e a estendeu para Damian.

“Já que você deu um nome, pegue. Não apenas olhe para ela.”

“Lucia, eu…”

“Se apresse. Vou soltar.”

À medida que o tempo de sustentação no ar aumentava, o filhote de raposa começou a se debater e se contorcer em suas mãos. Uma vez que ele a ouviu dizer que iria cair, Damian rapidamente estendeu a mão e cuidadosamente pegou a raposa em seus braços.

Asha ergueu o focinho comprido, olhando para o menino por um momento, depois relaxou em seus braços. A temperatura corporal e o som dos batimentos cardíacos acelerados do pequeno animal em seus braços chocaram Damian. Foi uma nova sensação para ele.

Suas emoções pareciam complicadas e seu corpo tremia. Ele se sentia como se não soubesse o que significava estar vivo até aquele momento.

“Me sinto estranho.”

“Por quê?”

“Só… não é como se eu odiasse, mas me sinto estranho. Meu peito está formigando um pouco…”

Olhando para Damian que não sabia quanta força colocar em seus braços enquanto segurava a raposinha, Lucia sorriu.

“Damian, esse sentimento significa que você acha que é adorável.”

“Ado… rável?”

“Sim. É o sentimento que sua mãe deve ter sentido quando o abraçou depois que você nasceu. Você sente que algo é tão adorável que seu coração dói.”

Damian olhou em silêncio para a raposa por um tempo, sua expressão desconhecida. A raposa se contorceu em seus braços, ajustando-se a uma posição mais confortável e apoiou o queixo nos braços do menino, piscando os olhos.

Damian ergueu a cabeça para olhar para Lucia, sorrindo brilhantemente. Era o sorriso claro de uma criança, sem escuridão escondida dentro. O primeiro sorriso despreocupado do menino, sempre rígido e brusco, mandou uma explosão de emoções para Lucia, comovendo-a profundamente.

Seu olhar encontrou o de Damian e ela sorriu para ele.

A pouca distância, os olhos vermelhos de Hugo tremiam fortemente enquanto ele olhava para eles. Incapaz de conter sua curiosidade, ele finalmente deixou seu escritório. Ele caminhou em direção ao canto do jardim onde eles ficaram agachados e a alguma distância, ele pôde ver porque eles não estavam prestando atenção em mais nada.

‘O que é isso?’

A visão da pequena besta se contorcendo e os dois se concentrando nela como um tesouro nunca visto antes no mundo apareceu. Ao se aproximar um pouco mais, ele pôde ouvir a conversa.

‘Dar um nome a uma besta? Um ato inútil.’

O cavalo branco que ele montou por tantos anos ainda não tinha nome.

‘… Lucia…?’

Hugo franziu a testa.

Quando ele ouviu o nome à noite, quando eles estavam passeando, ele pensou que tinha ouvido errado, mas ainda era um pouco sensível ao nome. Desta vez, ele definitivamente tinha ouvido, e claramente também.

Por que Damian a chamava por esse nome?

Não era duquesa, não era mamãe e nem era o nome dela. Ele parou de andar, parando para pensar sobre isso, mas não conseguiu chegar a uma conclusão, então ele retomou sua jornada.

No entanto, em alguns passos, seus passos pararam novamente.

Olhando para o sorriso do garoto que era tão brilhante quanto o sol, seu coração se apertou, enchendo o peito de uma dor aguda.

‘Hah…’

Ele suspirou pesarosamente.

‘É você.’

Ele sorriu impotentemente. O sorriso da criança era muito parecido com o que seu irmão lhe dera no dia em que se conheceram.

Ele só não tinha percebido, mas parecia que o irmão que ele sentia falta sempre esteve ao seu lado. *

A memória de Hugo voltou ao primeiro dia em que conheceu Damian, a cena nitidamente desenhada diante dele.

Um dia, Philip trouxe uma criança estranha que ainda não andava bem. Mesmo sem ser explicado, o cabelo preto da criança e os olhos vermelhos eram características únicas da linhagem Taran.

Ele deixou a criança nas mãos de Jerome e quando ficou sozinho com Philip questionou o homem ferozmente.

“O que é isso?”

“Ele é filho do jovem mestre Hugo.” 

No início, ele ficou sem palavras, então ele ficou furioso. Uma criança do sexo masculino? Sem um parente, um menino de sangue Taran nunca poderia nascer.

“Não seja estúpido. Aquele velhote deve ter plantado uma semente em algum lugar, quem você está tentando enganar?”

“Você nunca ouviu falar do jovem mestre Hugo tendo um amante?”

Ele praguejou furiosamente antes de responder.

“O que? Os truques daquele velho idiota?”

Ele estava com tanta raiva que parecia que estava ficando louco.

“Não, não é . O jovem mestre Hugo e a senhorita se apaixonaram sem conhecer a identidade um do outro e o jovem mestre Damian é fruto desse amor.”

“Amor?!! Besteira!”

Naquele momento, ele lançou maldições em seu falecido irmão.

‘Seu idiota de merda. Depois de agir como se soubesse de tudo, você finalmente conseguiu.’

“Por que meu irmão não sabia que seu filho havia nascido?”

Se seu irmão soubesse que ele tinha um filho, nunca teria escolhido se matar.

“O jovem mestre Hugo faleceu sem saber que o jovem mestre Damian foi concebido.”

“O velhote também não sabia?”

“Sim.”

‘Hah. Bem feito para ele, o velho tolo precisa de alguma retribuição no inferno.’

Ele murmurou para si mesmo, rindo insidiosamente.

“E o nome da criança? Você deu a ele, meu velho?”

“Eu não ousaria. A mãe do jovem mestre Damian deu-lhe seu nome.”

“Mãe?”

Ele comentou ironicamente.

“Ela deve ser minha meia-irmã. Aqui eu pensei que eles estavam todos mortos, mas há uma meia-irmã. Quantos filhos aquele velho idiota fez?”

“Como você sabe, porém, desde a infância, a senhorita tinha o corpo fraco e adoecia com frequência. O falecido duque determinou que ela não poderia ter um filho saudável e decidiu se livrar dela. Consequentemente, o falecido duque acreditava que a jovem senhora estava morta.”

“Se livrar. Ha! Esse é exatamente o tipo de coisa que aquele velho idiota faria.”

Ele ridicularizou friamente.

“Então? Esta minha meia-irmã que deveria estar morta, como ela o conheceu, fez esse jogo de amor e deu à luz uma criança?”

“Só posso dizer que o destino é realmente algo que não pode ser previsto. Também posso garantir que não houve segundas intenções ou interferência em seu relacionamento.”

“Destino? Que merda. Onde está a mãe da criança?”

“Ela faleceu após o parto. Se você quiser uma explicação mais detalhada…”

“É suficiente.”

Se eles realmente conheciam ou não a identidade um do outro, ou se havia ou não interferência externa em seu relacionamento, não havia como ele saber.

Por mais que Philip divagasse, era impossível garantir que era verdade. Em vez de ouvir as besteiras do velho, ele mudou seu foco para o problema em questão.

“Então? O que? Por que você o trouxe para mim?”

Mesmo se fosse filho de seu irmão, ele não era seu irmão falecido.

Seu irmão nasceu filho do repulsivo ex-duque e tinha uma personalidade completamente diferente, como a entidade diferente que ele era. Além disso, seu irmão não foi informado de que a criança havia nascido, então trazer a criança agora o deixou desconfiado.

“Ele é a carne e o sangue do jovem mestre Hugo. É justo entregá-lo.”

“Não tagarele essa porcaria na minha frente, pegue a criança e vá embora. Não sei quando vou querer matá-lo se ficar perto de mim.”

No entanto, Philip deixou Damian e desapareceu secretamente. Ele se escondeu tão bem que nenhum vestígio dele foi encontrado.

‘Bem. Então, vou garantir que a escória não veja um fio de cabelo na cabeça da criança até o dia em que ele morrer.’

Hugo rangeu os dentes de raiva e invocou a proibição de Philip se aproximar de Damian.

O tempo passou e algum tempo depois, Philip secretamente voltou e tentou encontrar Damian, mas depois de ver os guardas ao redor de Damian, um relatório voltou que Philip havia desaparecido novamente.

Embora a proibição tenha sido algo feito em um acesso de raiva na época, quando ele pensou a respeito, percebeu que era uma coisa boa.

Por causa da guerra, ele estava atolado e extremamente ocupado, então conseguiu alguém para cuidar principalmente da criança. Quase não houve diferença em negligenciar a criança.

Quando ele voltou para Roam vários meses depois, todos estavam aceitando Damian como seu filho. Ele nunca disse pessoalmente que Damian era seu filho, mas ninguém pensou que isso fosse um problema. Isso era por causa do quanto eles se pareciam. Ambos eram muito parecidos, não deixando espaço para dúvidas.

No entanto, a aparência de Damian fez com que a intenção de Hugo de acabar com a linhagem da família Taran não valesse nada.

Os sentimentos de Hugo por Damian eram delicadamente complexos. A única marca deixada por seu irmão neste mundo é uma massa de fardo. Não era amor nem ódio, ele gostava do menino tanto quanto não gostava dele.

Porém, quando viu o sorriso do menino, o sorriso que era exatamente igual ao de seu irmão, ele percebeu algo.

Exatamente como ele pretendia, o maldito sangue Taran acabaria com ele. Seu irmão gêmeo era uma mutação que nunca deveria ter vindo da linhagem Taran. Ele deveria ter nascido com um sangue cheio de crueldade e loucura, mas ao contrário da linhagem Taran, ele era gentil, puro e amava a vida.

E Damian herdou o sangue de seu irmão.

A família Taran, liderada por Damian, renasceria de uma maneira completamente nova.

Damian percebeu que Hugo se aproximava e rapidamente se levantou. A raposa ainda estava em seus braços e ele ficou perturbado com a aparição repentina de seu pai. Como ele não estava estudando neste momento e estava ocupado conversando, ele teve medo de ser repreendido.

Hugo olhou indiferente para a raposa nos braços do menino e depois falou com Lucia.

“A caça à raposa não era apenas para passear?”

“Eu pretendia fazer isso, mas Lady Milton me disse que me ajudaria a obter uma raposa. Não faz muito tempo que o recebi de presente.”

Hugo estava infeliz com a criatura trivial rolando nos braços de Damian.

‘Então agora ela vai andar por aí com uma fera nos braços também.’

Primeiro, passeios frequentes com Damian, agora é uma raposa. O caminho para mantê-la ao seu lado era tão difícil. Em seu coração, o que ele realmente queria fazer era mantê-la só para ele, para que somente ele pudesse vê-la.

“Damian.”

“Sim? Sim!”

Foi a primeira vez que Hugo usou o nome de Damian, bem na frente dele. Antes, quando chamou Damian diretamente, ele disse:

‘Criança.’

E quando ele estava conversando com outras pessoas e falando sobre Damian, ele disse.

‘Garoto.’

“A caça à raposa não é um jogo para homens. É um jogo insignificante para as mulheres. Devolva a raposa ao seu mestre.”

Ele comandou com arrogância.

Lucia ficou pasma e olhou para ele. Um jogo insignificante para as mulheres???

Damian alternou olhares entre os dois, então rapidamente entregou a raposa para Lucia. Quando ele a entregou, nenhuma das emoções de um tempo atrás estava presente. Ele nem mesmo demonstrou o menor desânimo ou apego persistente.

Lucia deu um sorriso vazio.

“Me siga.”

“Sim.”

O menino respondeu rapidamente como um soldado com disciplina militar.

“Para onde você o está levando?”

“Nós vamos ter uma conversa. Entre homens.”

Hugo começou a andar à frente e de novo, Damian alternou olhares entre os dois e então baixou a cabeça na direção de Lucia. Depois disso, ele rapidamente correu atrás de Hugo. Ao contrário do normalmente calmo Damian, este estava obviamente animado.

“Minha nossa. O que? Eles estão me excluindo?”

Lucia ficou sem palavras. Ela sentiu uma sensação de traição do Damian que nunca olhou para trás. O pensamento de que todos os seus esforços eram menos do que uma palavra de seu pai a deixou desanimada.

Enquanto ela observava as costas de pai e filho partindo, seu coração desanimado não demorou muito para desaparecer. Sua visão traseira semelhante era muito adorável. A figura de Damian enquanto dava passos excepcionalmente leves também era divertida de se olhar.

“Por favor, chegue perto o suficiente para que eu fique com ciúmes.”

Enquanto ria para si mesma, Lucia voltou-se para os trabalhadores do jardim. Ainda havia muito trabalho a fazer para a festa no jardim de amanhã.


Sa-chan: Emocionei T-T

Tradução: Sa-chan

Revisão: Sa-chan

Obrigada pela leitura. ^-^

Junte-se a mim e outras pessoas que acompanham as obras da scan no discord: https://discord.gg/VADVVqbvec

Equipe:

Rolar para o topo