Capítulo 4

Os Leviatãs

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Estava muito cansado no final do treinamento e tinha usado quase todas as minhas forças e habilidades, basicamente Jack me venceria na maioria dos cenários, caso eu não o quisesse matar. Claro que Jack também não queria me matar, então no máximo eu conseguiria fugir ou empatar. Eu fiquei no chão tentando recuperar minhas forças, já Jack estava se apoiando em sua espada.

Jack e eu lutamos por longas trinta rodadas, com treze sendo minhas vitórias. Jack me explicou depois que a nossa responsabilidade é proteger a tripulação, mas nós nunca poderíamos prever todos os perigos, então deveríamos estar sempre atentos.

Depois de nossa conversa, Tim nos levou para a enfermaria, não houve grandes ferimentos, mas Tim insistiu e usou aquele tempo para me examinar a procura de doenças. Estranhamente senti que não era diferente da minha vida com meu pai, tinha até mesmo a constante supervisão de Hela e a insistência de John para manter todos bem alimentados.

Quando o tratamento terminou, ainda na enfermaria, Tim tirou sua roupa preta grossa e pegou uma espada com Jack, eu pensei que teria que treinar de novo, mas foi diferente.

Eu e Jack sentamos em caixotes, no convés, e Tim, Hela, Paty e John se prepararam para opróprio treinamento, o que me deixou muito interessado. O nosso cliente, Yuri, no entanto, não pareceu tão animado, mas ainda assistiu o treinamento de longe.

A primeira luta foi entre Tim e Hela, de forma objetiva, Hela podia perder em força, mas podia compensar em agilidade e com melhores reflexos. Mas fiquei um pouco surpreso quando Hela puxou um bastão de madeira para lutar.

— Hela sempre usou um bastão, Jack?

— Hela não é uma lutadora, Thomaz, suas principais habilidades estão em seu avançado conhecimento. De uma forma simples, seu valor é maior que o de um guerreiro do nível especialista. Ainda sim, ficamos preocupados com sua segurança, caso um imprevisto acontecesse.

— Vocês tentaram lhe ensinar a lutar? Você também é versado no uso de bastões, capitão?

Jack riu e balançou a cabeça: — Você deve saber que apenas aqueles poucos guerreiros chamados de gênios podem dominar mais de uma arma, eu tentei lhe ensinar o básico do kendo e da esgrima, mas Hela simplesmente não tinha compatibilidade com a arte da espada, pior ainda foi quando Paty tentou lhe ensinar a usar suas manoplas, mas surpreendentemente ela conseguiu aprender um pouco o uso de facas e do cutelo com John.

— Nossa! — Fiquei realmente fascinado com os talentos de Hela, facas eram um pouco mais comuns, mas usar um cutelo era um pouco inusitado, mas não tão raro nas ilhas. Sendo um pouco óbvio, o cutelo era leve e ainda permitia fazer um corte grande no adversário, foi fácil aprender o básico de seu uso. O maior problema era que progredir no seu uso foi algo bem difícil.

— Quando ela mudou de arma?

Jack balançou a cabeça: — Ela não trocou de arma, Thomaz, ela meio que está tentando dominar os dois. Pouco tempo depois de aprender a usar as facas e o cutelo, ela apontou as principais fraquezas dessas armas, então disse que precisava de outra, uma que lhe desse uma capacidade de se defender e atacar com mais força, foi quando Paty sugeriu os bastões.

Ainda assistindo o treinamento dos dois, pude avaliar que as habilidades de Hela eram bem básicas. Ela usou a ponta do bastão para atacar na horizontal, Tim defendeu facilmente esse movimento e quando este ainda estava para reagir com um contra ataque, Hela rapidamente retirou o seu bastão, segurando o com ambas as mãos e atacou Tim diretamente com a ponta em uma investida.

Tim recuou para trás, no entanto percebi que a espada deste último permaneceu abaixada desde de o início, com exceção da vez em que defendeu o ataque de Hela, e isso não era nada bom. Hela avançou mais uma vez, agora portando o bastão com as duas mãos na ponta, pulou e usou o mesmo para atacar Tim de cima para baixo em um golpe vertical.

O bastão desceu e Tim desviou para o lado com dificuldade e finalmente atacou Hela que recebeu um chute diretamente em sua costela, enviando a para o chão imediatamente. Hela não se levantou, ainda portando o bastão usou ele para atacar as perna de Tim, que pulou instintivamente dando a brecha perfeita para Hela ataca de baixo

Após vários golpes e dez minutos de luta, o vencedor foi Hela, Tim podia ter as melhores habilidades, mas lutou não querendo machucar sua oponente, o que eu não só reprovei, como desejei do fundo de minha mente ser apenas por Hela ser sua companheira.

A luta seguinte foi entre Paty e John, como Jack havia dito, Paty usava manoplas e John usava facas, este último ainda portando um cutelo em uma bainha que ficava em sua costela direita. E essa foi uma luta boa de fato. Começando com John lançando uma de suas facas para a parte desprotegida de Paty, que esquivou para a direita, mas John teve um rápido avanço e puxando seu cutelo tentou cortar a cintura de Paty.

Inicialmente, Paty conseguiu defender de uma forma incrível com as manoplas e contra atacou com muita rapidez, entretanto seu ataque se mostrou um pouco deficiente, mas tinha severas consequências para os despreparados. Infelizmente, Paty não podia ser considerado um usuário de manoplas completo, um usuário de manoplas completo deveria ser como Ember, utilizando tanto manoplas para as pernas quanto para os braços.

Muitas vezes durante a luta, Paty não conseguia lidar com a agilidade que John usava as facas e de vez em quando o cutelo, que pegava Paty desprevenido. Não bastando sua agilidade, John parecia ter a maior experiência e habilidades no uso de sua própria arma, sabendo as melhores formas de as usar.

No final o vencedor foi Paty, mas todos sabiam que a luta estava com problemas, John não tinha quase nenhuma defesa ao usar suas facas e cutelo, sofrendo ataques pesados e fortes constantes, mas ele ainda podia matar Paty no menor descuido desse último, algo que poderia ser explorado em um contra ataque. Todavia, essa não era uma luta até a morte.

Depois foi Hela e John lutando, de início, Hela tinha o ímpeto, mas que foi caindo com os constantes ataques precisos de John, contudo, Hela prolongou a luta por muito tempo com o seu bastão, algo que deu muitos problemas ao pobre John por não conseguir se aproximar de Hela. No fim eles declararam empate pois Hela não pode definir a luta.

Em seguida foi Tim e Paty, mas dessa vez Tim não pegou leve, ele avançou com calma e com grande força para cima de Paty, este último reagiu com um bravo ímpeto, não parando de atacar, por isso obteve a vitória no final! Tim perdeu porque não sabia como atacar de tão perto sem ferir Paty, mas percebi que os ataques de Tim eram de uma precisão pouco vista, como um médico, ele sabia como matar alguém com o mínimo de esforço.

Mesmo assim, eu acreditava que Tim poderia ter resultados melhores se tivesse apenas um pouco mais de treinamento com as próprias técnicas.

No progresso das lutas percebi que nenhum dos membros da tripulação carregava armas de fogo consigo, o que achei estranho, as armas de fogo se popularizaram bastante no último século, e Akira, meu irmão, podia ser considerado um aficionado pelas armas de fogo.

— Vocês não possuem armas de fogo? — Tirando a parte da estranheza, não ter armas de fogo poderia ser quase um sangramento em tempos atuais. Mesmo Jack perderia se levasse um tiro ou três.

— Possuímos alguns exemplares junto com a munição, mas com as suas habilidades deve estar ciente das fraquezas fatais que as armas de pólvora possuem. Sinceramente, tenho preferência por lutar usando meus punhos do quê usar essas armas.

Jack estava parcialmente certo, a fraqueza das armas de pólvora era fatal e perigosa em uma luta. Contudo, o poder das armas mudou a forma de como se faz as guerras, talvez não em uma luta de um contra um ou até mesmo uma luta entre várias pessoas, mas em um exército as armas seriam vitais.

— O que você achou da luta deles?

Olhei seriamente para o treinamento deles por um bom tempo antes de avaliar todos: — São lutadores experientes, suas habilidades atendem a maioria dos padrões, contudo, a falta de golpes definitivos é um problema, mas se lutarem juntos, mesmo guerreiros experientes como você talvez perdessem.

Observei seriamente o sorriso de Jack que ainda olhava para eles: — Acredito que todos deram tudo de si para ficarem mais fortes e garantir as nossas vidas. Graças a isso, o número de vezes que lutei esperando a morte foram poucas. Acho que o nosso Sparrow sempre nos trouxe boa sorte…

Os homens do mar tendem a ser supersticiosos, infelizmente para Jack eu não acreditava em algo como sorte, o homem faz a própria sorte. Algo que meu pai me ensinou logo no começo de nossa relação.

Jack disse tudo aquilo com uma expressão melancólica: — Você tem dúvidas sobre o futuro, por isso deixou que eu entrasse na tripulação?

Jack se virou para mim e continuou: — Quando vi você lutar contra aqueles garotos, dias antes de você dizer que estava procurando trabalho, tive certeza que você iria me superar em alguns pouco anos, quem diria que a minha força seria o fator decisivo — Jack pareceu ficar um pouco envergonhado.

— Meu pai dizia para eu ter noção total de minhas capacidades, eu lutava com aqueles garotos usando o mínimo de minhas habilidades e forças. Se eu usasse mais que isso, seria a minha derrota. Isso é muito necessário devido ao equilíbrio que eu escolhi seguir em minhas habilidades, no final eu sou um pau pra toda obra.

Jack arregalou os olhos surpresos: — Realmente, a única maneira de vencer oponentes que são de um nível superior é com técnicas polidas dia a dia. O seu pai era realmente digno do título Grão Mestre!

— Então esse era o único motivo de ter deixado eu entrar no bando?

Jack se mostrou sério e olhou para Yuri: — Sendo honesto, é tudo por causa dele, ele se chama Yuri e é filho do Governante Jonas!

“Jonas?! Um dos três governantes da 8ª ilha dos Nortistas.“ — Mas porquê…

— Yuri é o terceiro filho! Rumores começaram a circular na cidade das luzes de que Jonas estaria à beira da morte, já tendo dois filhos, Yuri não receberia nada, bom, pelo menos não iria receber o que queria.

“Entendo, isso explica o comportamento de ontem.Yuri provavelmente tirou aqueles três pedaços, daquela coisa, do tesouro de sua família e fugiu. Provavelmente deve ter roubado o manual de cultivo de energia vital. E a punição por trair a família é a morte.” 

— Porque aceitou o trabalho?

— O barco não navega para trás, assim como a bússola não aponta para o Sul, o mar é a nossa vida Thomaz. E para ficarmos vivos precisamos ficar mais fortes e poderosos. Nossos constantes sucessos e o tesouro que acumulamos cedo ou tarde chamariam a atenção indesejada. Yuri e você são as nossas chances de continuarmos crescendo.

“Foi como o tio Raji disse uma vez; existem dois tipos de paz: a do homem morto e a do homem poderoso.”

Depois da nossa conversa, Jack parou o treinamento e todos foram descansar, eu fui para a minha cama. Mas um acompanhante inesperado apareceu atrás de mim; Hela.

— Você pretende ficar conosco ou vai embora mais tarde?

Hela estava séria e foi honesta. Então eu também fui honesto em minha resposta: — Pretendo encontrar um caminho para o lugar de onde eu vim, qualquer um pode ver que não sou do Continente Despedaçado, no final um homem precisa saber de onde veio, para saber para onde vai.

Hela abaixou a cabeça e disse levemente: — O importante não é o agora? Onde nós estamos.

— Talvez, mas se eu não souber de onde vim, sempre estarei pensando que tudo vai sumir durante a tempestade. Como aconteceu naquele dia.

Hela suspirou e estendeu um livro grosso. — Não fique sem fazer nada, vai acabar pegando a loucura do mar.

— Muito obrigado. — Hela se afastou depois daquilo. Eu achava muito difícil pegar a loucura do mar, mesmo assim eu ainda peguei o livro. Em sua capa estava escrito “As aventuras de Benjamin.”

*****************************************************

— Thomaz, você já descobriu um jeito de roubar o manual?

“Na verdade eu achei sim, mas antes de dizer, existe alguma maneira de descobrir as habilidades de Yuri?”

— Sim, se você soube com que espécie ou clã ele fez o contrato. Apesar da habilidade depender de ambas as partes, se você fizer um contrato com um descendente de Loki, as habilidades derivadas serão associadas ao antigo deus Loki a qual você provavelmente está relacionado de alguma forma.

“Então as habilidades não são aleatórias, existem outros Leviatãs com nossas habilidades ?”

Claro, Loki era o deus do fogo, da trapaça e das travessuras, seus domínios na magia e ilusões estão entre os mais altos dos antigos deuses, logo as habilidades naturais dos descendentes de Loki seriam voltadas para seus domínios. No entanto, a habilidade “Duplicação” não era a que eu estava esperando, queria algo relacionado ao fogo ou a magia para dar suporte às nossas habilidades de combate direto.

“Cavalo dado não se olha os dentes César. Quantos outros clãs e espécies existem no seu mundo? Foi apenas um pouco, mas Yuri com certeza tem um físico melhor que momentos antes de seu ritual.”

— Você está perguntando algo impossível de se saber completamente, fique sabendo que nos tempos primordiais existiam pelo menos alguns milhares de deuses, ou mesmo dezenas de milhares. Contudo, os descendentes de Loki se orgulham de seu conhecimento superior, por isso acho que seu amigo deve ter feito contrato com algum gigante, lizardman ou ogro. Todos os três apresentam uma força e resistência considerável, sendo gigantes os melhores com os lizardman sendo os piores.

“Ele não é meu amigo, se as habilidades de Yuri se associam a força e resistência, ele precisa treinar elas em lugares abertos…”

— Está elaborando um plano? 

— Sim, e vai ser essa madrugada. 

*****************************************************

Esperei que Jack e sua tripulação abaixassem as velas e a âncora. E quando tudo estava escuro finalmente pude sair para o Convés.

— Acendam as lamparinas e se preparem.

— Tem certeza disso, jovem Mestre?

— Sim,Tor enfatizou a necessidade de treinarmos nossa habilidade natural o máximo possível. E eles já estão dormindo.

Quando Doffy terminou de acender as velas, Léo se preparou em minha frente. “Eu nunca irei me submeter a vocês irmãos, nunca!” Ativei o “Endurecimento” e sobre a luz das velas e o brilho da lua avancei para cima de Léo preparado para lutar até o último fio de energia.

*****************************************************

— E então? Vai ser agora?

“Sim.” 

Como na noite anterior, saí pela janela portando somente minha faca, por sorte a janela de Yuri estava aberta e eu pude facilmente entrar. Assim como adivinhei, Yuri pretendia praticar suas habilidades de madrugada. Depois que entrei no quarto de Yuri, pude ouvir um pouco o barulho do treinamento deles.

Agora que tive tempo para prestar atenção, confirmei que foi como Tim disse, não era extravagante, era até mesmo simples. O quarto era iluminado por velas, tinha uma pequena cômoda na parede ao lado esquerdo da porta, um armário simples que ficava no fundo e três beliches que ficavam na parede à minha direita. Ainda tinha uma pequena escrivaninha que se localiza ao lado esquerdo da cômoda.

Sendo tão simples, só tinha um lugar para Yuri esconder um livro, fui até os beliches e apalpei o colchão, assim como imaginei, realmente encontrei o livro no segundo beliche na cama de cima.

Tinha um furo no colchão pelo lado, então rapidamente puxei o livro. Tinha uma capa grossa de couro e as folhas não eram feitas de papel, mas de pele de ovelhas. Estava escrito em latim ainda.

Não tive tempo de ler o livro, mas confirmando que não existem técnicas ou habilidades inúteis, virei rapidamente todas as folhas apenas lendo superficialmente e quando terminei, pude fazer uma cópia do livro. Foi muito mais demorado copiar o livro do que o meu punhal.

Coloquei o livro dentro do colchão e saí pela janela depois de arrumar tudo, só que ao invés de descer eu subi para a popa do navio, acendi uma vela que carregava comigo e comecei a ler o livro.

Por sorte a lua estava grandiosa naquela noite com muitas estrelas e Yuri estava focado demais em seu próprio treinamento. Olhando o livro, a capa não tinha nome e a primeira página começava com o título “Princípios do treinamento da energia vital.” 

A Página explicava que o princípio de tudo era o caos e a ordem, mas a ordem só podia ser alcançada pelo poder e pelo conhecimento. O corpo humano simulava o universo e assim como no princípio, o corpo se encontrava em um caos absoluto, com as suas forças em um desequilíbrio total.

O primeiro passo seria promover a ordem através do controle, o controle por sua vez deveria ser absoluto para que pudesse estabelecer as leis que de forma imparcial promoveriam o equilíbrio da energia vital no corpo humano. “É muito interpretativo…” 

O segundo passo seria mostrar o caminho para a energia, pois somente com orientação junto a um objetivo a energia não voltaria ao caos. O corpo humano era o universo e a energia vital estava em caos, através do controle da mente a ordem seria estabelecida para guiar a energia vital através da pele, músculos, ossos, sangue e órgãos. Fortalecendo assim cada parte do corpo humano; formando o Primeiro Estado do poder.

Ainda continuava, dizendo que o fortalecimento dos fundamentos do corpo humano formariam a base de todo o poder futuro, como as forças da natureza formam a base do universo.

O Segundo Estado objetivava o estabelecimento de um centro para concentrar toda a energia vital do Leviatã. Esta fase consistia em criar um núcleo de energia bem no centro do peito.

O Segundo Estado levava um tempo ainda maior para se completar, mas tinha um atalho que seria absorver pedras de energia vital, algo que existia somente no mundo dos espíritos. E alertava dizendo que para se ter um maior sucesso nessa etapa, o ideal seria que o guerreiro ficasse todo o período sem usar energia vital, confiando somente em seu corpo nas lutas. “A impaciência leva à imperfeição.”

O Terceiro Estado era ainda mais misterioso, estava escrito que o objetivo é guiar toda a energia do núcleo até treze pontos diferentes do corpo físico, assim criando pontos de energia. Eles eram: pés, joelhos, abdômen, ponta superior espinhal, o meio da testa, seguidamente dos ombros, dos cotovelos e por último as mãos.

Com isso terminava todas as instruções para os três primeiros Estados do poder, no final tinha algumas notas interessantes, junto com certos avisos.

O primeiro dizia que a cada Estado o ser humano se aproximava cada vez mais do Leviatã, e eu não fazia ideia do que isso significava. O segundo dizia que a vida era aumentada exponencialmente a cada Estado, ao completar o Primeiro Estado, o guerreiro leviatã poderia viver até seus cento e cinquenta anos, ao completar o segundo, seria até os duzentos anos e aqueles que completarem o Terceiro Estado teriam longos trezentos anos.

Existia ainda uma terceira nota comparando os Estados do Poder com o nível humano, aqueles humanos que podem sentir a energia vital, estando no nível de um Especialista, estaria apenas no início do Primeiro Estado.

O nível Mestre seria aquele no pico do Primeiro Estado, já aqueles no nível Grão Mestre gozavam de uma força do Segundo Estado. “Meu pai estava próximo a ultrapassar o nível Grão Mestre, então pode ser que ele estivesse no pico do segundo Estado” 

Naquele momento entendi o que o tio Raji tinha dito, com o meu pai sendo um homem muito forte, talvez mesmo aqueles que assinaram um contrato Leviatã não pudessem ter, necessariamente, sucesso em uma missão para matar o meu pai.

E ainda tinha um significado mais profundo com a palavra homem, depois de ler o manual tive dúvidas, junto com uma certeza; aqueles do terceiro Estado em diante estão longe de serem humanos. Tanto pela longa vida que desfrutam quanto pela força que possuem.

Naquele momento tive um pouco de hesitação se deveria realmente prosseguir com aquilo, até que balancei fortemente minha cabeça. “Lembre-se Thomaz, apenas o homem poderoso e o homem morto podem ter paz, com a do homem morto sendo a paz eterna e a do poderoso sendo tão breve quanto o vento.” 

Antes que eu pudesse continuar lendo, o livro ruiu e se despedaçou em partículas de luz sendo levadas pelo vento e pela maré.

Aviso do Autor:

José Victor B.Martins

Rolar para o topo