MPE – Capítulo 81

Capítulo Anterior || Índice || Próximo Capítulo


Capítulo 81: O Que Ele…. Está Procurando?

Tradutor: Asu | Editor: Asu

Na vez anterior, ele viu Cobras da Árvore Verde também em uma floresta de Árvore-Garrafa. Talvez esse tipo de cobra tivesse alguma preferência por Árvores-Garrafa.

Havia pelo menos uma dúzia de Cobras da Árvore Verde que estavam ativas nesse pedaço de floresta.

Normalmente, durante o dia, as Cobras da Árvore Verde se penduravam em galhos de árvore, fingindo ser musgo verde. Elas ficavam paradas e esperavam que a presa se aproximasse. Suas presas incluíam pequenos insetos e criaturas parecidas com pássaros.

Dumby caminhava pela floresta de Árvores-Garrafa como se nada pudesse ficar em seu caminho. Nos olhos de Dumby, não havia animais de sangue frio. A menos que a criatura possuísse alguma habilidade especial para mascarar sua presença, pois com suas chamas da alma, cada criatura poderia ser vista tão facilmente quanto uma tocha brilhante durante a noite.

Uma por uma, as Cobras da Árvore Verde estavam sendo violentamente arrancadas de suas árvores por Dumby. Dumby então viraria as cabeças e removeria cuidadosamente os cristais de núcleo verde-acinzentado de suas cabeças.

Os cristais eram do tamanho de uma soja, mas comparado ao tamanho grande de Dumby, seria como pegar uma semente de gergelim.

Dumby cuidadosamente removeu o cristal de núcleo do monstro e limpou-o em seu manto negro antes de entregá-lo a Gao Peng.

Gao Peng parou e olhou para Dumby.

Dumby abriu a boca como se estivesse tentando dizer alguma coisa. Não podia, é claro, e apenas o som de seus dentes batendo podia ser ouvido.

Ele se esforçou para passar para seu mestre o núcleo de cristal, usando a outra mão para apontar para ele.

Vendo seu mestre aceitar o cristal de núcleo do monstro, Dumby inclinou a cabeça e sorriu estupidamente.

“Garoto bobo”, disse Gao Peng ao colocar os cristais de núcleo da Cobra da Árvore Verde em uma bolsa de couro. Ele queria dizer alguma coisa, mas de alguma forma não conseguiu encontrar as palavras para fazê-lo. No final, ele se virou como se nada tivesse acontecido e instruiu: “Dumby, quebre essas Árvores-Garrafa no meio”.

Dumby assentiu vigorosamente.

As outras Cobras da Árvore Verde na floresta tinham visto o que acontecia com o resto de sua espécie e sabiam como evitar o perigo. Elas se viraram para se esconder nos buracos de árvores.

Elas se moviam lentamente, como se tivessem medo de enfurecer o deus feroz que estava causando estragos na floresta.

Eles pensaram que estavam a salvo nos buracos das árvores, mas de repente sons barulhentos podiam ser ouvidos no tronco da árvore.

Sem ter a chance de reagir a tempo, algumas cobras sentiram o mundo girar. Com um estrondo, uma grande árvore foi repentinamente atirada no chão, derrubando as cobras. As cobras então deslizaram rapidamente das cavidades das árvores para o monte de folhas, desaparecendo de vista.

Gao Peng seguiu a trilha de troncos de árvores quebrados e procurou por Corações Espaciais de Madeira. Os Corações Espaciais de Madeira cresceram na área mais espessa dos troncos das Árvores-Garrafa, que era a barriga da garrafa de cerveja. Tudo o que ele tinha que fazer era pedir para o Dumby quebrar a árvore naquele local.

As “barrigas de cerveja” quebradas eram ocas, com um espaço vazio no interior.

Nem toda árvore teria um Coração Espacial da Madeira; apenas cerca de uma em cinco teria isso.

Debaixo de cada grande árvore, Dumby parecia um boxeador medonho enquanto esmurrava loucamente cada árvore com os dois punhos. Cada punho era capaz de enviar grandes pedaços de madeira voando.

Com os punhos bem apertados, cada soco enviado cortava o ar. Os ossos dos nós dos dedos que sobressaiam levemente rasgariam o tronco da árvore em pedaços.

Com pedaços de casca voando, a Árvore Garrafa tremeu violentamente.

Em apenas alguns socos, a Árvore Garrafa estava à beira do colapso.

Os densos sons de socos reverberaram na selva densa e viajaram por uma longa distância.

A cerca de um quilômetro de distância, três caçadores caminhavam pela selva. Estavam bem protegidos por seus equipamentos, que cobriam seus corpos inteiros, e carregavam grandes bolsas salientes, prova de uma caça frutífera. Seguindo ao seus lados havia alguns Familiares. Nesse momento, um monte de sons de guincho veio de repente de um dos ombros do caçador.

No ombro, um camundongo com orelhas extraordinariamente grandes levantara-se sobre as patas traseiras, virara-se de um lado para o outro e guinchando sem parar para uma determinada direção.

“Hm? Capitão, Tutu notou alguma coisa”, perguntou um dos membros. Ele era um jovem com uma cicatriz no rosto.

“Eu sei, Tutu deve ter feito uma nova descoberta”, disse o membro mais antigo da equipe. Ele gentilmente beliscou as orelhas do camundongo em seu ombro e entregou dois amendoins como recompensa.

Os olhos do camundongo se apertaram enquanto ele mastigava alegremente seus amendoins.

“Tutu diz que há um som alto vindo de lá”, disse o capitão enquanto lambia os lábios. “Vamos checar então.”.

“Sim, capitão.”

Os membros da equipe concordaram por unanimidade. Não houve objeções.

Esta não foi a primeira vez que eles encontraram algo assim.

A última vez, foi uma luta entre dois monstros comandantes. Como diz o ditado, quando dois cães lutam por um osso, o terceiro foge com ele.

Eles conseguiram deixar um monstro Tier Comandante escapar, mas eles ainda fugiram com a carcaça do outro Tier Comandante. Eles conseguiram um bom dinheiro vendendo aquela carcaça.

O jovem com cicatriz no rosto lambeu os lábios. Seu Familiar já estava no nível 20. A única coisa que impedia que ele ascendesse ao Tier Comandante era a sua Classificação. Ele havia se aproximado de muitos Criadores de Monstros antes, mas, infelizmente, elevar o nível de um monstro não era tarefa fácil. Às vezes, tudo se resumia ao RNG[1].

Ele fizera muitas tentativas, mas a Classificação de seu Familiar continuava a mesma no final.

Às vezes, ele se sentia desamparado. Talvez a sorte nunca parecesse sorrir para ele.

Ele sempre teve um pouco de azar desde que era jovem.

O bom foi que ele já estava acostumado com isso.

Eles correram e estavam quase lá, quando perceberam que havia algo errado com o som que ouviam.

Não parecia ser o som de monstros lutando. O som era baixo e bastante monótono também. Havia até um ritmo para isso.

O que é esse som…

O grupo olhou um para o outro, com expressões perplexas em seus rostos.

Na equipe, o último membro era um jovem bastante alto, moreno e magro. Ele franziu a testa e disse hesitante: “Por que parece o som da prática de boxe, como eu costumava fazer no passado?”

“Prática de boxe? Yao Huan, você ficou idiota de tanto praticar boxe? Como poderia haver alguém praticando boxe no meio da selva?” O jovem com a cicatriz riu do homem.

Praticando boxe nesta selva cheia de monstros? Algo em seu cérebro deve estar quebrado.

Crash!

Não muito longe deles, uma grande árvore quebrou e desabou. Numerosos galhos se romperam quando a árvore caiu, provocando uma série de sons estridentes.

“Mova-se, vamos dar uma olhada. Silenciosamente”, disse o capitão a sério.

Depois de se aproximar, eles viram uma criatura humanoide gigante em um manto negro perfurando loucamente uma árvore. A árvore em frente a ele estava balançando e prestes a cair a qualquer momento.

Ka-cha

A grande árvore fez um som de ceder, e depois caiu com um estrondo alto.

Os poucos deles ficaram estupefatos.

Para eles, todas as árvores da selva eram as mesmas. Eles só tinham um nome – árvore.

Quanto ao nome real da árvore ou suas características…

Eles não deram a mínima.

O capitão focou seus olhos em algo.

Dentro da confusão de árvores quebradas, havia uma figura agachada abrindo caminho pelas florestas como se procurasse alguma coisa dentro dos troncos das árvores.

O que ele poderia estar procurando nos troncos das árvores quebradas? O capitão apertou os olhos. Os seus sentidos de caçador o fizeram perceber que algo era incomum.

“Capitão, vamos embora.” Yao Huan sacudiu a cabeça. Ele pensou que era um monstro no começo, mas acabou por ser outra pessoa. O monstro de manto negro foi claramente treinado por alguém.

O capitão levantou a mão direita para sinalizar para o resto ficar quieto.

O que é essa pessoa… está procurando?

De repente, ele se sentiu muito curioso.


Capítulo Anterior || Índice || Próximo Capítulo


Nota:

[1] RNG significa Random number generation(Geração de Número Aleatório), basicamente significa sorte.

Rolar para o topo