Selecione o tipo de erro abaixo

Enquanto o Encantador Espiritual, o oficial e os recrutas reunidos olhavam incrédulos, Jake se concentrou em suas próprias sensações. Uma carranca rapidamente franziu sua testa.

‘Muito diluída para me afetar’, concluiu ele internamente depois de deixar a mão entrar na garrafa por quase meio minuto.

Não é que a água fosse inútil. Mesmo diluída, a Água Lumyst do Espírito não era motivo de riso. A energia espiritual naquele pequeno balde provavelmente poderia elevar o Corpo Espiritual de um humano recém-condensado até o nível 10. Em Quanoth, isso seria equivalente a subir de nível uma dúzia de vezes — algo inédito sem derrotar um inimigo de nível significativamente mais alto.

Mas o verdadeiro encanto da água estava em outro lugar. Jake sentiu — quase imperceptivelmente — que a estrutura espiritual de sua mente estava passando por uma reestruturação interna, oscilando à beira da evolução.

Ou melhor, era como se a água tentasse despertar algo que já estava dentro dele, mas devido ao seu estado diluído, faltava o poder catalítico para tal. Ainda assim, ele sentiu repetidas tentativas de começar essa evolução interna e desencadear uma reestruturação abrangente, mas todas as vezes falharam.

‘Interessante.’

Era difícil articular. Se ele tivesse que escolher uma palavra, seria “maturação”? Era mais uma questão de qualidade do que de quantidade, embora a água também estivesse repleta de poder espiritual.

Ele estava formulando hipóteses, mas Jake sentiu que estava chegando perto da verdade. A classe de Encantador Espiritual fazia sentido agora. Adequadamente utilizada, esta água poderia realizar maravilhosos encantamentos espirituais.

“No entanto…” A expressão de Jake escureceu enquanto ele continuava seu exame minucioso.

Cada vez que a água não conseguia abrir as comportas da evolução, ele notava que seu Corpo Espiritual sofria danos. Intuitivamente, ele sentiu que mesmo que a potência desta Água Espiritual Lumyst fosse suficiente, ela não oferecia garantias de que sua misteriosa intenção teria sucesso.

Com suas habilidades cognitivas aprimoradas, Jake podia sentir uma lei etérica subjacente em Twyluxia afetando diretamente a probabilidade de sucesso. Limitado por seu alcance mental, ele estimou em… 50%.

“Ugh… Coincidência? Esse número parece arbitrariamente preciso.”

Independentemente disso, quaisquer que fossem as consequências do fracasso, ele sabia que isso não o mataria. Ele não poderia dizer o mesmo dos outros recrutas.

Além desse perigo iminente, Jake também corroborou o aviso do xamã de que a água drenava sua força vital. Não sendo mais um novato no Elemento da Vida, ele sentiu que esse enfraquecimento se estendia muito além da mera vitalidade.

Como todos os elementos conceituais, o Elemento da Vida existia apenas para quem o praticava. Normalmente, a expectativa de vida tinha menos a ver com a força vital do que com o encurtamento dos telômeros, mutações aleatórias no DNA, desaceleração mitocondrial, diferenciação irreversível de células-tronco e outros fatores bioquimicamente observáveis.

Somente aqueles habilidosos no Elemento da Vida ou dotados de uma constituição única poderiam transmutar todos esses parâmetros biológicos e vincular sua vida à sua força vital, tornando-os imortais, desde que esta não se esgotasse. Claramente, esses Bárbaros do Sub-Mundo não eram inerentemente dotados de tal força vital.

Para drenar a força vital e a expectativa de vida sem danificar diretamente o organismo, essa água tinha um feitiço intrínseco próprio.

‘Energia da Morte’, Jake supôs calmamente, antes de reconsiderar. ‘Não, é um feitiço de conversão. Da Energia Vital para algum tipo de poder espiritual.’

Nesse sentido, ele aguçou seu foco mental, resistindo à aura espectral que tentava drenar e converter sua força vital em energia espiritual. Após essa observação, também entendeu por que seria imprudente ingerir a água.

A menos que seja totalmente drenada, suas propriedades especiais continuariam a minar sua força vital para reabastecer a energia espiritual perdida. Embora teoricamente pudesse fornecer-lhe uma fonte ilimitada de Energia Espiritual, sua saúde pagaria o preço.

Mesmo assim… Jake não se intimidava com uma simples jarra de água e sabia como executar um Feitiço de Conversão. Era uma pena que seu escopo mental fosse tão limitado, ou ele teria virado o jogo com esta garrafa.

Suspirando, ele relutantemente soltou os dedos, ciente de que tudo o que esse ritual deveria realizar havia falhado.

“Não funcionou”, afirmou Jake com naturalidade ao xamã, num tom como se lamentasse a compra de uma TV com defeito.

“Eu posso ver isso, mas essas coisas acontecem”, o Encantador Espiritual o consolou com um sorriso tenso. O oficial supervisor exibia uma expressão igualmente perplexa.

Isso nunca aconteceu! Ou o novato pereceria, sem vitalidade, ou sua alma não suportaria a purificação da Água Lumyst do Espírito, deixando-o mais tolo do que antes, ou na pior das hipóteses, um vegetal.

Ver alguém sair ileso, com a expressão descontente de um cliente enganado, foi sem dúvida a primeira vez nos registros de Twyluxia.

Como Jake era claramente um desses estrangeiros enigmáticos, o xamã hesitou em como lidar com essa situação inesperada. A lógica ditava não lhe dar uma segunda chance, mas o lindo garoto desapontado era obviamente especial.

Algo lhe dizia que Jake não iria embora sem o batismo. Se quisesse sobreviver ao dia, precisaria satisfazer esse cliente difícil. Procurando o olhar do comandante, ele encontrou um discreto aceno de cabeça em sua direção.

Com esse aval, confirmando que o guerreiro também estava no jogo, um peso foi retirado dos ombros do Encantador Espiritual, restaurando sua tranquilidade inicial. Sorrindo para Jake, ele disse:

“Parece que você precisará de mais Água Lumyst para ganhar sua bênção. Enquanto me preparo para sua segunda tentativa de batismo, você pode ficar de lado e observar como isso se desenrola com os outros.”

“Tudo bem,” Jake aceitou sem hesitação, também curioso para ver como o ritual normalmente acontecia.

O tempo foi impecável. Seu fracasso inconsequente reacendeu a confiança dos outros recrutas. Muitos estavam até se culpando por terem acreditado nos rumores ameaçadores sobre o batismo na Água Lumyst.

Sem que o xamã precisasse levantar a voz ou indicar alguém, um bárbaro imponente com uma barba nodosa e rebelde logo se separou da multidão, avançando com o queixo erguido.

“Estou pronto para o meu batismo”, proclamou arrogantemente o meio gigante em frangalhos, flexionando bíceps tão largos quanto a cabeça de Jake.

O Encantador Espiritual encontrava esses brutos grosseiros diariamente e era muito menos otimista em relação às probabilidades deste do que em relação ao candidato anterior. Ainda assim, ele não disse nada, mantendo uma fachada inescrutável diante da bravata equivocada do bárbaro.

Como fizera com Jake antes, ele estendeu uma jarra cheia de água limpa e disse suavemente: “Quando estiver pronto”.

O impaciente bárbaro não precisou ouvir duas vezes. Ele mergulhou a mão esquerda no recipiente, rapidamente seguido por um angustiante “AAAAAAARRRRRGGGGGGGHHH!”

O grito agonizante perfurou os tímpanos de todos, mas o Encantador Espiritual selou magicamente os seus ouvidos no momento em que o bárbaro saiu da multidão. Ele fez o mesmo com Jake, mas acabou sendo uma precaução desnecessária.

Jake, casualmente parado ao lado do xamã, enrijeceu de repente, seus olhos se arregalaram como se tentasse escapar de suas órbitas enquanto seu cérebro processava a cena que se desenrolava.

‘Droga, se você é tão fraco, por que tanta arrogância? Com pressa de morrer?’ ele pensou, exasperado e sem palavras.

Diante dele, o bárbaro corpulento de quase dois metros e meio se contorcia de dor, como se sua mão estivesse envolta em chamas. Seu físico robusto estava murchando diante de seus olhos, uma terapia intensiva que superava em muito qualquer regime milagroso de perda de peso.

Em poucos segundos, o outrora vigoroso bárbaro, com pouco mais de vinte anos, envelheceu para se assemelhar ao seu eu de meia-idade. Ainda assim, ele se firmou, com os dentes cerrados, recusando-se a ceder.

Jake e os outros recrutas prenderam a respiração durante sua provação, este último orando silenciosamente por sua alma e questionando se eles se sairiam melhor.

No final, o assunto tornou-se discutível. Depois de resistir por onze ou doze segundos infernais, os olhos cinzentos do bárbaro reviraram-se para dentro de seu crânio e ele desabou como uma marionete com os fios cortados.

Uma rápida análise com sua Visão Cósmica disse a Jake tudo o que ele precisava saber: esse bárbaro estava além de qualquer salvação. Seu corpo enrugado ainda respirava, mas sua alma havia desmoronado.

Clinicamente, ele estava em coma vegetativo — um coma do qual provavelmente nunca acordaria.

Picture of Olá, eu sou o Vento_Leste!

Olá, eu sou o Vento_Leste!

Comentem e Avaliem o Capítulo! Se quiser me apoiar de alguma forma, entre em nosso Discord para conversarmos!

Clique aqui para entrar em nosso Discord ➥