Capítulo 3

Os Leviatãs

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

A minha conversa com César progrediu sem muitos problemas, eu fiquei fascinado com as possibilidades que esse caminho me traria, mas eu ainda tinha dúvidas. Como quantos anos César teria de verdade.

“É muito estranho o modo como você fala. Quantos anos você tem exatamente, César?”

— ….

“Hahaha, então você não está menos confuso do que eu, não é?”

— Foda-se! Não é fácil fazer um contrato com alguém que não sabe porcaria nenhuma. Pelo menos eu sei o básico e você?!

“Ainda não sei nada.”

Ainda?! Você nem ao menos tem um manual para o cultivo da energia vital, Thomaz. O nosso progresso funciona da seguinte maneira, vê se entende, enquanto eu cultivo a energia espiritual, você cultiva a energia vital. Como nós estamos conectados pelo contrato, vou poder utilizar a energia vital dentro de você, e você vai usar a energia espiritual dentro de mim!

“Então é um ganha-ganha? Gostei, então de forma resumida; os humanos fazem um contrato Leviatã com os espíritos, enquanto usarmos a energia espiritual, vocês usam a energia vital.”

— Sim. Você precisa encontrar um manual de energia vital! Enquanto isso, vai poder treinar sua nova habilidade.

“Yuri deve ter um manual e um livro com as informações básicas sobre tudo isso, mas conseguir o livro não vai ser fácil.”

Acha que é difícil? Até onde você sabe, ele também pode ter feito o contrato então se esforce, adeus Thomaz. 

Quando César parou de falar, senti uma mistura de alívio e ansiedade, apesar de já acreditar que realmente estava acontecendo, ainda tinha dúvidas. Tirei o punhal que carregava comigo e foquei nele, projetando uma imagem clara do punhal em minha mente.

A imagem do punhal que habitava apenas a minha mente, começou a se dissolver em pequenos fragmentos, ao passo de se manifestar, pedaço por pedaço, em dez segundos, em minha mão esquerda. “Incrível, realmente mágico.“ 

Levei um tempo para me adaptar à situação, até considerar tudo por um ponto de vista diferente, franzindo a testa eu suspirei. A cópia do punhal era uma ilusão, não tinha peso e não machucaria ninguém. Mesmo assim era letal, na minha mão me daria vantagens sem igual, mas na mão do meu pai seria algo sobrenatural.

Tentei ver por quanto tempo conseguia manter o punhal ilusório, somente após cinco minutos o punhal desapareceu, esse era o limite. Após o teste, anotei dois pontos principais: a habilidade não precisa de energia espiritual ou energia vital, segundo que a habilidade não desaparece progressivamente, era de uma vez, quando chegava aos cinco minutos.

Tentei manifestar o punhal uma segunda vez, mas não tive sucesso, só depois de outros cinco minutos eu consegui. Obviamente tudo tinha seus limites e condições.

Então, eu só posso manter a Duplicação por cinco minutos, depois não poderei usar a habilidade por um total de mesmos 5 minutos, só posso duplicar uma coisa por vez.”

Naquele momento eu tinha uma vantagem em qualquer batalha que fosse travar, mesmo com as restrições, ainda faria valer cada vantagem que eu pudesse produzir, mesmo que fosse areia nos olhos.

Depois de tudo, eu finalmente pude dormir em paz, minha mente estava cheia e cansada, mas fui dormir com uma certeza: Não conseguiria ter paz nesta vida.

*****************************************************

— Se levanta garoto! Hora de trabalhar.

A careca de Tim sendo iluminada pelo Sol foi a primeira coisa que eu vi após a minha primeira noite em alto mar. Tive que sorrir enquanto cobria os olhos. Logo depois me levantei e alonguei o meu corpo: — O que fazemos agora Tim?

— Você vai tomar algum banho e depois o café, o capitão te deu uma colher de chá deixando você dormir, mas eu não dou. Você tem meia hora para estar lá em cima. John deixou algo pra você comer lá na cozinha.

Eu peguei as coisas que Jack me deu para tomar banho e desci rapidamente para o banheiro, fora como me disseram, tinha mantimentos e munições neste andar. E o banheiro é claro.

Rapidamente tomei banho e fui para a cozinha, quando cheguei por lá, encontrei um pedaço de pão com uma maçã junto a uma notinha. “Se quiser algo melhor, então acorde mais cedo ~ John“

Estranhamente sorri, comi o pão e a maçã logo depois tomei um copo de água e subi para o convés. O convés do Sparrow era simples, a única coisa digna de nota foi a área coberta por uma grade para mover as coisas para dentro do barco. E logo quando dei os meus primeiros passos no convés senti a forte luz do Sol em meus olhos, o canto dos pássaros e o som das águas por todos os lados atacando os meus sentidos.

— Finalmente acordou. Não fique aí parado garoto, vá ajudar Tim a puxar a âncora.

Obedecendo Jack, corri com Tim para puxar a pesada âncora e depois içamos as velas e o navio voltou ao seu curso, o trabalho era pouco, Paty e o baixo John conseguiam cuidar sozinhos das velas, até avistei a habilidade incrível que John tinha ao pular entre os mastros e as cordas.

Não era tão habilidoso e ágil quanto Ember, mas fiquei surpreso com as habilidades da tripulação como um todo, posso dizer que a experiência junto a prática deles era incrível.

Depois que todos terminamos, eu tive tempo de procurar Yuri, ele estava na ponte de comando, onde se localizava o Leme, junto com seus guardas, seu sorriso era evidente. Depois de observar detalhadamente, notei que Yuri parecia um pouco mais musculoso. “Um efeito colateral do seu contrato?”

— Prepare-se Thomaz, hora de trabalhar de verdade.

Jack se aproximou de mim com uma espada em sua mão, logo depois a jogou para mim. Segurei rapidamente a espada logo após perceber o rápido avanço que Jack estava fazendo, então ele trouxe sua espada para cima de mim em um corte na diagonal.

Sorri levemente, levantei rapidamente meu joelho e acertei as bolas de Jack, ele não conseguiu completar seu ataque com a espada quando, quase caindo, eu acertei diretamente o lado esquerdo de seu rosto com um soco.

Jack tentou rapidamente se afastar depois do soco, algo digno de notar visto que causei dois golpes críticos nele. Larguei a espada e dei um passo para frente com a perna direita, agarrei firmemente a camisa de Jack e o atirei no chão por cima de meu ombro.

Quando a breve luta terminou, todos estavam de boca aberta, Jack era um guerreiro experiente, ele estava a um passo do pico do nível Especialista e provavelmente já podia sentir a própria energia vital.

Eu ainda estava no meio do nível profissional, contudo, a não ser que fosse uma luta entre Mestres e Grão-Mestres, a diferença nas habilidades poderia ser compensada com técnicas e um pouco de sorte. O que era mais fácil falar do que simplesmente ver alguém fazendo

— Droga! Como você fez isso pirralho?

Jack se levantou segurando o próprio saco com a mão, foi uma visão engraçada: — Se eu tentasse defender com a espada, você teria a vantagem, você até tentou me enganar com aquela brecha.

Jack arregalou os olhos, foi quando Paty e John chegaram mais perto. Hela e Tim ainda estavam longe, mas estavam atentos a conversar. Mas não importava, nesse momento só queria atrair a atenção de Yuri e consegui informações úteis sobre os Leviatãs.

— Existia uma finta no ataque de Jack… era o braço esquerdo?! — Paty perguntou com um pouco de dúvidas, eles não tinham prestado muita atenção, então não podiam ter certeza do que eu tinha visto.

Apontei para Jack, mais precisamente para o punhal que o capitão carregava consigo nas costelas, no lado esquerdo de seu corpo.

— Jack sempre carrega um punhal do lado esquerdo do corpo, tentar acertar aquela falsa brecha seria fatal. Principalmente porque Jack é mais forte e rápido do que eu, para ter alguma chance, precisava acertar um ponto crítico logo no início de nossa troca de golpes.

Jack ficou sério naquele momento, Paty e John olharam para Jack seriamente. Eu sabia que tinha chamado muita atenção, mas não estava tentando esconder nada a princípio, então não fazia sentido esconder todas as minhas habilidades e técnicas, mostrar algumas ainda seria aceitável.

Quem diabos treinou esse garoto?“ — Quem treinou você?

Mesmo se eu contasse, você não saberia sobre Nathan…” — Meu pai, mas não foi apenas eu, ele também treinou os meus irmãos. Você se lembra de quando nos encontramos?

— Você disse que seu pai tinha morrido e estava procurando trabalho. Falou que tinha grandes habilidades de combate, mas… — “Centenas de jovens, não, milhares de jovens que mal podem ser considerados adultos, entram, confiantes nas poucas habilidades que possuem, na vida de um homem do mar; ainda ansiosos para serem chamados de guerreiros. Só que nem metade consegue ter algum sucesso nessa vida”

Jack não estava errado em dúvidar de mim na época, e nem estava envergonhado de perde em uma simples troca de golpes, somente um idiota entraria em uma luta do jeito que Jack entrou, no mais ele queria testar minhas habilidades para ver se podia confiar suas costas a mim.

— Qual era o nível do seu pai?

Surpreendentemente foi Yuri, que tinha se aproximado, quem fez a pergunta, e nada podia me agradar mais do que me aproximar de Yuri: — Segundo meu tio, meu pai estava a um passo de superar o pico do nível Grão Mestre.

Nosso pai nunca contou o nível em que ele estava, por sorte o tio Raji era um cara legal.” O pai era um homem de muitos segredos, infelizmente nem todos conseguirei saber nessa vida.

Superar o nível Grão Mestre? Isso é… talvez esse garoto possa ser útil, ainda sobrou algumas pedras. Posso tentar ajudar esse garoto a assinar o próprio contrato depois que eu alcançar o segundo Estado.” — Muito bem.

Yuri se afastou após dizer aquilo, não sabia quais eram suas intenções, ou os seus pensamentos, mas estava totalmente atento a suas ações. Só as habilidades recebidas ao fazer o contrato já eram magníficas, Yuri que provavelmente tem um manual com magias e informações vitais seria ainda mais perigoso.

— Muito bem garoto, mas se você acredita que é mais forte do que eu, vai precisar provar isso uma segunda vez.

Jack sorriu sinistramente e dessa vez eu pude sentir a grande diferença de postura, Jack estava reto empunhando sua espada com a mão direita e segurando seu punhal com a esquerda.

Eu me preparei mentalmente para esse momento, não achava que Jack desistiria tão facilmente ou aceitaria a derrota, de certa forma estava acostumada a essa personalidade, então sorri.

Ergui a espada e apontei para Jack: — Venha! — Em apenas um passo; Jack cobriu um metro de distância, diferentemente de antes, Jack utilizou seu punhal para atacar horizontalmente. “Uma finta?” 

Dessa vez eu tive três opções, atacar, defender e recuar. Naquele momento atacar seria a pior, Jack poderia me bloquear facilmente e o contra golpe seria fatal, defender parecia bom, mas ficaria encurralado no segundo ataque, por isso dei apenas um passo para trás com a perna esquerda.

O punhal passou a centímetros de mim, naquele momento tive a melhor oportunidade e ataquei pelo lado esquerdo do capitão com a minha espada, mas foi exatamente como previ, Jack tinha as melhores habilidades ao passo de rapidamente mudar sua postura e me bloquear com sua própria espada.

Espadas se chocaram, podia ser ouvir o som de ferro contra ferro junto ao som das ondas do mar. Naquele momento aconteceu algo que realmente fugiu de minhas previsões, Jack tinha a maior força e resistência, teria se saído melhor na medição de força, mas infelizmente Jack largou sua espada e me socou diretamente no rosto.

“Uma finta atrás da outra?! “ Quando caí no chão percebi o meu erro, para igualar a força de Jack, inconscientemente coloquei uma força maior na espada, quando Jack retirou sua resistência, automaticamente fui para frente deixando a brecha perfeita.

— Hahahahaha, vamos garoto, vamos, nós apenas começamos.

Sorri enquanto limpava o sangue de minha boca, segurei fortemente o cabo de minha espada e avancei em meio aos olhares da tripulação do navio Sparrow.

Aviso do Autor:

José Victor B.Martins

Rolar para o topo