MPE – Capítulo 196

Capítulo Anterior
Próximo Capítulo

Capítulo Anterior || Índice || Próximo Capítulo


Capítulo 196: Poder Gui

Tradutor:  Asu | Editor:  Asu

Depois de deixar a tenda de Gao Peng, Da Zi viu Flamy em pé em um galho de árvore em uma perna. O grou estava puxando insetos de um buraco na árvore com o bico.

Algo que vale a pena mencionar aqui foi o fato de que, apesar de terem sofrido mutações, alguns monstros não viram mudanças drásticas de tamanho.

Insetos em particular não tinham mudado muito em termos de tamanho.

Flamy estava forçando os olhos para o buraco da árvore enquanto procurava comida. De repente, a centopéia abaixo soltou uma risada amarga. “Ainda comendo, hein, gordo?”

Flamy olhou para Da Zi, surpreso.

Sentindo-se um pouco atacado, Flamy olhou para baixo, apenas para ver a parte de trás de uma centopéia rastejando para longe.

Quando a noite chegou, uma Diplópode de Dorso de Prata emergiu das árvores à distância. Ele estava carregando feixes de raízes e mudas em suas costas. Viu que seu antro estava sendo ocupado por outra pessoa.

Em pânico, sacudiu a carga de suas costas e correu apressadamente em direção ao seu covil. Um lugar tão úmido e escuro não tinha sido fácil de encontrar. Ele não tinha intenção de sair.

A maioria dos monstros se tornaria extremamente territorial quando descobrissem que seus territórios haviam sido invadidos por um intruso.

Naquele momento, o Pato Adamantino, que estava olhando inexpressivamente para nada perto de uma árvore oca, de repente sentiu uma dor aguda em sua parte traseira.

Seu efeito passivo foi imediatamente acionado. Com um lampejo de luz roxa, seu corpo se expandiu.

Virando-se, viu um Diplópode de Dorso de Prata de três metros de comprimento mordendo sua traseira. O Diplópode tirou algumas das penas da cauda do pato. Algumas penas amarelas estavam agora saindo da boca do Diplópode.

“Quack?” perguntou o Pato Adamantino de maneira estranha. Por que essa coisa me mordeu?

O Diplópode ignorou e afundou suas presas mais fundo nas nádegas do pato. Houve outro lampejo de luz púrpura e o corpo do Pato Adamantino se expandiu ainda mais.

Olhando para a Diplópode em confusão, o pato a chutou para longe.

Embora seu corpo tivesse se expandido duas vezes, o Pato Adamantino ainda era menor que o Diplópode. Seu tamanho normal era de cerca de 1 metro e meio de altura. Agora, tinha crescido a dois metros de altura.

O diplópode abriu a boca e lançou um vapor vermelho. O Pato Adamantino gritou de dor quando o vapor vermelho entrou em contato com os seus olhos. Agora as lágrimas rolavam de seus olhos.

O diplópode sorriu triunfantemente. O pato não tinha ideia de quantos inimigos do diplópode tinham sido vítimas desse ataque.

Qualquer um afetado por seu ataque de vapor acre ficaria cego. Todos os inimigos que o diplópode encontrou eram suscetíveis a esse ataque.

O Poder Gui do Pato Adamantino permitiu que ele inflasse seu próprio corpo enquanto estava sendo atacado. Sua própria força, defesa, velocidade e outros atributos também aumentariam drasticamente.

Seu efeito passivo só seria ativado se o vapor vermelho do diplópode fosse um ataque único.

No entanto, o vapor estava infligindo dor contínua no Pato Adamantino. A cada dois segundos, sentiria uma intensa dor em seus olhos, onde o vapor vermelho ainda permanecia.

Então, algo terrível aconteceu.

O Pato Adamantino em frente ao diplópode começou a expandir seu corpo a cada respiração.

O diplópode levantou a cabeça e viu que não podia nem ver além do peito.

Quando piscou, a única coisa que podia ver eram as pernas do pato.

Os flashes de luz roxa não pararam. O pato crescera a 6 metros de altura e seu crescimento não mostrava nenhum sinal de parada.

“Quack!” O grasnado do pato ressoou alto na floresta.

Um pato amarelo de 7 metros de altura agora estava no meio da floresta. À medida que crescia, o vapor vermelho que inicialmente afetara seus olhos começou a perder efeito.

O Pato Adamantino finalmente parou de crescer.

Assustado com a comoção do lado de fora, Gao Peng saiu de sua tenda e viu um pato de 7 metros de altura sobre um diplópode trêmulo.

Gao Peng finalmente entendeu por que esse pato de mente simples podia viver por tanto tempo sozinho.

Inicialmente, ele havia assumido que o Poder Gui do pato só permitiria expandir seu tamanho corporal até certo ponto, e que esse efeito não poderia ser empilhado.

Ele agora percebeu o quão errado ele estava.

O Poder Gui foi a primeira habilidade passiva que Gao Peng já havia visto com apenas um efeito. Ele achava que era uma habilidade inútil, quando na verdade, era uma habilidade que superava todas as outras.

Verdadeiramente, a fortuna favorecia os estúpidos.

Não importa o quão estúpido e bem-humorado o Adamantino pudesse parecer, ainda tinha um temperamento.

Depois de ser atormentado pelo vapor vermelho por tanto tempo, o Pato Adamantino estava agora extremamente zangado. Ele levantou uma perna e bateu com o pé no chão.

O diplópode tentou correr, mas uma sombra caiu sobre ele, e o pé do pato logo caiu sobre ele.

Squish!

Foi esmagado no chão.

O pato levantou o pé para revelar uma profunda impressão no chão. Nela, o corpo do diplópode contorcia-se, lutando para escapar. No entanto, o pé do pato caiu sobre ele mais uma vez!

Finalmente, o Pato Adamantino engoliu o diplópode vivo.

Meia hora depois, o corpo do pato começou a encolher até voltar ao seu tamanho normal.

Da Zi engoliu em seco e se virou quando viu o pato caminhando em direção a ele.

Gao Peng ficou impressionado com isso, pensando que talvez ele pudesse assinar um Contrato de Sangue com o pato. Ele então o chamou.

O Pato Adamantino foi em direção a Gao Peng, com a cabeça subindo e descendo.

Gao Peng levou-o para sua tenda e pegou seu equipamento de processamento de sangue. Colocando a mão direita na cabeça do pato, Gao Peng sentiu uma consciência borrada penetrando em seu corpo.

Gao Peng estava agora se comunicando com o Pato Adamantino em sua paisagem mental.

A consciência do pato era débil como a de uma criança. Ficaria curioso com Gao Peng por um momento antes de sair correndo para olhar para outra coisa no canto.

A paisagem mental de um ser vivo era onde suas emoções reinavam supremamente, onde seus pensamentos eram mais ativos.

Todas as suas emoções foram reveladas lá.

O espectro emocional do Pato Adamantino pode ser descrito como uma embalagem de doces colorida. Sentimentos felizes estavam em plena floração em sua paisagem mental.

Aqui, de repente, uma árvore poderia brotar um par de asas e voar, enquanto a grama sob os pés do pato poderia começar a conversar alegremente com ele a qualquer momento.

De repente, Gao Peng notou que o mundo do Pato Adamantino estava gradualmente se tornando mais escuro, até que finalmente todas as cores ao redor dele ficaram cinza.

Ele então ouviu dois Patos Adamantinos sussurrarem suavemente um ao outro em outro lugar.

Por alguma razão, Gao Peng podia entender o que eles estavam falando.


Capítulo Anterior || Índice || Próximo Capítulo

Capítulo Anterior
Próximo Capítulo