Capítulo 128: Duas camadas

O Toque Mecânico

Não carregou? Ative seu JavaScript
Atualizar

Aviso Breve: Essa semana haverá um combo de 100 capítulos patrocinados pelo Koto Tenske, então a todos que leem, agradeçam ao Sir. Koto.

Ass: Kayle Kylian Kaido

(Obs: Em todos os capítulos do combo essa mesma mensagem estará para ser visualizada, portanto basta pular caso já tenha lido.)

#34#

 

Calsie ligou de volta dois dias depois. Ela contou com a ajuda dos Pioneiros para pressionar a Câmara Municipal. Ves interrompeu a explicação dela e só queria saber se ela tinha autorização.

 

“Bem, a resposta curta é sim.” Ela disse. “Deveria ter entrado em vigor imediatamente agora.”

 

Para verificar suas palavras, Ves saiu. Os robôs e trabalhadores da construção da SSSA haviam retomado seu trabalho e estavam começando o longo e difícil processo de instalação e entrincheiramento das torres pesadas.

 

“O trabalho foi retomado. Parece que não há mais barreiras no meu caminho.”

 

Seu conselheiro o advertiu para não baixar a guarda. “Haverá inspetores de olho em sua propriedade para garantir que você não ultrapasse as especificações estabelecidas em sua aplicação.”

 

“Tudo bem. Contanto que a Câmara Municipal se afaste, eles podem assistir o quanto quiserem.”

 

Ves apreciou sua eficiência. Mesmo que ela não fizesse muito por conta própria, ela provou ser um contato valioso que poderia alavancar os Pioneiros em seu nome. Certamente, eles poderiam visitá-lo para pedir um favor, mas era assim que o universo funcionava.

 

Seu novo funcionário lhe deu um aviso. “Eu tenho bisbilhotado e há uma tendência de insatisfação em relação à sua decisão de basear sua empresa neste planeta.”

 

“Que tipo de desculpas eles estão lançando?”

 

“Os Pombos Brancos temem que alguém tão proeminente como você atraia ataques de piratas ou inimigos que têm um osso para escolher com você. Os verdes estão insatisfeitos com o aumento do tráfego interestelar e a poluição que eles trazem quando transportam suas mercadorias.”

 

Calsie deixou claro que os políticos locais ainda não tinham acabado com ele.

 

“Eles vão me emboscar com mais alguma coisa nos próximos dois meses?”

 

“Não que eu saiba. A probabilidade ainda existe. Acho que os Pombos e os Verdes estão surpresos com o seu namoro repentino com os Pioneiros.”

 

“Isso é bom. Podem passar para os Pioneers que estou aberto à colaboração. No momento, estou ocupado com um projeto muito importante. Ficarei indisposto por dois meses.”

 

Depois de passar algumas instruções para seu novo conselheiro, ele encerrou a ligação.

 

Ele sorriu e esticou os braços. “Agora que não há mais distrações, é hora de começar a redesenhar o Marco Antônio.”

 

Ele amava Marco Antônio. Como seu primeiro projeto comercial, ele fabricou dois mechas físicos e os vendeu para dois clientes diferentes. Esses mechas ainda estavam em uso hoje, fazendo com que Ves sentisse uma estranha forma de orgulho parental.

 

“Eu trouxe esses mechas à vida com minhas próprias mãos. Eles são meus filhos em certo sentido.”

 

Seus sentimentos o deixaram relutante em mudar o design. Tal ato provou que ele não tinha fé em seu próprio trabalho e que achava necessário corrigir suas deficiências. Essa barreira mental forçou Ves a continuar encontrando desculpas.

 

Mesmo assim, se ele continuasse a procrastinar, qual era o sentido de seguir essa profissão? “Não posso almejar a perfeição o tempo todo. Chega um momento em que tenho que traçar os limites e dizer que é o suficiente.”

 

Ves não tinha o luxo de se entregar a estudos intermináveis ​​e diversões indolentes. Ele tinha que dirigir um negócio. Não importa quantos mechas virtuais ele projetou, o universo real só se preocupou com mechas físicos.

 

“Vamos trabalhar. Primeiro, terei que fazer um cronograma.”

 

Ele abriu seu terminal e dividiu seu projeto de redesenho em vários pedaços.

 

Primeiro, ele planejou passar um dia inteiro desenvolvendo e refinando uma intenção focada.

 

Ele dedicou três semanas inteiras para renovar toda a estrutura interna do mecha.

 

Depois disso, ele alocou duas semanas para renovar e otimizar a armadura do mecha.

 

A semana seguinte consistiu em ajustes e otimização dos componentes independentes restantes, como os motores, reator de potência, cabine do piloto e também as armas.

 

Assim que terminar de examinar todos os componentes, ele planejou submeter seu projeto a uma enxurrada de testes nas próximas duas semanas.

 

“Parece um cronograma decente.” Ves assentiu consigo mesmo enquanto recuava. “Esperançosamente, três semanas são o suficiente para concluir a enorme tarefa de criar uma estrutura interna inteiramente nova.”

 

Ves ganhou recentemente a sub-habilidade Configuração de Via Estrutural II para essa tarefa. Mesmo assim, nunca se especializou em Engenharia Elétrica, e só conseguiu atingir o nível de Aprendiz por meio do Sistema. Ele não queria atrasar mais esse projeto para passar um mês tentando levantá-lo novamente.

 

Ele balançou a cabeça e redirecionou seus pensamentos para estabelecer uma imagem forte para o Marco Antônio Mk II.

 

Em retrospecto, Ves percebeu que construiu uma imagem bastante caótica para Marco Antônio. Depois de desembaraçar a bagunça confusa que ele inicialmente compôs, ele percebeu que combinou três imagens separadas em uma.

 

A primeira imagem consistia no aparecimento de um antigo legionário romano. Ele começou com a forma de cavaleiro padrão do César Augusto e ajustou sua aparência para parecer um soldado romano. A mudança mais significativa foi que ele pegou o escudo de pipa do modelo básico e adicionou volume suficiente para transformá-lo em um escudo de torre robusto.

 

O Legionário Romano contribuiu fortemente para a parte de defesa da imagem. A inspiração invocou uma confiança no escudo, um senso de disciplina marcial e uma coragem que nunca vacilou.

 

A próxima imagem está relacionada aos nomes da variante e seu modelo base. Jason Kozlowski originalmente chamou seu mecha de César Augusto devido à sua proeminência em assumir um papel de liderança inspirador no campo de batalha. Ves manteve o tema adotando o nome do rival derrotado do imperador romano, Marco Antônio.

 

Como imagem, o nome evoca um forte sentido de ousadia e vontade de aproveitar as oportunidades. Isso se encaixava no estilo de um general de cavalaria, cujas formações mudavam o curso da batalha com uma carga oportuna.

 

O último componente tinha a ver com a função pretendida do mecha. Como um mecha avançado e um cavaleiro híbrido, o mecha serviu como um eixo central no campo de batalha. Combinava a postura defensiva de um cavaleiro com as tendências ofensivas de um líder agressivo da linha de frente.

 

Ele deslizou na última imagem sem querer. Ves concluiu provisoriamente que acrescentou este último devido à sua exuberância na criação de seu primeiro projeto de produção. O cavaleiro híbrido atuou como a cola que uniu as duas imagens anteriores em um todo coerente.

 

Com base nas informações que reuniu e nas suposições que fez, Ves chegou a uma conclusão provisória sobre como evocar o Fator-X. Ele não podia provar suas hipóteses, mas percebeu que não faria mal ajustar sua mentalidade.

 

“Há duas camadas nele. A camada primária absorve a essência de minha intenção. Ela destila as imagens mais complexas em seus componentes principais.”

 

Por exemplo, quando ele formou a inspiração de um Legionário Romano, a camada primitiva removeu todos os elementos desnecessários. Ele apenas preservou os significados abrangentes embutidos na imagem, como defesa, disciplina e coragem.

 

A segunda parte que formava o Fator X consistia na camada consciente. Ves apenas inferiu a existência dessa camada quando estudou muitos replays de partidas anteriores. O Unicórnio, Marco Antônio e Sangue Jovem exibiram sinais de que afetaram o julgamento consciente de seus pilotos.

 

“Uma imagem pode realmente ganhar vida desta maneira?”

 

Ves lutou com essa pergunta. Parecia impossível. Como as invenções de sua imaginação desenvolveram uma mente consciente? “O Fator-X não faz sentido em primeiro lugar.”

 

Sem derivar a teoria sobre como o Fator-X operava, Ves não poderia recorrer à compreensão existente da humanidade sobre o universo. Ele teve que tomar cuidado para colorir suas suposições com preconceitos inconscientes. Os pesquisadores que estudaram a tecnologia alienígena aprenderam especificamente a detectar e mitigar seus preconceitos.

 

Apenas seus instintos indicavam que ele estava no caminho certo. Ves imaginou o que significaria se suas suposições dessem certo. “Se houver duas camadas no Fator-X, então pode haver uma terceira ou uma quarta, apenas esperando para ser descoberta.”

 

Todos esses eram pensamentos fantasiosos que Ves não tinha como descobrir agora. Ele deixou o assunto de lado e se concentrou em trabalhar com as duas camadas que identificou até agora.

 

“Há um problema.” Ves percebeu lentamente enquanto formulava um modelo ideal para o Fator-X. “A camada primária funciona melhor com conceitos simples e fortes. A camada consciente, por outro lado, requer uma extensa história de fundo para moldar sua personalidade.”

 

Os dois exigiam abordagens concorrentes. Se Ves gastasse seu tempo focalizando alguns conceitos-chave e deixasse os detalhes vagos, o design carregaria instintos fortes, mas direção fraca. Se ele inverteu suas prioridades, então seus mechas poderiam ajudar conscientemente o piloto, mas com um impulso mais fraco para o desempenho geral.

 

Ambos tinham seus pontos positivos e Ves acreditava que um design poderia ser forte em ambos. Ele apenas tinha que encontrar a abordagem certa.

 

“Este é principalmente um exercício mental, então, contanto que eu tenha a mentalidade certa, posso fortalecer os dois.”

 

Era mais fácil falar do que fazer. Ves acreditava que devia suas boas pontuações anteriores pelo Unicórnio e por Marco Antônio devido à sua paixão. Se Ves parasse de questionar cada decisão, ele poderia ser capaz de ter pensamentos contraditórios. Em suma, a chave para maximizar seu Fator-X era manter uma mentalidade delirante.

 

“Não estou prestes a ficar bêbado ou me injetar estimulantes para chegar a esse estado.” Ele decidiu rapidamente. Esse tipo de atalho pode funcionar para artistas, mas engenheiros como Ves tiveram que permanecer sóbrios para trabalhar com esquemas precisos.

 

Ves teve de se conter para não explodir. Ele poderia experimentar suas teorias bizarras ao projetar seus mechas virtuais. Como pretendia que o Marco Antônio Mk II servisse como um mecanismo de combate ativo, ele tinha a obrigação de entregar um produto estável.

 

“Vamos nos contentar com uma abordagem básica. Um mecanismo avançado geralmente será pilotado por pilotos mechas talentosos e experientes. Esses tipos de clientes se beneficiam mais de um impulso dos instintos do que de uma segunda opinião.”

 

Ele teve que se lembrar que apenas profissionais compravam e pilotavam seus mechas.

 

Depois de toda essa elaboração de teoria, Ves finalmente começou a trabalhar. Ele recostou-se na cadeira e passou o resto do dia elaborando as inspirações para a segunda versão de sua variante.

 

Ciente de suas prioridades, ele se concentrou principalmente em fortalecer os detalhes de seu desempenho em combate. O Legionário Romano se tornou um veterano corajoso de incontáveis ​​campanhas. Marco Antônio demoliu os gauleses sob a direção de Júlio César. Ves passou os olhos pelas partes onde não estavam em batalha.

 

Quando se tratou do cavaleiro híbrido, Ves parou por um momento. “Posso usar um objeto inanimado como imagem?”

 

Isso levantou outra questão interessante. Sem tentar, Ves não tinha ideia se era possível. De acordo com suas hipóteses anteriores, usar um escudo como inspiração regou a camada primária com instintos orientados para a defesa otimizados para o manuseio do escudo.

 

Usar um mecanismo para inspirar outro mecanismo parecia estranho. Ves teve a sensação de que a ideia era semelhante a perguntar se o ovo ou a galinha vinham primeiro. Isso representou outro enigma, especialmente quando a existência do Fator-X presumia que os mechas também viviam.

 

Por fim, Ves concluiu que não faria mal continuar a construir uma vida em torno de um cavaleiro híbrido. “Eu acho que todos aqueles designers de mechas apaixonados ao longo da história também devem ter imbuído seus designs dessa maneira. Pode até haver uma forma de profecia autorrealizável em ação, onde as características que os designers desejavam são realmente expressas em seus produtos.”

 

Isso explicava por que alguns designs como o César Augusto irradiavam auras fracas. Os designers mecânicos em questão permaneceram ignorantes quanto ao Fator-X, então eles nunca o aprenderam como Ves, que pelo menos alcançou o nível Incompetente em Metafísica.

 

“Provavelmente poderei avançar para o Aprendiz assim que testar todas as hipóteses.” Ves observou, ciente da possibilidade de trilhar novos caminhos. Em toda a galáxia, talvez apenas o criador do Sistema do Designer Mecha tenha trilhado esse caminho.

 

Ves tratou com cuidado a questão de construir uma imagem em torno do cavaleiro híbrido. Ele incorporou os elementos de defesa e ataque, mas seu foco principal era aumentar a sinergia entre o mecha e o piloto. Ambos eram indispensáveis. Se Ves teve que escolher um único conceito para incorporar seus pensamentos sobre o assunto, então foi a confiança.

 

O piloto confiou em sua máquina para ter o melhor desempenho e nunca vacilar.

 

O mecha confiava em seu piloto para conduzi-lo corretamente e tratá-lo com respeito.

 

Agora que Ves poliu as imagens em forma, ele começou a árdua tarefa de mantê-las em sua mente. Sua concentração aprimorada trabalhou horas extras tentando manter as imagens distintas em sua mente. Ele colocou as três fontes de inspiração no lugar e condensou-as em um feixe de intenção focada.

 

Ele conseguiu manter esse estado extenuante por uma hora, mas não mais. Ves teve que descansar sua mente para que pudesse recompor sua concentração desgastada. Isso levou pelo menos dez a quinze minutos.

 

“Parece que farei pausas regulares assim que começar as próximas fases.”

Aviso do Tradutor:

Kayle Kylian Kaido

Rolar para o topo