MP – Capítulo 706

Paraíso do Monstro

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Capítulo Anterior  ||  Índice  ||  Próximo Capítulo


Capítulo 706: Estou de Volta [Ponto de Vista em Primeira Pessoa]

Tradutor: Asu | Editor: Asu

“Mamãe e papai ainda estão vivos…” Eu caí no sofá tremendo, e minhas lágrimas não paravam de descer. Eu finalmente me acalmei depois de um tempo. Já passava das 10 da manhã quando eu olhei a hora. Levantei-me e fui ao banheiro, olhando-me no espelho. Além dos meus olhos que estavam ligeiramente vermelhos, eu parecia perfeitamente normal. Depois de lavar meu rosto com água fria, minha mente começou a clarear.

A Runa Que Vislumbra o Coração foi feita para trazer o medo mais profundo à vida. Ao contrário de uma ilusão, você não poderia sair dela. Assim como um filme de 100 minutos, a história continuaria sem pular nenhum segundo. Uma vez que a Runa Que Vislumbra o Coração foi ativada, a pessoa não seria capaz de deixar o filme, já que era personagem principal, e tinha que continuar até que terminasse.

Eu sabia que ativar a runa não era um ato simples. Para ser exato, foi um teste da emoção humana. Como não pude ir embora, a única maneira era continuar com isso. No entanto, eu não tinha ideia do tipo de teste que me foi dado e como eu passaria no teste. Tudo o que eu pude fazer foi seguir o fluxo e permitir que a história se desenvolvesse.

“Xiao Hei?” Eu sussurrei, mas ninguém me respondeu.

“Xiao Hei!” Eu gritei. Desta vez, eu até tentei entrar em contato com Xiao Hei com a minha consciência, mas minha mensagem era como se estivesse se afogando em areia movediça sem qualquer resposta. Entrei em pânico quando meu confiável Dedo de Ouro não me respondeu. Eu tentei olhar para o meu corpo, mas isso não funcionou também. Tentei chamar o Sangrento, Bai e o resto, mas não havia nada.

“Não pode ser!” Meu coração pulou uma batida quando soube que algo estava errado. Eu tentei usar meu Poder da Vida, mas não consegui sentir nada. O mesmo aconteceu com a minha Telecinese. Eu não pude convocar minhas adagas voadoras. Meu Dao da Espada, que já estava no Nível Cinco, não pôde ser ativado também.

“Feitiçaria…” Com a minha última esperança, tentei invocar o «Livro do Dao do Feiticeiro», mas não havia nada. Meu corpo parecia estar morto. Eu era agora uma pessoa mediana e indefesa.

Isso me apavorou. Eu nunca tinha me sentido assim antes mesmo quando encontrei o braço do Deus Virtual e o monstro do mar, pois eu sabia que tinha tudo sob controle. No entanto, nada estava no meu controle agora.

“Definitivamente vou morrer se a runa enviar aquele monstro do mar ou o braço do Deus Virtual aqui agora.” Essa foi a minha maior preocupação. Eu não tinha ideia do que estava no roteiro das runas.

“Esqueça isso! Já que estou aqui, vou ter que ir com o fluxo.” Eu soltei um suspiro e olhei para o espelho. Eu estava em um borrão já que o rosto parecia estranho para mim agora. Afinal, eu estive em outro corpo nos últimos dois anos. Talvez porque meu corpo fosse diferente agora, tudo que eu tinha do outro lado não estava aqui comigo.

Eu balancei a cabeça para tirar os pensamentos inúteis depois de olhar para mim mesmo. Eu então saí do banheiro depois de arrumar minhas roupas. Chamando um táxi depois de sair de casa, fui ver meus pais. Eu não podia esperar para vê-los depois de tantos anos. Eles ainda eram jovens em minha memória, mas eu não tinha ideia de como eles se pareciam desde que eu já era um jovem de 25 anos.

Meia hora depois, o táxi parou do lado de fora de uma vila pequena e antiga. Eu não venho para esta área faz muitos anos. Meu medo estava fervendo na boca do meu estômago…

Enquanto eu estava na entrada, meu coração ficou cheio de emoções complicadas novamente. Lágrimas estavam inundando meus olhos e meu coração batia rápido. Eu não tinha ideia do que deveria dizer quando os vir. Eu não pude me expor. Depois de respirar fundo duas vezes, acalmei-me e entrei com tanta coragem quanto pude reunir.

Alguns minutos depois, cheguei a nossa antiga casa. A porta era uma nova porta antirroubo, mas o dístico ainda era o mesmo par que eu lembrava.

‘A moagem de pedra faz uma poderosa espada. O frio amargo dá fragrância à flor de cerejeira.’

O galhardete era “A primavera vem depois do inverno”. Eu tinha escrito o dístico no ano em que minha avó faleceu como um lembrete para mim. No entanto, eu poderia reconhecer minha caligrafia; o que eu estava vendo não era o que eu havia escrito. Foi comprado em outro lugar. Memórias estavam voltando para mim enquanto eu estava lá. Eu preparei o que eu ia dizer antes de apertar a campainha.

Um momento depois, a porta se abriu e uma pessoa parou na minha frente. Minha mente ficou em branco. Tudo o que eu tinha preparado para dizer evaporou. Tudo o que eu conseguia pensar era no homem de meia-idade que estava na minha frente. O pai não mudara de fato, mas ganhara algum peso e seu cabelo agora estava grisalho. Eu o reconheci imediatamente. Enraizado no local, tentei falar, mas simplesmente não consegui. Tudo que eu senti foi lágrimas brotando nos meus olhos.

“Se recomponha!” Fiquei dizendo a mim mesmo que precisava reprimir minhas emoções.

“Você voltou.” Papai sorriu enquanto olhava para mim, mas logo percebeu que algo estava errado.

“O que há de errado?”

“Papai!” Eu sai de meus pensamentos ao ouvir a voz familiar. Tentei conter minhas lágrimas, mas não pude evitar subir para dar um abraço firme em meu pai. As palavras saíram dos meus lábios.

“Pai, eu sinto falta de você.”

“O que há de errado, seu garoto bobo?” Papai ficou atordoado. Embora eu fosse mais alto do que ele agora, ele afagou minha cabeça de qualquer maneira.

Eu o soltei depois de me acalmar.

“Eu estou bem. Onde está a mamãe?”

“Ela está cortando os vegetais na cozinha.” Papai olhou para mim com ceticismo.

Evitei o contato visual com ele e caminhei diretamente para a cozinha. A mãe vestia um avental e cortava os legumes enquanto estava sentada numa cadeira. Ela arrancou as folhas dos caules e jogou-as no cesto de plástico.

Percebendo que havia alguém na entrada da cozinha, ela levantou a cabeça e olhou para mim.

“Oh, você voltou?” Mamãe olhou para mim com um sorriso. Ela havia perdido peso e havia rugas no canto dos olhos. Embora ela fosse um pouco diferente do que eu lembrava, a memória estava voltando.

“Mãe.” Eu me acalmei e caminhei até ela. Eu agachei-me e ajudei-a com os legumes.

“Nem pensar, eu vou lidar com isso. Vá falar com sua avó.” Mamãe disse.

“Avó?” Minhas mãos pararam de se mover quando a ouvi.

“Onde ela está?”

“Ela está em seu quarto assistindo TV. Ela tem assistido a esse ‘Lutador do Destino’ e ela basicamente está colada na TV todos os dias.” Mamãe sorriu enquanto revirava os olhos.

“Eu vou vê-la.” Levantei-me imediatamente, não esperando que a avó ainda estivesse viva neste mundo.

Enquanto eu estava na porta do quarto dela, vi a velhinha com cabelos grisalhos em uma cadeira de madeira. Ela estava olhando para a TV, alheia à minha existência. Minhas emoções estavam ameaçando subir de novo, embora eu pudesse ver apenas metade do rosto dela. Ela era a pessoa que me criou desde que o pai faleceu. Ela cuidou de mim dos meus 13 aos 18 anos sozinha. Infelizmente, ela faleceu antes de eu começar a trabalhar e nunca sequer aproveitou a vida dela.

Minhas lágrimas começaram a cair quando eu disse: “Vovó, estou de volta”.


Capítulo Anterior  ||  Índice  ||  Próximo Capítulo

Aviso do Tradutor:

Asu

Asu

Rolar para o topo