Capítulo 76 – Reunião de Pessoas – Parte III

Reunião de Pessoas – Parte III


Os efeitos do álcool diminuíram rapidamente. Lucia saiu da sala de descanso. Enquanto ela caminhava pelo corredor, uma criada se aproximou dela com passos apressados ​​e abaixou a cabeça.

“Sua Graça, o Duque, enviou esta serva por temer que a ausência da Duquesa fosse longa.”

Passaram-se apenas 30 minutos desde que ela saiu para descansar. Lucia ficou constrangida porque pensou que as pessoas ao redor iriam ver suas ações como incomuns, que ele mal podia esperar e mandou uma criada buscá-la.

“Vá em frente e diga a ele que estou indo.”

A empregada fez uma reverência e rapidamente voltou pelo caminho de onde veio.

“O Mestre sempre procura a Milady.”

A empregada que a estava seguindo acrescentou.

“Você está zombando de mim?”

“Não, Milady. Eu não ousaria. Eu digo isso porque parece bom. Se eu me casar mais tarde, quero viver como o Mestre e Milady.”

Lucia não se importou em ouvir as lisonjas da empregada misturadas com inveja. Ela se perguntou se eles pareciam tão bem aos olhos das outras pessoas e se sentiu um pouco exultante. Seu relacionamento com ele ultimamente era definitivamente bom.

Mesmo que ela tivesse menos tempo para ver seu rosto em comparação com quando eles estavam no norte, eles se aproximaram. Ela tentou considerar o que exatamente era diferente de quando eles estavam no norte, mas não havia nada específico que ela pudesse apontar. Mas, estranhamente, qualquer coisa que ele dissesse soaria tão doce.

Lucia caminhava animada, mas assim que viu um grupo de homens conversando a alguma distância, ela parou de andar.

A empregada que estava atrás dela disse: “Milady?”

Lucia apertou o xale na mão como se fosse um escudo. Ela regulou sua respiração e começou a andar novamente. Quando ela se aproximou o suficiente para verificar o rosto, ela prendeu a respiração. Ela esperava que ela pudesse simplesmente passar.

Depois de alguns passos, um dos homens descobriu Lucia e seus olhos brilharam de cobiça. Arrepios subiram por todo seu corpo.

“Ooh. Você não é a duquesa? Estou mais do que feliz com a oportunidade de cumprimentar uma personagem tão bonita.”

Lucia não pôde ignorar a saudação excessivamente dramática do homem. O fato de a Duquesa ser rude em sua primeira estreia social oficial só se tornaria alvo de fofocas. Ela foi forçada a parar e olhar para o rosto do homem nauseante. Ela se concentrou em controlar seu olhar para que sua expressão não distorcesse.

O homem era pouco mais alto do que Lucia. Ele tinha uma figura atarracada com um estômago como o de uma mulher grávida e seu rosto gorduroso estava densamente coberto de ganância. Sua boca sorridente estava cheia de adulação. Seus olhos astutos mostravam sua ansiedade em limpar alguém no poder de uma forma ou de outra. Era o marido de Lucia no sonho dela, o homem que ela nem queria ver nos sonhos. Conde Matin.

“Eu sou o chefe da família Matin e sucessor do título de Conde, Horio Matin. Ai de mim. Eu te vi de longe antes, mas agora que estou mais perto, sua beleza brilha ainda mais. Tenho grande respeito por Sua Graça, o Duque de Taran. É uma grande honra poder saudar a esposa do Grande Duque de Taran.”

O conde Matin abanou a língua e esfregou as palmas das mãos como um comerciante mau.

Lucia poderia identificar seus sentimentos atuais. Desgosto. E medo. Em seu sonho, o conde Matin era uma parede de desespero. Sua vida matrimonial era escuridão. No entanto, a razão pela qual Lucia foi capaz de suportar foi porque, ironicamente, ela se casou sem saber de nada. Se ela soubesse um pouco sobre como era um casamento normal, ela não teria vivido tão resignada e em suspense. Se a memória de seu sonho era um pesadelo, então seu casamento agora era uma ilusão que ela não queria quebrar.

Então, quando ela se deparou com o Conde Matin, suas costas explodiram de terror como se suas ilusões estivessem quebradas. Lucia raramente tinha sentimentos sombrios em relação aos outros. Ela era o tipo de pessoa que se livrava de coisas ligeiramente entristecedoras ou desconfortáveis. No entanto, com o conde Matin, ela o odiava terrivelmente. Razão pela qual ela comeu artemísia, trouxe infertilidade sobre si mesma e encontrou seu marido para propor casamento. Tudo isso foi uma luta para fugir da sombra que o conde Matin lançou sobre ela.

‘Este homem… ele sempre foi tão pequeno?’

Lucia estava preparada para enfrentar o conde Matin a qualquer momento. Mesmo que ela tivesse se tornado uma duquesa, havia um leve medo no fundo de seu coração. No entanto, o Conde Matin que ela enfrentou na realidade era tão miserável. Ele era um anão em comparação com seu marido, cuja constituição era superior a cavaleiros.

Sua ansiedade desapareceu quando ela se lembrou de seu peito largo e seu abraço firme. Se ele desse um chute neste homem, ele voaria para longe. De alguma forma, o homem na frente dela parecia muito patético e seu medo gradualmente desapareceu.

“Duquesa. Você poderia, por favor, me dar uma chance de saudar Sua Graça o Duque? Existem pessoas muito distintas ao seu lado, então uma pessoa inútil como eu pode não entrar em seus olhos, mas estou preparado para me tornar as mãos e os pés de Sua Graça o Duque. Se você apenas me der a chance, eu nunca esquecerei esta graça.”

Frequentemente, Lucia não conseguia entender a obsessão anormal do conde Matin pelo poder. A família Matin tinha um território próprio, a história da família era profunda, ele tinha o suficiente para viver e estar satisfeito com suas circunstâncias atuais.

‘Ele ainda é o mesmo. Na verdade, as pessoas não mudam facilmente.’

O conde Matin balançou para frente e para trás como se seus pés estivessem em chamas, mas ele era um grão vazio que tanto o príncipe herdeiro quanto o lado oposto realmente não queriam. Na verdade, ele não fez diferença para nenhum dos lados. Fosse seu poder, riqueza ou sua própria capacidade, eles não eram muito.

O conde Matin não queria admitir, mas estava perdendo o juízo. Não importa o quão forte ele jogou seu corpo para fora da água, ele não poderia chegar ao outro lago que queria.

“Este é nosso primeiro encontro, mas você está sendo rude. Se você tem negócios com Sua Graça, o Duque, fale com ele diretamente.”

Lucia falou com uma expressão séria no rosto. Mesmo se ela fosse a duquesa, seu tom de oposição a um nobre conde mais velho em seu primeiro encontro foi rude. Lucia não queria que o homem voltasse a falar com ela. Ela odiava até mesmo ver sua sombra.

Seu terrível destino com essa pessoa não existia mais na realidade. Então, ela propositalmente falou de maneira rude.

Lucia percebeu o embaraço e o aborrecimento brilharem nos olhos escuros do conde Matin. Em seu sonho, Lucia estremecia de medo cada vez que os olhos do conde ficavam assim. Foi o dia em que suas entranhas se torceram e sua maldade saiu.

Lucia endireitou a coluna. Ela esperava parecer arrogante e passou por ele. Seu coração estava um pouco nervoso, mas ela se sentiu extremamente satisfeita, como se algo pressionando seu peito tivesse sido levantado.

Lucia mordeu os lábios porque sentiu que ia rir. Ela percebeu que a partir de agora, ela estava realmente livre do pesadelo em seu sonho.

‘Mesmo que eu dê um tapa nele sem motivo, ele não pode fazer nada comigo.’

Atrás de Lucia estava o duque Taran. Um marido confiável que a sustentava como se fosse protegê-la de todas as tempestades da vida. Ele pode não ser invencível, mas ele tinha poder suficiente para se livrar desse lixo. A pessoa que ela era no sonho, a pessoa que tremia de medo daquele homem não existia mais.

Lucia de repente quis ver Hugo e apressou os passos. Mesmo que ela não pudesse explicar para ele, ela queria compartilhar sua alegria com ele.

‘Aquele homem vai morrer miseravelmente como no sonho.’

Os passos de Lucia diminuíram.

‘… Ele pode não morrer. O futuro está mudando.’

Foi na época em que seu casamento estava no quinto ano. O rei estava mantendo uma vigilância silenciosa sobre aqueles que se opunham a ele, então ele finalmente desembainhou sua espada. Foi o início da provação que mais tarde ficou conhecida como os 100 dias de sangue.

No início, o conde Matin tentou ao máximo ingressar no partido monarquista, mas quando não conseguiu se juntar às fileiras, mergulhou no partido oposto. Não havia nenhuma maneira que o covarde Conde Matin tivesse realmente planejado uma revolta. Ele não tinha coragem nem habilidade. Suas intenções eram apenas para conquistar as pessoas no poder de uma forma ou de outra.

As forças opostas também sabiam da intenção óbvia do conde Matin. O relacionamento deles era aquele em que eles se usavam. Em tal relacionamento, o lado mais fraco não tinha escolha a não ser, ser comido.

O conde Matin foi pego como se tivesse participado ativamente e não fosse capaz de desistir. Ninguém sabia das falsas acusações do conde Matin. Do ponto de vista do rei, eles eram uma escória que não faria falta, mesmo que fossem erradicados juntos. E as pessoas no poder que o conde acreditava serem seu apoio tinham acabado de perder o pescoço.

A família Matin com sua história profunda foi exterminada durante a noite. O conde foi preso pelos soldados e decapitado sem um julgamento adequado. Os membros da família foram todos levados embora e não muito depois, eles foram condenados à decapitação. Muito tempo depois, soube-se que o filho mais novo do Conde, Bruno, que estava na Academia, havia fugido para outro país para escapar do incêndio.

Enquanto Lucia se lembrava de suas memórias do sonho, seu corpo tremia. A lembrança da noite em que os soldados chegaram era o medo por si só. Ela tinha ouvido falar que aquele que liderou os 100 dias de sangue na época foi o duque de Taran.

‘Se eu fosse pega naquela noite, talvez eu pudesse ter morrido nas mãos dele.’ *

Lucia não sabia se o duque de Taran liderara os soldados na noite do ataque à residência do conde de Matin. Ela não o viu pessoalmente, afinal. Para ela, aquela noite tinha simbolizado opressão e libertação. Foi uma noite de horror, mas Lucia conseguiu obter sua liberdade. Ela conseguiu voltar a ser Lucia ao abandonar Vivian, a condessa de Matin. Os céus a ajudaram. Se não fosse esse incidente, Lucia teria passado toda a sua vida no sonho, sofrendo até a morte como condessa de Matin.

‘Esqueça. Quer esse homem morra ou não, não tem nada a ver comigo.’

Ela não precisava ficar se lembrando daquele lixo. Isso não valia a pena.

‘… Ainda assim, seria bom se ele morresse. Muito miseravelmente.’

Embora Lucia não quisesse que a inocente condessa e outros membros da casa se envolvessem no conflito e morressem, sua mente sombria esperava que a morte do conde acontecesse como ela viu no sonho.

“Duquesa.”

Assim que viu o homem que bloqueava seu caminho com um sorriso brilhante, Lucia sentiu sua irritação aumentar. Este foi o terceiro rosto indesejado consecutivo, primeiro foi a Condessa de Falcon, depois o Conde de Matin e agora este. Era por isso que ela odiava festas com muitas pessoas. Coisas inesperadas continuaram acontecendo e ela continuou vendo pessoas que ela não queria ver.

“Você se lembra de mim? Eu te cumprimentei outro dia. Eu sou o Conde David Ramis do Duque Ramis.”

Lucia apenas acenou com a cabeça com uma expressão rígida. Os olhos de David não viram sua expressão desconfortável. Para ele, ela parecia acenar com a cabeça tímida enquanto seu brilho ofuscava seus olhos.

“Em uma medida humilde, coloquei a beleza da Duquesa em um poema simples. Agradeceria se você desse uma olhada.”

Desde o dia do jardim de rosas, David sempre carregava uma carta de amor com ele. Depois do primeiro encontro fantástico daquele dia, os olhos de David sempre brilhavam quando ele pensava nela. Ele tinha descoberto o nome dela, que ele não conseguiu ouvir de sua bela voz naquele dia.

Vivian. Que nome nobre e lindo.

Foi um nome nascido para ela. O que pode ser dito se ela era casada? Se um homem e uma mulher compartilhassem seus corações, essas condições superficiais não poderiam obstruí-los. Agora, ele não era ganancioso por muito. Ele só queria se conhecê-la um pouco enquanto trocava cartas com a Duquesa.

Lucia olhou para o envelope. Independentemente de ser casada ou não, a troca de cartas de amor era tratada como uma simples ocorrência. Existem algumas regras. Era normal um homem dar a uma mulher, mas o caso oposto faria as línguas vacilarem. Ao receber uma carta de amor de um homem, a mulher não deve recebê-la pessoalmente, a empregada ou a pessoa a seu lado deve aceitá-la em seu nome.

A empregada olhou para Lucia como se perguntasse: ‘Devo aceitar?’. Lucia balançou a cabeça em resposta.

“Senhor. Ramis. Por favor, retire seu coração, pois não posso aceitá-lo. Já fiz um voto de envelhecer junto com meu marido.”

David foi pego de surpresa. Como as cartas de amor representavam uma medida do charme externo de uma nobre, houve muito poucos casos de rejeição. Para a nobreza, não era digno ficar ofendido porque sua esposa ou amante recebeu tal coisa. Pelo contrário, era típico ter orgulho disso.

“Duquesa. Por acaso… estou dizendo isso para o caso de você não ter entendido direito, mas escrevi apenas alguns versos. Não vai prejudicar a sua virtude como Senhora.”

“Você não precisa me ensinar sobre costumes. Não é um pecado se eu não o receber, é?”

“… Bem, isso…”

“Não quero ter uma conversa particular, a menos que meu marido faça parte dela.”

Lucia falou sem rodeios porque estava de mau humor. Infelizmente para David, seu timing foi ruim. O olhar de David seguiu Lucia enquanto ela se despedia e passava por ele. Seu rosto estava vermelho de humilhação e ele cerrou os punhos, esmagando o envelope em sua mão. Seus seguidores, que sempre o seguiam, observavam a alguns passos de distância e desajeitadamente desviaram o olhar com uma expressão envergonhada.

Na sociedade aristocrática onde as relações humanas eram complexas, era preciso ter cuidado com suas palavras e ações, em todos os momentos, e tentar não criar inimigos. Na sociedade aristocrática que levava o rosto muito a sério, era raro alguém recusar o outro com tanta franqueza, a ponto de ser humilhante, como Lucia fizera. Foi realmente humilhante.

‘Por que essa mulher se casou com o duque de Taran?’

O estômago de David se retorceu de ciúme. Até o desejo de seu coração de manter a fidelidade ao marido a fazia parecer mais nobre do que nunca.

David chegou atrasado à festa. O casal Ducal Taran já havia chegado e conversava com outras pessoas separadamente. Assim que viu a Duquesa, David não conseguiu controlar o coração palpitante. A duquesa estava mais bonita do que quando a viu pela última vez no jardim de rosas. Se na época ela era como uma fada, desta vez ela era como uma deusa.

Ele não podia se aproximar de onde a duquesa estava cercada por mulheres nobres. Sua irmã estava ao lado da Duquesa e o havia descoberto a alguma distância. Ela deu a ele um olhar explícito e balançou a cabeça. David não pôde ignorar o aviso da irmã.

Seja como for, ele não queria se juntar à multidão de pessoas que tratavam o duque de Taran como um protagonista. Sem outra escolha, ele pairou sem rumo nas proximidades do local da festa com seus seguidores. Mas ele não podia ignorar os sinais de que seus seguidores estavam entediados por muito tempo. Ele relutantemente entrou no local da festa e então descobriu a Duquesa. Ele se sentia feliz como se estivesse no topo do mundo.

Mas agora, ele se sentia como o rei de um país em ruínas que havia perdido tudo. David sentiu humilhação e tristeza e ficou com a cabeça baixa. Foi sua primeira decepção.

‘Quanto mais não se pode ter algo, mais se fica ansioso por isso. Senhor. Ramis.’

Anita observou à distância e deu um sorriso frio. Uma boa ideia surgiu em sua mente.

‘Um escândalo envolvendo a Duquesa…’

Quanto mais inatingível a posição de uma pessoa, mais descontrolado pode ser um boato, se alguém estiver envolvido. Rumores que se espalharam como um incêndio tinham enfeites maiores.

Se a senhora da família Taran estivesse no centro de um escândalo que abalou o círculo social, como reagiria o duque de Taran? Sendo o Duque que pegava e abandonava mulheres conforme precisava, ele abandonaria sua esposa.

‘Uma das muitas princesas do rei anterior tornou-se a duquesa e depois caiu para se tornar a ex-duquesa divorciada.’

Anita gostou bastante do som disso. Foi um escândalo que poderia ser ordenhado por 10 anos no círculo social. Anita olhou para David e deu um sorriso significativo. Não importava o que acontecesse, haveria uma chance de tirar vantagem do herdeiro do duque de Ramis.


*Sa-chan: Recomendo lembrarem deste cap…

Tradução: Sa-chan

Revisão: Sa-chan

Obrigada pela leitura. ^-^

Junte-se a mim e outras pessoas que acompanham as obras da scan no discord:

https://discord.gg/VADVVqbvec

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no email
Email