Capítulo 11 – Deixe Isso Comigo

Capítulo Anterior || Índice || Próximo Capítulo

 

Não sou incrível?

Claro que sim. Eu sou tão malvado. Eu sou o homem, maior do que Jesus. Espere, quem é Jesus? Hum, o Deus Negro? Skulheill? Seja como for, não importa. Ainda estou na merda.

Porque ainda não estou morto.

Ranta soprou um suspiro pesado. Mesmo para o gênio do Lord Ranta, no entanto, isso poderia ter sido um pouco demais para mastigar. Talvez ele estivesse mesmo … terminado? Tudo … parecia assim. Algo assim. Como se fosse o fim. Talvez.

Não é como se o pensamento falhasse em cruzar sua mente.

Ele começou a amaldiçoar a si mesmo. Na verdade, não. Ok, talvez ele tenha amaldiçoado. Só um pouco.

Mas o mais importante era que ele ainda estava vivo. Isto era um milagre. Ranta foi capaz de fazer o que ninguém mais poderia. Nada está errado em se gabar disso. Ele sentiu vontade de cumprimentar o inferno. Todo ser inteligente no mundo deve cumprimentar o merda do Lorde Ranta.

“… Não é assim, Zodiak?” Ranta perguntou, virando-se para o demônio púrpura-escuro flutuando pelo seu rosto.

Os demônios eram servos do Deus Escuro Skulheill, convocados pela magia de um Cavaleiro do Pavor, [Convite Sombrio]. A aparência de um demônio mudou dependendo do número de Vícios que um Cavaleiro do Pavor acumulou, e o demônio de Ranta se assemelhava a um torso humano sem cabeça, com dois buracos na área do tórax para os olhos, abaixo do qual havia uma grande fenda para a boca.

{Não, não, não, não, não, de modo algum , não, não …} O demônio sibilou..

A boca de Zodiak ondulou quando ele falou e sua voz soava como se várias crianças sussurrassem como se fossem uma. Até que Ranta se acostumara com isso, tinha sido bastante perturbador – e mesmo agora que algum tempo havia passado, ainda era suficiente para dar-lhe arrepios.

“Bem. Ainda é melhor ter você aqui do que estar sozinho … “

{Covarde, covarde, covarde… covarde, covarde …covarde, covarde, covarde… criança levada, criança levada… criança levada, criança levada, criança levada, criança levada, criança levada…}

” Oy. Você mudou para “criança levada” no final. ” (NT: em PT-BR isso não faz muito sentido, mas ele trocou Wimp(covarde) por Imp( criança levada) no meio da frase.)

{criança levada, criança levada, criança levada… Eeeehehehehehe … criança levada… hehehe … criança levada, criança levada, criança levada…}

” Pare com isso.” Ranta levantou uma mão para dar um bom golpe ao demônio, mas assim que ele fez, zodiak flutuou para fora do alcance.

{Eeeehehehe … ehehehe … … criança levada, criança levada, criança levada, ehehehe … eeeehehehe …}

“Porra, por quê? Zodiak … “Ranta abraçou os joelhos em seu peito e fingiu chorar. Mas Zodiak não respondeu à isca, então Ranta desistiu e disse, em vez disso, “O que quer que seja. Não posso acreditar que voltei para o quarto andar… “

Sim, Ranta não estava mais no quinto andar do onde só tinha forja; Ele tinha feito o caminho de volta para o quarto andar, o setor agrícola. Como ele conseguiu fazer isso com aquela terrível confusão … mesmo ele não tinha idéia. Ele havia deixado Mogzo subir as escadas e, em seguida, foi correr, correr, correr por sua vida até que ele se deparou com um poço diferente por acaso.

Ele lembrou-se de derrubar uma série de kobolds enquanto escalava a escada de corda, mas alguns kobolds do quinto andar conseguiram acompanhá-lo independentemente. Por sorte, no quarto andar, um portão para uma das cercas de animais foi deixada aberto. Quando Ranta mergulhou nele, o porco-ratos dentro entraram em pânico e fizeram uma corrida louca pela saída, confundindo seus perseguidores.

Não era um plano perfeito, mas Ranta achou que era melhor que nada. Depois disso, ele entrou e saiu dos cercados de porco-ratos e porco-vermes e fez os kobolds perseguirem sua trilha pouco a pouco, até o último estar fora da vista. E agora aqui estava ele. Dentro um cercado de porco-vermes, cercada por porco-vermes.

Somente Ranta, Zodiak, e uma multidão de criaturas.

“Espera … e se …”

Ele cutucou um dos veludos. Nenhuma resposta. Então ele deu um tapinha com a palma da mão. Nada ainda.

“Legal. Incrível. “

Se fosse esse o caso, então… ele tentou dar um beliscão em sua pele grossa. O porco-verme olhou para Ranta com olhos negros e caídos que estavam meio enterrados em seu corpo e fez um barulho como gufuu gufuu para ele.

“N-não fique louco …”

Gufuu! Gufuu!

“Wow – espere, pare agora! Não … esfregue-se contra o meu rosto! Eca… “

Bufuu … bufufu … gufuu!

Não, não me lamba… nojento… E o que diabos tem com sua língua? Parece estar raspando um lixa … “

Fuu… gufuu… fuufuu… fuu… fuu…

O porco-verme começou a se acostumar com ele. Ranta tentou empurrá-lo, mas não conseguiu. Era muito forte. Ele não conseguiu se afastar. De repente, o porco-verme enrolou-se ao redor dele, e quando Ranta se torceu e virou-se para jogá-lo, ficou ainda mais apertado. Mas quando ele tentou ficar quieto, o porco-verme se acalmou com ele.

“Sério…? Esta coisa está ficando confortável em mim … o que diabos … “

{Criança levada, criança levada, ehehehe …criança levada, criança levada… eeeehehehe … criança levada!}

“Pare de zombar de mim, Zodiak!”

{Morra! Morra agora, morra agora! Seja levado por Lorde Skulheill! Levado, levado, levado!}

“Não diga coisas terríveis como essa …”

{Covarde … covarde, covarde, covarde … eeehehehehe …criança levada, criança levada, criança levada, criança levada!}

“Ainda criança levada no final, hein …”

Ele não estava sozinho. Zodiak estava com ele e o porco-verme que tinha gostado dele … Mas ele era muito solitário. Sozinho e sem ajuda vindo.

“Essa coisa fede … nojento …”

Não adiantava nada tentar negar isso, então ele poderia dizer isso: o porco-verme cheirava a merda e mijo em camadas. Estar dentro do cercado do porco-verme era pior do que além de nojento, mas se ele fosse embora, ele arriscava ser pego por um dos anciãos em patrulha. Se fosse uma luta única contra um ancião, Ranta tinha certeza de que poderia fazê-lo. Ele poderia ganhar. Ele era poderoso o suficiente

Mas ele estava cansado também. Ele não queria perder sua força. Se ele fosse com tudo, ele poderia facilmente derrubar um, talvez dois anciãos, mas ele sentiu vontade de fazer uma pausa agora. Até mesmo um destemido, intrépido Cavaleiro do Pavor precisava de uma pausa de vez em quando.

O plano era descansar, recuperar a sua força e, em seguida, se manter em movimento.
“Tenho que sair daqui sozinho …”

Mogzo. Yume. Shihoru. Mary … Haruhiro. O rosto de todo mundo de repente apareceu em sua mente. Não … eles não estavam chegando. Ou melhor, ele não conseguiu acreditar que eles voltariam para ele.

Ranta deu uma risada curta e sem humor. “… Porque eu já sei. Vocês me odeiam. Eu sabia o tempo todo “.

Mas por que? Por que todos me odeiam? Ninguém poderia recordar seus passados, então ele não entendeu o motivo. Talvez fosse porque ele simplesmente não podia beijar o traseiro e fingir que gosta disso. Isso o deixou doente para pensar em ser bom com as pessoas ou para ser considerado com elas. E dizer algo que ele não achou que fosse verdade … ele não faria isso mesmo se alguém ameaçasse puxar os dentes para fora.

E mesmo que ele pensasse que algo era verdade, ainda havia muitas vezes que ele deixou seus pensamentos não ditos. Ele supôs que seu comportamento irritaria algumas pessoas. Jamais desconhecia isso; de vez em quando, o pensamento cruzou sua mente. Não há como não teria.

Mas, embora soubesse, ele não conseguia parar. E por que ele teve que tentar parar? Ele estava apenas sendo ele mesmo, afinal. Chegar tão longe como ser um Sr. Nice Guy, apenas para enganar as pessoas a gostarem dele, estava fora de questão. Ele não queria que as pessoas gostassem dele por causa de uma personalidade falsa.

E ele estava bem com não gostar. Se as pessoas quisessem odiá-lo, então, bem. Os aborrecedores iriam odiar. Aqueles que o entendiam o aceitariam, ou Ranta pensou. E tinha que haver algumas pessoas lá que entendiam … o seu o quÊ? Seu valor? Algo parecido.

Pessoas que o aceitariam e dariam crédito onde o crédito era devido, elas tinham que estar lá também. Então estava bem. Aqueles que não o entenderam podem continuar a não entender. Mas mesmo assim, não eram todos companheiros? Ranta também faz parte da equipe.

À sua maneira, ele estava contribuindo para a equipe todo esse tempo, e ele pretendia continuar. Ele acreditava que, mais cedo ou mais tarde, os outros entenderiam isso. Eles entenderiam o valor do Lorde Ranta. E uma vez que reconheceram sua importância, suas atitudes em relação a ele mudariam.

Ranta percebeu que ainda não tinham chegado a esse ponto. Não havia tempo suficiente. Então ele foi e fez essa… coisa de “Você continua na frente, deixe isso para mim”

“Mas isso é …”

Sim. Qualquer um teria feito isso, se a chance surgisse. Era o curso natural da ação, para um homem. Não havia escolha senão fazê-lo. Um homem que não o fez não poderia ser considerado um homem. Mesmo que fossem uma menina, eles poderiam ter feito isso. Se Ranta fosse uma menina, ele sabia que ele provavelmente ainda faria isso.

Ele só queria que … a chance tivesse chegado um pouco mais tarde. Depois que seus companheiros perceberam o quão incrível ele era. Teria sido tão ruim, se a chance de fazer isso veio apenas depois de terem percebido de forma total e inquestionável o quão indispensável ele era para a equipe. Haruhiro, aquele iiidiota, estaria chorando os olhos. Mogzo teria gritado. E as meninas, cada uma delas teria se apaixonado por ele.

Não podemos deixar nosso precioso Senhor Ranta! eles diriam. Todos, temos que salvá-lo! eles diriam. É assim que as coisas teriam sido seguras.

Mas era muito cedo. O tempo chegou muito cedo.

“Isso significa que eu estou muito à frente do tempo …?”

Ou eu estou errado? Ranta pensou para si mesmo, dando um profundo suspiro. Mas não, ele não podia contar com que todos chegassem. Ninguém viria salvá-lo. Ele tinha que encontrar uma saída para fora por conta própria.

{Morra ! Keehehehehe! Morra criança levada! Morra, morra, morra ! Keehehehehe … criança levada, criança levada, criança levada!}

A má atitude do demônio cortou Ranta diretamente o de coração. Seu mestre da aliança dos Cavaleiros do Pavor disse uma vez, “Um demônio é um reflexo de seu invocador. Assemelha-se ao Cavaleiro do Pavor que o chamar. “

Você deveria estar brincando, era o que Ranta queria gritar, mas seu mestre, Cidney Agguro, era um maldito aterrorizante. Seu mestre não estava aqui agora, mas Ranta tinha certeza de que, se ele duvidasse das palavras de seu mestre, ele ainda seria morto no local. Isto mostra o quão assustador este homem era.

“O que significa que eu ainda tenho o suficiente de mim para enfurece-lo agora”, ele murmurou Ranta quando um sorriso enfeitou seu rosto.

Eu posso fazer isso, eu vou ficar bem, Ranta disse a si mesmo. Você verá, Haruhiro. Eu vou sair daqui sozinho. Então, depois de terminar de ser surpreendido, você pode cair de joelhos antes de mim…

 

Capítulo Anterior || Índice || Próximo Capítulo