MPE – Capítulo 180

  • Asu 
Capítulo Anterior
Próximo Capítulo

Capítulo Anterior || Índice || Próximo Capítulo


Capítulo 180: Barata Gigantesca

Tradutor:  Asu | Editor:  Asu

Quanto mais fundo eles iam, pior era o cheiro do ar.

Além da luz da tocha, tudo ao redor estava escuro. Os túneis subterrâneos eram espaçosos, muito maiores do que Gao Peng imaginara. As paredes estavam cobertas de tijolos, embora os tijolos tivessem caído em algumas áreas, expondo a parede de rocha mosqueada abaixo dela.

As garras duras de Da Zi e de Stripey impactaram o chão bruscamente enquanto andavam, fazendo sons de passos nítidos e claros que reverberavam no ar, ecoando muito longe. É claro que, no meio daquele ritmo constante de passos, estavam os sons criados quando Flamy saltava e chiava ocasionalmente.

Depois de dez minutos, chegaram a uma porta de liga gigante bem fechada. Quando a luz da lanterna se movia sobre a superfície da porta grande, a liga de cobre emanava uma cor nebulosa.

Da Zi subitamente endireitou a cabeça e quase ao mesmo tempo, Stripey também levantou a cabeça, alarmado, e começou a emitir sons ameaçadores em sua boca.

Gao Peng imediatamente iluminou com a lanterna acima dele. Duas baratas gigantescas com carapaças de cor preta e carmesim rastejavam sorrateiramente pelo topo da grande porta de liga. Quando um raio de luz de repente caiu sobre seus corpos, elas congelaram.

Elas ficaram paradas ali sem mover um músculo. Seguir em frente não foi bom, e recuar também não era uma opção. Depois de um momento de hesitação, elas se soltaram e estenderam as asas nas costas, produzindo um som de alta frequência enquanto se lançavam em direção a Gao Peng.

Stripey reagiu com extrema rapidez. Ele levantou a cabeça e abriu a boca. Um monte de teia de aranha pegajosa de cor branca saiu de sua boca.

Houve um loucura de teia de aranha cuspida. As gigantescas baratas voadoras não conseguiram se esquivar a tempo e foram acertas em cheio, sendo atingidas diretamente no rosto. Depois disso, com um estrondo enorme, elas bateram na parede do esgoto subterrâneo violentamente e se encontraram firmemente presas ali.

O impacto da teia de aranha era ridiculamente poderoso, e a própria teia também era extremamente pegajosa. Não importava como as baratas gigantescas lutavam, tudo era em vão.

Da Zi gritou e levantou as duas antenas para o alto. Eles se tornaram duas linhas retas e um arco elétrico roxo apareceu entre suas antenas.

O arco elétrico tornou-se mais denso e ficou mais alto a cada segundo, produzindo barulhos explosivos.

Finalmente, quando o poder crescente atingiu seu pico, o arco elétrico entre suas antenas disparou uma corrente de raios. O arco elétrico roxo atingiu uma das baratas gigantescas. Ao atingir o alvo, a eletricidade se espalhou ao longo do corpo da barata antes de afundar em sua carne.

A barata gigantesca tremeu e vomitou bolhas brancas, gritando loucamente.

Só depois de um tempo a barata gigantesca parou de lutar. Seu corpo já havia se transformado em cinzas e o leve cheiro de comida frita vinha do corpo. Talvez porque elas geralmente ficassem no esgoto, todas as baratas gigantescas estavam cheias de óleo. Até as asas delas eram oleosas e brilhavam vagamente sob a luz.

Stripey olhou para a barata que havia sido queimada pela corrente elétrica e engoliu sua saliva. Levantou-se como um humano e dirigiu-se para o topo da parede, onde as baratas estavam penduradas. Suas afiadas garras de aranha entalhavam profundamente na parede de pedra como se fossem ganchos de metal. As garras de Stripey tinham a capacidade única de cortar graciosamente as teias de aranha sem ficarem presas a elas.

Com um leve corte, a garra de aranha preta afastou facilmente a barata presa das teias.

No instante em que a barata gigantesca foi libertada, apesar do fato de ter sido queimada tão negra quanto o carvão pelo elétrico, de repente abriu as asas violentamente antes de emitir um grito estridente. Então, imediatamente voou para longe.

Stripey, que estava preparado para colocar as baratas na boca, ficou paralisado de medo. Dois de seus membros dianteiros estavam suspensos no ar, e permaneceu naquela pose enquanto todos os oito olhos olhavam, espantados, para a parte de trás da barata que escapava.

Os olhos de Flamy brilharam. Um disco voador! Um disco voador gigante!

Ela abriu seu bico afiado e duas correntes de fogo dispararam consecutivamente, acertando com precisão a barata!

Boom!!

A barata gigantesca foi atingida. Chamas atingiram seu corpo e ele se acendeu. As asas em suas costas pegaram fogo, depois queimaram todo o caminho de volta para suas raízes. As únicas coisas que restavam eram suas duas grandes estruturas esqueléticas onde suas asas outrora estavam.

A barata caiu no chão fracamente. As chamas ainda ardiam ferozmente em seu corpo e, no final, reduziu-se a um pedaço negro de carvão.

Hmpf, pequeno inseto. Flamy ergueu a cabeça alto no ar com orgulho, depois enrolou as asas em volta da cintura triunfalmente.

Já não estava queimado pela eletricidade…? Por que estava vivo de novo?

A minúscula capacidade cerebral de Stripey simplesmente não era suficiente para compreender esse tipo de realidade fantástica. E então, Stripey lentamente virou a cabeça e olhou desconfiado para a outra barata gigantesca presa na teia de aranha.

Esta também não pode estar viva, pode?

Stripey moveu a cabeça para a frente para inspecionar a barata em detalhes. Oito olhos se viraram devagar, inspecionando cada centímetro do inseto.

A barata gigantesca sentiu um profundo desespero em seu coração. Seu parceiro já havia escapado, mas ainda estava preso na teia de aranha. Agora, nem sequer se atreveu a se mexer; só poderia fingir de morto.

Pa.

Stripey usou sua garra esquerda para cutucar a cabeça da barata gigantesca. Os olhos da barata gigantesca não tinham cor e, por mais que Stripey provocasse ou cutucasse, nada aconteceu.

Stripey ficou encantado. Era bom que estivesse morto desde que Stripey gostava de comer os mortos, não os vivos.

Puchk! Com uma mordida, a cabeça da gigantesca barata desapareceu.

As duas baratas eram provavelmente os monstros que haviam se infiltrado na fábrica anteriormente.

Gao Peng agora entendia o que havia acontecido. A grande porta de liga provavelmente só abriria quando a fábrica descarregasse água suja; normalmente, a porta da liga seria bem fechada. Os dois monstros haviam entrado através da porta de liga quando ela foi aberta e a água foi descarregada, entrando contra a corrente.

Gao Peng ficou um pouco intrigado. As duas baratas conseguiram aguentar tanta água e até se mover contra a corrente para passar pela porta? O que exatamente fez as duas baratas tão determinadas?

Gao Peng avançou e destrancou a fechadura de metal na porta da liga. Ele abriu a tampa e expôs a fechadura digital antes de digitar a senha. A porta da liga fez um som de bip nítido e abriu lentamente.

Sob o som da abertura mecânica da porta, havia um barulho alto, como se muitas coisas estivessem se esfregando umas nas outras. Quando Gao Peng virou a cabeça para o lado para ouvir o som, os sons de fricção desapareceram.

A abertura no centro da porta se alargou lentamente. Através do vão da porta, Gao Peng viu muitos pontos vermelhos de dentro da escuridão.

Um sentimento sinistro aumentou no coração de Gao Peng.

Ele apontou a lanterna para a abertura. Pura escuridão. Parecia que as larvas dasbaratas estavam se arrastando pelo chão e pelas paredes do esgoto, e até mesmo no teto, empurrando uma contra a outra.

A porta se abriu, mas nenhum dos monstros correu em direção a ela. Era como se a aura de Da Zi e companhia aumentassem a vigilância dos insetos.

Um grito curto de repente veio de trás dos monstros.

O grupo de baratas hesitou por um breve momento e depois parou de hesitar. Eles correram para a frente em um enxame feroz.

“Flamy”, disse Gao Peng, depois ele, Da Zi, e os outros recuaram dois passos para trás.

Flamy deu um passo à frente e respirou fundo. Seu peito inchava como se estivesse se preparando para rugir. No momento seguinte, seu bico se abriu rapidamente.

Boom!

Uma chama feroz saiu de sua boca como um lança-chamas disparando incontrolavelmente.

O esgoto não era muito espaçoso. Além disso, era um caminho reto, então as baratas na frente deles não tinham como evitar as chamas.

As chamas cobriam o grupo de baratas. Normalmente, essas baratas gigantescas viviam em um ambiente subterrâneo, que tinha duas coisas em abundância: água suja e óleo subterrâneo. Essas baratas adoravam restos de comida, então naturalmente tinham muito óleo preso em seus corpos.

Normalmente, o óleo ajudava a defendê-los contra os ataques de outros monstros, mas agora se tornara a coisa que os destruíra.

As chamas instantaneamente engoliram todo o esgoto subterrâneo.

As baratas gigantescas gritavam de dor e voavam por todo o lado. Elas só queriam correr por suas vidas.


Capítulo Anterior || Índice || Próximo Capítulo

Capítulo Anterior
Próximo Capítulo