Capítulo 11

Os Leviatãs

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Quando observei Thomaz deixando o navio, me senti apreensivo, olhei para a ponte de comando e observei Yuri e a mulher que havia trazido, Turquesa.

Ela instruiu Hela, que navegou pelas praias da 22ª ilha de acordo com as instruções da mulher, notei a confiança que Yuri tinha em suas ações e isso me irritava.

De uma forma estranha, Yuri e Thomaz eram parecidos, ambos tinham grande potencial e origens misteriosas, com ambos almejando grandes conquistas. No entanto, Thomaz tinha algo que eu valorizava, perspicácia. 

Infelizmente, enquanto Thomaz tinha seu destino, Yuri queria conquistar o destino dos outros e nesse meio estaria nós; os Sparrows.

Enquanto vivia os meus devaneios, atracamos no pequeno cais que pertencia a Turquesa. Ela nos guiou pelo campo de sua propriedade, desde do pequeno cais até sua casa; passamos por um pomar de macieiras, um pequeno lago com patos e por fim a casa central.

Uma pequena mansão de cor branca, possui dois andares e no andar de baixo uma janela de cada lado e no meio tinha a porta. Antes de eu entrar, observei que a mesma ficava de lado para a cidade do Céu e mesmo a essa distância eu via o castelo e suas quatro torres interligadas.

— Por favor, prestem atenção em mim, meus queridos convidados. Já conhecendo a situação do Mestre Yuri, dispensei todos os empregados e guardas, ainda sim podem ficar tranquilos pois estarão totalmente seguros. Existem quartos no andar de cima, podem ficar à vontade para escolherem o que melhor lhes agradar. Ali adianta temos a cozinha, ao lado é o salão das refeições, aquela porta um pouco antes dá direto para o porão onde fica o depósito.

Turquesa apontou para os lugares e depois convidou Yuri para conversar em particular em outro canto. Eu não liguei, junto aos meus companheiros e aos servos de Yuri, subimos as escadas para o segundo andar.

************************************************

A vadia me guiou para outro compartimento da casa, um escritório um tanto modesto. O lugar tinha uma longa mesa do meu lado direito, estantes de livros à minha frente e ao meu lado esquerdo, uma janela onde eu podia ver todo o caminho até a cidade.

Turquesa passou por mim com um sorriso confiante em seu rosto e eu não gostava nenhum pouco de depender dessa mulher, apenas que ela me lembrava de alguém desprezível; meu pai!

Ela caminhou até a sua mesa de trabalho, não antes de fazer pequenos gestos sugestivos, e levantou uma garrafa escura, retirou a rolha e sentiu profundamente o aroma de dentro da garrafa.

Nesse momento, seu longo cabelo caiu para a frente de seu rosto, e ela graciosamente colocou a mecha para trás de sua orelha. Então ela notou o meu olhar e sorriu.

— Alguma coisa, mestre Yuri?

— Nada não.

Me virei para a janela e entre um pensamento e outro, veio a minha mente Thomaz, o garoto forte do capitão Jack. Eu não sabia o porquê, mas sentia algo estranho em relação a Thomaz toda vez que o via, talvez ele pudesse ser uma peça mais útil que todos os outros Sparrows.

— Aqui está Mestre Yuri. Aproveite.

Interrompendo meus pensamentos, Turquesa me ofereceu uma taça de vinho, e o forte aroma mostrou que aquele era um vinho de qualidade. Não sabia o que ela planejava, então apenas bebi daquela taça sem me preocupar.

Ela se encostou na parede, exatamente como eu estava, e aproveitou do próprio vinho enquanto me olhava.

— O você quer?

— Há! Direto como sempre não é mesmo Mestre Yuri. Diga-me, quanto tempo achou que levaria para seus irmãos partirem em sua busca?

Girei a taça enquanto olhava o vinho balança pra lá e para cá, ao mesmo tempo, pensava na pergunta da cafetina: — Sendo sincero, não muito. Você sabe de alguma coisa?

— Meus passarinhos cantam que seu segundo irmão, Sotaro, esteja a sua procura. A polícia das ilhas colocou uma recompensa de 50 moedas de ouro em sua cabeça, mas no submundo, você está valendo 200 moedas!

Era tão engraçado quanto poderia ser, me dizer tudo aquilo só poderia significar que ela queria me extorquir! Enquanto eu sorria por fora, por dentro só podia ranger os dentes.

Olhei friamente para Turquesa esperando que ela prosseguisse com suas insinuações, mas para minha surpresa não foi isso que aconteceu. 

— Kukuku, pode ficar tranquilo Mestre Yuri, a pedra de energia espiritual que me ofereceu vale muito mais que apenas 200 moedas de ouro, pode ficar tranquilo.

Dizendo aquilo, Turquesa andou em minha direção e sussurrou para mim, se apoiando em meu ombro direito: — Obviamente não serei responsável caso haja outros tão bem informados quanto eu, hahaha, aproveite o lugar Mestre Yuri.

Essas foram as palavras que Turquesa me disse antes de deixar somente eu e os Sparrows na mansão. “Prostituta desgraçada!” Obviamente eu não podia confiar nela, mas tão pouco ela podia confiar em mim, no final estávamos empatados.

Respirei profundamente e soltei o ar, com o objetivo de me acalmar, fiquei ali olhando para a cidade e aproveitando o bom vinho que tinha à minha disposição, dali pra frente, seriam poucos os momentos em que eu teria alguma paz.

************************************************

— O que você acha que Thomaz está fazendo? 

— Não faço ideia. Acha que aquele pirralho tá fazendo algo perigoso sem nós?

Jack estava abalado desde de que nos separamos de Thomaz, e eu não sabia o porquê, mas também estava mal humorado naquela manhã.

— Tenho certeza que sim, ele é desse tipo, ou vai atrás do problema ou o problema vai atrás dele.

Jack parecia gostar muito da presença de Thomaz e isso me preocupava. De alguma forma todo o destino da tripulação se atrelou a Yuri e a Thomaz, e Jack sabia que por Yuri todos nós não passaríamos de ferramentas, só restava a Thomaz decidir o que fazer.

Ainda tínhamos que praticar o cultivo de forma incessante, tudo seria mais difícil com o peso sobre o nosso capitão seria ainda maior.

— Thomaz sabe se virar Jack, agora sobre Yuri. O que faremos se nossa pequena transação com aquela mulher der errado?

Jack olhou friamente para mim e respondeu-me sem um pingo de hesitação: — Nós a mataremos e fugiremos dessa ilha, iremos para o sul como um navio pirata!

Estremeci por dentro e comecei a usar frio, Jack estava preparado para o tudo ou nada, e o destino de nossas vidas nas mãos do destino. 

— Vamos nos cultivar e depois treinar, certo?! — Treinar e ficar mais forte, a mais velha receita para todas as possíveis tempestades.

— Com certeza, Tim. Vá chamar Hela e os outros, vamos nos cultivar lá fora.

— Certo!

Quando saí do quarto a procura dos outros, olhei de cima da escada a mulher que em pouco tempo tornou-se decisiva em nossas ações.

Ela não notou quando eu desci a escada e a vi ir embora da casa, em direção a cidade sozinha. Eu não sabia se a conversa com Yuri tinha ido mal, tão pouco sabia se tinha ido bem….

— Ei Tim, o que está vendo?!

Me pegando de surpresa, Hela e John apareceram atrás de mim: — Hum?! Nada, Jack mandou chamar vocês para que fôssemos treinar todos juntos lá fora.

Hela apontou para John e sorriu: — Jhon disse a mesma coisa. Vamos começar agora mesmo, irei chamar Jack e Paty, os servos de Yuri também, certo?

— Certo, chame todos.

Hela subiu as escadas e eu permaneci ali na porta e quando olhei de novo, Turquesa já estava longe.

— Existe algo que lhe preocupa, Tim?

Balancei a cabeça e neguei: — Não, apenas esqueça isso. Vamos começar só nós dois enquanto esperamos os outros.

Saí com Jhon da casa enquanto tirava a minha roupa de médico e Jhon seu casaco: — Não pense que as coisas serão as mesmas de sempre, Jhon.

— Hahaha, pode vim.

*************************************************

— Como estamos comandante?

— Chegaremos à 22ª ilha ao pôr do Sol de amanhã, senhor!

— Excelente, sinto muito falta de meu irmão e essa pequena tempestade não me impedirá de vê-lo de novo, nada vai ficar no meu caminho!

Sotaro sorriu de uma forma sinistra e eu senti um frio percorrer minha coluna, no final as ações de Mestre Yuri terminam em um ódio de sangue e Mestre Sotaro estava preparado para derramar esse ódio, a qualquer preço!

— Feng!

Fiquei imediatamente ereto e prestei respeito: — O que deseja Mestre Sotaro?

— Você conhece bem Yuri, não é mesmo?  Você foi responsável pela sua criação.

— Sim, creio que conheço Mestre Yuri como muito poucos. Mas minha lealdade sempre esteve e sempre estará para com os descendentes verdadeiros de Lorde Jonas.

— Muito bom, mas tente não ficar apreensivo, caso a lady Camila não tivesse nos orientado para onde Yuri foi junto com aqueles vermes, nunca ficaríamos prontos a tempo de retomar o que é meu por direito!

A líder dos rebeldes da 8ª ilha, lady Camila tinha oferecido informações precisas sobre o paradeiro de mestre Yuri, assim como usou um poderoso artefato sobrenatural para organizar uma armadilha em conjunto com Mestre Sotaro e uma magnata do submundo da 22ª Ilha.

Interiormente eu só pude suspirar, pois somente a morte parecia aguardar meu jovem Yuri. Mas uma coisa me preocupava, Yuri não desistiria tão facilmente diante da morte.

— Mestre Sotaro, você não estranha o motivo da Rebelde saber para onde Yuri foi? E se….

Sotaro franziu as sobrancelhas e bateu o dedo indicador na mesa: — Impossível! Camila não se atreveria a planejar nada contra nós, ou sua pequena rebelião acabaria com um fim trágico. 

— O que planejar fazer com os Sparrows?

Neste momento pude ouvir os rangidos de dentes dele, sua mão se apertou fortemente quando se levantou abruptamente e saiu da cabine do capitão, mas antes que abrisse a porta.

— Não terei misericórdia, se não fosse por esses vermes e Yuri, eu estaria recebendo orientações do Mestre Wen Yaoting pessoalmente.

O Mestre saiu da cabine e eu fiquei ali sozinho, esperando que a sabedoria junto a força estivessem com meu Jovem Yuri.

Aviso do Autor:

José Victor B.Martins

Rolar para o topo