Capítulo 2 – Tristan

Monarca Elfo de Sangue

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

 

Capítulo 2 – Tristan

Tradutor: Otakinho

 

“Quando a vida te dá limões… Não se preocupe, com certeza você nunca vai ver limonada.”

***

Para um menino chamado Tristan, ele não ganhou nem meio limão, pois sua vida foi repleta de uma palavra: miséria.

A história do herói começou com o clássico menino órfão. A criança que ninguém queria. Para Tristan, a única memória real à qual a palavra ‘casa’ poderia ser associada era a grande porta vermelha do orfanato e o nome Tristan em um pedaço de papel.

Crescer em um orfanato foi como estar em uma loteria. Era muito raro uma criança encontrar um lar. E mesmo que alguns conseguissem, quase todos acabariam em uma família que apenas os receberia pelo pagamento mensal que vinha com a adoção. Na verdade, foi exatamente isso que aconteceu com Tristan.

Mal alimentado ou com um lugar adequado para dormir, ocasionalmente espancado sempre que seu novo pai tinha um dia ruim; esse foi o tipo de coisa que ele passou. O pior é que seu pai adotivo era na verdade um policial, um homem cujo trabalho deveria ser proteger e servir.

Em tal história, o herói teria pelo menos um amigo, mas ainda não tinha um limão nesse departamento. Uma criança desnutrida que veio para a escola com hematomas? Todos podiam sentir o cheiro das más notícias de Tristan a um quilômetro de distância.

Felizmente, Tristan nasceu com um intelecto acima da média. Portanto, ele sempre soube como não se encontrar em apuros ainda mais profundos.

Nenhum professor atencioso, nenhum amigo, nem mesmo um falso e fingido; as pessoas simplesmente não queriam ter nada a ver com Tristan. Os únicos amigos em sua vida eram provavelmente aqueles cães e gatos vadios nos fundos do refeitório da escola, que o acompanhavam sempre que ele comia seu sanduíche velho.

E uma certa garota chamada Leyla.

Sempre houve uma garota na vida de um herói, mas esta não era esse tipo de garota. Ela era sua meia-irmã ou, para ser mais exato, outra órfã que foi adotada pela mesma família.

Leyla foi a primeira pessoa que lhe ensinou o significado da bondade. Quanto a ela, apesar de estar na mesma situação, sempre foi cheia de vida. Eles cresceram muito próximos e Tristan deu o seu melhor para ser um bom e protetor irmão para ela.

O tempo passou e Tristan sempre tentou o seu melhor para resistir. Ele estudou, trabalhou em vários empregos de meio período e escondeu parte de seus ganhos para o futuro.

Ele só precisava de mais um ano antes que pudesse finalmente viver livre e sozinho, como um adulto. Mas antes que ele pudesse fazer isso, uma tragédia o atingiu.

Uma noite, seu pai adotivo estava bêbado e, desta vez, tentou machucar Layla e forçá-la. Tristan explodiu, ele não aguentava mais e acidentalmente acabou matando seu pai adotivo e queimou a casa.

Era um sentimento estranho e mágico para ele. Ele estava olhando para a chama ardente e furiosa. Tristan não sentiu nenhum arrependimento, em vez disso, ao ver a coisa que ele mais odiava se transformar em cinzas, Tristan se sentiu realizado.

Como um menor de idade, Tristan deveria entrar em uma prisão juvenil com uma pena mínima de prisão, mas infelizmente as coisas nunca foram do jeito dele. Os amigos policiais de seu pai adotivo foram capazes de puxar alguns pauzinhos e, mais uma vez, a justiça falhou com ele.

Tristan foi trancado em uma prisão de alta segurança com o pior que a humanidade tinha a oferecer. Foi um milagre um menino de 17 anos conseguir sobreviver 4 anos ali.

Abandonado desde o nascimento, maltratado, explorado, traído e magoado. Isso era tudo que a sociedade havia oferecido a ele. Exceto por Leyla. Ela era a única coisa boa em sua vida.

A última coisa que ele ouviu antes de ir para a cadeia foi Leyla sendo levada por uma boa família. Tristan sorriu, sabendo que ela tinha sorte de finalmente poder ganhar na loteria. Desde então, ele nunca mais quis incomodá-la. Ele não queria que ela se envolvesse em sua confusão.

Felizmente, esse não foi o fim da história do herói.

Hoje, Tristan, de 21 anos, foi finalmente libertado, depois de ficar preso por 4 anos na Prisão do Estado da Flórida.

Um longo sino elétrico tocou quando o enorme portão de aço se abriu, Tristan saiu para ver que um anjo já estava esperando por ele. Uma mulher com cabelo castanho escuro e olhos azuis profundos.

Faz 4 anos desde que Tristan falou com ela pela última vez. Ele ficou em silêncio porque não sabia o que dizer. Mas a primeira frase que saiu daquele rosto bonito ainda o surpreendeu.

“Que merda, Tris! Você nunca responde às minhas cartas ou aceita meu telefonema!… Você me obriga a ir buscá-la nesta merda.”

Tristan quase se esqueceu do talento de sua irmã na linguagem vulgar. Todos esses anos, ela ainda escondeu seu grande coração por trás de sua atitude dura.

“Vejo que você não mudou, mana…”

“Não mudou? Sério, irmão? Eu sou uma garota adulta, agora!”

Tristan inconscientemente examinou sua irmã da cabeça aos pés. Ela cresceu e se tornou uma garota bonita com um corpo atraente.

“Olhos para cima, Tris! Eu sei que você está trancado há quatro anos e nunca viu garotas, mas não comece a se apaixonar por sua irmã agora… Isso é tão errado!”

Suas piadas sempre o deixavam sem palavras. Mas graças a isso, ela foi capaz de dispersar o constrangimento entre eles. Afinal, a última vez que estiveram tão próximos foi na noite em que Tristan assassinou seu pai.

“Leyla, você realmente não deveria vir aqui.”

“Huh! Tris, eu te conheço muito bem. No momento em que você foi solto você estava planejando me evitar, não estava?! Eu não vou deixar isso acontecer, você vem comigo.”

Parecia claramente que os últimos 4 anos não a mudaram nem um pouco. Ela sempre foi enérgica e por causa dela, Tristan apenas faria o que ela quisesse. Afinal, ela era sua fraqueza.

Os dois, então, dirigiram o carro que Leyla trouxe, com Tristan ficando quieto enquanto Leyla estava lhe contando tudo o que ela tinha feito nos últimos anos.

Depois de dirigir por um tempo, Tristan percebeu que sua irmã o estava levando ao aeroporto.

“Para onde estamos indo?”

“Estamos indo para casa, Tris. Estou levando você comigo para San Francisco. Você saberia disso se lesse a porra das minhas cartas.”

“Eu…” Tristan não sabia o que dizer, já que nunca abria essas cartas. Ele fez isso porque nunca planejou mais se envolver na vida de Layla.

“Você não vai desaparecer e me deixar de novo, ok? Você pode me prometer isso, irmão?”

“…” Tristan ficou em silêncio, mas Leyla parecia capaz de ler sua mente.

“Vou considerar seu silêncio como um ‘sim’ então.”

Eles logo chegaram ao aeroporto da Flórida. Era dia de Ano Novo e o aeroporto estava muito lotado de passageiros. Muitas pessoas invadiram o aeroporto e Leyla temeu que eles não pudessem pegar o avião.

Enquanto esperava, Tristan assistia ao noticiário na TV. Eram principalmente notícias sobre a celebração do ano novo. Mas também houve um relato sobre um lunático que estava falando sobre o Dia do Julgamento.

“Dá para acreditar, irmão? Eles até consideraram interromper o voo por causa de um boato tão louco.” Leyla sussurrou para Tristan ao ver a notícia.

Antes que Tristan pudesse dizer qualquer coisa, um anúncio ressoou.

“Voo número B738 para São Francisco, agora estamos prontos para embarcar!”

Os irmãos entraram rapidamente no avião, esperando o voo decolar em breve.

Tristan notou que Leyla estava tensa, suas mãos tremendo levemente. Parecia que ela ainda tinha medo de voar. Tristan então fez o que sempre fazia quando eram pequenos, ele segurou a mão de sua irmã com força.

Leyla estava sorrindo quando Tristan segurou sua mão, segundos depois Tristan disse de repente: “Sim”.

“Sim? O que você quer dizer?”

“Sim, eu prometo que não vou desaparecer, vou cuidar de você.” Tristan disse a Leyla.

Tristan viu o quão feliz Leyla parecia quando ouviu isso, mas em questão de segundos, seu rosto de repente ficou preocupado enquanto ela olhava para fora da pequena janela do avião.

“Tristan, olhe pela janela!… O que está acontecendo!?”

O céu lá fora ficou preto, com tempestades arroxeadas sacudindo ao redor do avião.

O avião tremeu descontroladamente e todos os passageiros começaram a gritar.

Tristan só teve tempo de olhar para o rosto apavorado de Leyla enquanto ela segurava sua mão com mais força do que nunca.

“Irmão-!”

A luz apagou de repente, seguido por um som de toque explodiu em sua cabeça. Em um instante, havia apenas escuridão total.

A próxima coisa que Tristan soube, era que ele foi cercado por uma poça de sangue.

Aviso do Tradutor:

Otakinho

Rolar para o topo